A épica viagem dos patinhos

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Há 15 anos atrás de um navio no Pacífico caíram ao mar vários contentores. Da carga faziam parte 28,800 brinquedos para o banho do bebé, nomeadamente patinhos amarelos, tartarugas azuis e rãs verdes.

Estes brinquedos, de plástico resistente e flutuante, iniciaram uma viagem de 27 mil quilometros que agora chega finalmente ao fim nas praias britânicas. A ciência agradeceu esta viagem épica, pois recolheu alguns dados preciosos.

duckgpx2706468x280xr8.jpg


Já sabem, este Verão, se encontrarem algum patinho na praia, guardem-no pois pode ser uma preciosidade.


Ler aqui:


Thousands of rubber ducks to land on British shores after 15 year journey
http://www.dailymail.co.uk/pages/live/articles/news/news.html?in_article_id=464768&in_page_id=1770

UK on alert for plastic duck invasion
http://environment.newscientist.com/article/dn12168-uk-on-alert-for-plastic-duck-invasion.html
 

Iceberg

Nimbostratus
Registo
5 Jun 2006
Mensagens
811
Local
Braga
Também li esta história esta semana no Jornal de Notícias.

Aliás, parece que as autoridades científicas britânicas oferecem 100 USD por cada patinho que lhes for entregue ... :)
 

Geostrofico

Cirrus
Registo
8 Jan 2007
Mensagens
63
Local
Lisboa
vem ai os patinhos amarelos, cuidadO!

Salvem os patinhos de borracha

12.07.2007, Marina Chiavegatto

Esta é já uma história épica: 29 mil patinhos de borracha estão há 15 anos à deriva nos oceanos. Agora farão a sua entrada triunfal ao aparecer na costa inglesa. E talvez na portuguesa também. Cada um vale 73 euros


Parecia uma viagem normal de transporte de brinquedos de borracha da China para os Estados Unidos. Mas naquela noite chuvosa de Janeiro, algo de estranho aconteceu. Estávamos no ano de 1992 quando um grupo de 29 mil patos amarelos, tartarugas azuis, sapos verdes e castores vermelhos de borracha se libertaram do navio de carga que os levava para os EUA, deixando-os à deriva a nadar livremente nas águas oceânicas. Agora, 15 anos após o naufrágio, diz-se que irão aparecer na costa inglesa, e, quem sabe, na portuguesa também.

Esta história insólita é verídica. Graças à resistência do plástico, que não permite que a água entre para dentro dos animais coloridos, muitos deles conseguiram sobreviver a anos de viagens e a diferentes tipos de clima. Os oceanógrafos prometem agora que estas criaturas de borracha serão, finalmente, recompensadas pela sua viagem que acabou por se revelar uma viagem a favor da ciência. Diz-se que nadaram mais de 27 mil quilómetros e, apesar de alguns terem ficado retidos no frio congelante do Ártico, outros resistiram e chegarão agora a Inglaterra.
O oceanógrafo Curtis Ebbesmeyer dedica todo o tempo da sua reforma a seguir o rasto dos patinhos amarelos e dos seus amigos. "Tenho tido informação de que os patinhos estão a aparecer na costa Este americana e, portanto, inevitavelmente, eles irão apanhar as correntes do Atlântico e chegar às praias inglesas por volta do Verão", disse à imprensa inglesa.
Isabel Ambar, oceanógrafa física na Universidade de Lisboa, explica que, se os patinhos estão a chegar à costa inglesa, existe então a possibilidade de alguns dos brinquedos chegarem, mais ou menos na mesma altura, à costa portuguesa.

O giro subtropical

A viagem passa-se da seguinte maneira: se os patos estão a ir para Inglaterra, significa que apanharam o giro subpolar. A sul desta corrente encontra-se o giro subtropical. Se alguns dos brinquedos forem parar um pouco mais para sul, podem ser apanhados pelas correntes do giro subtropical que desemboca na corrente Portugal. É isso que poderá fazer com que os patinhos surjam na costa portuguesa por volta do Verão.
Na verdade, não existem provas concretas de que os patinhos estejam realmente ainda a nadar no oceano. Mas Isabel Ambar diz que é possível, uma vez que funcionam como bóias derivantes.
Ebbesmeyer traça o percurso dos brinquedos através de um modelo de computador construído pelo seu colega Jim Ingraham, da National Oceanic and Atmospheric Administration (NOAA), e que tem ajudado os oceanógrafos a compreender melhor as correntes. Joaquim Dias, professor na faculdade de Ciências na Universidade de Lisboa, explica que estes patinhos se tornaram uma experiência importante: "São traçadores de correntes, ou seja, ajudam-nos a compreender a circulação média do oceano à superfície."
Cada vez que um animal de borracha é encontrado, actualiza-se o OSCURS (Simulador de Correntes Oceânicas à Superfície). "É impressionante o que se pode aprender através de um patinho de borracha", disse Ebbesmeyer à imprensa inglesa. Os dois cientistas conseguiram calcular a velocidade de circulação dos patinhos de borracha à superfície, graças à data do seu primeiro aparecimento na costa do Alasca, onde mais de 400 animais de borracha foram encontrados nove meses após o derrame dos contentores.
O caso dos patinhos é já mundialmente conhecido e até aparece como exemplo num dos livros que Isabel Ambar utiliza como introdução à oceanografia, An Introduction to the World"s Oceans, de A.C.Duxbury e A.B.Duxbury, publicado em 1997.
Esta não é a primeira vez que um episódio deste tipo acontece. Em 1990, alguns contentores de ténis da Nike também caíram ao mar, deixando à deriva 61 mil ténis de corrida. Alguns meses mais tarde, cerca de 1600 Nike foram encontrados na costa norte da América, desde o Alasca até Oregon.
Casos como estes, não são apenas histórias curiosas para se contar aos netos, mas são factos que nos alertam também para questões de maior relevância, como o problema da poluição dos oceanos. Ebbesmeyer diz que se perdem cerca de 10 mil contentores por ano nos mares. Estes contentores acabam sempre por se partir e derramar a sua carga no mar. Patinhos e ténis de corrida são apenas alguns objectos que ajudam os mais distraídos a compreender um dado objectivo: aquilo que cai ao mar não desaparece, mas vai acabar sempre nalgum lugar, quer seja numa praia ou num icebergue.
É claro que não estamos à espera que na costa inglesa ou portuguesa apareça de repente uma onda de 29 mil animais de borracha. Mas os banhistas que estejam atentos, porque a empresa The First Year, fabricante dos patinhos, oferece 100 dólares (73 euros) por cada animal encontrado e devolvido. O jornal The Times acrescenta que estes patinhos, mais do que um conjunto de brinquedos perdidos no mar, são já um objecto de colecção e que podem valer cerca de mil dólares (734 euros) no mercado coleccionista.

Um negócio para o Verão

Ebbesmeyer colou cartazes perto das praias, pedindo aos banhistas para entrarem em contacto consigo - www.beachcombers.org -, caso avistem algum patinho de borracha perdido no mar.
No site do oceanógrafo Curtis Ebbesmeyer podemos ver que até agora apenas dois animais foram encontrados fora do Alasca. Um patinho chegou ao Maine, nos EUA, em Julho de 2003 e um sapo foi encontrado na Escócia no mesmo ano. Mas os oceanógrafos explicam que isso não significa que mais nenhum animal tenha entretanto aparecido na costa. O problema é que se calcula que agora os animais tenham perdido a cor e possam estar um pouco deformados. Quem é que prestaria atenção a um pato velho de plástico a boiar nas águas? Ninguém. A não ser que soubesse que isso poderia ser um bom negócio de Verão.
Entretanto, os brinquedos tornaram-se objectos de culto e esta história, que é já quase um romance policial, foi até inspiração de livros infantis.
Eric Carle usou-a para escrever e ilustrar o livro 10 Little Rubber Ducks (10 patinhos de borracha). No Museu de Tacoma, no Alasca, foi feita uma exposição que enquadra a obra de Carle e que estará aberta até Janeiro. Estão lá três patos, um castor, um sapo e uma tartaruga encontrados na costa do Alasca. Os brinquedos são propriedade da família Orbison que durante vários anos se dedicou a resgatar os animais de borracha perdidos. Dean e o seu filho Tyler já recolheram 121.
 

apassosviana

Cumulus
Registo
30 Jan 2008
Mensagens
127
Local
Viana do Castelo
Uma viagem incrivel para patinhos de borracha...:D

A empresa produtora dos patinhos já tem um teste de resitencia passado com sucesso:lol::lol:
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Os patinhos mais uma vez chamados ao serviço da ciência.



The Sober Science of Migrating Rubber Duckies
An Armada of Tub Toys Sets Sail in New Research Discipline, 'Flotsam Science,' and Helps Unravel Enduring Planetary Mysteries

Challenged to probe under Greenland's glaciers, NASA robotics expert Alberto Behar wondered what mechanism might endure subzero cold, the pressure of mile-thick ice and currents that sometimes exceed the flow rate of Niagara Falls. It was a daunting engineering proposition, even for someone experienced in conceiving robot explorers suitable for Mars and the moons of Jupiter.

Worried about climate change, many researchers are eager to learn how rising temperatures may be undermining Greenland's ice cap where, according to recent satellite measurements, glaciers are melting much faster than expected. Should Greenland's 2.17 million square miles of ice ever melt completely, the water could raise sea level world-wide by 24 feet, swamping coastal cities that are home to millions of people.

As Dr. Behar at the Jet Propulsion Laboratory soon discovered, though, there isn't much money for global warming experiments in Greenland.

Unfazed, he thought of one device that might survive such extremes at a cost his field expedition could readily afford -- a two-dollar rubber duck.

Consequently, Dr. Behar and his colleagues at the University of Colorado this past August released 90 yellow rubber ducks into the melt water flowing down a chasm in the largest of Greenland's 200 glaciers -- the Jakobshavn Isbrae -- which has been thinning rapidly since 1997. Each duck was imprinted with an email address and, in three languages, the offer of a reward. If all goes well, Dr. Behar hopes that one day they will emerge 30 miles or so away at the glacier's edge in the open water of Disko Bay near Ilulissat, bobbing brightly amid the icebergs north of the Arctic Circle, each one a significant clue to just how warming temperatures may speed the glacier's slide to the sea.


In an era of billion-dollar space telescopes, gene machines and city-size particle accelerators, some scientists just have to make do with tub toys. From Greenland's glaciers to the boundless Pacific main, researchers are tracking thousands of rubber ducks, frogs, beer bottles and wooden tops set adrift around the world to solve critical questions of oceanography, glaciology and global warming.

Researchers call it flotsam science.

As a scholarly discipline, it is perennially impoverished. Its only professional journal is a newsletter with a circulation of 600 called The Beachcombers Alert, published by retired oceanographer Curtis Ebbesmeyer in Seattle. More than anyone, Dr. Ebbesmeyer turned every beachcomber's passion for sea-swept debris into a research tool by establishing an international network to gather traceable flotsam, such as Dr. Behar's yellow ducks.

Indeed, it was a shipment of such bath tub toys washed overboard in the Pacific during a 1992 storm that accidentally launched this unusual field.

Each of the 28,200 plastic ducks, turtles and frogs that spilled from the ill-fated cargo container was stamped with a unique manufacturing code. As they washed ashore -- sometimes thousands of miles from the original spillage -- scientists soon realized they could trace the toys back to the launch point, documenting previously unsuspected ocean currents.

In the years since, Dr. Ebbesmeyer and his colleagues have tracked flotillas of floating hockey gloves, sodden sneakers, Guinness bottles, Japanese tops and New England lobster pot tags. All were labeled with some unique identifier that, in the serendipity of science, turned them from trash into data points charting vast, circular ocean gyres.

These global conveyor belts swept some of the tub toys from the 1992 spill through the Bering Strait into the Arctic Ocean, where the pack ice carried them over the North Pole into the North Atlantic Ocean, said Dr. Ebbesmeyer. Eleven years later in 2003, one of the plastic ducks turned up in Maine, while one of the plastic frogs washed up in Scotland, more than 7,000 miles from where it started.

Dr. Ebbesmeyer likes to call his research endeavor, documented last year in the American Geophysical Union's journal, Eos, "accidental oceanography."

Based on his experience, the NASA researchers ought to expect their yellow ducks to turn up where they least expect, perhaps decades from now. "These ducks last and last far beyond what anybody thinks," he says. "They keep going round and round the ocean."

While Dr. Behar at JPL was ordering his toy ducks earlier this year, glaciologist Sarah Das at the Woods Hole Oceanographic Institution in Massachusetts was looking for an inexpensive way to find out more about the water under the same Greenland glacier. She has been monitoring the drainage from the hundreds of melt-water lakes that dot the ice cap in high summer, some of them two or three miles across and more than 60 feet deep.

Last April, Dr. Das and her colleagues reported in the journal Science that they'd seen one large glacial lake drain in 90 minutes through a fracture that split the ice 980 meters down to bedrock. "If you calculate the volume, of water, it actually exceeds the flow over Niagara Falls," she says. Scientists suspect these sub-glacial floods lubricate the bedrock under the ice sheets of Greenland and Antarctica, like a water slide, and accelerate the rate at which glaciers flow to the sea and break apart.

Dr. Das first thought to throw 10,000 elastic bouncy balls into one such fissure in the hope the balls would be washed under the ice and out to sea 25 miles away. After consulting the manufacturer, she decided such toys were too buoyant and would be trapped in the crevasses. She settled instead on the idea of pouring a nontoxic red dye into the melt water. "We guessed the dye might come out in the bay half a day later or maybe, if it was taking a really tortuous path, half a week," Dr. Das says.

For a week in July, her students cruised back and forth across Disko Bay, trailing through the water a sensor able to detect microscopic traces of the fluorescent chemical. They never detected the dye.

As researchers learn more about the mechanics of Greenland's glaciers, they are becoming convinced that, by itself, the sub-surface water slide created by so much melting ice may be a short-lived seasonal effect, says University of Washington polar scientist Ian Joughin. The glaciers speed up in the summer but slow down in the fall. If that's true, there may be little risk the ice sheet will collapse as some scientists recently feared -- at least not for the foreseeable future. Every year since 1979, however, the melt zone has reached deeper inland and further up the sloping ice cap.

Meanwhile, Dr. Behar seeks his wayward flock, submerged in currents of climate change. In a separate experiment, he tossed into the melt water a small metal tube stuffed with sensors, including a satellite modem. It, too, has yet to turn up.

"Right now, we just see the water going into a big hole," says Dr. Behar. "We have no idea what it is like under there."

(c) New York Times


1-16.jpg
2-17.jpg
3-9.jpg
4-5.jpg
5-4.jpg
6-1.jpg
7-1.jpg