Dinamica de sistemas depressionarios

Tópico em 'Aprendizagem e Formação' iniciado por stormy 4 Fev 2009 às 14:33.

  1. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    tenho algumas duvidas.
    como se forma um sistema depressionario? é quando o ar quente começa a ascender e a criar baixa pressao á supreficie?
    o ar diverge em altura no centro de um sistema depressionario mas tambem cria uma area de alta pressao em altura?
    e num furacao o ar desce no centro criando bom tempo mas como é possivel essa descida com tao baixa pressao?
    nos furacões formam-se campos de altas pressoes em altura ( acima do furacao) mas como se forma esse campo de alta pressao?
    o furacao alimenta-se do ar que faz a sua advecçãoda vizinhança para o centro ou do ar que desce pelo centro e que aquece e fica humido ao entrar em contacto com as aguas quentes? ou as duas coisas?
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. psm

    psm
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    25 Out 2007
    Mensagens:
    1,509
    Local:
    estoril ,assafora
    Collapse Signature Expand Signature
  3. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    já estive a ler mas o que lá vem já eu sabia ( quase tudo):(:unsure:
    tenho duvidas acerca dos movimentos do ar nas celulas atmosfericas ( nao sei bem o nome tecnico que lhes dao) e da dinamica das depressoes e furacoes ( como o ar se move e como as depressoes interagem com os anticiclones):unsure::( e assim ficava guardado no forum para futuros interessados :thumbsup:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  4. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Isso tudo é bastante complexo de explicar, tens um tópico cheio de links para sites onde está tudo e mais alguma coisa:
    -> Meteorologia - Cursos, Livros e Manuais (online)


    Mas muito resumidamente, usando o exemplo da ciclogénese que o GFS está a prever no Atlântico nos próximos dias:

    Para começar precisas de uma uma superfície frontal estacionária que separa o ar polar frio do ar subtropical mais quente e húmido. Quanto maior o contraste maior os gradientes térmicos e consequentemente as deformações do campo horizontal e vertical do vento, maior potencial tem a ciclogénese. A frontogénese só por si gera baixas em superfície. Vê no tópico que referi também há links para a frontogénese, para perceber a ciclogénese convêm perceber a frontogénese e os diversos modelos conceptuais da mesma.

    [​IMG]


    A seguir precisamos de uma ondulação com a passagem de um cavado

    [​IMG]

    Ao longo da onda temos o Jet que neste caso quando curva para a esquerda desacelera abruptamente criando forte divergência nos niveis altos e convergência nos baixos por défice de ar, cavando a depressão. Vê este tópico que o Minho uma vez fez onde explica melhor a aceleração e desaceleração do Jet e a convergência/divergência.

    [​IMG]

    Quanto à ciclogénese tropical, isso é outro mundo, vê o tópico referido em cima que também tem uma mensagem que linka para um manual sobre ciclogénese tropical que é radicalmente distinta da extra-tropical.
     
  5. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    :thumbsup::thumbsup::thumbsup:
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página