1. Postagens no fórum Off-Topic
    Para combater registos que têm por único objectivo o de participar em tópicos controversos, o acesso às postagens está condicionado a membros com um número mínimo de 100 mensagens. Membros que não tenham esta quantidade de mensagens não poderão submeter mensagens ou criar tópicos nesta secção.
    Condições Gerais de Utilização do MeteoPT

Falamos a mesma língua?

Tópico em 'Off-Topic' iniciado por Carlos Dias 24 Nov 2006 às 13:27.

  1. Luiz Carlos M F

    Luiz Carlos M F
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    17 Set 2006
    Mensagens:
    5
    Carlos,

    Por aqui costumo utilizar aguaceiro, bem como arder. Muitas palavras são comuns ao léxico de Portugal e Brasil, variando apenas o hábito de usá-las. "Nevão" seria simplesmente (ao que penso) o aumentativo de "neve"... é o mesmo fenômeno lingüístico que ocorre com "chuva" e "chuvão". Esta última já ouvi por aqui e imagino que se nevasse com certa freqüência no país, também utilizariam a versão Portuguesa...

    Saudações,
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  2. abrantes

    abrantes
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    4 Jan 2008
    Mensagens:
    237
    Local:
    Rio de Janeiro
    Alias no tópico sobre regionalismo tem um texto que eu duvido que um brasileiro entenda,..

    "Re: Regionalismos

    --------------------------------------------------------------------------------

    E aqui fica um apanhado de alguns numa pequena história "à madeirense":

    Tava o vendeiro ao paleio com o vadio do vilão quando ouviu uma zoada. Era a água de giro. O buzico do levadeiro que vinha mercar
    palhetes à venda, vinha às carreiras e às parafitas com bizalho.
    Dá-lhe uma cangueira, trompicou no matulhão do vilhão. Bate cas
    ventas no lanço e esmegalha a pucra.
    O vilão dá-lhe uma reina vai a cima dele para lhe dar uma relampada,
    patinha uma poia. Ficou todo sovento. O vendeiro dá-lhe uma
    ressonda por ele querer malhar num bizalho dum pequeno. Vem o
    levadeiro, e, ao ver o vassola, que anda à gosma e a encher o
    pampulho à custa dos outros, a ferrar com o filho,
    fica variado do miolo e diz-lhe umas. O vilão atazanado, atremou
    mal e pensou que ele lhe tinha chamado de chibarro, ficou
    alcançado, deu-lhe uma rabanada e foi embora todo esfrancelhado.
    O levadeiro ficou mais que azoigado mas lá foi desatupir a levada.
    O piquene chegou a casa todo sentido, com um mamulhão. A mãe que é uma
    rabugenta mas abica-se por ele, ao vê-lo todo ementado, deu-lhe um
    chá que era uma água mijoca, pensando que canalha é mesmo assim,
    mas, como ele não arribava, antes continuava olheirento, entujado e
    da chorrica foi curar do bicho virado e do olhado. O busico arribou e até já
    anda a saltar poios de bananeiras na Fajã."
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  3. abrantes

    abrantes
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    4 Jan 2008
    Mensagens:
    237
    Local:
    Rio de Janeiro
    Alias para os amigos de Portugal e de outros estados do Brasil que vierem ao Rio de Janeiro segue um dicionário para que possam falar com um nativo sem problemas,..

    Aê: 1. Advérbio de lugar ("A parada está por aê"). 2. Vocativo genérico ("Aê, tu viu a parada?"). 3. [p+ ] Partícula composta iniciadora de frase ("Pô aê, sei lá").
    Bagaray: Vide "pacaralho".
    Bizú: Dica, conselho. Normalmente passado na deschava. Ex: Vou de dar um bizu pra tu calibrar esse barômetro.
    Bola: 1. Objeto essencial para esportes como futiba, futevôlei, vôlei de praia e frescobol. 2. Ajuda na hora de levantar o peso - normalmente o supino - na academia.
    Bola-gato: Do inglês "ball-cat". Boquete.
    Bolado: Condição de incompreensão momentânea, chateação ou preocupação em qualquer nível. Ex: Po to boladão, vim aqui pro sul e nem nevou.
    Bonde: 1. Ônibus. 2. Galera, turma, grupo.
    Bucha: Do germânico "aquele que você aperta e ele vaza". Indivíduo com marra de malandro mas que não passa de um tremendo prego. Mané, malandro coca-cola (só dar um sacode que ele perde o gás).
    Camarada: Amigo, normalmente companheiro de night ou amigo do amigo. Sempre usado em terceira pessoa. Ex.: "Fomos eu e mais um camarada..."
    c*****: 1. Pirú, jeba, trolha. 2. Interjeição ("c*****!"). 3. [pa-] Advérbio de intensidade ("Em São Leopoldo estava frio pacaralho.").
    Cerol: Cara farpado, pegador. Consegue sair com qqqer mulher.
    Coé: Aglutinação de "qual é" ("Coé, sangue?"). É a mesma coisa de como vai.
    Conto: Unidade monetária sem plural ("Essa parada custa 10 conto").
    Dar mole: 1. Dar condição pra chegar. Ex: Aquela menina da dando mole 2. Vacilar, dar bobeira. Po o cara deu molinho bateu com o carro.
    Deschavar (leia dichavar): 1. Disfarçar, escamotear, esconder a ação ou intenção. ("Ela tá olhando! Deschava!") 2. Disfarçadamente deixar alguém de fora. ("Aê, bora deschavar esse mala.")
    Farpado ou Farpa: Derivado de "arame farpado" (aquele que cerca, e, se der mole, pega).
    Filé: 1. Mulher muito atraente, com um shape invejável. 2. Nilton Petrone, o fisioterapeuta do Romário e do Ronaldinho.
    Finalizar: Chegar aos finalmente. Rolar sexo. Conhecido também como "dar um fatality".
    Irado: Qualificação extremamente positiva relacionada a um fato, ocorrência ou objeto ("O jogo foi irado!"). O número de letras "a" define a qualidade do evento... Um "pô, irado, hein?" é diferente de um "c*****, mulequi, foi iraaaaaaaaado!!!".
    Jiujiteiro, pitbull, pitboy: Lutadores de jiujitsu e afins muito comum no Rio intermediário entre o homem e o macaco que gosta de ralar orelha no chão, levar pitbull pra passear amarrados com faixa de treino e arranjar briga sem motivo nenhum.
    Lance: 1. Ver "parada". A mesma coisa que coisa,..entendeu? então,..sá parada.
    Liso: Derivado de "arame liso" (aquele que cerca, mas não machuca). Peganínguem.
    Maluco: Cara, sujeito, indivíduo. Ex.: "Eu não conheço aquele maluco".
    Mané: Otário, vacilão, prego. Sujeito que pisa na bola.
    Maneiro: Parada muito legal.
    Mel: 1. Bebida alcoólica artesanal fabricada com cachaça e mel; melzinho. 2.[Ter mel] Qualidade de atrair a atenção sentimental e/ou hormonal do sexo oposto ("Aquele maluco tem mel");
    Mermão: Aglutinação de "meu irmão" ("Aí, mermão, que parada é essa?").
    Mestre-sala: Aquele dança em volta, apresenta pra todo mundo mas não encosta e não deixa ninguém encostar. Arroz, liso.
    Mó: Aglutinação de "maior" ("Ih, coé? Mó otário. Aê!").
    Muleki: Cara, maluco, indivíduo, sujeito.
    Nem fudendo: 1. De jeito nenhum, absolutamente sem possibilidades. 2.
    Porrada: 1. Soco, pancada violenta, briga. 2. Coletivo genérico (multidão - uma porrada de gente; matilha - uma porrada de cachorros) 3. Sinônimo de "pacaralho".
    Porradaria: Briga séria, pancadaria generalizada.
    Talvez, pode ser, mas não vou admitir.
    Sangue: Redução de sangue-bom; pessoa legal; gente boa; agradável; maneira.
    Night: O que os paulistas chamam erroneamente de "balada". (podescrer, só paulista mermo!!!)
    Sinistro: [adj] pode ser algo muito bom ou muito ruim. Quem não é carioca, que adivinhe. ("Mermão, aquela parada ontem foi sinistra!")
    Vazari: dar um vazari, Derivado do termo de judô "wasari". Vide "ralar" "vazar". Sair do local Ex: Ihh vai chover cara bora da um vazari.
    Zero-bala: Renovado; pronto pra outra ("Tava de porre ontem, mas agora tô zero-bala").
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura

Partilhar esta Página