Davis (Radiation Shield VS Fan Aspired Radiation Shield)

HotSpot

Cumulonimbus
Registo
20 Nov 2006
Mensagens
3,614
Local
Moita, Setubal
Conforme prometi noutro tópico em tempos, aqui estão os resultados da comparação entre os 2 RS da Davis.

Foto dos dois RS instalados a aprox. 1,7m do solo. Mesmo modelo de sensor da Davis.

fotodz.png


Dos vários dias em que testei este cenário, escolhi 2 com condições atmosféricas completamente diferentes. O dia 30 de Abril com algum vento e pouca radiação solar e o dia 11 de Maio com céu limpo e pouco vento.

Em cada gráfico estão os valores de temperatura/radiação global/vento registados a cada minuto. Na legenda, os extremos registados por cada sensor de temperatura.

20110430.png


20110511.png


As minhas conclusões...

À primeira vista, fiquei espantado! Estava realmente à espera de encontrar diferenças significativas durante o dia, mas durante a noite, nem por isso.

- O FARS permite ler o valor efectivo de temperatura do ar. O sensor está bem protegido e o ar dentro do FARS só entra sugado por uma ventoinha que funciona 24H por dia e mantêm o ar dentro da camara do sensor em constante circulação.

- No RS, a circulação do ar é passiva. Quanto maior a intensidade do vento, maior a circulação de ar dentro do RS. A bolsa de ar dentro do RS, fica sujeita ao efeito térmico do material do RS se o ar não circular com a regularidade desejada (pouco vento).

Isto explica em parte, porque o RS tem máximas mais altas e mínimas mais baixas.

No fim do dia 11/5, com vento praticamente inexistente, é possível verificar o maior "nervosismo" das leituras no FARS, enquanto no RS a descida é gradual e linear. No dia 30/4 ao fim da tarde, quando o vento soprava com maior intensidade, o comportamento dos 2 RS's foi muito semelhante.

Conclusão: Estou muito satisfeito com o FARS, garante-me extremos fiáveis.

Aconselho o RS para quem esteja numa zona muito ventosa e/ou tenha a estação montada no topo de um prédio. Se o sensor estiver muitos metros acima do nível do solo, normalmente corta nos extremos. O RS pode ajudar a minimizar essa diferença.

Próximo teste, mudar este RS para perto do meu anemometro (10 metros) e comparar com o FARS a 1,7 m do solo.

Venham as vossas opiniões... :thumbsup:
 

Z13

Cumulonimbus
Registo
20 Set 2006
Mensagens
3,027
Local
Bragança - 690m
Excelente estudo! :thumbsup:

De facto, 1,2ºC de diferença nas máximas é significativo...:unsure: mas todas as estações oficiais quer automáticas quer com o abrigo de Stevenson não são "aspiradas", pelo que, para considerarmos os nossos valores para fins estatísticos, creio eu que deveríamos optar pelo RS tradicional com o fim de não adulterarmos os resultados...

"forçar" o ar pode ser considerado como colocar o RS à sombra, ou seja, os resultados serão sempre diferentes dos "padrão".
 

HotSpot

Cumulonimbus
Registo
20 Nov 2006
Mensagens
3,614
Local
Moita, Setubal
"forçar" o ar pode ser considerado como colocar o RS à sombra, ou seja, os resultados serão sempre diferentes dos "padrão".

A questão que se coloca é mesmo essa, o que é o padrão? Supostamente estas são 2 instalações padrão que apresentam resultados diferentes. Podem estar as 2 "correctas" ou as 2 "erradas".

Bom estudo Hotspot! ;)

Em termos de valores mensais, já tens dados que te permitam ver uma diferença na média da Tmáx, Tmin e Tméd do RS para o FARS?

Ficam os valores médios de 1 a 18 de Maio:

unledth.png
 

vitamos

Staff
Registo
11 Dez 2007
Mensagens
5,433
Local
Estarreja
Parabéns HotSpot por este elucidativo estudo! :)


De facto, 1,2ºC de diferença nas máximas é significativo...:unsure: mas todas as estações oficiais quer automáticas quer com o abrigo de Stevenson não são "aspiradas", pelo que, para considerarmos os nossos valores para fins estatísticos, creio eu que deveríamos optar pelo RS tradicional com o fim de não adulterarmos os resultados...

"forçar" o ar pode ser considerado como colocar o RS à sombra, ou seja, os resultados serão sempre diferentes dos "padrão".

Questão muitíssimo pertinente Z13!
Na minha actividade profissional executo muitas vezes medições de temperatura. Contudo, e embora sejam trabalhos de relevância, evito usar a expressão medições "rigorosas" de temperatura. E porquê? Não porque aquilo que faço não implique seriedade. Implica sem dúvida! Mas o que é certo é que de todos os parâmetros que possamos medir, a temperatura é sempre o parâmetro mais problemático! Pode ser influenciada por muitos aspectos... Desde a velocidade do ar circundante, ao instrumento de medição em si, a fenómenos de transmissão de calor, efeitos radiativos, etc, etc...

As condições padrão em si, apenas existem para comparação de valores! E ainda bem... se não existissem então toda a climatologia deixaria de fazer sentido! É por isso que o rigor nas medições dentro dos padrões "minimamente exigíveis" é de extrema importância na observação meteorológica! :)

Contudo o factor "temperatura" há-de ser sempre motivo das maiores discussões. Porque o próprio conceito de temperatura tem muito que se lhe diga!
 

Z13

Cumulonimbus
Registo
20 Set 2006
Mensagens
3,027
Local
Bragança - 690m
Parabéns HotSpot por este elucidativo estudo! :)


As condições padrão em si, apenas existem para comparação de valores! E ainda bem... se não existissem então toda a climatologia deixaria de fazer sentido! É por isso que o rigor nas medições dentro dos padrões "minimamente exigíveis" é de extrema importância na observação meteorológica! :)

É isso mesmo que eu penso!

Não menosprezando a questão do tópico que vem confirmar na prática aquilo que já todos desconfiávamos, (a medição da temperatura do ar é mais fiel se o ar estiver em ligeira circulação, do que se estiver mais "estático" dentro do RS) mas a questão das comparações com as normais do sec. passado está sempre sujeita a uma série de erros associados que devem ser tidos sempre em conta:
1ºerro de comparação: A resolução dos sensores actuais é superior à dos termómetros de há 30 anos.
2ºerro: Mesmo assim, o erro associado aos sensores aumenta bastante nos extremos de temperatura, tipo -10ºC e +40ºC, o que gera em si mais um erro.
3ºerro: Hoje a máquina substitui-nos e tem sempre a mesma fiabilidade nas leituras enquanto antigamente o observador que ía ao abrigo observar os termómetros estava sujeito a erros de paralaxe e todos dependíamos do rigor com que efectuava as leituras....
4ºerro: As estações que antigamente se situavam na periferia das cidades hoje têm de conviver com construções a menos de 20/30 metros de distância e em todas as direcções....

E outros existirão que possam inquinar as comparações!

Agora voltando ao tema, creio que é de facto uma melhoria na fiabilidade das leituras a utilização sistemática de FARS! :thumbsup:
 

c.bernardino

Nimbostratus
Registo
31 Dez 2010
Mensagens
654
Local
Loures
Curiosamente, dizer que o fars é mais fiável... peço desculpa mas não sei se usaria essa palavra. Fiabilidade acaba por refletir, não obrigatoriamente o valor real (será que existe?) mas sim um valor coerente. A fiabilidade mede-se pela repetição de uma medida dar valores próximos entre si, ou, ao contrário, existir uma grande dispersão (imprecisão).

Uma temperatura medida com um FARS por um sensor bom, não será a temperatura medida por um bom termómetro no abrigo de stevenson. Ai estamos a entrar na questão da exatidão, que é bem diferente da precisão.
(desculpem estas banalidades)

Confesso que ainda só passei os olhos nos gráficos. Mas foi o próprio hotspot que notou o nervosismo do FARS no final do dia 11. Como explicar isso?
Aqui pode surgir alguma falta de maturidade da minha pessoa: porque motivo as minimas no fars são mais elevadas? (ou se quiserem no RS serem mais baixas).

Confesso que tenho algumas cautelas com a questão do FARS. A termodinâmica da coisa não me parece simples e seria interessante juntar uma variável à questão : a humidade. É só uma sugestão. E o Hot deve ter esses dados.

Parabéns ao Hotspot pelo trabalho e partilha!
 

HotSpot

Cumulonimbus
Registo
20 Nov 2006
Mensagens
3,614
Local
Moita, Setubal
Sim, pode-se falar em exactidão e não em fiabilidade.

Uma coisa é certa, as normas da OMM "dizem" que os 2 sensores estão instalados correctamente. É confuso pensar nisso quando em certas alturas os valores lidos são tão diferentes...

Este estudo vem provar, na minha opinião, diversas coisas:

- Radiation Shield's, sejam passivos ou activos, da Davis ou outra marca/artesanais, podem mostrar resultados diferentes.

- É realmente importante ter o sensor bem protegido. Mas isso já sabíamos.

- Mudar de modelo de estação ou RS no mesmo local de observação, torna complicado comparar dados antigos vs dados novos.

- A teoria de alguns membros de que o RS não permite registar mínimas tão baixas e por isso devem ventilar, cai por água abaixo.

O porque acho eu que o FARS é mais "exacto"? Pelo simples facto de quando o RS actua em modo "FARS", ou seja, sem muita radiação solar e com vento moderado que permite uma maior circulação de ar, os valores passam a ser muito semelhantes entre os dois.

Mas como já referi, podem estar os 2 correctos ou os 2 errados. É mesmo muito complicado chegar a uma conclusão.

Bernardino, não coloquei os valores de H.R. porque são bastantes semelhantes entre os 2 sensores. Nos quase 2 meses de teste, a diferença nunca foi superior a 3%. Em mais de 95% dos registos é igual ou com uma diferença de +-1%.
 

c.bernardino

Nimbostratus
Registo
31 Dez 2010
Mensagens
654
Local
Loures
Hotspot,
eu não quero relacionar o valor da humidade! Eu não disse isso.

Eu gostaria de estudar a relação entre a diferença de temperaturas RS/FARS em função da humidade.
Penso que pensaste na variável vento e radiação, certo? eu penso na humidade, por causa da interação entre as moléculas de água no ar com o sensor.

cps
bernardino
 

c.bernardino

Nimbostratus
Registo
31 Dez 2010
Mensagens
654
Local
Loures
Ok, então é facil. À noite a HR é mais elevada e durante o dia mais baixa. :D

estamos bem dispostos, que bom.
Mas se fizer um gráfico que tenha nas ordenadas T rs - T fars e a humidade nas abcissas somos capazes de ver qualquer coisa. Esse gráfico teria de ser feito para uma hora específica do dia, por exemplo 4h a manhã para eliminar o efeito da radiação.
Penso que seria interessante.
Sem mais.

Bernardino