convecção em portugal, a nortada.

Tópico em 'Climatologia' iniciado por stormy 21 Mar 2010 às 17:55.

  1. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    em portugal há três tipos de convecção, a convecção frontal, convecção de origem em cutt-off e convecção por aquecimento de superficie.
    estes três tipos distribuem-se de maneira não homogenea pelo pais, no litoral norte, a norte do cabo raso, predomina a convecção frontal ou com origem em baixas atlanticas, no interior, a distancias superiores a 20-40km da costa, predomina a convecção de origem termica e as cutt-off´s , já no litoral a sul do cabo raso, predomina a convecção com origem em cut-off´s e as com origem em depressões "tropicalizadas".
    tambem a distribuição sazonal varia com os episodios convectivos a predominarem na estação quente no sentido NW-SE.

    a nortada é um fenomeno tipico do nosso pais, sendo mais significativa no litoral ( portuguese trade winds), esta ocorre com maior frequencia e intensidade na estação quente, com o AA a W ou NW e baixa termica no centro sul da peninsula.
    o padrão tipico de ventos varia com o evoluir do dia e com o gradiente termico litoral-interior, de noite ou nos periodos de fraca radiação, entre as 19h e as 9h, o litoral tem temperaturas que tendem a ser similares ao interior, sem gradiente horizontal o vento costuma ser de NE, nos restantes periodos, mais quentes, o vento tende a rodar para NW.
    esta variação diurna da circulação nos niveis baixos ( já que em altura o gradiente é fraco por o ar não estar em contacto directo com a superficie quente/fria), gera algo que eu apelido de "frente de nortada".

    [​IMG]

    a interacção que este comportamento do vento na area costeira desenvolve com a convecção que se desenrola em portugal nos meses quentes resume-se ao facto da frente comportar-se como uma pequena frente fria causando um forcing vertical que leva á ascensão do ar quente do interior.
    neste aspecto a nortada é um mecanismo de disparo convectivo.
    por outro lado, se a intrusão fresca afectar a trovoada directamente destroi-na pelo facto de o ar mais fresco nos niveis baixos criar uma inversão em superficie ( abaixo dos 850hpa) que corta o fluxo de ar quente ascendente que alimentava o sistema convectivo.
    um possivel cenario ás 16h:
    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. Chingula

    Chingula
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    16 Abr 2009
    Mensagens:
    326
    Local:
    Lisboa

    Concordo quando se associa o regime de nortada no litoral oeste de Portugal Continental, com a depressão térmica típica dos meses de Verão, na Península Ibérica, já discordo quando se afirma "...a nortada é um mecanismo de disparo convectivo.", pois o que caracteriza a depressão térmica é o facto de se restringir aos níveis muito próximos da superfície, a descompressão é unicamente devida ao forte aquecimento diurno. Em altitude, nos níveis imediatos, uma inversão de temperatura indica a subsidência associada a anticiclone ou crista anticiclónica, o que contraria o desenvolvimento da convecção...quando no Verão ocorrem trovoadas elas estão associadas à chamada gota fria em altitude, ou seja uma depressão ou vale depressionário em que o gradiente térmico na vertical, é favoável à convecção.
    Na frente de brisa as nuvens que eventualmente se formam estão associadas à camada turbulenta, como o segundo gráfico documenta, não ultrapassando em altura, a base da inversão de temperatura.
     
  3. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    boas, chingula:)
    quando afirmo que a nortada é um mecanismo de disparo, refiro-me á frente de brisa;).
    a depressão termica, como dizes, restringe-se a niveis baixos, geralmente não ultrapassando os 2000m, e, só por si não leva á convecção ( tomemos o exemplo das depressões termicas saarianas), mas quando refiro que a frente de brisa tem uma componente de disparo, quero dizer que essa frente causa fenomenos convectivos ou estimula a subida da massa de ar de niveis baixos podendo ou não romper a inversão causada pela subsidencia nos niveis altos e medios.
    no caso de uma forte dorsal, situação comum no verão ( J-S), a frente por si não gera trovoadas mas auxilia o desenvolvimento de cumulus humilis, tendo um efeito notorio.
    em caso de uma fraca dorsal ou de cavado, a frente auxilia a convecção e pode facilitar a ascensão de ar quente até á free convective layer.
    acontece que a massa de ar fresco de niveis baixos, ao penetrar mais no interior, acaba por destruir a convecção ou o desenvolvimento de nebulosidade associada as correntes termicas, dando-se a estabilização.
    :thumbsup:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  4. Chingula

    Chingula
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    16 Abr 2009
    Mensagens:
    326
    Local:
    Lisboa
    Gostaria de acrescentar que para além dos centros de acção ou sistemas sinópticos a condicionar as condições meteorológicas, é fundamental o grau de estabilidade da massa de ar em presença...
    Massa de ar estável - não permite convecção
    Massa de ar condicionalmente instável - apenas em certas condições se tornará instável.
    Massa de ar instável - Condições para a convecção cuja intensidade poderá ser maior ou menor conforme o gráu de instabilidade...(tem a ver com o teor de húmidade, gradiente térmico na vertical, CAPE - energia disponível para a convecção e CIN - parâmetro inibidor da convecção,...).
    A orografia desempenha também um papel muito importante no reforço ou na inibição da convecção.
     
  5. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    Collapse Signature Expand Signature
  6. Relâmpago

    Relâmpago
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Mai 2007
    Mensagens:
    584
    Local:
    Lisboa (80m)
    Desde novo que estudo visualmente o desenvolvimento de trovoadas de verão na região adjacente a Lisboa.
    No início da tarde, quando existe convecção térmica e com a ajuda de uma bolha de ar frio em altitude, começam a aparecer cúmulus que gradualmente se transformam em cumulonimbus. O vento e as nuvens vêm de leste. Se não houver o aparecimento de nortada, a trovoada acaba por atingir Lisboa em plenitude.
    Se, ao contrário, aparecer nortada, a trovoada dissipa-se perto de Lisboa.

    Curiosamente, estas trovoadas costumam atingir sempre o litoral a sul da foz do Tejo a partir do interior.
     
    #6 Relâmpago, 23 Ago 2016 às 15:39
    Última edição: 23 Ago 2016 às 16:24
    rafathunderstorm e Dias Miguel gostaram disto.

Partilhar esta Página