Físicos portugueses descobrem cinco novas partículas subatómicas

Rog

Cumulonimbus
Registo
6 Set 2006
Mensagens
4,515
Local
Norte Madeira (500m)
Físicos de Coimbra e Lisboa descobrem cinco novas partículas subatómicas

As cinco partículas foram descobertas por uma equipa de físicos liderada por Eef Van Beveren, da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra (FCTUC) e por George Rupp, do Instituto Superior Técnico (IST), e são essenciais para um melhor conhecimento e compreensão dos mecanismos básicos da matéria do Universo.


A descoberta, que assentou em um modelo matemático único, decifrou os resultados de uma das muitas experiências realizadas em laboratórios gigantes de aceleradores de partículas nos EUA, Japão, Rússia e Alemanha. Após três décadas de investigação Eef Van Beveren e George Rupp, descobriram as cinco partículas que cuja existência já suspeitavam. “Foi uma enorme surpresa e satisfação encontrar, no sítio certo, estas cinco partículas, cuja existência, eu e o George Rupp, já suspeitávamos há trinta anos”, afirma Eef Van Beveren.

A EuroPhysics Letters, a revista europeia de referência da Física, já aceitou a descoberta para publicação, que tem resultados anteriores reconhecidos e validados pela comunidade científica mundial da física.

Eef Van Beveren explica que, “o grupo Belle (um consórcio internacional de investigadores responsáveis por experiências no acelerador de partículas KEK, no Japão – onde se provocam colisões de electrões com positrões a altas energias) analisou, entre outras, a produção de pares de partículas lambda e a sua antipartícula."

"Estamos a falar de milhões de choques por segundo, cujo registo é enviado para computadores. Nós pegámos nos dados publicados pelo grupo Belle e avançámos para a complicadíssima tarefa de os analisar, interpretar e perceber o que eles descrevem. Utilizamos o nosso modelo matemático que é único (embora nos últimos anos tenham surgido outros modelos, mas cujos resultados não são visíveis), que permite perceber e explicar os registos das experiências”, afirma o físico da FCTUC.
 

Rog

Cumulonimbus
Registo
6 Set 2006
Mensagens
4,515
Local
Norte Madeira (500m)
Fico admirado dos líderes desses físicos portugueses terem nomes tão pouco comuns em Portugal, normalmente são genuínos portugueses que no estrangeiro realizam essas façanhas:huh:.

É o mundo ao contrário...:D

E até poderão não ser físicos de origem Portuguesa, mas apenas a trabalhar em Portugal. Ou pediram naturalidade portuguesa, mas isto é o menos na notícia.
O interessante e o que importa realçar, é que mesmo em Portugal fazem-se descobertas e investigação séria, a ombrear com outros países com um tipo de apoios nada comparável ao nosso.

Fontes da notícia:
http://dn.sapo.pt/inicio/ciencia/interior.aspx?content_id=1221199
http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=31102&op=all
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
George Rupp é de naturalidade holandesa mas casou há mais de 20 anos com uma portuguesa também cientista e radicou-se em Portugal adquirindo a nacionalidade. O seu colega parece que tem uma história similar.
 

Veterano

Cumulonimbus
Registo
2 Fev 2009
Mensagens
4,026
Local
Porto-Aviz-2,5 km do mar (46 m)/Matosinhos
George Rupp é de naturalidade holandesa mas casou há mais de 20 anos com uma portuguesa também cientista e radicou-se em Portugal adquirindo a nacionalidade. O seu colega parece que tem uma história similar.

Tenho amigos que por aparente falta de condições em Portugal, foram investigar e trabalhar no estrangeiro. Digamos que infelizmente tem sido a regra, fico como é lógico satisfeito por se começar a criar infraestruturas para atrair e fixar cientistas portugueses no seu país.:)

Porque de facto as nossas melhores cabeças estão ao nível ou até acima dos técnicos estrangeiros.:thumbsup: