Aquecimento Global

Ecotretas

Cirrus
Registo
29 Jan 2008
Mensagens
80
Local
Lisboa
Lamento, mas só reforça a minha teoria. Vale uma aposta em como eles não referem que os níveis das tempestades tropicais baixaram ao valor mais baixo dos últimos trinta anos? Se 25% das mensagens dos últimos meses foram dedicadas ao tema das tempestades tropicais, não acham que estarmos no nível mais baixo desses trinta anos, merecia uma notícia?
Se publicarem esta notícia Vince, a minha teoria cai por terra, e dela darei destaque!
Ecotretas
Vince,
Tal como eu previa, o IM não está em condições de relatar o que se está a passar a nível da temporada de furacões no Atlântico Norte. Em vez disso, insiste nos furacõezinhos, agora o Ida, que já é de categoria 1. Vamos no terceiro do ano, e felizmente estão-se a esgotar, se este não é mesmo o último...
Todavia, ainda há tempo para eles fazerem o balanço, e verem que andaram entretidos com nada...

:lmao::lmao::lmao:

Ecotretas
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
"Provas" do aquecimento global:

1ª prova
AG1a.JPG

AG1b.JPG


2ª prova
AG2a.JPG

AG2b.JPG


3ª prova
AG3a.JPG

AG3b.JPG


Fonte: fimdostempos
 

irpsit

Cumulonimbus
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
2,322
Local
Inverness, Escocia
Gerofil, excelentes imagens, das quais eu já situações reais semelhantes.

Como vivo em Viena, em cada visita aos Alpes é muito clara a situação do desaparecimento dos glaciares nos últimos 100 anos. Quer na Áustria, quer na Suíça.
Em Junho deste ano, estive também na Islândia, em que visitei vários glaciares, e o panorama de recuo brutal era idêntico. Os locais são unânimes em relatar essas mudanças do gelo e do aquecimento do clima.

Prova mais clara do que vermos com os nossos próprios olhos, não há.

Pasterze na Áustria (recuo desde 1968; nem queiram imaginar o quão acima estava a placa de 1910) A situação é bem mais dramática ao vivo, do que parece na imagem. Sabem qual foi o ano em que o glaciar recuou mais? 2003! Imaginem porquê.

http://img5.imageshack.us/img5/3127/hpim5040.jpg

Skaftafellsjökull na Islândia (o recuo ocorre cerca de 30 metros a cada ano, avança no Inverno cerca de 20, para recuar cerca de 50, no Verão) O recuo foi ainda maior nos últimos 10 anos. A situação era semelhante na maioria dos glaciares do país. Curiosamente estavam uns anormais 23º no dia em que tirei esta foto!

http://img35.imageshack.us/img35/8903/hpim2541.jpg
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Aquecimento global: os efeitos no Ártico

Especialistas preveem um aumento na temperatura do Ártico de até 9ºC durante o século XXI e o Pólo Norte pode ficar totalmente sem gelo no verão em apenas duas décadas. Um aquecimento de entre 3ºC e 5ºC já desencadearia mudanças bruscas nos ecossistemas da zona. Estas são algumas das conclusões da equipe internacional que participou da primeira expedição no Ártico do chamado projeto Arctic Tipping Points (ATP, pontos de mudança no Ártico, em inglês), que constatou que uma massa de água quente proveniente do Atlântico invade grande parte do setor europeu do Oceano Glacial Ártico.
O aquecimento das águas árticas está provocando o derretimento rápido do gelo, assim como o deslocamento das espécies próprias da região para o norte. Um dos objetivos principais da expedição, da qual participou o Conselho Superior de Pesquisas Científicas da Espanha (CSIC, na sigla em espanhol), foi determinar a partir de que nível de aquecimento podem ocorrer mudanças bruscas no Ártico, uma área geográfica situada ao redor do Pólo Norte da Terra. Ao retornar da expedição, os pesquisadores do CSIC calcularam que um nível de aquecimento de entre 3ºC e 5ºC, em comparação com as temperaturas de 1990, já produzem bruscas mudanças no Ártico.
A zona onde mais sobe o termômetro - O Ártico é a região do planeta onde a temperatura está aumentando mais rápido, com uma taxa de aquecimento três vezes maior que a do resto do planeta. A previsão é de um aumento de até 9ºC durante o século XXI.
Segundo o pesquisador Carlos Duarte, chefe da equipe do CSIC no projeto, "os prognósticos que falavam de uma rápida fusão do gelo foram ultrapassados pelas observações". Durante os anos de 2007 e 2008, houve uma perda brusca de gelo no Oceano Glacial Ártico, que resultou em uma diminuição de mais ou menos a metade da superfície congelada que restava normalmente no final do verão.
"A espetacular aceleração da perda de gelo no Ártico nos últimos anos sugere que a mudança climática entrou em uma nova fase nesta região, com possíveis consequências globais", segundo o especialista. "Os modelos atuais sugerem que o Oceano Glacial Ártico poderia ficar totalmente sem gelo no verão em duas décadas, ou talvez antes", acrescenta Duarte.
A expedição, realizada a bordo da embarcação norueguesa "Jan Mayen", foi a atividade inaugural do projeto ATP, financiado pela União Europeia (UE) e com a colaboração da Fundação BBVA. O projeto, do qual participaram pesquisadores noruegueses, dinamarqueses, russos, poloneses, portugueses, franceses, britânicos, suecos e espanhóis, também pretende determinar o alcance da pressão humana nestas consequências, através da proliferação de atividades econômicas no Ártico, como o turismo, a pesca, a exploração petrolífera e o transporte marítimo.
Mudanças com impacto inesperado - O coordenador do projeto ATP, Paul Wassman, da Universidade de Tromso (Noruega), adverte que "as mudanças que observamos terão efeitos sem precedentes no ecossistema Ártico. É urgente estabelecer onde e quando se alcançarão os valores que desencadearão mudanças abruptas". Quando Wassman fala de mudanças bruscas, ele se refere à existência de pontos limiares de pressão a partir dos quais perturbações menores podem alterar de forma qualitativa o estado ou o desenvolvimento de um sistema.
O projeto ATP identificará os componentes do ecossistema ártico que provavelmente experimentarão mudanças bruscas como resultado do aquecimento do clima. Os pesquisadores do CSIC já detectaram que a mortalidade dos organismos mais característicos do Ártico cresce rapidamente com o aumento da temperatura.
A equipe internacional detectou que o pequeno crustáceo Calanus glacialis, elemento central da cadeia alimentar do Ártico, teria desaparecido de áreas nas quais antes era abundante. O pesquisador Miquel Alcaraz afirma que "o deslocamento para o norte das águas atlânticas quentes deslocou as espécies árticas". A ausência do Calanus lacialis confirma os prognósticos dos pesquisadores e aponta para uma grande mudança na cadeia alimentar na região.
Durante a expedição, mais de mil litros de água do Oceano Glacial Ártico foram transportados para as instalações do Centro Universitário das Ilhas Svalbard, em Longyearbyen (Noruega), onde os pesquisadores do projeto ATP fizeram experimentos para estabelecer o ponto limite de aquecimento a partir do qual são detectadas mudanças bruscas em comunidades de plâncton. A pesquisadora do CSIC Susana Agustí explica que "a biomassa e a produção fotossintética do plâncton colapsam com o aumento da temperatura, além de sua taxa de respiração, e, portanto, a produção biológica de dióxido de carbono (CO2) do plâncton ártico aumenta rapidamente com o aumento da temperatura".
O CO2 é um dos principais gases responsáveis pelo agravamento do aquecimento da atmosfera e do planeta. "As regiões polares do planeta não são mais a última fronteira, mas são as trincheiras da luta contra a mudança climática", conclui Duarte.

Omar Segura

Notícias Yahoo Brasil
 

Kispo

Cumulus
Registo
17 Ago 2008
Mensagens
189
Local
Monte Abraão, Queluz (195m)
Gerofil: suponho que as imagens comparativas que colocaste anteriormente correspondam ao mesmo mês pelo menos... é k não vem qq referência a esse aspecto no teu post.

em relação às previsões, valem o que valem....
 

meteo

Nimbostratus
Registo
15 Fev 2008
Mensagens
1,977
Local
Oeiras
Que há mais indícios de aquecimento global,do que arrefecimento,lá isso,me parece bem evidente. No Árctico,bem mais vezes se ve a ocorrencia de degelo,que maior área de gelo de um ano para o outro. Ou não?
 

Meteo Trás-os-Montes

Cumulonimbus
Registo
28 Jan 2007
Mensagens
4,393
Local
Carcavelos /Chaves / Vilardevós - Galiza
Iceberg gigante «perto» da Austrália

Um iceberg gigante pode ser visto da costa da Ilha Macquarie, a meio caminho entre a Austrália e a Antárctica. A imagem mostra bem a dimensão deste pedaço de gelo que foi fotografado, a 8 de Novembro, e divulgado esta quinta-feira.

Neal Young, especialista em glaciares, pertence à Divisão Australiana que estuda a Antárctica, e garante «não ser normal» que pedaços de gelo desta dimensão subam tanto «para norte».

O iceberg vai ser acompanhado de perto para não causar problemas no mar.
318


TVI24

Mais uma consequencia?:unsure:
 

joseoliveira

Cumulonimbus
Registo
18 Abr 2009
Mensagens
2,889
Local
Loures (Moninhos) 128m
Iceberg gigante «perto» da Austrália

Um iceberg gigante pode ser visto da costa da Ilha Macquarie, a meio caminho entre a Austrália e a Antárctica. A imagem mostra bem a dimensão deste pedaço de gelo que foi fotografado, a 8 de Novembro, e divulgado esta quinta-feira.

Neal Young, especialista em glaciares, pertence à Divisão Australiana que estuda a Antárctica, e garante «não ser normal» que pedaços de gelo desta dimensão subam tanto «para norte».

Quanto a mim não me surpreende o que até acho fascinante!
A área marítima ao largo desta ilha certamente já sob o efeito da fortíssima Corrente Circumpolar Antárctica vinda de Oeste, que segundo li a sua deslocação em volta da Antárctida poderá rondar os 800m/h. A sua velocidade poderá neste caso em particular não ser um dado preponderante, no entanto devido ao facto de possuir uma gigantesca massa de água gelada alimentada por esta Corrente, condições favoráveis a uma visita deste género aos cerca de 55º sul, tudo é possível!
O único ponto que acho ser menos normal é que dentro de muito pouco tempo se entra no Verão do hemisfério sul e uma presença destas não deixa de ser impressionante.

Se este possível desprendimento de uma massa de gelo de maiores dimensões da Antárctida é um dos indícios fortes dos efeitos do AG, é uma possibilidade, no entanto tratando de uma área próxima da região mais fria do Planeta, penso que fazer uma avaliação nesse sentido poderá envolver alguma imprecisão! :intrigante:
 

Ecotretas

Cirrus
Registo
29 Jan 2008
Mensagens
80
Local
Lisboa
Gerofil, excelentes imagens, das quais eu já situações reais semelhantes.

Como vivo em Viena, em cada visita aos Alpes é muito clara a situação do desaparecimento dos glaciares nos últimos 100 anos. Quer na Áustria, quer na Suíça.
Em Junho deste ano, estive também na Islândia, em que visitei vários glaciares, e o panorama de recuo brutal era idêntico. Os locais são unânimes em relatar essas mudanças do gelo e do aquecimento do clima.

Prova mais clara do que vermos com os nossos próprios olhos, não há.

Pasterze na Áustria (recuo desde 1968; nem queiram imaginar o quão acima estava a placa de 1910) A situação é bem mais dramática ao vivo, do que parece na imagem. Sabem qual foi o ano em que o glaciar recuou mais? 2003! Imaginem porquê.
Porque não recuas mais un anos atrás? Verás que então os glaciares criavam outros tipos de problemas, tais que levaram populações a fazer preces a Deus para que eles não avançassem mais...
E se recuares ainda mais, verás que os glaciares estavam mais recuados de que estão hoje. Com níveis de CO2 baixíssimos.
Isto de comparar os últimos 100 anos e coisa que tal, não tem relevância histórica. Olhando para um artigo de referência "Glacier and lake-level variations in west-central Europe over the last 3500 years", de Holzhauser et al., vemos que por exemplo, há pouco mais de 3000 anos atrás, o Aletsch estava muito mais recuado que hoje...
Havia Aquecimento Global por essas alturas???

Ecotretas
ver mais em http://ecotretas.blogspot.com/2009/11/ainda-os-glaciares.html
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Ontem foi colocado num servidor russo um ficheiro comprimido com mais de um milhar de emails privados, documentos e aparentemente o código fonte do software ou algoritmo de temperatura global HadCRUT. O material foi aparentemente roubado de um servidor da Universidade de East Anglia, Reino Unido, provavelmente um ataque de um hacker.

A maioria desses emails são trocas de correspondência privada nos últimos anos entre os principais cientistas ligados à teoria do aquecimento global antropogénico.

O ficheiro deixou de estar no servidor russo mas já circula em torrents.
Entre os mais de mil emails há alguns que são um pouco embaraçosos, senão mesmo um pouco comprometedores.

Nos sites cépticos é a êxtase com o que vão lendo e publicando.
http://www.climateaudit.org/
http://wattsupwiththat.com/

Já dei uma olhadela em algumas coisas e é difícil de ter uma opinião para já, mas confesso que alguns emails são difíceis de digerir para quem como eu sempre defendi a ciência contra a pseudociência negacionista que pulula por aí.

Esperemos que surjam as devidas explicações para alguns dos emails.
O Real Climate hoje já publicou um post sobre o assunto:

The CRU hack


As many of you will be aware, a large number of emails from the University of East Anglia webmail server were hacked recently (Despite some confusion generated by Anthony Watts, this has absolutely nothing to do with the Hadley Centre which is a completely separate institution). As people are also no doubt aware the breaking into of computers and releasing private information is illegal, and regardless of how they were obtained, posting private correspondence without permission is unethical. We therefore aren’t going to post any of the emails here. We were made aware of the existence of this archive last Tuesday morning when the hackers attempted to upload it to RealClimate, and we notified CRU of their possible security breach later that day.

Nonetheless, these emails (a presumably careful selection of (possibly edited?) correspondence dating back to 1996 and as recently as Nov 12) are being widely circulated, and therefore require some comment. Some of them involve people here (and the archive includes the first RealClimate email we ever sent out to colleagues) and include discussions we’ve had with the CRU folk on topics related to the surface temperature record and some paleo-related issues, mainly to ensure that posting were accurate.

Since emails are normally intended to be private, people writing them are, shall we say, somewhat freer in expressing themselves than they would in a public statement. For instance, we are sure it comes as no shock to know that many scientists do not hold Steve McIntyre in high regard. Nor that a large group of them thought that the Soon and Baliunas (2003), Douglass et al (2008) or McClean et al (2009) papers were not very good (to say the least) and should not have been published. These sentiments have been made abundantly clear in the literature (though possibly less bluntly).

More interesting is what is not contained in the emails. There is no evidence of any worldwide conspiracy, no mention of George Soros nefariously funding climate research, no grand plan to ‘get rid of the MWP’, no admission that global warming is a hoax, no evidence of the falsifying of data, and no ‘marching orders’ from our socialist/communist/vegetarian overlords. The truly paranoid will put this down to the hackers also being in on the plot though.

Instead, there is a peek into how scientists actually interact and the conflicts show that the community is a far cry from the monolith that is sometimes imagined. People working constructively to improve joint publications; scientists who are friendly and agree on many of the big picture issues, disagreeing at times about details and engaging in ‘robust’ discussions; Scientists expressing frustration at the misrepresentation of their work in politicized arenas and complaining when media reports get it wrong; Scientists resenting the time they have to take out of their research to deal with over-hyped nonsense. None of this should be shocking.

It’s obvious that the noise-generating components of the blogosphere will generate a lot of noise about this. but it’s important to remember that science doesn’t work because people are polite at all times. Gravity isn’t a useful theory because Newton was a nice person. QED isn’t powerful because Feynman was respectful of other people around him. Science works because different groups go about trying to find the best approximations of the truth, and are generally very competitive about that. That the same scientists can still all agree on the wording of an IPCC chapter for instance is thus even more remarkable.

No doubt, instances of cherry-picked and poorly-worded “gotcha” phrases will be pulled out of context. One example is worth mentioning quickly. Phil Jones in discussing the presentation of temperature reconstructions stated that “I’ve just completed Mike’s Nature trick of adding in the real temps to each series for the last 20 years (ie from 1981 onwards) and from 1961 for Keith’s to hide the decline.” The paper in question is the Mann, Bradley and Hughes (1998) Nature paper on the original multiproxy temperature reconstruction, and the ‘trick’ is just to plot the instrumental records along with reconstruction so that the context of the recent warming is clear. Scientists often use the term “trick” to refer to a “a good way to deal with a problem”, rather than something that is “secret”, and so there is nothing problematic in this at all. As for the ‘decline’, it is well known that Keith Briffa’s maximum latewood tree ring density proxy diverges from the temperature records after 1960 (this is more commonly known as the “divergence problem”–see e.g. the recent discussion in this paper) and has been discussed in the literature since Briffa et al in Nature in 1998 (Nature, 391, 678-682). Those authors have always recommend not using the post 1960 part of their reconstruction, and so while ‘hiding’ is probably a poor choice of words (since it is ‘hidden’ in plain sight), not using the data in the plot is completely appropriate, as is further research to understand why this happens.

The timing of this particular episode is probably not coincidental. But if cherry-picked out-of-context phrases from stolen personal emails is the only response to the weight of the scientific evidence for the human influence on climate change, then there probably isn’t much to it.

There are of course lessons to be learned. Clearly no-one would have gone to this trouble if the academic object of study was the mating habits of European butterflies. That community’s internal discussions are probably safe from the public eye. But it is important to remember that emails do seem to exist forever, and that there is always a chance that they will be inadvertently released. Most people do not act as if this is true, but they probably should.

It is tempting to point fingers and declare that people should not have been so open with their thoughts, but who amongst us would really be happy to have all of their email made public?

Let he who is without PIN cast the the first stone.

http://www.realclimate.org/index.php/archives/2009/11/the-cru-hack/#more-1853
 

irpsit

Cumulonimbus
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
2,322
Local
Inverness, Escocia
Suponhámos que tens razão e o efeito dos actuais niveis de CO2 não são suficientes para causar aquecimento global artificial. E que existe manipulação dos dados nos defensores do AG.

Nesse caso, achas que devemos continuar as nossas emissões de CO2, ou devemos passar a usar energias "limpas" e renonáveis?


Porque não recuas mais un anos atrás? Verás que então os glaciares criavam outros tipos de problemas, tais que levaram populações a fazer preces a Deus para que eles não avançassem mais...
E se recuares ainda mais, verás que os glaciares estavam mais recuados de que estão hoje. Com níveis de CO2 baixíssimos.
Isto de comparar os últimos 100 anos e coisa que tal, não tem relevância histórica. Olhando para um artigo de referência "Glacier and lake-level variations in west-central Europe over the last 3500 years", de Holzhauser et al., vemos que por exemplo, há pouco mais de 3000 anos atrás, o Aletsch estava muito mais recuado que hoje...
Havia Aquecimento Global por essas alturas???

Ecotretas
ver mais em http://ecotretas.blogspot.com/2009/11/ainda-os-glaciares.html
 

Ecotretas

Cirrus
Registo
29 Jan 2008
Mensagens
80
Local
Lisboa
Suponhámos que tens razão e o efeito dos actuais niveis de CO2 não são suficientes para causar aquecimento global artificial. E que existe manipulação dos dados nos defensores do AG.

Nesse caso, achas que devemos continuar as nossas emissões de CO2, ou devemos passar a usar energias "limpas" e renonáveis?

Esta é uma resposta simples. Energias limpas e renováveis são sempre preferíveis. Baseadas numa ciência clara e em contas correctas, não há que equacionar! Desde o primeiro dia que o objectivo do meu blog e das minhas intervenções é apenas a de "evidenciar os disparates que se dizem e fazem à volta da Ecologia". O que está bem feito, está bem feito, e não há nada a discutiur...

Quanto ao CO2, não há que esquecer que é um dos pilares da existência de vida na Terra, e que ele já existiu em quantidades muito superiores no passado...

Quanto à "manipulação dos dados nos defensores do AG", será objecto do meu post seguinte.

Ecotretas
 

Ecotretas

Cirrus
Registo
29 Jan 2008
Mensagens
80
Local
Lisboa
Ontem foi colocado num servidor russo um ficheiro comprimido com mais de um milhar de emails privados, documentos e aparentemente o código fonte do software ou algoritmo de temperatura global HadCRUT. O material foi aparentemente roubado de um servidor da Universidade de East Anglia, Reino Unido, provavelmente um ataque de um hacker.

A maioria desses emails são trocas de correspondência privada nos últimos anos entre os principais cientistas ligados à teoria do aquecimento global antropogénico.

O ficheiro deixou de estar no servidor russo mas já circula em torrents.
Entre os mais de mil emails há alguns que são um pouco embaraçosos, senão mesmo um pouco comprometedores.

Nos sites cépticos é a êxtase com o que vão lendo e publicando.
http://www.climateaudit.org/
http://wattsupwiththat.com/

Já dei uma olhadela em algumas coisas e é difícil de ter uma opinião para já, mas confesso que alguns emails são difíceis de digerir para quem como eu sempre defendi a ciência contra a pseudociência negacionista que pulula por aí.

Esperemos que surjam as devidas explicações para alguns dos emails.
O Real Climate hoje já publicou um post sobre o assunto:

Tens razão Vince. Para quem defende a ciência, como eu também, a situação é muito mais grave que a que pensava que era há dois dias atrás... Não era suposto isto acontecer, e nem sequer está provado que não haja alterações no meio dos conteúdos. Já apareceu muita gente a confirmar a veracidade de várias partes, mas ninguém a negar alguma parte em particular. Devemos por isso ser cautelosos, e para já, dar como disclaimer que algumas partes podem estar incorrectas. E é com esse disclaimer que aqui reproduzo o que já organizei no meu blog.

Ecotretas
http://ecotretas.blogspot.com/2009/11/rolo-compressor-de-verdades.html

Celebrando a morte de um céptico
In an odd way this is cheering news !

Reconhecimento de dados e práticas erradas
We probably need to say more about this. Land warming since 1980 has been twice the ocean warming — and skeptics might claim that this proves that urban warming is real and important.

The fact is that we can’t account for the lack of warming at the moment and it is a travesty that we can’t. The CERES data published in the August BAMS 09 supplement on 2008 shows there should be even more warming: but the data are surely wrong. Our observing system is inadequate.

Perhaps we'll do a simple update to the Yamal post, e.g. linking Keith/s new page--Gavin t? As to the issues of robustness, particularly w.r.t. inclusion of the Yamal series, we actually emphasized that (including the Osborn and Briffa '06 sensitivity test) in our original post! As we all know, this isn't about truth at all, its about plausibly deniable accusations.

Regarding the "upside down man", as Nick's plot shows, when flipped, the Korttajarvi series has little impact on the overall reconstructions. Also, the series was not included in the calibration. Nonetheless, it's unfortunate that I flipped the Korttajarvi data. We used the density data as the temperature proxy, as recommended to me by Antii Ojala (co-author of the original work). It's weakly inversely related to organic matter content. I should have used the inverse of density as the temperature proxy. I probably got confused by the fact that the 20th century shows very high density values and I inadvertently equated that directly with temperature.

Aldrabando os dados
I’ve just completed Mike’s Nature trick of adding in the real temps to each series for the last 20 years (ie from 1981 onwards) amd from 1961 for Keith’s to hide the decline.

So, if we could reduce the ocean blip by, say, 0.15 degC, then this would be significant for the global mean – but we’d still have to explain the land blip. I’ve chosen 0.15 here deliberately. This still leaves an ocean blip, and i think one needs to have some form of ocean blip to explain the land blip (via either some common forcing, or ocean forcing land, or vice versa, or all of these).

As all our (Mike, Tom and CRU) all show that the first few centuries of the millennium were cooler than the 20th century, we will come in for some flak from the skeptics saying we’re wrong because everyone knows it was warmer in the Medieval period. We can show why we believe we are correct with independent data from glacial advances and even slower responding proxies, however, what are the chances of putting together a group of a very few borhole series that are deep enough to get the last 1000 years. Basically trying to head off criticisms of the IPCC chapter, but good science in that we will be rewriting people’s perceived wisdom about the course of temperature change over the past millennium.

Apagando os dados
The skeptics seem to be building up a head of steam here ! Maybe we can use this to our advantage to get the series updated ! Odd idea to update the proxies with satellite estimates of the lower troposphere rather than surface data !. Odder still that they don’t realise that Moberg et al used the Jones and Moberg updated series ! Francis Zwiers is till onside. He said that PC1s produce hockey sticks. He stressed that the late 20th century is the warmest of the millennium, but Regaldo didn’t bother with that. Also ignored Francis’ comment about all the other series looking similar to MBH. The IPCC comes in for a lot of stick. Leave it to you to delete as appropriate!

Can you delete any emails you may have had with Keith re AR4? Keith will do likewise. He’s not in at the moment – minor family crisis. Can you also email Gene and get him to do the same? I don’t have his new email address. We will be getting Caspar to do likewise.

Agindo ilegalmente
I’m getting hassled by a couple of people to release the CRU station temperature data. Don’t any of you three tell anybody that the UK has a Freedom of Information Act !

Escondendo a informação
Anyway, I wanted you guys to know that you're free to use RC in any way you think would be helpful. Gavin and I are going to be careful about what comments we screen through, and we'll be very careful to answer any questions that come up to any extent we can. On the other hand, you might want to visit the thread and post replies yourself. We can hold comments up in the queue and contact you about whether or not you think they should be screened through or not, and if so, any comments you'd like us to include.

If FOIA does ever get used by anyone, there is also IPR to consider as well. Data is covered by all the agreements we sign with people, so I will be hiding behind them.

Interferindo no peer-review
I'd rather you didn't. I think it should be sufficient to forward the para from Andrew Conrie's email that says the paper has been rejected by all 3 reviewers. You can say that the paper was an extended and updated version of that which appeared in CR. Obviously, under no circumstances should any of this get back to Pielke.

I can't see either of these papers being in the next IPCC report. Kevin and I will keep them out somehow - even if we have to redefine what the peer-review literature is!

Práticas financeiras
is this another witch hunt (like Mann et al.)? How should I respond to the below? (I’m in the process of trying to persuade Siemens Corp. (a company with half a million employees in 190 countries!) to donate me a little cash to do some CO2 measurments here in the UK – looking promising, so the last thing I need is news articles calling into question (again) observed temperature increases – I thought we’d moved the debate beyond this, but seems that these sceptics are real die-hards!!).

Also, it is important for us if you can transfer the ADVANCE money on the personal accounts which we gave you earlier and the sum for one occasion transfer (for example, during one day) will not be more than 10,000 USD. Only in this case we can avoid big taxes and use money for our work as much as possible.
 

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,059
Local
Odivelas (140m) / Várzea da Serra (900m)
Esta é uma resposta simples. Energias limpas e renováveis são sempre preferíveis. Baseadas numa ciência clara e em contas correctas, não há que equacionar! Desde o primeiro dia que o objectivo do meu blog e das minhas intervenções é apenas a de "evidenciar os disparates que se dizem e fazem à volta da Ecologia". O que está bem feito, está bem feito, e não há nada a discutiur...

Acho que todos estamos de acordo quanto a isso!
Optar por energias limpas e renováveis pelo alarmismo da ameaça das alterações climáticas, pode ser um passo arriscado.

E o que foi publicado, não só põe em causa toda a teoria do CO2 como principal responsável pelo aquecimento global, como mais grave do que isso: pode descredibilizar as energias renováveis. E gerar mais uma forte especulação petrolífera.

Hoje saiu no jornal Expresso uma reportagem interessante:

"Alterações Climáticas: ameaça ou alarmismo? "

Gosto da posição de João Corte-Real que antes de responder às perguntas da entrevista, fez uma espécie de introdução ao tema, onde fala do IPCC, dizendo que: "Mistura entre ciência e política é negativa".