Corrente do Golfo: Efeitos do enfraquecimento em Portugal

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,090
Local
Odivelas (140m) / Várzea da Serra (900m)
Eu tenho uma duvida à cerca da tão falada corrente do Golfo.

A corrente do Golfo, é a causa do nosso clima temperado, ou seja, é por causa dela que a amplitude térmica anual na nossa costa é muito baixa quando comparada com a amplitude verificada, por exemplo, em Nova YorK. Segundo os últimos registos, tem-se verificado que a corrente tem abrandado, ainda que não hajam dados suficientes para nos garantir se tudo não passa de um processo ciclico, ou se o abrandamento é mesmo definitivo e para continuar.
Ora, com o estagnar desta corrente, é frequente dizermos que a temperatura em Portugal irá baixar significativamente.

A minha duvida é a seguinte, dada a nossa posição em Latitude, será que vai baixar mesmo?

Sem corrente, a temperatura da água irá uniformizar em Latitude, e ao sabor das estações, ou seja, no Inverno, regiões como o Reino Unido, poderão ver plataformas de gelo ao seu largo, como acontece actualmente no Canadá. Já no Verão, as Canárias, e até mesmo a Madeira, estarão mergulhadas num caldo a mais de 25ºC. Então e Portugal que está a meio em Latitude? Caminharemos nós, um país tão pequeno, para um clima ainda mais diferenciado?:huh:
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Re: Há mesmo aquecimento Global?

Para os interessados no estudo da Nature publicado ontem e que esteve na origem do tópico onde todos falaram de tudo menos do estudo, aqui está ele na integra:

-> Advancing decadal-scale climate prediction in the North Atlantic sector (PDF)
-> Advancing Decadal-Scale Climate Prediction in the North Atlantic Sector - supplemental (PDF)


Resumo:
Advancing decadal-scale climate prediction in the North Atlantic sector
N. S. Keenlyside, M. Latif, J. Jungclaus, L. Kornblueh & E. Roeckner
Received 25 June 2007; accepted 14 March 2008.

The climate of the North Atlantic region exhibits fluctuations on
decadal timescales that have large societal consequences.
Prominent examples include hurricane activity in the Atlantic,
and surface-temperature and rainfall variations over North
America, Europe and northern Africa. Although these multidecadal
variations are potentially predictable if the current state of
the ocean is known, the lack of subsurface ocean observations
that constrain this state has been a limiting factor for realizing
the full skill potential of such predictions. Here we apply a
simple approach—that uses only sea surface temperature (SST)
observations—to partly overcome this difficulty and perform
retrospective decadal predictions with a climate model. Skill is
improved significantly relative to predictions made with incomplete
knowledge of the ocean state, particularly in the North
Atlantic and tropical Pacific oceans. Thus these results point
towards the possibility of routine decadal climate predictions.
Using this method, and by considering both internal natural climate
variations and projected future anthropogenic forcing, we
make the following forecast: over the next decade, the current
Atlantic meridional overturning circulation will weaken to its
long-term mean; moreover, North Atlantic SST and European
and North American surface temperatures will cool slightly,
whereas tropical Pacific SST will remain almost unchanged. Our
results suggest that global surface temperature may not increase
over the next decade, as natural climate variations in the North
Atlantic and tropical Pacific temporarily offset the projected
anthropogenic warming.
 

Mário Barros

Furacão
Registo
18 Nov 2006
Mensagens
12,501
Local
Cavaleira (Sintra)
Re: Há mesmo aquecimento Global?

A minha duvida é a seguinte, dada a nossa posição em Latitude, será que vai baixar mesmo?

Sem corrente, a temperatura da água irá uniformizar em Latitude, e ao sabor das estações, ou seja, no Inverno, regiões como o Reino Unido, poderão ver plataformas de gelo ao seu largo, como acontece actualmente no Canadá. Já no Verão, as Canárias, e até mesmo a Madeira, estarão mergulhadas num caldo a mais de 25ºC. Então e Portugal que está a meio em Latitude? Caminharemos nós, um país tão pequeno, para um clima ainda mais diferenciado?:huh:

Há medida que a corrente vai enfraquecendo o ar polar invade a Europa...;) o AA tambem recua para sul.

Por isso imagina como será a evolução da temperatura ao longo de tal processo :p



Site fixolas:

http://www.noc.soton.ac.uk/rapid/sis/atlantic_conveyor.php
 

ecobcg

Cumulonimbus
Registo
10 Abr 2008
Mensagens
4,877
Local
Sitio das Fontes e Carvoeiro (Lagoa - Algarve)

Paulo H

Cumulonimbus
Registo
2 Jan 2008
Mensagens
3,159
Local
Castelo Branco 386m(489/366m)
Re: Há mesmo aquecimento Global?

Eu penso que a confirmar-se o enfraquecimento da corrente do golfo na(s) próxima(s) décadas o que aconteceria e sem extremismos, seria que provavelmente teriamos um clima mais semelhante ao de Nova Iorque, enquanto que para latitudes superiores a 45ºN semelhante ao Canadá.

Com uma temperatura superficial do mar mais baixa, veriamos menores desenvolvimentos depressionários (estou a referir-me à sua génese nas nossas proximidades). A precipitação seria algo mais contínua mas em menos quantidade, se a faixa anticiclónica se deslocasse para Sul beneficiando-nos com ventos de oeste no Inverno mas mais frios que os actuais.

Em resumo, teriamos temperaturas não 10ºC mais baixas como Nova Iorque (ventos continentais de oeste), mas teriamos menos 5ºC provavelmente!

O Verão seria talvez mais ameno, mas sem grandes diferenças.

Em todo o caso, concordo com o Vince, é apenas uma hipótese de vir acontecer e mesmo que aconteça, o enfraquecimento da corrente do golfo virá acompanhado de outros mecanismos de compensação (é sempre assim na natureza, como nas equações).


Mas lá no fundo, eu penso que ainda é cedo demais para que tal aconteça! Estamos na realidade entrando mais numa fase de ciclos de 10 ou de 60 anos de avanços e recuos. Pois existe muita calote polar a derreter, para que tal fosse definitivo no enfraquecimento da corrente do golfo. Podemos entrar numa etapa de 100,200 ou 500anos em que ora a calote derrete substancialmente e enfraquece a corrente, ora a corrente enfraquecida dá origem a um reforço glaciário pelo que ganhará novamente força e assim consecutivamente!

Penso que este será o raciocínio mais correcto nos próximos tempos: enfraquecimento ligeiro da corrente do golfo -> reforço glaciário -> reactivação da corrente em pleno -> redução glaciária -> enfraquecimento da corrente do golfo. Penso que com o melhor estudo de todo este mecanismo e integrando-o nos modelos climáticos, poderemos definir melhor com que escala se pode medir o aquecimento global.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Passei esta discussão para um tópico próprio, escusa de estar tudo enfiado na do aquecimento global.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Paulo, eu concordo quase na totalidade contigo. Partindo do princípio que há ciclos de enfraquecimento da corrente também não acredito em alterações extremas. A única coisa em que discordo é que acho 5ºC médios demasiado. Penso que no máximo seria algo na ordem dos 2ºC ou 3ºC. E isto esquecendo o aquecimento global, pois provavelmente na presença deste seria menos ou se calhar nenhum.... Mas esquecendo o aquecimento ou fazendo de conta que ele realmente não existe, acho que em termos médios seria algo como isso. O que se passa é que quando temos um arrefecimento médio mesmo de apenas 1 ou 2ºC que podem parecer pouco, na prática depois podem ocorrer um ou outros Invernos mais rígidos.

Porque atiro estes valores ? Porque andei a ver temperaturas médias no século XX e durante esse século de certeza que o Atlântico passou por fases destas em que a corrente enfraqueceu. E olhando para vários registos no máximo vejo coisas na ordem dos 2/3ºC, ignorando um ou outro outlier.

71140140pm5.gif


14220388lk1.gif



Descidas de 5ºC ou um pouco mais acho que só na pequena idade do Gelo, e mesmo aí tenho sérias dúvidas de que terá sido muito mais em Portugal. E nestes ciclos não estamos a falar disso, pois como dizes a corrente só por si não consegue quedas maiores na temperatura, supondo que tudo o resto se mantem e os respectivos mecanismos de equilibrio que referes. A corrente é importante mas não é ela sozinha que faz o nosso clima.

E não esquecer que para a pequena idade do Gelo parecem ter contribuído dois factores excepcionais, intensa actividade vulcânica e o mínimo de Maunder, e não a corrente do golfo que provavelmente deve ter ajudado à festa mas é impossível saber de que forma. Mas de momento não temos nada que indique um mínimo solar, o que não quer dizer que não aconteça, há cientistas russos que prevêm um mínimo solar não tão radical como o de Maunder, seria algo como o de Dalton. Mas previsões sobre isso valem o que valem, seja de quem for. E vulcões idem, também ninguém consegue prever.

maunderri9.gif


Mas isto para dizer que mesmo num cenário mais radical como o da pequena idade do gelo, em Portugal não estariamos a falar de algo catastrófico. Aliás, não há grandes registos dessa época sobre frio extremo ou assim, o que mostra que nada de muito grave se passou nesses tempos, de contrário seria algo muito mais referido na nossa literatura histórica.

Sobre Espanha há bastantes documentos, falam de neve em locais onde ela hoje não existe, falam de neves permanentes na Sierra Nevada, etc, mas não esquecer que na Sierra Nevada o pico mais alto, o Mulhacén tem 3482 m.
 
  • Gosto
Reactions: frederico

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,090
Local
Odivelas (140m) / Várzea da Serra (900m)
A ideia que eu tenho é que na verdade e em Portugal, o "parar" da corrente do Golfo não nos ia trazer grande frio, pelo contrário. Os países do norte da Europa, esses sim, teriam invernos mais rigorosos como o Canadá, mas nós, a meia Latitude e com o deserto do Saara tão próximo não sei não.
Não digo que os Invernos não fossem mais frios, mas como seria o Verão? O Atlântico à nossa latitude, sem a corrente norte, iria certamente aquecer como o Mediterrâneo. E assim, ao invés de 18ºC, iriamos ter na Costa da Caparica 24ºC como chega a acontecer em Roma. E o que aconteceria à nortada? Ao invés de fresca, passaria a ser morna? :huh:

São duvidas que tenho... Se calhar duvidas disparatadas, mas não deixam de matutar na minha cabeça:confused:

Apesar de tudo não creio que hajam grandes modificações ao nível do clima devido à corrente do Golfo. Pelo menos não nos próximos anos.
 

Dan

Staff
Registo
26 Ago 2005
Mensagens
9,788
Local
Bragança (675m)
Não seria tanto o desaparecimento total da corrente do golfo, mas mais uma descida em Latitude da mesma. Algo parecido com o que já aconteceu no passado em períodos mais frios. O nosso clima mediterrâneo está a meio caminho entre o clima temperado oceânico e o desértico tropical. A descida da corrente do golfo, bem como do AA, faria com que passássemos do clima mediterrâneo para um clima de características mais oceânicas.

Mas também não me parece que isto possa ocorrer nos anos ou décadas mais próximas.
 
  • Gosto
Reactions: frederico

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,015
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
O enfraquecimento da corrente do golfo não seria uma grande noticia para nós. Eu preocupo-me mais com a parte veraneante. Sem anticiclone perderiamos a nortada e as canárias perdiam os alísios, mas se vocês virem as trajectorias dos ciclones tropicais no atlântico, eles acompanham a corrente do golfo e tendem a desaparecer alguns poucos sobre as britânicas. Se ela baixar de latitude porque enfraquece podemos ficar nós na linha de mira. E o "vince" não foi uma experiência muito animadora... :(

Agora imaginem se a corrente do golfo baixa de latitude tipo ao ponto de ficar em frente a gibraltar. Se as aguas do mediterrâneo já andam acima dos 24/25 graus...


Há uma coisa que é contraditoria. Hoje estima-se que os trópicos de cancer e capricornio se terão afastado uns 1000 km um do outro expandindo a área tropical. Se a corrente do golfo baixar a área tropical não deverá diminuir também? O aquecimento global expande a área tropical, mas debilita as correntes oceânicas o que torna a equilibrar o processo ou não? Ou não há equilibrio possível? Isto em termos oceânicos porque em terra é muito diferente!
 

Mário Barros

Furacão
Registo
18 Nov 2006
Mensagens
12,501
Local
Cavaleira (Sintra)
Não se esqueçam que um recuo para sul na corrente do golfo poria as correntes em todo o globo em estado de sitio :maluco::maluco: mas claro o Atlantico seria o mais afectado tal como o continente Europeu e a Costa Oeste dos Estados Unidos.

Penso que se tal estiver a acontecer poderemos estar assistir a um recuo cada vez mais progressivo para sul do clima mediterraneo isto é cada vez mais para o interior do Norte de Africa e todos os países de Cabo Gibraltar para Norte a ser "invadidos" por um clima continental com Invernos cada vez mais rigorosos e percepitações cada vez mais intensas.

Quanto á costa Oeste dos Estados Unidos penso que iria ficar cada vez mais seca devido ao continuo desvio do vapor de água para a Europa graças aos jet streams.

Quanto ás temperaturas bom quedas acentuadas devido dos deslocamento em altitude dos ventos polares cada vez mais para sul empurrando sistemas depressionarios cada vez mais para junto do equador e sendo assim reduzindo as áreas abrangidas pelos climas tropicais.

Penso que se algo estiver realmente a acontecer não existem quais quer limites que se coloquem perante a natureza nem mesmo geográficos se o frio quiser avançar ninguém o vai parar apenas temos o dever de nos adaptar.

Sendo assim aqui fica a minha opnião :w00t::w00t: :p

Site porreiro

:rain::rain::rain::rain: :cold::cold::cold::cold:

 

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,090
Local
Odivelas (140m) / Várzea da Serra (900m)
Há uma coisa que é contraditoria. Hoje estima-se que os trópicos de cancer e capricornio se terão afastado uns 1000 km um do outro expandindo a área tropical. Se a corrente do golfo baixar a área tropical não deverá diminuir também? O aquecimento global expande a área tropical, mas debilita as correntes oceânicas o que torna a equilibrar o processo ou não? Ou não há equilibrio possível? Isto em termos oceânicos porque em terra é muito diferente!

Acho que não diminuirá necessariamente. Porque se a corrente desce em Latitude é por enfraquecimento, logo não "terá força" para diminuir a área tropical. Digo eu.:confused:
O que acontece, é que se a água quente não chega ao circulo polar, o gelo a norte vai aumentar. Mas se pensarmos que na natureza nada se perde, tudo se transforma, o que é que vai acontecer ao calor dos tropicos que não será distribuído?:confused: Ficará mais concentrado? A água nos tropicos aumentará gradualmente de temperatura?
Então e Portugal, que nem é trópico nem é polar, situando-se entre os 37º e os 42ºN ?
 

Paulo H

Cumulonimbus
Registo
2 Jan 2008
Mensagens
3,159
Local
Castelo Branco 386m(489/366m)
Descidas de 5ºC ou um pouco mais acho que só na pequena idade do Gelo, e mesmo aí tenho sérias dúvidas de que terá sido muito mais em Portugal. E nestes ciclos não estamos a falar disso, pois como dizes a corrente só por si não consegue quedas maiores na temperatura, supondo que tudo o resto se mantem e os respectivos mecanismos de equilibrio que referes. A corrente é importante mas não é ela sozinha que faz o nosso clima.

E não esquecer que para a pequena idade do Gelo parecem ter contribuído dois factores excepcionais, intensa actividade vulcânica e o mínimo de Maunder, e não a corrente do golfo que provavelmente deve ter ajudado à festa mas é impossível saber de que forma. Mas de momento não temos nada que indique um mínimo solar, o que não quer dizer que não aconteça, há cientistas russos que prevêm um mínimo solar não tão radical como o de Maunder, seria algo como o de Dalton. Mas previsões sobre isso valem o que valem, seja de quem for. E vulcões idem, também ninguém consegue prever.

maunderri9.gif


Mas isto para dizer que mesmo num cenário mais radical como o da pequena idade do gelo, em Portugal não estariamos a falar de algo catastrófico. Aliás, não há grandes registos dessa época sobre frio extremo ou assim, o que mostra que nada de muito grave se passou nesses tempos, de contrário seria algo muito mais referido na nossa literatura histórica.

Tudo bem Vince, posso concordar! Eu estava comparando Lisboa a Nova Iorque em que uma sofre de Inverno a influência da corrente do Labrador e Lisboa recebe influência da corrente quente do golfo todo o ano. Eu tinha reduzido de 10ºC para 5ºC, tendo em conta que Nova Iorque se encontra na costa leste e Lisboa na oeste do continente, logo mais quente. Em Nova Iorque, as frentes são maioritariamente continentais logo mais frias no Inverno, e em Lisboa as frentes são marítimas logo mais amenas.

Mas estava esquecendo também da corrente fria do Labrador, que arrefece sempre mais um pouco Nova Iorque.

Não tenho dúvidas que o clima será mais frio com o enfraquecimento da corrente quente do golfo, ou com a sua deslocação para sul ou com o seu desmembramento em várias rotas. Quando referem que o braço norte da corrente do golfo (Gronelândia, noruega, Inglaterra) se deslocará para sul, para mim seria irrelevante pois é o mesmo braço da corrente que agora mesmo está passando pela nossa costa.

Já agora uma curiosidade! A maioria de nós já deve ter visitado o vale glaciário do Zêzere na Serra da Estrela! A questão é: Que temperatura deveria ocorrer em Manteigas (750m) para que o glaciar se mantivesse até aos nossos dias? Vou reformular: Quanto mais frio estaria em relação ao presente?

Como não tenho dados para calcular, pesquisei uma folha Excel no site:
http://portal.aragob.es/pls/portal3...ST_0400/IAEST_0407/IAEST_040703/040703C01.XLS

Contém informações dos glaciares em 1994 e 2000 de Aragão (Espanha).
A minha idéia era fazer uma extrapolação grosseira, comparando a diferença de altitude em que se encontra o glaciar mais baixo e Manteigas e daí calcular a diferença de temperatura pelo gradiente altimétrico (0.65º/100m).
Constatei que:

Nome do Glaciar: Central de Infierno
Altitude máxima: 2.900m
Altitude mínima: 2.670m

Ora, 2670-750 = 1920m
Então: 0.65 x (1920/100) = 12.5ºC

Tendo em conta a localização do Glaciar em Aragão nos pirinéus (muito mais a norte e com mais continentalidade que Manteigas), arredondaria a diferença de temperatura daquela época glaciar para os nossos dias em -15ºC!

E atenção -15ºC de diferença é em relação ao ponto onde está recuando o glaciar. Eu diria que para termos formação de glaciares no Vale do Zêzere/Manteigas teriamos então temperaturas 15º a 20ºC mais baixas que as actuais!!

Concordam?!

Então seguindo este raciocínio, penso que não será pelo suposto enfraquecimento gradual da corrente do golfo que devemos recear ver glaciares e icebergs ao longo das nossas praias! Terá de ser em conjunção com outros factores..
 
  • Gosto
Reactions: frederico

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,321
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Acho que não diminuirá necessariamente. Porque se a corrente desce em Latitude é por enfraquecimento, logo não "terá força" para diminuir a área tropical. Digo eu.:confused:
O que acontece, é que se a água quente não chega ao circulo polar, o gelo a norte vai aumentar. Mas se pensarmos que na natureza nada se perde, tudo se transforma, o que é que vai acontecer ao calor dos tropicos que não será distribuído?:confused: Ficará mais concentrado? A água nos tropicos aumentará gradualmente de temperatura?
Então e Portugal, que nem é trópico nem é polar, situando-se entre os 37º e os 42ºN ?


Portugal está entre os 30º e os 42º N.