Maior crítico da tese de aquecimento global admite que estava errado.

Tópico em 'Media' iniciado por raposo_744 3 Ago 2012 às 21:10.

  1. raposo_744

    raposo_744
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    14 Out 2008
    Mensagens:
    401
    Local:
    Lisboa(Graça)Coimbra(Alváres)
    [​IMG]

    A principal voz da comunidade científica que contesta o fenômeno do aquecimento global admitiu que esteve errado na sua posição durante os últimos anos. Richard Muller mudou de ideia após analisar os resultados de um estudo conduzido por ele mesmo na Universidade de Berkeley, na Califórnia, onde coordena o projeto BEST (sigla em inglês para Temperatura da Superfície da Terra pela Universidade de Berkeley).

    Muller anunciou sua mudança de opinião neste último fim de semana em um artigo para o jornal The New York Times, intitulado “A conversão de um cético às mudanças climáticas”. Nele, Muller afirma que não somente o aquecimento está ocorrendo como também a ação humana pode ser responsabilizada pelo fenômeno.

    “Nossos resultados mostram que as temperaturas médias na superfície terrestre aumentaram em 2,5 graus Fahrenheit (1,5 °C) nos últimos 250 anos, incluindo um aumento de 1,5 graus Fahrenheit (0,9°C) só nos últimos 50 anos. Além disso, é bem provável que essencialmente todo esse aumento resulta da emissão de gases de efeito estufa”, afirma Muller em seu artigo. Ele ressalta que esses números são mais alarmantes do que os anunciados pelo IPCC (Painel Internacional de Mudança Climática), órgão da ONU.

    Essa conclusão foi tirada após sua equipe de pesquisadores em Berkeley ter analisado mais de 14 milhões de medições de temperatura desde 1753, em 44.455 localidades.

    “É um dever do cientista ser claramente cético. Continuo achando que muito, se não a maioria dos fenômenos que atribuímos à mudança climática especulativo, exagerado ou simplesmente errado. Analisei a maioria das alegações mais alarmistas, e meu ceticismo sobre elas não mudou”, disse o físico. Ele cita, como exemplo, o furacão Katrina – afirmando que o número de furacões que atingiu os EUA diminuiu – ou o processo de extinção dos ursos polares – que não tem ocorrido por causa do degelo. “As neves do Himalaia não irão derreter após 2035. E é possível que não estejamos em uma era mais quente do que há mil anos”

    Os métodos que Muller afirma ter usado para seu estudo são, segundo ele, bem mais abrangentes, detalhados e rigorosos do que os usados por instituições como a Nasa (agência espacial norte-americana) e o Met Office (serviço britânico de meteorologia).

    As perspectivas de Muller para uma possível reversão no quadro, no entanto, são pessimistas.

    “E quanto ao futuro? A medida em que as emissões de carbono aumentam, a temperatura deve continuar a aumentar. Acredito que a taxa de aquecimento deve prosseguir em seu ritmo estável, entre 1,5 Fahrenheit (0,9ºC) na superfície para os próximos 50 anos, a não ser que os oceanos estejam incluídos. Mas se a China continuar com seu rápido crescimento econômico (…) esse aumento chegará em menos de 20 anos”, previu Muller.

    O trabalho de Muller, que pode ser acessado gratuitamente do Best, ainda não foi publicado nem avaliado por outros especialistas em uma revista científica.





    Sul 21 » Maior crítico da tese de aquecimento global admite que estava errado
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. raposo_744

    raposo_744
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    14 Out 2008
    Mensagens:
    401
    Local:
    Lisboa(Graça)Coimbra(Alváres)
    Isso quer dizer que podemos queimar mais petrol e pegar fogo aos eucaliptos sem problema?
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página