Castro laboreiro, casas de inverno e verão

Tópico em 'Eventos Meteorológicos' iniciado por Mário Barros 18 Jul 2014 às 23:20.

  1. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,479
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Hoje por uma reportagem na SIC fiquei a saber algo que desconhecia acerca do pessoal que vive em Castro Laboreiro (Melgaço, Minho), desconhecia que os habitantes da Serra da Peneda tivessem casas de verão e casas para inverno, pelo pouco que entendi (não consegui ouvir bem) terá a ver com a neve e o frio que faz em altitude no inverno o que também prejudica as pastagens, e no verão dá-se o inverso, o pessoal vem de baixo para cima em altitude para estar mais fresco.

    Alguém consegue esmiuçar melhor esta questão ? Fiquei com curiosidade :D.
     
  2. MeteoAlentejo

    MeteoAlentejo
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    20 Jan 2011
    Mensagens:
    2,305
    Local:
    Serpa
    Isso é chamado de "Transumância"
     
  3. camrov8

    camrov8
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Set 2008
    Mensagens:
    2,036
    Local:
    Oliveira de Azeméis(278m)
    E efectivamente transumância e era muito frequente em quase todas as serras do país, não era tanto pelo calor mas pela qualidade dos pastos. No inverno crescem melhor em altitudes baixas e é ai que ficam os animais no verão é o oposto e os rebanhos sobem a serra. Acontecem por todo o mundo, em Espanha há uma transumâcia muito famosa onde os animais atravessam o centro de Madrid
     
  4. Minho

    Minho
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2005
    Mensagens:
    4,091
    Local:
    Melgaço
    As povoações de verão são as Brandas, onde se vive 9 meses, e as utilizadas no inverno são as Inverneiras, onde se vive os outros 3 meses.

    É uma transumância com um carácter muito especial. Digamos, uma transumância levada ao extremo, porque tudo, absolutamente tudo, mudava de um lugar para o outro, famílias, animais domésticos, recheio da casa, etc. Em tempos remotos, em alguns casos, até a porta da casa era transportada. A professora/professor primário também acompanhava este deslocamento.
    Hoje em dia este costume ainda se mantém em algumas famílias, mas apenas transportam a roupa e pouco mais. Fazem-no mais por tradição, por terem o costume enraizado, do que por obrigação.

    O grande geógrafo e historiador Orlando Ribeiro chegou a escrever sobre este tema.

    http://www.academia.edu/6875449/_Brandas_e_Inverneiras_o_nomadismo_peculiar_de_Castro_Laboreiro_

    https://www.youtube.com/watch?v=yg4txWUUU00

    http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=534601&tm=8&layout=122&visual=61
     
    Collapse Signature Expand Signature
    Mário Barros, Cadito e CptRena gostaram disto.

Partilhar esta Página