Tsunami no Índico (26 de Dezembro de 2004)

Tópico em 'Sismologia e Vulcanismo' iniciado por Gerofil 24 Dez 2011 às 01:25.

  1. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    8,554
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    Rapariga desaparecida no tsunami indonésio reencontra família sete anos depois

    Uma rapariga indonésia reencontrou a sua família sete anos após o tsunami que em 2004 varreu a região e causou a morte a mais de 230 mil pessoas. Durante a separação, Meci Yulanda foi obrigada a pedir esmola nas ruas por uma mulher que a acolheu. O reencontro concretizou-se na cidade de Meulaboh, na província de Aceh, na Indonésia, uma das mais afectadas pelo tsunami que varreu o sudeste asiático a 26 de Dezembro de 2004. Só na província morreram cerca de 168 mil pessoas.
    Na altura, Meci Yulanda foi arrastada pelas águas para o Oceano Índico, tal como dezenas de milhares de pessoas na região. Sobrevivendo ao desastre natural, a rapariga foi acolhida por uma viúva que, em troca, a tinha obrigado até esta semana a pedir esmola nas ruas de uma área mais remota e pobre do arquipélago. Mas aos 14 anos, e após sete de separação, Yulanda foi libertada pela mulher e decidiu procurar os seus familiares. Tomada a decisão, a rapariga convenceu um taxista a levá-la até Meulaboh, cidade situada perto da sua aldeia natal onde, de acordo com a BBC, terá perguntado num café pelo seu avô, único nome do qual se recordava.
    Algumas pessoas que estavam no café conheciam o homem, um conhecido líder religioso da na região, coincidência que proporcionou um reencontro da rapariga com a sua família. A sua mãe, Yusnidar, não teve dúvidas em reconhecer a sua filha face «às marcas de nascença da sua barriga e à cicatriz que tinha na cara», escreve o Daily Telegraph.
    Apesar do feliz reencontro, o a irmã mais velha de Meci Yulanda permanece desaparecida desde o tsunami, sendo incerto se terá morrido no desastre natural ou se, à semelhança de Yulunda, está ao abrigo de outra família indonésia.

    Fonte: Jornal SOL
     

Partilhar esta Página