Análise de Modelos, Previsões e Alertas - Agosto 2010

Tópico em 'Seguimento Meteorológico' iniciado por Mário Barros 1 Ago 2010 às 08:35.

  1. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,479
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Regras deste tópico:
    ->Regras Análise Modelos, Previsão e Alertas
    ->Nota sobre a utilização dos dois tópicos de Previsões


    Aviso MeteoPT
    As análises, previsões ou alertas neste forum são apenas a opinião dos utilizadores que as proferem e são da sua inteira responsabilidade. Não são previsões ou alertas de entidades oficiais, salvo indicação em contrário, não devendo portanto ser usadas como tal.
    Para previsões, avisos e alertas oficiais, consulte sempre os produtos do Instituto de Meteorologia, Protecção Civil ou outras entidades com essa função.
     
  2. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,479
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Dez distritos em alerta devido ao calor

     
  3. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    --------------------------------------------------------------------------------

    Boas tardes

    ..........GFS/12z..........

    T0 a T+72h:

    Neste periodo teremos o AA centrado a NW da galiza, com Pmax na ordem dos 1030 a 1034hpa, sobre o centro sul da PI continua a presença da baixa térmica.
    Em altura temos o anticiclone centrado a SW da PI e a SE dos açores estendendo-se em crista para NE/NNE até perto da Irlanda.
    No mar do norte um cavado com vortice em altura embebido progride para SSE.
    A W dos açores uma ULL progride para NW/N, enfraquecendo gradualmente, ás 72h a ULL inverte o movimento para E/SE e inicia a interacção com o cavado que já se movimenta sobre frança.

    Neste periodo, teremos uma circulação moderada de N/NW, rodando para N/NE em superficie e NE nos niveis medios, assim sendo espera-se uma descida seguida de estagnação da T850 e da T2m para valores mais próximos aos valores médios, sendo que essa descida será mais acentuada no litoral a norte do cabo raso, onde poderá ocorrer precipitação fraca associada a nuvens estratiformes baixas .

    T+72h a T+144h:

    Neste periodo o AA enfraquece ligeiramente, mantendo-se a NW entre os açores e a escandinavia.
    Em altura o anticiclone desloca-se para S/SW dos açores, estendendo-se em crista até ao mar do norte.
    O cavado com vortice embebido mantem-se sobre frança estendendo-se para NW até á alemanha e para SW até ao golfo de biscaia.
    A ULL a N dos açores movimenta-se para SE interagindo com o cavado europeu.
    Sobre africa observa-se a restruturação da dorsal com a alta de niveis elevados a centrar-se sobre a argelia-marrocos.

    Neste periodo a ULL move-se para proximo da costa W portuguesa passando por um processo de absorção pelo cavado na europa á medida que se vai movimentando para SE e depois para ENE cruzando o quadrante norte da PI.
    O fluxo em superficie e nos niveis baixos é de NE rodando, especialmente durante a tarde e a sul do tejo, para o quadrante W, ocorrendo a entrada de uma massa de ar mais humida especialmente a sul.
    Em altura o fluxo é de W/SW ocorrendo a entrada de algum ar quente e humido sobre toda a PI.
    Espera-se neste periodo a manutenção de valores de temperatura um pouco acima da média.

    Tambem neste periodo, devido á divergencia em altura e á presença de forcings verticais é prevista uma gradual desestabilização da atmosfera com aguaceiros e trovoadas, especialmente durante a tarde e no periodo entre as 12z de dia 16 e as 12z de dia 17.

    T>144h:

    É provavel que o cavado que se extende entre a europa central e a PI se vá afastando para E/ENE procedendo-se a advecção de ar mais fresco de NW em todos os niveis, enquanto medida que a instabilidade diminui.

    Penso que não há um cenario defenido após as 168h...principalmente devido á resiliencia do bloqueio na russia e á fraca intensidade da dorsal atlantica...suponho que faria sentido uma nova incursão da dorsal atlantica sobre os açores estendendo-se sobre a europa ocidental e interagindo com a dorsal africana, com restituição do AA a N no que daria numa nova entrada quente, algures após dia 20.
    Mantenho esta ideia que já tenho referido varias vezes porque é para mim inevitavel a erosão do bloqueio russo na 2a metade do mês, esse factor levaria a uma reorganização do fluxo zonal nas latitudes acima dos 45/50ºN, com o posterior e gradual aumento de intensidade da baixa da islandia.
    Assim sendo a 2a metade do mês começaria com temperaturas mais amenas, sendo que estas tenderiam a subir á medida que a dorsal retomaria o dominio da eurpa W/SW e do mediterraneo W com a insurgencia da NAO+.
    Já nos ultimos dias do mês e durante setembro possivelmente, com a descida do jet teriamos as primeiras preturbãções a causar instabilidade.
    Apesar de tudo Setembro e Outubro teem vindo a mostrar um padrão cada vez mais NAO+...ou seja, serão meses tendencialmente secos..
     
    Collapse Signature Expand Signature
  4. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    Bons dias

    ..........GFS/ECMWF/00z..........

    Está-se a instalar um padrão interessante para os proximos dias...
    Após 5f teremos uma reactivação da actividade depressionaria no atlantico norte (e talvez da actividade tropical no atlantico tropical)
    A nivel macrosinoptico teremos, no atlantico a N dos 30ºN, a instalação de uma ondulção do jet quase até aos açores, entre uma crista com anticiclone em omega na gronelandia-canadá e outra, mais forte, entre a PI e a europa SW-mediterraneo.

    É uma nova insurgencia da NAO-:

    http://www.meteociel.fr/modeles/naef...38&mode=0&map=

    http://www.meteociel.fr/modeles/naef...=1&mode=0&map=

    http://www.meteociel.fr/modeles/naef...74&mode=0&map=

    http://www.meteociel.fr/modeles/naef...=1&mode=0&map=

    http://www.meteociel.fr/modeles/naefs_cartes.php?ech=174&code=1&mode=0&map=

    Este padrão resulta em boa parte da degradação crescente do bloqueio russo, que leva a intensificação do fluxo zonal.
    Eu achava, há dias, que haveria tambem uma insurgencia da dorsal, mas acontece que esta será empurrada para sul...

    Assim sendo teremos, até 5f/6f, a manutenção das actuais condições, apenas com alguma instabilidade a sul e no interior, devido a uma ULL, e com nevoeiros no litoral devido ao ar maritimo que se desloca sobre as aguas relativamente frescas.

    No fim de semana espera-se uma subida da temperatura com o regresso do fluxo de N ( tipico regime de brisas) no litoral, e o fluxo do quadrante leste no interior.
    E altura espera-se a rotação do vento para o quadrante sul/SE e depois, já na próxima semana, para S/SW.

    Devido á latitude do território este episódio de NAO- não deverá causar precipitações, pelo menos significativas, pois tanto em altura como em superficie o anticiclone deverá manter os sistemas frontais a N/NW com o storm-track entre o N dos açores e as ilhas britanicas...os sistemas frontais deverão rasar a galiza.
    Apesar de tudo seremos claramente afectados pela intrusão de ar tropical vinda de SW e que contorna o AA, estas massas de ar são arrastadas pelas baixas desde o atlantico tropical a S dos açores ( pluma tropical ou WCB) sendo depois dispersas sobre a europa W/SW regressando para sul no bordo este do AA.

    Espero que após 6f regresse o calor com as temperaturas acima da média ( maximas entre os 26-30 no litoral NW e os 37-41 no interior alentejano com muitas minimas tropicais), mas depois talvez as temperaturas descam um pouco durante a 2a metade da semana, mas principalmente as maximas e a norte do tejo/mondego.

    No longo prazo ( para lá das 180-240h) há uma certa teimosia nos modelos em colocar a dorsal a reforçar-se sobre nós, com nova entrada quente, enquanto no atlantico W ( a W dos açores) se formaria outra ondulação do jet, onde se formariam massivos sistemas extratropicais alimentados por calor tropical vindo de S ou até mesmo sistemas tropicais em decadencia ( resultante deste periodo de reactivação).
    Esta tendencia no longo prazo levaria á deslocação do storm track tal que este passaria a situar-se entre o NE dos estados unidos e a islandia/escandinavia, com a dorsal na europa SW, levando á manutação do tempo quente na PI, com fluxo de E em superficie e S ou W em altura.



    De resto não espero nada de muito significativo ( pelo territorio continental)...apenas calor e hipoteses de convecção devido ao aquecimento diurno/humidade disponiveis e á divergencia em altura..apesar do shear ser de modo geral fraco e tambem haver pouco frio em altura:thumbsup:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  5. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,479
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Temperaturas voltam a chegar perto dos 40 graus
     

Partilhar esta Página