Avião da Air France com 231 pessoas a bordo desaparece dos radares

Tópico em 'Off-Topic' iniciado por Gerofil 1 Jun 2009 às 12:24.

  1. Vince
    Staff

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,805
    Local:
    Braga

    Não entendo a relação disso com este tópico. Se calhar desconheces que o Fossett acabou por ser encontrado um ano depois do desaparecimento ...
    Alguns pertences e restos mortais de James Stephen Fossett foram encontrados em Setembro do ano passado e positivamente identificados por DNA: http://news.bbc.co.uk/2/hi/americas/7707397.stm

    Mas como disse, não entendo aonde queres chegar e que é que isso tem a ver com este acidente.
     
    #31
  2. Gerofil Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    7,474
    Local:
    Portugal

    Quero deste modo pedir desculpas publicamente, a todos os familiares das vítimas e leitores do Fórum, por eu próprio ter introduzido neste tópico a notícia acima referida, entretanto já formalmente desmentida (ler aqui).
    Lamento o jornalismo praticado pelo Jornal de Notícias referente a esta tragédia, nomeadamente o modo abusivo como trata informação tão sensível; infelizmente é ainda um tipo de jornalismo praticado em Portugal e ao qual é necessário não dar cobertura.
    As minhas sinceras desculpas pelo facto.
     
    #32
  3. vitamos
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,311
    Local:
    Coimbra

    Grave foi terem "criado" a noticia sem confirmação e entregue aos media. Qualquer um de nós consultando um meio informativo, poderíamos ter divulgado a notícia (por mais estranha que fosse) neste fórum, uma vez que estávamos a fazer o acompanhamento de toda a informação que ia saindo. Como em todos os acontecimentos existem as notícias verdadeiras e as falsas... é normal.
     
    #33
  4. Mário Barros
    Staff

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,136
    Local:
    Queluz ou Cavaleira (Sintra)

    Hackers espalham vírus com supostas fotos da queda de avião

    O acidente que envolveu o voo 447 da Air France, que viajava de Rio de Janeiro a Paris e caiu perto das ilhas de Fernando de Noronha, está a ser utilizado por hackers em mensagens de spam que prometem fotos dos destroços

    A táctica é semelhante à de outros casos, em que os cibernautas recebem mensagens de e-mail que prometem fotografias e vídeos de acontecimentos trágicos ou com celebridades.

    Desta vez os responsáveis afirmam que têm imagens dos destroços da aeronave, captadas por um site francês.

    Na mesma mensagem é apresentado um link para uma lista das pessoas que se encontravam a bordo, que esconde malware.

    Tal como em situações semelhantes, as fabricantes de anti-vírus aconselham a não abrir e apagar mensagens deste tipo enviadas por contactos desconhecidos.

    ---------

    Afinal as fotos andam aí...são é falsas.
     
    #34
  5. vitamos
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,311
    Local:
    Coimbra

    Vamos a ver se colocamos aqui um ponto de ordem... Isto é misturar alhos com bugalhos:

    1 - Esta notícia não é sobre fotos, é sobre malware! O link ao ser clicado transmite o virus... Seja sobre fotos, gelados de baunilha ou massajadores faciais!

    2 - Foram encontrados destroços do avião. Confirmado por fontes oficiais. Vão ser trazidos para terra. Daqui a umas horas poderás tu e todas as pessoas observá-los.

    Isto só para dizer que já basta a contra informação, a notícia vergonhosa do JN e todo o alarido sobre os acidentes de aviação que os media têm feito! Este assunto não é uma brincadeira, mas também não passa de uma tragédia aérea que infelizmente pode e vai ocorrendo ciclicamente ao longo dos anos... Porque nenhum meio de transporte é, infelizmente, 100% seguro.
     
    #35
  6. Vince
    Staff

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,805
    Local:
    Braga

    Já é uma "tradição" todos os acidentes de avião ou outros eventos de grande impacto envolverem fotos e teorias falsas enviadas por email com malware ou viroses. Quando são acidentes de avião a maioria das vezes são fotografias da série de televisão «Lost», que qualquer pessoa com um mínimo de inteligência detecta como cinematográficas.

    Mas a avaliar pela forma como estes emails se difundem tão rapidamente à escala global, a inteligência é infelizmente um bem escasso. Vai no sentido de outras discussões que temos tido aqui, da incapacidade crónica de muitas pessoas avaliarem o que lhes chega aos emails ou lêem em sites, tomando como verdade mesmo aquilo que é toscamente falsificado ou rebuscadamente contado. O que levanta uma natural preocupação, se é assim com coisas facilmente desmontáveis, o que será com desinformação habilmente fabricada, não admira que o poder e a politica aqui e em qualquer outro país seja hoje em dia toda assente em propaganda.

    Relativamente ao JN, o que se passou é grave e deveria merecer um pedido de desculpas público e formal do Jornal e merecedor de um inquérito interno para apuramento das responsabilidades. Suponho que a origem tenha sido o correspondente brasileiro do jornal. Na altura obviamente suspeitei que aquilo era disparate, e ainda mais estranhei não existir mais nenhum meio de comunicação social internacional a falar do assunto a quando da publicação pelo JN . O que se passou depois disso é grave, a notícia alastrou pelo mundo tendo como origem o JN. Não é algo que um jornal sério como o JN se possa orgulhar.
     
    #36
  7. Snifa Cumulonimbus

    Registo:
    16 Abr 2008
    Mensagens:
    4,969
    Local:
    Porto-Marquês Altitude:145 m

    Esta notícia é sobre mails de spam/malware disfarçados e que neste caso prometem mostrar fotos do acidente...é apenas mais uma forma de tentar espalhar virus..e que penso que o Mário fez bem em alertar sobre mais esta forma de terrorismo cibernético aproveitando-se da tragédia...

    Se querem ver as fotos dos destroços vejam em sites de notícias específicos ou na televisão...quando elas estiverem disponíveis....não abram mails a dizer que teem fotos do acidente....
     
    #37
  8. Snifa Cumulonimbus

    Registo:
    16 Abr 2008
    Mensagens:
    4,969
    Local:
    Porto-Marquês Altitude:145 m

    Airbus seguiria a velocidade errada

    11h32m

    JN

    O Avião da Air France seguiria a uma velocidade desadequada para as condições meteorológicas estimadas na altura do desaparecimento.


    foto: Ministério da Defesa do Brasil:

    [​IMG]

    A fotografia, tirada a bordo de uma dos aviões que participam nas buscas, mostra uma mancha de óleo no mar


    A Airbus deverá emitir, esta quinta-feira, uma nota com recomendações sobre a velocidade a manter em caso de mau tenmpo. A recomendação, aprovada pelo Bureau d'enquêtes et d'analyses (BEA), que investiga o desaparecimento do voo 447 da Air France, destina-se às companhias que viajam com o aparelho bi-reactor A330.

    Segundo a edição online do jornal francês "Le Monde", que cita fonte próxima da investigação, o construtor pretende "relembrar que, em caso de condições meteorológicas difíceis, devem manter a potência dos reactores e assumir as medidas correctas para manter o avião nivelado.

    Ainda de acordo com o "Le Monde", uma "cadeia de eventos catastróficos conduziu à desintegração em voo" do Airbus A330 da Air France, como "testemunham as mensagens emitidas automaticamente pelo aparelho nos últimos minutos de voo". Tragédia do Airbus durou quatro minutos

    Uma perspectiva em linha com a opinião de Robert Francis, antigo vice-presidente do Comité de Transportes e Segurança a Bordo dos EUA. "Os pilotos que voam naquela zona estão muito atentos ao radar e estão muito, mas muito conscientes do estado do tempo", disse.

    Em declarações ao programa "360" de Anderson Cooper, na CNN, Robert Francis disse que "os ventos muito fortes não são incomuns" na zona onde desapareceu o avião da Air France, ao lado da ilha de Fernando Noronha. "É muito difícil determinar onde o avião se partiu", acrescentou aquele especialista.

    O ministro brasileiro da Defesa, Nelson Jobim, afirmou hoje que a presença de óleo no mar onde foram encontrados destroços do Airbus da Air France pode indicar que não houve explosão antes da queda.

    "Se temos mancha de óleo é porque o óleo não foi queimado", disse o ministro durante uma conferência de imprensa em Brasília.

    Jobim afirmou não haver mais qualquer dúvida sobre o local do acidente, que ocorreu perto do Arquipélago de São Pedro e São Paulo, próximo à cordilheira meso-atlântica, cuja origem está relacionada com a dinâmica tectónica das placas sul-americana e africana.


    Fonte:http://jn.sapo.pt/PaginaInicial/Mundo/Interior.aspx?content_id=1253580
     
    #38
  9. Vince
    Staff

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,805
    Local:
    Braga

    Os dados disponíveis já permitem reconstruir parte do que se passou nos últimos minutos.

    Já sabemos que ele se meteu numa célula tramada que estava na rota pré-definida com updrafts estimados em 160km/h. A última comunicação manual foi o piloto a dar conta de voar numa zona de células. Dez minutos depois iniciava-se uma longa sequência de mensagens automáticas dando conta de todo o tipo de falhas nos sistemas do avião. A última mensagem foi de despressurização e falha eléctrica total. Uma vasta área com destroços em locais ainda distantes mostra uma provável desintegração em voo, e a existência de óleo/combustíveis na água pode indiciar que não foi uma explosão em voo mas uma quebra estrutural.



     
    #39
  10. ferreirinha47 Cumulus

    Registo:
    12 Jan 2009
    Mensagens:
    205
    Local:
    figueiras 179m / Leiria

    Boas tardes, só uma achega, de tudo o que tenho acompanhado sobre este acidente, parece-me que o site do jornal brasilerio "o globo" é o que melhor faz o acompanhamento da informação . Mas é so uma opinião minha.
     
    #40
  11. Gerofil Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    7,474
    Local:
    Portugal

    A330 tem precedentes de falhas elétricas

    Uma sigla tão estranha quanto o acidente com o A330-200 da Air France pode ajudar os investigadores a elucidar o desastre: ADIRU (sigla em inglês para Air Data Inertial Reference Unit). Trata-se de um computador que fornece aos pilotos e aos sistemas eletrônicos do avião informações como velocidade, direção e altitude.
    Em dois voos com A330 da companhia australiana Qantas, no ano passado, o aparelho falhou, colocou em risco as pessoas a bordo e gerou um alerta da Agência Europeia para a Segurança da Aviação (EASA, em inglês) para que pilotos alterassem procedimentos. Na noite de domingo, o voo 447 da Air France enviou automaticamente uma mensagem de falha elétrica, mas a companhia francesa ainda não informou se ela diz respeito ao ADIRU.
    Por questões de segurança, o A330 é equipado com três equipamentos desse tipo. A precaução, porém, não evitou os casos registrados com a Qantas. No primeiro, em outubro, a falha ocorreu em altitude de cruzeiro, durante mau tempo, e quase provocou um desastre. O avião levava 313 pessoas de Cingapura para a Austrália.
    Uma hora após a decolagem, o ADIRU 1, usado pelo piloto, passou a registrar informações erradas, mostrando que o avião estava em um ângulo diferente do real. A informação, repassada para os sistemas eletrônicos de bordo, fez com que a própria aeronave tentasse consertar o problema, provocando um mergulho brusco.
    Os aviões da Airbus têm um sistema chamado fly-by-wire no qual o piloto nem sempre pode fazer o que quer: a intenção é impedi-lo de inadvertidamente executar manobras bruscas. Ocorre que, pelo mesmo sistema, o próprio computador pode realizar uma manobra para tentar colocar o avião de volta no rumo, baseado em dados que, no caso de uma pane, podem estar errados.
    No incidente de outubro com o A330 da Qantas, o piloto pensou que o problema se resolveria se desligasse o ADIRU 1 e acionasse o sistema de backup. No entanto, mesmo com o ADIRU 1 desligado, a falta de sincronia entre os três sistemas fez com que o sistema computadorizado da aeronave continuasse interpretando dados equivocados e desobedecendo comandos da tripulação, chegando a mergulhar uma segunda vez.
    Piloto e co-piloto, porém, conseguiram fazer um pouso de emergência. Trinta e seis passageiros e membros da tripulação ficaram feridos, 12 deles com gravidade. Ainda não se sabe o motivo da falha no sistema ADIRU, mas uma das hipóteses é de interferência eletromagnética causada por raios e tempestade. Há informações de que o voo da Air France no domingo também tenha atravessado mau tempo.
    No segundo incidente da Qantas, em dezembro, na rota inversa, também com um A330, a falha no ADIRU 1 provocou a desconexão do piloto automático e um pouso de emergência sem feridos. Em razão dos dois episódios, a EASA lançou um alerta em janeiro deste ano recomendando aos pilotos de A330 e A340 para, em caso de falha no ADIRU, não apenas desligá-lo, mas desconectá-lo da fonte de energia, para que o sistema do avião não seja afetado por informações desencontradas entre os três computadores.
    Ontem, circulava em fóruns de especialistas em aviação na internet suspostos detalhes das mensagens enviadas pelo voo 447 da Air France antes de desaparecer. Os sinais emitidos dizem que o piloto automático teria sido desconectado, e o avião, descido bruscamente. As mensagens não foram confirmadas pela companhia.

    Zero Hora

    'Nada de anormal' no voo da Lufthansa próximo ao Rio-Paris da Air France

    Os pilotos de um voo da Lufthansa realizado na mesma noite e em uma zona próxima à do acidente com o avião da Air France entre o Rio de Janeiro e Paris não notaram "nada de anormal" no trajeto, indicou nesta quinta-feira à AFP um porta-voz da companhia aérea alemã. "Os três pilotos do voo LA507 consultados pela companhia declararam de forma unânime que não haviam notado nada de anormal, nada chamativo" sobre as condições meteorológicas durante seu trajeto, vizinho ao da linha Rio-Paris, declarou um porta-voz da Lufthansa.
    O avião da Lufthansa, um Boeing 747-400 com cerca de 300 passageiros a bordo, decolou no domingo, 31 de maio, às 18h36 locais de São Paulo e aterrissou na segunda-feira em Frankfurt (oeste da Alemanha), como previsto, às 10h57 locais (05h57 de Brasília), acrescentou o porta-voz. Dois aviões da Lufthansa se encontravam nas imediações da zona do voo Rio-Paris meia hora antes do desaparecimento deste dos monitores dos radares, segundo o site da BBC, que cita a agência meteorológica das Nações Unidas.

    AFP

    Un piloto dice que vio caer un 'destello de luz blanca' donde desapareció el avión francés

    "De repente, observamos en la lejanía un fuerte e intenso destello de luz blanca que tomó una trayectoria descendente y vertical que se desvaneció en seis segundos". Éste es el mensaje que el comandante del vuelo 974 de Air Comet, que cubría Lima-Madrid a la misma hora que desapareció el Airbus de Air France, reportó a su compañía.
    Atendiendo al informe remitido por el piloto, "sobre las 01.15 UTC [horario solar que emplean todos los aviones] del día 1 de junio, volando en cielo claro a FL350 [35.000 pies] se observaban tormentas con actividad eléctrica al este de nuestra posición". El vuelo, en cuestión, despegó de Lima a las 22.25 horas (hora española). "Al llegar a las inmediaciones de Cayenne [en la Guayana francesa], nos encontramos unas formaciones nubosas de gran actividad y desarrollo que nos obligaron a desviarnos unas 30 millas [unos 60 kilómetros] al este de la ruta", informó el comandante a la aerolínea. No obstante, antes de realizar esta operación, el comandante pidió autorización a la estación de control aéreo de Cayenne, que dio el visto bueno, según apunta el piloto en su reporte, dando vía libre para que la aeronave se dirigiese a otro punto situado entre las bases de control de Cayenne y Piarco.
    Siete grados al norte del ecuador - En el momento del avistamiento, que también vieron el copiloto y una pasajera familiar de la tripulación que se encontraba en la cocina delantera del avión, la aeronave de Air Comet estaba a siete grados al norte del ecuador y en el meridiano 49 oeste. La ubicación estimada para el A-330-203 en el momento de su desaparición es en el ecuador y en torno al meridiano 30 oeste. "Por coincidencia de la hora y lugar, pongo en su conocimiento estos hechos por si fuesen de utilidad en el esclarecimiento de lo sucedido", continúa el informe del piloto a la compañía.
    Asimismo, el comandante llamó también la atención sobre la falta de socorro por parte del avión siniestrado. "No se escuchó ninguna comunicación en frecuencia de emergencia o aire-aire antes ni después de este suceso".
    Una de las hipótesis es que el piloto perdiese el control por los fallos en los equipos de navegaciónLos aviones que cubren vuelos transoceánicos disponen de un sistema de radio de emergencia ('emergency locator') que les permite escuchar cualquier 'mayday' de otro avión por usar la misma frecuencia. Es más, todas las radios de emergencia suelen estar abiertas en vuelo. Nuevamente, se confirma que una situación imprevista se apoderó del Airbus e impidió, incluso, que la tripulación pudiese lanzar una llamada de socorro.
    Este periódico se puso en contacto con Air Comet para confirmar la información reportada por uno de sus comandantes. La aerolínea ratificó los datos y explicó que ya los ha puesto en conocimiento de la Dirección General de Aviación Civil española, así como del fabricante del avión (Airbus) y de la propia Air France.
    Los seis últimos mensajes de alarma emitidos desde el Airbus al centro de mantenimiento de Air France, en París, en apenas cuatro minutos, también sacan a colación uno de los fenómenos que ha motivado los últimos accidentes de avión en ruta. Se trata de las llamadas situaciones upset, calificadas de muy peligrosas por los pilotos. En estos casos, el piloto pierde el control de la aeronave por fallos en los equipos de navegación del avión, conocidos como inerciales –son los que se usan para navegar–, a causa de graves turbulencias. El aparato adopta una posición no deseada (anormal), que lo hace ingobernable para el comandante, hasta el punto de que se enrosca, gira sobre sí mismo y cae.

    El Mundo.es
     
    #41
  12. Gerofil Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    7,474
    Local:
    Portugal

    Destroços recuperados pela Marinha não são do Airbus

    Os destroços recuperados nesta quinta-feira pela Marinha do Brasil não pertencem ao Airbus da Air France que desapareceu sobre o Atlântico, revelou o brigadeiro Ramon Cardoso, diretor do departamento de Controle do Espaço Aéreo da Aeronáutica.
    "Não havia pallets de madeira neste voo. Não faziam parte da aeronave", disse o brigadeiro sobre a peça de madeira (utilizada para acomodação de cargas) recolhida na tarde de hoje no mar. "Até o momento, nenhum pedaço da aeronave (da Air France) foi recuperado", destacou o brigadeiro Ramon Cardoso. O brigadeiro afirmou ainda que o óleo encontrado hoje também não é do Airbus. "O óleo que encontramos hoje não é de avião, é de navio. Era óleo, não querosene".

    AFP
     
    #42
  13. Gerofil Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    7,474
    Local:
    Portugal

    #43
  14. Snifa Cumulonimbus

    Registo:
    16 Abr 2008
    Mensagens:
    4,969
    Local:
    Porto-Marquês Altitude:145 m

    Só não se entende como afirmam num dia que os destroços são do Airbus e no dia seguinte já não são....:disgust:

    Se não teem certezas não afirmem!:disgust:

    Isto para mim só aguça ainda mais o mistério..... para um avião relativamente grande ....nesta altura não era já de se terem encontrado alguns destroços? Não estamos a falar propriamente de uma avioneta....

    Uns dizem que os destroços são de um barco....outros de outro avião....:huh:

    enfim grande confusão que para aqui vai....:disgust:

    Tanta contra informação neste assunto...:disgust:
     
    #44
  15. algarvio1980 Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    6,070
    Local:
    Olhão (24 m)

    O enigma continua se ontem os destroços eram do Airbus, hoje já não são:confused:, desde de 2ªfeira que o mistério e o drama deste voo continua, mesmo muito estranho, uma tragédia que impressiona e ao mesmo tempo causa emoção porque a principal razão é: Onde se encontra o avião? Resposta: Algures no Atlântico.:confused:
     
    #45

Partilhar esta Página