Instabilidade 20-24 Junho 2014

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,108
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Mais fotos de Carcavelos, noite de 22 para 23. Devo referir que um evento desta intensidade é relativamente raro aqui, uma vez por ano ou menos. Estive a comparar as minhas fotos com as de outro membro (Artur Rebelo Neves) na página do facebook Meteoalerta, tiradas em Linda-a-Velha, e percebi que temos imagens das mesmas descargas. A comparação das imagens permite perceber a estrutura espacial e localizar por triangulação os pontos exactos dos impactos. Só preciso de saber a posição o mais aproximada possível do ponto de vista das obtidas em Linda-a-Velha. Esta ideia desenvolvida para tempo real pode ser útil se se conseguir coordenação em eventos deste tipo.

Mesmo por trás do forte (algumas centenas de metros)
F1V3hDl.jpg



Esta terá sido a mais potente, a intensidade luminosa foi excepcional e confirmada pela foto no MeteoAlerta.
7H7ePW0.jpg


SuSFTN4.jpg
 

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,108
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Mais para a colecção do evento eléctrico memorável em Carcavelos (captei cerca de 50, fora os relâmpagos em que os raios estavam ocultos nas nuvens)

VXyk3Px.jpg


kEwZzvY.jpg


e para mostrar como a circulação mudou para Noroeste depois de um poente memorável ontem, dia 23:

iQZ9lGf.jpg


nascer do sol completamente descolorido e escuro devido às nuvens que bloquearam o horizonte desde o interior:

RYsWqL5.jpg


e por último um poente com entrada de noroeste húmida:

jdA4Phe.jpg
 
Registo
8 Fev 2014
Mensagens
62
Local
Agra, Vieira do Minho, Braga (750m)
Mais fotos de Carcavelos, noite de 22 para 23. Devo referir que um evento desta intensidade é relativamente raro aqui, uma vez por ano ou menos. Estive a comparar as minhas fotos com as de outro membro (Artur Rebelo Neves) na página do facebook Meteoalerta, tiradas em Linda-a-Velha, e percebi que temos imagens das mesmas descargas. A comparação das imagens permite perceber a estrutura espacial e localizar por triangulação os pontos exactos dos impactos. Só preciso de saber a posição o mais aproximada possível do ponto de vista das obtidas em Linda-a-Velha. Esta ideia desenvolvida para tempo real pode ser útil se se conseguir coordenação em eventos deste tipo.

Mesmo por trás do forte (algumas centenas de metros)
F1V3hDl.jpg



Esta terá sido a mais potente, a intensidade luminosa foi excepcional e confirmada pela foto no MeteoAlerta.
7H7ePW0.jpg


SuSFTN4.jpg

Antes de mais parabéns pelas imagens obtidas. Gostava de saber com que tipo de máquina obteve estas fotos.;)
 

Duarte Sousa

Staff
Registo
8 Mar 2011
Mensagens
5,994
Local
Loures
Antes de mais parabéns pelas imagens obtidas. Gostava de saber com que tipo de máquina obteve estas fotos.;)

Sem me querer intrometer, digo apenas que qualquer máquina que tenha modo manual e que consiga fazer longas exposições, perimte a captação de raios. Depois é óbvio, quantos mais MP, mais resolução, etc etc, mais perfeitas ficam as fotos ;)

Se os moderadores considerarem isto off-topic, por favor movam para este tópico -> Como fotografar Raios
 
  • Gosto
Reactions: StormRic

Snifa

Furacão
Registo
16 Abr 2008
Mensagens
10,223
Local
Porto-Marquês:145 m Mogadouro:749 m
Sem me querer intrometer, digo apenas que qualquer máquina que tenha modo manual e que consiga fazer longas exposições, perimte a captação de raios. Depois é óbvio, quantos mais MP, mais resolução, etc etc, mais perfeitas ficam as fotos ;)

Se os moderadores considerarem isto off-topic, por favor movam para este tópico -> Como fotografar Raios

Sim, as máquinas são importantes, mas acrescentaria que mais importante que as máquinas e megapixeis são a técnica e as lentes usadas:thumbsup:

Hoje em dia uma SLR de gama média ou de entrada já é capaz de fazer excelentes fotos, quando em boas mãos e usada com bom vidro.

Primeiro o aperfeicoamento da técnica, depois as lentes, e por fim o corpo da máquina:thumbsup:
 

Duarte Sousa

Staff
Registo
8 Mar 2011
Mensagens
5,994
Local
Loures
Sim, as máquinas são importantes, mas acrescentaria que mais importante que as máquinas e megapixeis são a técnica e as lentes usadas:thumbsup:

Hoje em dia uma SLR de gama média ou de entrada já é capaz de fazer excelentes fotos, quando em boas mãos e usada com bom vidro.

Primeiro o aperfeicoamento da técnica, depois as lentes, e por fim o corpo da máquina:thumbsup:

Exacto! E há que ter atenção à distância focal, quanto mais pequena, maior é a possibilidade de captarmos um raio, principalmente se estivermos mesmo à frente do espectáculo, como foi o caso do StormRic.

Nas lentes, eu próprio começo a notar uma decadência da qualidade das minhas próprias fotos, pois uso a 18-55mm... Mas talvez o meu sensor também já precise de uma limpeza, já vai para 2 anos e nem faço ideia da quantidade de disparos que efectuei, adicionando o facto de que já passou por situações atmosféricas complicadas, chuva, poeiras, cinzas... :p
 
  • Gosto
Reactions: StormRic

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,108
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Antes de mais parabéns pelas imagens obtidas. Gostava de saber com que tipo de máquina obteve estas fotos.;)

Obrigado, Filipe. A lente é a ultra grande angular Canon 10-22mm. Presentemente uso-a com a 700D. Apesar das deformações periféricas, especialmente quando a tomada de vista não tem o horizonte a meio da imagem, serem enormes, para apanhar o máximo de céu não há melhor. O ângulo de vista de 97º é essencial. Em 22mm as deformações são muito menores, melhor até que a 18-55mm em 18. É essencial conjugar esta lente com o Digital Lens Optimizer da Canon, integrado no programa de edição de RAW que vem com a câmara, e que corrije a 99% as aberrações cromáticas e melhora espantosamente a definição. Sem esta correcção digital e sem aplicar na própria câmara o Lens aberration correction, o resultado é mau do ponto de vista das aberrações cromáticas.

Foco sempre previamente em modo manual e Live View. Também uso sempre a câmara em manual (para qualquer fotografia). O f/8 é o "sweet point" desta lente, quando o equilíbrio entre a profundidade de campo e a difracção produz a melhor nitidez, o que para a fotografia de raios é óptimo pois é em geral a melhor abertura para as descargas próximas. Tenho sempre a exposição em modo variável (Bulb), controlado por disparador remoto infra-vermelho, RC-6. Conforme a luminosidade ambiente e o brilho esperado para os raios vou expondo por períodos variáveis até 1 minuto, interligados por uma pausa técnica de 1 segundo para nova exposição. Se durante um período de exposição apanho uma descarga termino-o imediatamente e inicio o seguinte. A única "arte" é tão sómente prever, por observação da evolução da proximidade das descargas, a intensidade luminosa que vão ter e assim regular a abertura desde f/3,5 (ou mais aberto conforme a lente) quando estão longe, até f/8 ou às vezes mesmo f/11, quando o acontecimento já está mesmo em cima de nós; também a direcção da tomada de vista em que estamos a apostar é uma "arte", só a experiência de acompanhamento de trovoadas nos dá esse instinto, mas com esta lente isso torna-se muito mais fácil devido ao grande ângulo de vista. O facto de nesta trovoada ter apanhado cerca de 80% dos raios significa que ela foi bastante estável na distribuição espacial das descargas, era muito previsível onde ia produzir-se a descarga seguinte.

Penso que esta conversa já está em off-topic, peço aos moderadores para a colocarem onde o Duarte já sugeriu.
 
Última edição:

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,108
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
O possível apanhado da noite de 22 para 23:

http://youtu.be/uE-e6H1MWLc

Boa montagem de video e reportagem! :thumbsup: Penso que adicionar um relógio do tempo real é importante, assim como coordenadas do ponto de vista e direcção da tomada de vista, mesmo aproximadas. Gostava de comparar os momentos das descargas com as imagens capturadas em fotos, por mim e outros. Os enquadramentos e controlo de luz estão bem feitos. Gosto dos momentos editados em câmara lenta.
 
  • Gosto
Reactions: Duarte Sousa

Duarte Sousa

Staff
Registo
8 Mar 2011
Mensagens
5,994
Local
Loures
Boa montagem de video e reportagem! :thumbsup: Penso que adicionar um relógio do tempo real é importante, assim como coordenadas do ponto de vista e direcção da tomada de vista, mesmo aproximadas. Gostava de comparar os momentos das descargas com as imagens capturadas em fotos, por mim e outros. Os enquadramentos e controlo de luz estão bem feitos. Gosto dos momentos editados em câmara lenta.

Obrigado! :)

Talvez a partir de agora passe a colocar esses elementos também nos vídeos, obrigado pelas sugestões :thumbsup:

--

Entretanto, fiz um time-lapse no dia 23:

 
Editado por um moderador:

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,108
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Deixo aqui um vídeo de um trovão da trovoada que passou aqui ao início da tarde do dia 24.

http://youtu.be/EhBZMil-m28


Olá
Grande bomba sonora, é pena não conseguir vislumbrar o relâmpago, a que distância terá caído? O registo sonoro dos raios é bastante útil para avaliar a distribuição espacial da descarga, quanto maiores as componentes horizontais dos trajectos dos raios mais prolongado é o ribombar, e isto antes de se começar a ouvir os reflexos orográficos ou urbanos que em geral são sons mais graves. Se o trovão começa com um estoiro principal que depois se arrasta então o ponto de impacto no solo está mais próximo de nós do que a nuvem de proveniência, situação mais perigosa pois o risco é sub-avaliado devido a visualizarmos a nuvem ainda relativamente longe.
 

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,108
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Obrigado! :)

Talvez a partir de agora passe a colocar esses elementos também nos vídeos, obrigado pelas sugestões :thumbsup:

--

Entretanto, fiz um time-lapse no dia 23:

http://youtu.be/Zzraz8STNuo

Muito bom, tenho que voltar a experimentar fazer isto, aceitam-se dicas ;)

Para mim o time-lapse é a mais útil das ferramentas de observação para estudo posterior aprofundado.:thumbsup:
 
  • Gosto
Reactions: Paelagius