Explosão Estelar em 1204 detectada pelo Hubble

Tópico em 'Astronomia' iniciado por criz0r 26 Out 2009 às 14:46.

  1. criz0r

    criz0r
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Abr 2008
    Mensagens:
    1,679
    Local:
    Almada - Cova da Piedade (Altitude: 25m)
    Há exactos 985 anos, em 1024, um forte e estranho brilho no céu foi testemunhado por astrónomos árabes e chineses. Seu fulgor era tão forte que podia ser visto até mesmo durante o dia e por diversas semanas permaneceu intenso no firmamento. Naquele tempo ninguém podia imaginar, mas o violento clarão era o resultado de uma poderosa explosão estelar, hoje chamada de nebulosa do Caranguejo.
    Os primeiros vestígios da explosão só foram vistos novamente em 1751, mas seu estudo aprofundado só ocorreu no final da primeira metade do século 20 quando os astrónomos confirmaram que a nebulosa era o restante da explosão de uma estrela, uma super nova. Esse foi o primeiro objecto astronómico identificado com uma explosão desse tipo.

    Localizada na constelação de Touro, a 6300 anos-luz da Terra, a Nebulosa do Caranguejo tem um diâmetro de 11 anos-luz e se expande rapidamente à taxa de 1500 quilómetros por segundo. Em seu centro se localizam dois núcleos muito pequenos, sendo que um deles é o responsável pela existência da nebulosa e é o núcleo activo da outrora gigantesca estrela. Girando a 30 revoluções por segundo, o poderoso núcleo de menos de 30 km de diâmetro - chamado estrela de neutrões - emite intensos feixes de ondas electromagnéticas em diversos comprimentos de onda, principalmente raios-x e raios-gama.

    Nesta imagem, feita pelo telescópio espacial Hubble, vemos a intrincada rede de misteriosos filamentos que compõe a nebulosa. Além de tremendamente complexos, os filamentos aparentam terem menos massa do que aquela que foi expelida durante a explosão. O brilho dos filamentos e do material estelar é provocado pelo intenso bombardeio de raios-gama e raios-x, que ionizam o gás estelar e o fazem brilhar em diversos comprimentos de onda, detectados pelas câmaras de alta resolução do telescópio Hubble.


    Estrela Progenitora
    Modelos matemáticos actuais (2009) mostram que a estrela que deu origem à Nebulosa do Caranguejo tinha entre 8 e 12 vezes a massa do Sol. Segundo esses modelos, estrelas menores que 8 massas solares não têm capacidade de produzir uma explosão super nova enquanto estrelas com massa superior a 12 vezes à do nosso Sol produzem nebulosas quimicamente diferentes da observada na Nebulosa do Caranguejo.

    Além da beleza ímpar no seguimento visível do espectro, os cientistas usam a radiação emitida pela Nebulosa para estudar diversos objectos que estejam em seu caminho. Entre os anos de 1950 e 1960 os pesquisadores estudaram a coroa solar ao observarem as variações nas ondas electromagnéticas que passavam por ela. Recentemente as emissões da Nebulosa foram usadas para medir a espessura das atmosferas da lua saturniana Titã, através do bloqueio sofrido pelos raios raios-x ao atravessar a atmosfera da lua.

    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página