Aquecimento Global

Tópico em 'Climatologia' iniciado por Minho 23 Set 2007 às 19:38.

  1. guisilva5000

    guisilva5000
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    16 Set 2014
    Mensagens:
    3,095
    Local:
    Belas, Sintra | Lisboa
    Só não vê quem não quer... o nosso destino já está traçado, nem devemos ir a tempo de atenuar.
     
    Collapse Signature Expand Signature
    luismeteo3 gostou disto.
  2. Z13

    Z13
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    20 Set 2006
    Mensagens:
    2,924
    Local:
    Bragança - 690m
    Em qualquer área da ciência, a comunidade cientifica normalmente é mais céptica do que a Opinião Publica. A climatologia não é diferente... por isso a tua ultima frase terá mais de fé do que de ciência! ;)
     
    Collapse Signature Expand Signature
    MSantos gostou disto.
  3. Iceberg

    Iceberg
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    5 Jun 2006
    Mensagens:
    718
    Local:
    Braga
    …o futuro sempre esteve traçado…tal como o passado…fases de aquecimento, arrefecimento, aquecimento, arrefecimento, aquecimento, arrefecimento…períodos secos, chuvosos, secos, chuvosos…
     
    Z13 gostou disto.
  4. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    9,651
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Certamente aparecerá em português mas o original é sempre o mais importante:

    Sun's impact on climate change quantified for first time

     
  5. Thomar

    Thomar
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Dez 2007
    Mensagens:
    1,656
    Local:
    Ponte de Sôr (125m)
    http://lifestyle.sapo.pt/saude/noti...-inundacoes-ainda-maiores?artigo-completo=sim


    AQUECIMENTO GLOBAL AFETA MASSAS DE AR E TORNA AS SECAS E INUNDAÇÕES AINDA MAIORES

    28 MAR 2017 08:50 // NUNO NORONHA // NOTÍCIAS // COM LUSA/AFP

    O aquecimento global está a amplificar secas e inundações severas, ao desfazer as poderosas correntes de ar a alta altitude (‘jet streams’), que evoluem de oeste para leste no Hemisfério Norte, segundo um estudo apresentado na segunda-feira.


    Em apenas 15 anos, estes fenómenos - secas devastadoras na Califórnia, vagas de calor através dos EUA e Europa Ocidental, inundações mortíferas no Paquistão – ficaram pior quando as alterações climáticas de responsabilidade humana alteraram aquelas correntes, apontaram cientistas no documento publicado na revista Scientific Reports.

    “O nosso trabalho mostra que as alterações climáticas não estão apenas a provocar eventos climáticos ainda mais extremos através dos mecanismos habituais”, afirmou o principal investigador, Michael Mann, professor na Universidade Estadual de Penn, nos EUA.

    Estes “mecanismos habituais” incluem temperaturas mais quentes, que conduzem a mais vagas de calor e secas, bem como a mais humidade no ar, o que provoca mais inundações ou nevões. “Além destes efeitos, o aquecimento global está a mudar o padrão do ‘jet stream’ de uma form acue favorece anomalias climáticas mais extremas e persistentes”, disse Mann à AFP. “Revelámos uma consequência clara da atividade humana”, salientou.

    Os ‘jet streams’ são correntes de ar que serpenteiam através da metade norte do globo, a cerca de oito a 11 quilómetros acima da superfície terrestre. Conduzidas pelo contraste entre o ar frio polar e o clima tropical, os ‘jet streams’ viajam dentro de uma banda com várias centenas de quilómetros de largura a velocidades de cerca de 300 quilómetros horários. Os ‘jet streams’ são a razão pela qual o voo de Los Angeles para Novo Iorque demora menos uma hora do que o percurso inverso.

    O percurso sinuoso destes gigantescos fluxos de ar cria padrões climatéricos, incluindo os sistemas de altas e baixas pressões que criam os momentos extemporâneos de calor ou frio. Quando estas correntes de ar perdem velocidade ou param, estas manifestações climatéricas podem tornar-se mais extremas, conduzindo a períodos extensos de calor ou precipitação. “Mudanças relativamente pequenas das correntes de ar podem ter efeitos significativos nas condições meteorológicas, incluindo as extremas”, disse o coautor Dim Coumou, professor no Instituto de Estudos Ambientais da Universidade de Amesterdão, à AFP.

    E o que causa a paragem destas correntes de ar? Pequenas diferenças de temperatura entre o ar do Ártico e o dos trópicos. Isto pode acontecer naturalmente, mas tem acontecido com mais frequência desde que as alterações climáticas se acentuaram, apuraram os investigadores.

    O Ártico aqueceu mais do dobro da média global dos últimos 50 anos, ao verificar um aumento da sua temperatura em dois graus Celsius (ºC). O ar sobre as massas terrestres também aqueceu mais depressa do que sobre os oceanos.

    Pesquisas anteriores associavam os ‘jet streams’ com grandes secas e inundações ocorridas nas últimas duas décadas, mas não adiantaram nada sobre a influência da atividade humana no processo. “O que o novo estudo faz é ligar os pontos entre a crescente frequência deste efeito das correntes de ar e o aquecimento global provocado pelos humanos no planeta”, disse Mann.

    Este cientista e a sua equipa usaram registos de temperaturas terrestres, iniciados em 1870, combinados com simulações por computador, para analisarem os padrões.

    O estudo apurou que as condições promotoras da perturbação das correntes de ar aumentaram cerca de 70% desde o início da idade industrial, quando os humanos começaram a carregar a atmosfera com gases com efeito de estufa. De forma significativa, a maior parte das alterações ocorreu nas últimas quatro décadas.

    A conferência de Paris, realizada no final de 2016, apelou para a contenção do aquecimento global “bem abaixo” dos 2ºC até ao final do século. A manter-se a evolução atual, a temperatura média global da Terra vai aumentar em 4ºC até ao final do século.

     
    Collapse Signature Expand Signature
    luismeteo3 e guisilva5000 gostaram disto.
  6. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    9,651
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Then and now: How glaciers around the world are melting

    http://bigstory.ap.org/article/43d4...and-now-how-glaciers-around-world-are-melting

    Claro que os padrões meteorológicos são apenas uma parte do problema. A pressão humana faz o resto:

    Scientists: Cod population in New England drops 80 percent

    http://bigstory.ap.org/article/e704...s-cod-population-new-england-drops-80-percent

    Termino, repetindo o mesmo:

    [​IMG]


    [​IMG]

    A civilização moderna não assistiu nem está preparada para as brutais mudanças que a Terra já assistiu (quer aquecimento quer arrefecimento). Como tal, minimizar o impacto das alterações usando essa desculpa é irrealista porque as sociedades tinham uma organização completamente diferente.

    Para exemplificar: A Terra já foi atingida inúmeras vezes por meteoritos na história. Como tal, e alegadamente, devíamos entender isso como algo 'normal'. E se um meteorito caísse em cheio na Alemanha ou em França? Certamente as opiniões seriam outras.

    O que o clima não tem em intensidade tem em duração. E num passado recente, por exemplo, as secas podem durar - como já duraram - muitos anos. Claro que os primeiros a sofrer são os que dependem mais do tempo: os agricultores. Os restantes usufruem do supermercado para comprarem quase tudo (benesses da civilização moderna que não existem há muito tempo). Pior é quando deixa de haver água na torneira (como já acontece em muitos países do 'terceiro' mundo.
     
    #1641 Orion, 3 Abr 2017 às 18:41
    Última edição: 3 Abr 2017 às 18:53
    guisilva5000 e luismeteo3 gostaram disto.
  7. Pek

    Pek
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    24 Nov 2005
    Mensagens:
    1,717
    Local:
    Menorca
    Glaciar Pasterze (Austria)

    [​IMG]


    Y una secuencia de vídeos time-lapse procedentes del documental Chasing Ice:

     
    DaniFR, guisilva5000 e luismeteo3 gostaram disto.
  8. Prof BioGeo

    Prof BioGeo
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Dez 2006
    Mensagens:
    512
    Local:
    Moura, Alentejo
    A este propósito, recomendo a leitura de um livro já não muito recente, mas com uma narrativa muito atual: "As últimas horas da antiga luz do sol", de Thom Hartmann. Existe também um livro, bastante conhecido e escrito mais recentemente - "Dez mil milhões", de Stephen Emmott. Duas boas leituras para quem se interessa por estas temáticas abordadas no post do @Orion
     
    luismeteo3 gostou disto.
  9. hurricane

    hurricane
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2007
    Mensagens:
    511
    Local:
    Bruxelas, Bélgica
    A Belgica teve o marco mais quente desde 1981 pelo menos. Impossivel nao acreditar nas evidencias.
     
    luismeteo3 gostou disto.
  10. Pek

    Pek
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    24 Nov 2005
    Mensagens:
    1,717
    Local:
    Menorca
    -Glaciar Mendenhall (Alaska), 2007-2015:

     
    luismeteo3, DaniFR e Dias Miguel gostaram disto.
  11. joralentejano

    joralentejano
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    21 Set 2015
    Mensagens:
    2,731
    Local:
    Arronches, Portalegre (272m)
    Inédito: Rio de glaciar desapareceu em quatro dias devido ao aquecimento global
    Cientistas dizem nunca ter encontrado um acontecimento do género.

    Desapareceu em quatro dias o rio que corria do glaciar Kaskawulsh, no Canadá. O fluxo do rio passou totalmente para outro nesse curto período, um fenómeno nunca até hoje visto pelos cientistas, consequência do aquecimento global e que alterou profundamente a paisagem da zona.
    O leito do rio Slims chegava aos 150 metros no ponto mais largo, segundo o The Guardian. Durante centenas de anos, o rio transportou água derretida no glaciar Kaskawulsh, um dos maiores do Canadá, em direção ao norte, ao mar de Bering.
    Na primavera de 2016, no entanto, a quantidade de água que derreteu do glaciar foi tão grande que esta acabou por correr para um segundo leito: o rio Alsek, a centenas de quilómetros de distância e que vai dar ao Golfo do Alasca.
    Os cientistas afirmam que a probabilidade deste acontecimento ter ocorrido devido às alterações climáticas naturais é de 0,5%. "Logo há 99.5% [de probabilidades] de ter ocorrido devido ao aquecimento causado pela era industrial", explicou James Best, geólogo da Universidade de Illinois.
    Medições do fluxo dos rios mostram que a mudança, a primeira do género alguma vez documentada, ocorreu entre 26 e 29 de maio. As conclusões da equipa de cientistas forma publicadas esta segunda-feira na revista
    Nature.
    As alterações foram detetadas por uma equipa de cientistas que estuda há muitos anos o recuo dos glaciares na zona.
    "Fomos para área para continuarmos a medir o rio Slim e encontramos o leito do rio mais ou menos seco", contou Best. "O delta onde navegávamos de barco era agora uma tempestade de areia. Em termos de paisagem a mudança foi incrivelmente dramática".
    A equipa usou helicópteros e drones para perceber o que se passava. "Descobrimos que toda a água que vinha da parte da frente do glaciar, ao invés de se dividir em dois rios, estava a ir só para um", explicou Best.
    Enquanto nos últimos anos os rios Slims e Alsek eram equiparáveis em termos de tamanho, a partir de 2016 o Alsek tornou-se 60 a 70 vezes maior que o rio Slims.
    O caso de o fluxo de um rio ser totalmente desviado para outro nunca tinha sido observado pelos cientistas. Geólogos sabem que casos semelhantes ocorreram no passado e é a primeira vez que podem documentar e acompanhar um destes fenómenos.
    "Que nós saibamos, nunca ninguém documentou este acontecimento no nosso tempo de vida", disse Dan Shugar, geocientista da Universidade de Washington Tacoma.
    O paleontólogo Lonnie Thompson, que não esteve envolvido nas investigações, prevê, com base nestas conclusões, que fenómenos de desvio de rios se tornem mais comuns à medidas que os glaciares diminuem.

    Fonte
     
    Collapse Signature Expand Signature
    lserpa, luismeteo3 e Thomar gostaram disto.
  12. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    2,576
    Local:
    Fatima

Partilhar esta Página