Inevitável subida do nível do mar e da temperatura

Tópico em 'Media' iniciado por Angelstorm 28 Dez 2006 às 17:18.

  1. Angelstorm

    Angelstorm
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    11 Out 2005
    Mensagens:
    318
    Local:
    Entroncamento e Linhaceira (Tomar)
    O planeta está a aquecer de forma inegável e o homem tem uma grande parte da responsabilidade. Esta é a principal conclusão de relatório das Nações Unidas, que será apresentado no início de 2007, elaborado por 2500 cientistas de todo o mundo, cujas primeiras conclusões foram ontem apresentadas pelo "El Pais".

    Num relatório, que agrava a responsabilidade humana, é referido que parte do aquecimento é inevitável. Prevê novas ondas de calor, aumento das temperaturas, degelo e subida do nível do mar, que vai continuar por mais um século, mesmo que hoje fosse possível eliminar as emissões de gases com efeito estufa (GEE).

    Estes são os principais tópicos do quarto relatório elaborado pelo Painel Governamental para as Alterações Climáticas (IPCC na sigla em inglês). O documento aumenta o grau de precisão do conhecimento relativo às alterações climáticas e o seu grau de atribuição ao homem, relativamente ao último de 2001.

    O relatório destaca que 2005 e 1998 foram os anos mais quentes desde que existem registos e que seis dos sete anos mais quentes de sempre ocorreram desde 2001. A temperatura média da superfície aumentou desde 1850. As observações do oceano, da atmosfera, a neve o gelo mostram dados consentâneos com o aquecimento global. E é muito improvável que o aquecimento observado se deva à variabilidade do clima, sublinha o documento.

    A temperatura do ar nas zonas terrestres aumentou o dobro da do oceano desde 1979. A temperatura do oceano a grandes profundidades também aumentou desde 1955, refere o documento.

    Explica ainda, que embora o aumento de temperatura do oceano seja muito pequeno, a sua importância advém da imensa quantidade de calor necessária para elevar a temperatura do mar.

    O trabalho dos cientistas envolvidos no IPCC, uma vez que existe a certeza do aquecimento, passa pela atribuição das causas.

    Por isso, define causas como "muito provável" (o que significa que o grau de atribuição é superior a 90%), provável (mais de 66%) ou tão provável como não (entre 33 e 66%).

    E a principal causa são os GEE, sobretudo o dióxido de carbono, mas também o metano ou os óxidos de nitrogénio que se libertam durante a queima de carvão, petróleo ou gás. Estes gases acumulam-se durante séculos na atmosfera. Embora deixem passar a radiação solar para a Terra, travam a saída de calor que a superfície terrestre emite aquecendo o planeta. A este efeito junta-se o das partículas em suspensão, também procedentes das fábricas e dos automóveis que travam a chegada da radiação solar ao planeta e o arrefecem.

    Tendo em conta os factores que incidem no balanço energético, predomina o aquecimento dos GEE. "É muito provável que os GEE sejam a causa dominante do aquecimento observado nos últimos 50 anos no mundo", estima o relatório.

    A atribuição do aquecimento ao homem é agora maior do que em 2001, data do último relatório. Na altura os cientistas foram mais cautelosos e agora consideram essa causa como muito mais provável. Este assinala que o incremento de situações extremas - como secas e ondas de calor - "pode ser atribuído à mudança climática antropogénica"- produzida pela acção do homem.

    O relatório do IPCC supõe um mínimo denominador comum científico sobre o aquecimento. A redacção final do texto pode mudar na reunião de Paris, de 29 de Janeiro e 1 de Fevereiro de 2007, quando serão apresentadas as conclusões do painel.

    O que pode mudar, sobretudo, é o resumo para políticos, que é aprovado frase a frase, já que os governos medem cada palavra.


    Fonte:
    http://jn.sapo.pt/2006/12/27/sociedade_e_vida/inevitavel_subida_nivel_mar_e_temper.html
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página