Rivalidade Norte vs Sul de Portugal, uma guerra bem antiga!

Tópico em 'Off-Topic' iniciado por Rog 24 Jan 2009 às 17:54.

  1. Rog

    Rog
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2006
    Mensagens:
    4,515
    Local:
    Norte Madeira (500m)
  2. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,100
    Local:
    Lisboa-Encarnação // Lagoa de sto André
    élá tanta seriedade:lmao::lmao::lmao::lmao:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  3. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,048
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    Rog... esta posta é tipicamente madeirense... à Alberto João! :lol:

    Infelizmente Portugal ainda hoje tem «um fundo de preguiça e superstição» que nem «o grande convívio com estrangeiros» parece mudar... :mad:

    Quanto ao resto não comento porque os Algarves não fazem parte da expedição social do sr. Dumouriez. :cool:
     
  4. psm

    psm
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    25 Out 2007
    Mensagens:
    1,509
    Local:
    estoril ,assafora
    Este tópico pode a vir a ser polémico mas eu ponho já agua na fervura!

    O artigo tem X de anos, mas no presente em que estamos todos é uma idiotice pois todos nós falamos a mesma língua que é o PORTUGUÊS, e um só há dialecto (Mirandês), e não é como na vizinha Espanha, em que tem várias línguas e dialectos pois eles estão tão divididos, que é por muita sorte que não se divide e dou como exemplos mais flagrantes: o Pais Basco e a Catalunha já não para falar dos outros casos de separatismo. Irrita-me muito esta estúpida guerra Norte versus Sul e que teve como origem o futebol.
    No nosso país devia-se era falar na guerra litoral versus interior, essa sim é que é a grande pecha no nosso país :disgust::disgust:!!!!
     
    Collapse Signature Expand Signature
    #4 psm, 24 Jan 2009 às 21:55
    Editado por um moderador: 11 Fev 2009 às 18:38
  5. Rog

    Rog
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2006
    Mensagens:
    4,515
    Local:
    Norte Madeira (500m)
    A intenção não é criar polémica, mas sim de lerem um texto, já com séculos em cima, e que não representa o estado actual de nada. Se há alguma rivalidade hoje em dia é algo saudável sem problemas de maior.
    Este é um texto que ganha características de humor actualmente, nada mais. :D
     
    Collapse Signature Expand Signature
  6. Agreste

    Agreste
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    29 Out 2007
    Mensagens:
    8,048
    Local:
    Aljezur (48m) - Faro (11m)
    Se bem que se o nosso país evoluísse para um estado federativo não era surpresa. Essa coisa do patriotismo e da língua é um bocado treta. Falamos todos português mas com muito regionalismo. :)
     
    #6 Agreste, 25 Jan 2009 às 09:19
    Editado por um moderador: 11 Fev 2009 às 18:40
  7. henriquesillva

    henriquesillva
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    13 Dez 2007
    Mensagens:
    496
    Local:
    Guimarães
    :thumbsup::thumbsup::thumbsup::thumbsup::thumbsup:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  8. Zoelae

    Zoelae
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2005
    Mensagens:
    702
    Local:
    Vinhais (775m),Bragança/Porto

    Caro PSM, em primeiro lugar o Mirandês não é um dialecto, é a segunda língua oficial de Portugal, em segundo lugar existem vários dialectos e estão bem descritos na literatura.
    Portugal tem uma enorme diversidade linguística (principalmente a norte), tal facto deve-se à passagem múltiplos povos por cá ao longo dos séculos, às condições de isolamento regional proporcionadas por acidentes geográficos, que levaram a uma evolução diferencial da língua em cada região ao longo dos séculos.
    O que se assiste actualmente é a um processo de decadência, a diversidade linguística está a ser banida, há uma tendência para a homogeneização. Isto ocorre por vários motivos, entres os quais os políticos, o dialecto que é dito o português bem falado só é o de Lisboa porque cá é a capital, por isso, foi esse que se impôs e assumiu-se erradamente que os outros dialectos eram formas de falar incorrectos, isto entrou na cabeça das pessoas de uma forma que quando se ouve alguém do Porto, do Alentejo ou de Trás-os-Montes a falar, diz-se que fala mal, que é ignorante, quando é antes o contrário, quem o diz é que é ignorante. Senão vejamos, a diversidade as várias formas de falar que encontramos no país, não surgiram do nada, nem são formas de falar mal, elas evoluíram ao longo de séculos, estando em cada local sob condições distintas, de forma que os resultados são distintos. Como infelizmente não há interesse nenhum em preservar os dialectos, estes conseguem persistir nos dias de hoje, naquelas pessoas mais iletradas, naquelas que os aprenderam a falar com os seus pais e seus avós, a estes ninguém lhe impor um português padrão nas escolas. Nos dias de hoje, os dialectos só aparecem associados às pessoas mais iletradas porque não há qualquer defesa dos dialectos. Se estes fossem defendidos, se em cada região se aprendesse o português e o seu dialecto na escola, este tesouro linguístico preservava-se e todos nos orgulhávamos da riqueza cultural que possuímos.
    Infelizmente, se eu hoje for a algum lado e me puser a falar em transmontano, dizem que sou um ignorante e isto é reflexo da ignorância de um país.

    PS: os dialectos estão bem estudados, já no século XIX, José Leite de Vasconcelos, o maior etnógrafo português, fez o primeiro estudo dos dialectos, correndo o país de lés-a-lés.
     
    Collapse Signature Expand Signature
  9. Jaime

    Jaime
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    11 Fev 2009
    Mensagens:
    1
    Local:
    Vila do Conde
    Hoije em dia já comecça a ser ignorância nom se reconhecer que o norte e sul há muito que estom de costas voltadas!! Nenhum dos acordos orthográphicos até hoije preservou a maneira de falar tipicamente do norte, por ventura até nem mesmo de todo portugal coa esceçom do português de lisboa. Mesmo agora um novo acordo prevê o desaparecimento do ê tradicional, como nas palavras "têm" ou "vêm" para "teem" e "veem", que nom som mais doque uma outra descaracterizaçom do dialecto nortenho. Portugal nom é um país de umha só lingua nem tom pouco de umha só maneira de falar. Mesmo a palavra "lusofonia" demonstra o propósito de acabar com a lingua que otra hora naxeu no norte, pois ao norte nom somos lusitanos nunca o fomos e jamás o seremos.

    As diferencças nom se ficam apenas pelo dialecto assim como também nos costumes e tradições. Quem for ao norte apercebe-se que tem muito pouco em comum com o resto do país. Desde os arraiais, as sardinhadas, a matancça do porco, aos costumes pagons e ao folclore, nom esciste fado nem toiradas, esciste apenas o "há moda do norte", somos diferentes e nisso temos orgulho.

    Nom haja bom senso de ambas as partes em preservar os costumes e tradiçons de cada um e um dia ainda andaremos de costas voltadas e a gadulha por pensamentos nacionalistas numa naçom que é só uma e ao mesmo tempo é de todos.
     
  10. JoãoDias

    JoãoDias
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    6 Jun 2008
    Mensagens:
    663
    Local:
    Avintes, Portogal
    A velha rivalidade Porto-Lisboa

    Sobre a relva de um estádio está em jogo, mais do que o antagonismo tribal, a rivalidade entre as duas maiores cidades portuguesas

    pedro olavo simões(JN de 08/02/2009)


    Se está no futebol a essência do que é patriótico nos dias que correm, nada mais havendo que encha de bandeiras as varandas como de colchas em dia de procissão, também na bola encontraremos o que resta de combatividade a uma sociedade que parece acomodada.

    Só aí ouvimos uníssonos urros tribais, só aí vemos gente que, de emblema em riste, transfere para os relvados rivalidades que tocam todos os outros aspectos da vida. Em dia de F. C. Porto-Benfica, como hoje, vem à tona uma rivalidade que muitos, de ambos os lados, consideram desprovida de sentido. Treinador que vista de azul e branco sabe que perder com os que de vermelho jogam, em casa, pode ser pior do que deixar escapar o campeonato. É isso importante? Não: é fundamental.

    Pequeno é o país, mas muitas são as realidades que nele coexistem. Porto e Lisboa, desde que nasceram e à medida que cresceram, cumpriram destinos diferentes, mas o rumo administrativo tomado pela História ditou dependências que no Norte são mal aceites, porque consideradas excessivas. E porque contestadas ao longo de gerações e de séculos. Desde muito antes de haver futebol.

    Comparar as duas cidades é, mais do que um exercício complicado, algo que faz pouco sentido, atendendo a que nunca ambas evoluíram em igualdade de circunstâncias, primeiro pelos ditames de uma evolução natural, digamos assim, depois por razões de Estado, se assim podemos dizer. Mas as discrepâncias entre elas ajudam a perceber o que os pontapés na bola simbolizam. Os indicadores mostram com clareza que a capital atrai. Pessoas, empresas, investimentos, recursos. Não necessariamente por estratégias do Sul, como diz o discurso populista, mas porque o país funciona assim.

    Indo aqui ao lado, a essa Espanha em que muitos querem ver uma identidade colectiva paralela à nossa, temos o exemplo da rivalidade entre Madrid e Barcelona, também decalcada na relação entre as principais equipas de futebol dessas cidades. Mas é um exemplo que em nada reflecte o caso português. Barcelona nasceu e cresceu como importantíssimo porto do trato mediterrânico, no coração de uma região que sempre viveu à margem das Castelas (à Catalunha correspondia, no tempo de Carlos Magno, a Marca Espanhola, zona-tampão de defesa do império, e nunca essa influência dos francos se perdeu). Enquanto capital, Madrid é a invenção de um outro império, o de Filipe II (primeiro do nome em Portugal), que para ali mudou a corte em 1561. Uma e outra seguiram os respectivos rumos, transformando-se em grandes metrópoles. Tal como cá? Não.

    Pelas condições naturais, isto é, pelo extraordinário porto natural que é o estuário do Tejo, Lisboa era, na Idade Média, a única cidade cosmopolita e de dimensão europeia no reino, enquanto o Porto era um bem menor burgo que, embora mantendo desde cedo ligações comerciais ao exterior, designadamente ao Norte da Europa, crescia a um ritmo muito mais compassado. Se já assim era, muito mais passou a ser com o Estado moderno, desenhado ainda num período tardo-medieval e solidificado com todas as letras no tempo d' El rey D. Manuel, o primeiro, senhor absoluto da pimenta, pai formal do centralismo português: "Mas um Estado forte, poderoso, rico e centralizado, servido por um numeroso funcionalismo dedicado e fiel, não é senão dificilmente compatível com uma ampla autonomia municipal: e assim, os municípios portugueses, que no período medieval tinham gozado da mais vasta autonomia administrativa e financeira, viram-se severamente limitados nessa autonomia pela intervenção do poder central manuelino" (Diogo Freitas do Amaral, in "D. Manuel I e a construção do Estado moderno em Portugal").

    Assim continua a ser, em boa parte, num país que rejeitou a regionalização. Se em Espanha (lá voltamos nós) as autonomias são garante da unidade de uma Nação heterogénea, por cá, em 1998, foram vistas pelo eleitorado como potenciais veículos para a desagregação da unidade nacional (e não deixa de ser curioso, ao rever os resultados do referendo, notar como a mudança administrativa foi rejeitada a Norte, onde o conservadorismo se sobrepôs ao inconformismo).

    A cidade do Porto será, apenas, a face mais visível desse inconformismo. E a que mais o cultivou, porque teve forte afirmação, dos tempos do trato internacional do vinho àqueles em que estava na vanguarda da dinâmica industrial das regiões vizinhas. Mas essa face vai-se perdendo. Os bancos portuenses desapareceram e surgiram outros que, com sede no Porto, é em Lisboa que existem de facto. Empresas mudam-se para a capital. Homens de negócios buscam a proximidade do poder, o verdadeiro, isto é, o central. Pessoas estabelecem-se junto ao Tejo, ou nos arrabaldes, porque aí terão mais possibilidades de progredir em carreiras profissionais. E quase toda a informação que o país consome é produzida em Lisboa. Dos grandes jornais portuenses, só o JN mantém a estatura, e a televisão, provavelmente o mais influente molde das personalidades deste tempo, emana quase totalmente da capital: onde estão os comentadores, os notáveis, os famosos e toda a substantivação imaginável, que se promove mutuamente numa espécie de circuito fechado, em que o país exterior entra de vez em quando.


    Dimensões distintas

    Confrontar cidades passa, evidentemente, por dizer que uma é muito maior do que outra. Mas sê-lo-á assim tanto? Segundo estimativas do Instituto Nacional de Estatística (o próximo recenseamento geral da população só ocorrerá em 2011), a população da Grande Lisboa, no fim de 2006, seria de 2 019 529 pessoas, enquanto no Grande Porto habitariam, nesse momento, 1 279 923. A diferença é significativa, certo, mas fica claro que o Porto e concelhos circundantes constituem um aglomerado urbano de significativa dimensão, que, porém, não consegue garantir às pessoas que o habitam qualidade de vida que se aproxime da que há na capital, onde os salários, segundo é recorrentemente noticiado, são superiores em 50% aos do resto do país, onde o poder de compra dos cidadãos é o triplo do que têm os portuenses, que estão no coração da região do país mais penalizada pelo desemprego.

    Quase metade do crédito concedido pela banca é injectado em Lisboa, enquanto o Porto fica pelos 11,9%. É outra dinâmica, já se vê. Segundo elementos da Área Metropolitana do Porto, do quarto trimestre de 2004 ao segundo trimestre de 2006 foram constituídas na Grande Área Metropolitana de Lisboa 14 594 sociedades, mais do dobro das que se formaram na Grande Área Metropolitana do Porto (6837). E a dimensão das empresas é totalmente díspar, como se vê pelo capital social das sociedades constituídas: 1011 milhões de euros em Lisboa, grosso modo, contra 223,5 milhões de euros no Porto. Também no balanço entre sociedades constituídas e dissolvidas o Porto está em desvantagem. E o crescimento patente no número de fogos construídos - de 2004 a Fevereiro de 2007 - confirma a regra: 41 212 contra 19 342. Que mais? Lisboa (falamos ainda das grandes áreas metropolitanas), onde se vai concentrando a população mais qualificada, levantou das caixas multibanco, de 2004 a 2007, perto de 18 260 milhões de euros, enquanto o Porto tirou das paredes 8,4 mil milhões (lembram-se da diferença da população?).

    Iríamos por aí fora, comparando indicadores. E se é claro que o caminho do Porto deve ser trilhado olhando para o futuro, não para a capital, torna-se notório que este é um país muito desequilibrado (e o que dirão as regiões penalizadas do Interior!). Excepto, pois, no futebol dos últimos 30 anos. Na pujante cidade de oitocentos, onde se fizeram revoluções, onde a República foi proclamada com quase vinte anos de antecedência, foi a penhora de uma peça de louça sanitária, no velhinho Estádio das Antas, que juntou o povo indignado na rua. Talvez porque as causas vitoriosas dêem mais força a quem as defende.


    PS: Pelos vistos o post do Jaime foi recolocado de onde nunca devia ter sido retirado. E diga-se que concordo a 100% com o conteúdo.
     
  11. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    8,554
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    Olá; assumo o erro e quero desde já pedir as minhas sinceras desculpas pelo facto. Obrigado pela informação; já foi reposta a mensagem.
     
  12. Veterano

    Veterano
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Fev 2009
    Mensagens:
    4,017
    Local:
    Porto-Aviz-2,5 km do mar (46 m)/Matosinhos

    Tendo nascido e vivido quase toda a minha vida no litoral, é com grande prazer que me desloco ao interior do país, nomeadamente a Trás-os-Montes, onde tenho família e negócios.:lol:

    Espero que a futura auto-estrada para Bragança venha acabar de vez com o isolamento que uma região belíssima e hospitaleira tem sofrido, para mim é a única guerra que falta vencer!:thumbsup:
     
  13. Z13

    Z13
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    20 Set 2006
    Mensagens:
    2,870
    Local:
    Bragança - 690m

    :thumbsup: :thumbsup: :thumbsup: :thumbsup: :thumbsup:



    :palmas: :palmas: :palmas: :palmas: :palmas:




    Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z Z
     
    Collapse Signature Expand Signature
  14. Teles

    Teles
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    7 Dez 2007
    Mensagens:
    2,207
    Local:
    Rio Maior
    Bos nottes a todes! come deves saber as revalidades so esisteem na cabêça das pessoas se pudecemos virare o país áo contrário enton da onde seria o norti??????:lmao:
     
  15. Veterano

    Veterano
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Fev 2009
    Mensagens:
    4,017
    Local:
    Porto-Aviz-2,5 km do mar (46 m)/Matosinhos
    Esqueci-me de referir talvez o mais importante: em Trás-Os-Montes também tenho amigos!;)
     

Partilhar esta Página