Bush propõe nova iniciativa de redução de emissões

Tópico em 'Media' iniciado por Gerofil 31 Mai 2007 às 21:52.

  1. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    8,554
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    O presidente norte-americano George W. Bush propôs um novo ciclo de negociações com as grandes economias mundiais visando fixar um "objectivo mundial a longo prazo" de luta contra o aquecimento global. Bush indicou que discutirá esta "nova iniciativa", com o objectivo também de reduzir as emissões de gases com efeito de estufa a partir de 2012, na próxima semana, na cimeira dos países industrializados, na Alemanha, onde a chanceler Angela Merkel fez do aquecimento global uma das suas prioridades.
    "Os Estados Unidos vão trabalhar com outros países para estabelecer um novo quadro para as emissões de gases com efeito de estufa quando expirar o protocolo de Quioto, em 2012", disse Bush, num discurso em Washington. Os Estados Unidos terão uma série de reuniões com os principais países emissores de gases com efeito de estufa, "incluindo os países de crescimento económico rápido, como a Índia e a China", afirmou.
    O presidente norte-americano pretende que os 15 países que mais contaminam o ar no mundo se reunam e determinem, até finais de 2008, uma meta de emissões de gases com efeito de estufa. A administração Bush recusara-se até agora a aceitar limites às emissões de gases contaminantes, como os definidos pelo protocolo de Quioto, apontando ao contrário a evolução tecnológica como solução para o problema. O plano apresentado hoje por Bush incide nesse aspecto, propondo a eliminação das barreiras alfandegárias que dificultam a difusão de tecnologias "limpas".
    Para preparar o acordo, a Casa Branca convocará para uma reunião, no final do ano, em Washington, 14 países que, juntamente com os Estados Unidos, são responsáveis por 80 por cento da contaminação no mundo. Nessa lista figurarão provavelmente a China, Índia, Brasil, Austrália, África do Sul, México, Coreia do Sul, Rússia e as principais economias europeias.

    Lusa
     

Partilhar esta Página