Monitorização Clima Global e Teleconexões 2010

Estado
Fechado para novas mensagens.

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Mantemos-nos com El-Niño moderado/forte, mas já passámos o Pico que foi em Dezembro passado.
Os modelos prevêem que enfraqueça gradualmente até ao final da Primavera (do hemisfério norte) passando o ENSO a neutral no Verão

nino.gif


ninop.gif





The Pacific Ocean sea surface temperature (SST) remains warmer than the long-term average across the central and eastern tropical Pacific. The SST anomaly map for January shows warm anomalies in excess of +1°C covering most of the tropical Pacific east of the dateline, with anomalies exceeding +2°C in parts of the central Pacific. The map also shows near-normal SSTs covering most of the western Pacific and northern waters around Australia. The monthly NINO indices for January were +1.1°C, +1.5°C and +1.2°C for NINO3, NINO3.4 and NINO4 respectively. All NINO indices cooled in relation to the December anomalies.

In terms of weekly data, the most recent NINO indices are +0.9°C, +1.2°C and +1.0°C for NINO3, NINO3.4 and NINO4 respectively. When compared with two weeks ago, each of the NINO indices has cooled slightly; NINO3 and NINO4 cooled by approximately 0.3°C, and NINO3.4 by approximately 0.5°C. The 7-day SST anomaly map shows warm anomalies in excess of +1°C covering most of the tropical Pacific east of 170°E, while ocean temperatures are more than 2°C above average between the date-line and 140°W. When compared with anomalies observed a fortnight ago, the central and eastern Pacific sea surface has cooled slightly. An animation of recent SST changes is available.

A four-month sequence of sub-surface Pacific Ocean equatorial temperature anomaly shows a peak in sub-surface warmth during November, with anomalies in excess of +4°C evident between 110°W and 140°W. During December and January, weak cool anomalies propogated eastwards displacing some of the warm anomalies along the thermocline, particuarly in the central Pacific. A recent map for the 5 days ending 1 February shows that a large volume of warmer than normal water persists below the surface of the tropical Pacific east of the dateline, with anomalies exceeding +3°C in the eastern Pacific. When compared with two weeks ago, the sub-surface of the equatorial Pacific has slightly cooled. An animation of recent sub-surface changes is available.

An archive of past SST and sub-surface temperature charts is available.

Trade winds have weakened significantly during the last fortnight, with a strong westerly wind burst observed over the western Pacific. Westerly wind anomalies are now evident across both the central and western equatorial Pacific. Trade winds remain stronger than normal in the eastern Pacific after strengthening in early January. The latest weekly wind anomalies are shown in the TAO/TRITON map (small image above) for the five days ending 1 February.

The SOI increased slowly through January, after being relatively stable for most of December. The SOI dropped rapidly during the last week due to a sharp decline in the MSLP over Tahiti. This fall in the SOI is due to the strong westerly wind anomalies in the central Pacific. The current 30-day SOI value (1 February) is −13. The monthly value for January was −10.

Daily SOI Index

http://www.longpaddock.qld.gov.au/Seaso ... SOIValues/

Cloudiness near the date-line across the equatorial Pacific is another important indicator of El Niño conditions, as it typically increases near and to the east of the dateline during these episodes. Cloudiness near the dateline increased during the last two months with recent high levels coinciding with a westerly wind burst currently over the western and central Pacific.

Most international computer models are predicting that the warm tropical Pacific Ocean temperatures will persist in El Niño regions over the remainder of the southern hemisphere summer and into autumn. The majority of models are predicting a gradual cooling of SSTs by April and a return to neutral conditions by the southern hemisphere autumn or winter. Typically, autumn is a transitional period for ENSO, hence model predictions of El Niño that forecast through this period are less reliable than at other times of the year. Recent forecasts from the POAMA model, run daily at the Bureau of Meteorology, show a gradual cooling with SSTs returning to neutral conditions during the southern hemisphere winter.


Posted by: JeffMasters, 2:32 PM GMT on Febuary 03, 2010

El Niño is weakening. Ocean temperatures over the Eastern and Central Pacific have gradually cooled over the past few weeks, and it now appears that the El Niño event of 2009 - 2010 has peaked. Ocean temperatures in the area 5°N - 5°S, 120°W - 170°W, also called the "Niña 3.4 region", crossed below the 1.5°C threshold for a strong El Niño into the "moderate" range in mid-January, and were 1.2°C above average on January 31, according to the Australian Bureau of Meteorology. If temperatures decline further into the 0.5°C - 1.0°C above average range, this will be a "weak" El Niño. The peak warmth of this event appears to have been late December - early January.


Departure of sea surface temperature from average for the Equatorial Pacific Ocean from March 2009 (when La Niña conditions were present) to January 2010. The strongest El Niño conditions were observed December 2009 - January 2010, when temperatures as much as 2 - 2.5°C were observed between longitudes 150°W - 170°W.

The El Niño forecast

Though El Niño appears to have peaked, the decline in SSTs over the Equatorial Pacific may slow and possibly reverse in February, thanks to a burst of stronger-than-average surface westerly winds that has developed near the Date Line. This westerly wind burst is driving a new Kelvin wave of sub-surface warm water towards the coast of South America, which will act to reinforce El Niño over the next month or so. This new Kelvin wave is not as strong as the previous one that propagated eastward over the last few months of 2009, which pushed El Niño over the "strong" threshold. Once the new Kelvin wave subsides in March, it is possible that there will be more westerly wind bursts that will act to drive new Kelvin waves that will reinforce El Niño into the summer. However, El Niño events typically die out in the spring, and most of the El Niño computer forecast models (Figure 2) are predicting an end to El Niño by summer. Note that the last time we had a strong El Niño event--the record El Niño of 1997 - 1998--the event ended very abruptly in May, and a La Niña event developed by the 1998 hurricane season. This resulted in a very active 1998 hurricane season (14 named storms, 10 hurricanes, and 3 major hurricanes, including Category 5 Hurricane Mitch). The recent weakening of El Niño is a likely sign that there will not be El Niño conditions for the coming hurricane season. Only once since 1950 has an El Niño event lasted through two full hurricane seasons, and I don't expect that will occur this time, either. Given that since 1995, the Atlantic has been in an active hurricane period, except for in El Niño years, a more active than normal hurricane season is likely in 2010.

Forecasts made in late January of El Niño from a suite of high-powered global dynamical models and simpler statistical models. Of the dynamical models, 5 are forecasting neutral El Niño conditions by hurricane season (ASO, August-September-October), 2 are forecasting La Niña, and only 1 is forecasting El Niño. For the statistical models, these numbers are 4 neutral, 1 La Niña, and 3 El Niño.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Ao contrário da percepção geral, Janeiro foi um mês quente a nível global. Se na Euroásia e partes dos EUA houve frio e nevões significativos, a temperatura da água nos Oceanos balançou o frio continental, uma mistura que não será alheia aos muitos nevões significativos neste Janeiro com frio continental e humidade oceânica. Nas medições de temperatura por satélite da baixa troposfera foi mesmo o Janeiro mais quente desde que há registos (32 anos). O El Nino e La Nina tem enorme impacto na temperatura global da baixa troposfera medida por satélite, quer nas anomalias negativas, quer nas positivas, e os meses que rodeiam o pico destes ciclos tendem a ser os mais quentes ou mais frios nas medições por satélite. O pico deste El Nino terá sido em meados/finais de Dezembro.


Medições Superfície (com interpolação)

GISS

giss.gif



NOAA/CPC

Temperatura
temp.gif


Precipitação
prec.gif



Medições Satélite (baixa troposfera)

UAH:

uahf.jpg

(Gráfico de Roy Spencer)

uah.gif
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Temperatura global em Fevereiro. As medições por satélite continuam a mostrar um mês quente a nível global provocado pelo El Nino, o 2º Fevereiro mais quente desde os registos satélite (o mais quente foi Fevereiro relacionado com o "super" El Nino de 1998) apesar dum Inverno significativamente frio nalgumas zonas do hemisfério Norte. A AO (oscilação árctico) negativa parece ter impedido que todo este calor se distribuísse normalmente para os pólos.


Medições Superfície (com interpolação)

GISS

giss.gif




Medições Satélite (baixa troposfera)

UAH:
Nota: O método de cálculo deste mês já foi feito com uma nova versão da UAH para corrigir alguns problemas detectados.

The new dataset version does not change the long-term trend in the dataset, nor does it yield revised record months; it does, however, reduce some of the month-to-month variability, which has been slowly increasing over time.

Version 5.3 accounts for the mismatch between the average seasonal cycle produced by the older MSU and the newer AMSU instruments. This affects the value of the individual monthly departures, but does not affect the year to year variations, and thus the overall trend remains the same.

...

As discussed in our running technical comments last July, we have been looking at making an adjustment to the way the average seasonal cycle is removed from the newer AMSU instruments (since 1998) versus the older MSU instruments. At that time, others (e.g. Anthony Watts) brought to our attention the fact that UAH data tended to have some systematic peculiarities with specific months, e.g. February tended to be relatively warmer while September was relatively cooler in these comparisons with other datasets. In v5.2 of our dataset we relied considerably on the older MSUs to construct the average seasonal cycle used to calculated the monthly departures for the AMSU instruments. This created the peculiarities noted above. In v5.3 we have now limited this influence.

uah.gif

(Gráfico de Roy Spencer)
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
A fase negativa conjunta NAO e AO é a maior desde que há registos (1950), que além de frio e chuva nuns locais, levou calor a outros, como por exemplo um registo histórico de anomalia positiva no mês de Fevereiro da água no Atlântico a sul do stormtrack, sobretudo a sul/sudoeste das Canárias e Cabo Verde, devido ao regime de ventos.


Anomalia SST em Fevereiro

sstmar7.png



Pressão atmosférica Inverno 2009/2010 versus Normal 1968/1998

pressdecfeb2010.png



Anomalia Vento

windsdecfeb2010.png


Sea Surface Temperatures (SSTs) in the Atlantic's Main Development Region for hurricanes were at their highest February level on record last month, according to an analysis of historical SST data from the UK Hadley Center. SST data goes back to 1850, though there is much missing data before 1910 and during WWI and WWII. The region between 10°N and 20°N, between the coast of Africa and Central America, is called the Main Development Region (MDR) because virtually all African waves originate in this region. These African waves account for 85% of all Atlantic major hurricanes and 60% of all named storms. When SSTs in the MDR are much above average during hurricane season, a very active season typically results (if there is no El Niño event present.)

SSTs in the Main Development Region (10°N to 20°N and 20°W to 85°W) were an eye-opening 1.02°C above average during February. This easily beats the previous record of 0.83°C set in 1998. SSTs in the Main Development Region are already warmer than they were during June of last year, which is pretty remarkable, considering February is usually the coldest month of the year for SSTs in the North Atlantic. The 1.02°C anomaly is the 6th highest monthly SST anomaly for the MDR on record. The only other months with higher anomalies all occurred during 2005 (April, May, June, July, and September 2005 had anomalies of 1.06°C - 1.23°C).

What is responsible for the high SSTs?
Don't blame El Niño for the high Atlantic SSTs. El Niño is a warming of the Pacific waters near the Equator, and has no direct impact on Atlantic SSTs. Instead, blame the Arctic Oscillation (AO) or its close cousin, the North Atlantic Oscillation (NAO). The AO and NAO are climate patterns in the North Atlantic Ocean related to fluctuations in the difference of sea-level pressure between the Icelandic Low and the Azores-Bermuda High. They are some of the oldest known climate oscillations; seafaring Scandinavians described the pattern several centuries ago. Through east-west oscillation motions of the Icelandic Low and the Azores-Bermuda High, the AO/NAO controls the strength and direction of westerly winds and storm tracks across the North Atlantic. A large difference in the pressure between Iceland and the Azores (positive NAO) leads to increased westerly winds and mild and wet winters in Europe. Positive NAO conditions also cause the Icelandic Low to draw a stronger south-westerly flow of air over eastern North America, preventing Arctic air from plunging southward. In contrast, if the difference in sea-level pressure between Iceland and the Azores is small (negative NAO), westerly winds are suppressed, allowing Arctic air to spill southwards into eastern North America more readily. The winter of 2009 - 2010 has seen the most negative AO and NAO patterns since record keeping began in 1950, which caused a very cold winter in Florida and surrounding states. A negative AO/NAO implies a very weak Azores-Bermuda High, which reduces the trade winds circulating around the High. During December - February, trade winds between Africa and the Lesser Antilles Islands in the hurricane Main Development Region were 1 - 2 m/s (2.2 - 4.5 mph) below average (Figure 2). Slower trade winds mean less mixing of the surface waters with cooler waters down deep, plus less evaporational cooling of the surface water. As a result, the ocean has heated up significantly, relative to normal, over the winter. This heating is superimposed on the very warm global SSTs we've been seeing over the past decade, leading to the current record warmth. Global and Northern Hemisphere SSTs were the 2nd warmest on record in both December and January.

http://www.wunderground.com/blog/JeffMasters
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Re: Há mesmo aquecimento Global?

Maio foi o mês mais quente de que há registo

O mês de Maio foi mês mais quente desde que há registo no planeta Terra. Portugal não foi excepção, registando até uma onda de calor entre os dias 17 e 23.
O mês de Maio foi o mais quente desde que há registo, de acordo com a NOAA, equivalente ao Instituto de Meteorologia em Portugal. É o 303º mês seguido mais quente na média global do século XX. “Desde Fevereiro de 1985, cada mês tem sido mais quente do que a média do século XX”, disse Deke Arndt, chefe da monitorização climática do NOAA, por telefone a partir de Asheville, Carolina do Norte, à agência Reuters.
A maioria dos países do mundo sentiu diferenças nas temperaturas, com mais incidência na parte oriental da América do Norte, no Brasil oriental, na Europa oriental, no sul da África, na Rússia oriental e na África equatorial. A província chinesa de Yunnan registou o mais quente mês de Maio desde 1951, assim como em Ontario, Canadá.
Também em Portugal Continental, o mês de Maio teve temperaturas elevadas. Entre os dias 17 e 23, foi registada uma onda de calor em algumas zonas do país, nomeadamente em alguns locais no litoral e em parte do Alentejo. No final de Maio, o número de dias com temperaturas máxima igual ou superior a 25ºC e a 30ºC foi superior ao valor normal. No Continente, a temperatura média do ar foi superior ao valor médio registado entre 1971e 2000, com mais 0,6ºC.
A precipitação ocorrida neste mês foi inferior ao normal (36,3 mm) , com anomalia de -34,9mm, apontando-o assim como um mês seco a normal em Portugal continental.
A nível mundial, e tendo em conta apenas a temperatura global média, o período entre Março e Maio aparece como o mais quente jamais registado. As temperaturas dos oceanos à superfície, nesse mesmo período, colocam-no como o segundo mais quente de sempre, depois de 1998. Além dos registos de um mês de Maio mais quente que o normal, as temperaturas à superfície bateram recordes – para o calor na terra e nos oceanos – nos períodos de Março a Maio e de Janeiro a Maio, segundo dados da organização.
A combinação da temperatura da Terra com a dos oceanos, à superfície, para Maio foi de 15,46ºC, acima da média do século XX, que era de 14,8ºC. A temperatura à superfície da Terra em Maio foi de 12,15º C, que é 1,04ºC acima da média do século passado – o mais quente já registado.
A tendência de aquecimento global a longo prazo, tendo em conta que o gelo do mar Árctico está a diminuir, assim como a quantidade de neve que cobre a Terra, vai ao encontro da ciência que defende as mudanças climáticas, acrescenta Arndt. Vários cientistas do clima acreditam que a superfície da Terra está a aquecer, em parte devido às emissões de gases com efeito estufa, incluindo dióxido de carbono.

Vera Rodrigues

JN
 

SocioMeteo

Nimbostratus
Registo
11 Fev 2010
Mensagens
530
Local
Seixal
Re: Há mesmo aquecimento Global?

Maio foi o mês mais quente de que há registo

O mês de Maio foi mês mais quente desde que há registo no planeta Terra. Portugal não foi excepção, registando até uma onda de calor entre os dias 17 e 23.
O mês de Maio foi o mais quente desde que há registo, de acordo com a NOAA, equivalente ao Instituto de Meteorologia em Portugal. É o 303º mês seguido mais quente na média global do século XX. “Desde Fevereiro de 1985, cada mês tem sido mais quente do que a média do século XX”, disse Deke Arndt, chefe da monitorização climática do NOAA, por telefone a partir de Asheville, Carolina do Norte, à agência Reuters.
A maioria dos países do mundo sentiu diferenças nas temperaturas, com mais incidência na parte oriental da América do Norte, no Brasil oriental, na Europa oriental, no sul da África, na Rússia oriental e na África equatorial. A província chinesa de Yunnan registou o mais quente mês de Maio desde 1951, assim como em Ontario, Canadá.
Também em Portugal Continental, o mês de Maio teve temperaturas elevadas. Entre os dias 17 e 23, foi registada uma onda de calor em algumas zonas do país, nomeadamente em alguns locais no litoral e em parte do Alentejo. No final de Maio, o número de dias com temperaturas máxima igual ou superior a 25ºC e a 30ºC foi superior ao valor normal. No Continente, a temperatura média do ar foi superior ao valor médio registado entre 1971e 2000, com mais 0,6ºC.
A precipitação ocorrida neste mês foi inferior ao normal (36,3 mm) , com anomalia de -34,9mm, apontando-o assim como um mês seco a normal em Portugal continental.
A nível mundial, e tendo em conta apenas a temperatura global média, o período entre Março e Maio aparece como o mais quente jamais registado. As temperaturas dos oceanos à superfície, nesse mesmo período, colocam-no como o segundo mais quente de sempre, depois de 1998. Além dos registos de um mês de Maio mais quente que o normal, as temperaturas à superfície bateram recordes – para o calor na terra e nos oceanos – nos períodos de Março a Maio e de Janeiro a Maio, segundo dados da organização.
A combinação da temperatura da Terra com a dos oceanos, à superfície, para Maio foi de 15,46ºC, acima da média do século XX, que era de 14,8ºC. A temperatura à superfície da Terra em Maio foi de 12,15º C, que é 1,04ºC acima da média do século passado – o mais quente já registado.
A tendência de aquecimento global a longo prazo, tendo em conta que o gelo do mar Árctico está a diminuir, assim como a quantidade de neve que cobre a Terra, vai ao encontro da ciência que defende as mudanças climáticas, acrescenta Arndt. Vários cientistas do clima acreditam que a superfície da Terra está a aquecer, em parte devido às emissões de gases com efeito estufa, incluindo dióxido de carbono.

Vera Rodrigues

JN

Por o que tenho conhecimento a temperatura Media mensal do mes de Maio na cidade de Lisboa foi de 17,5º graus em Lisboa e no Porto de 16,5º graus julgo q os valores estão dentro dos valores normais sentidos neste mes os valores de precipitação em Lisboa foi de cerca de 30 mm e no Porto de 50 mm temos então um mes de Maio semi-humido em Lisboa e húmido no Porto. Tivemos de facto uma vaga de calor entre os dias 18-25 de Maio que se estabilizou em toda a Europa Ocidental Portugal, Espanha, França, Inglaterra ate á Noruega devido ao posicionamento do anticiclone dos Açores de referir que em Londres no dia 24 de Maio a temperatura foi de 28ºgraus em Paris no dia 25 de 29º graus em Bordeaux (cidade q tal e qual como o Porto ou Leiria também sempre 1 ou 2 meses secos e n é por isso que deixa de ter um clima temperado atlântico) de 31º Graus para dizer q n é só em Portugal que faz calor e reforçar a ideia q o território português está sujeito as mesmas massas de ar que a Europa Atlântica mais que da Europa Mediterrânica. Existiu essa vaga de calor de facto mas de referir que entre 5-15 de Maio tivemos dias relativamente frios no Porto nos dias 5 e 11 as temperaturas baixaram aos 4º e 5º graus em Lisboa aos 9º no dia 10 de Maio registou-se precipitação em forma de neve no alto da serra da Estrela, isto para dizer o quê que no meu ponto de vista e olhando apenas para estes valores o mes de Maio encontra-se dentro dos normativos sentidos nos anos anteriores e mais se olharmos para trás vemos que os meses de Inverno foram bem chuvosos e com temperaturas medias baixas particularmente os meses de Fevereiro e Março tivemos sempre com Baixas pressões o mes de Abril também foi chuvoso o que nos indica que até a data este ano tem sido um ano com valores altos de precipitação o que é bom e com valores de temperatura não exageradamente elevadas, até este mes de Junho ate á data e já estamos no dia 17 temos tido temperaturas não exageradamente elevadas e tivemos em todo o território de Portugal continental mas especialmente a Norte e centro do pais na semana passada dias de forte precipitação o que também irão trazer de novo um mes de Junho como um mes húmido e semi-humido em muitas regiões não só no Norte e centro do pais mas também a centro-sul do pais. O que neste 1º semestre do ano se pode concluir é que essas teses alarmistas de que Portugal vai se tornar num pais semi-árido etc. pelo menos neste ano não está a ter validade nenhuma e mais se entrarmos no campo da especulação eu tenho a forte convicção que olhando para o anticiclone dos Açores que anda um pouco estranho julgo q pode na Europa Ocidental acontecer o Inverso ou seja o Anticiclone dos Açores se posicionar cada vez mais a sul e a Europa Ocidental ter um aumento considerável da precipitação e abaixamento das temperaturas e por sua vez um aumento da temperatura e redução da precipitação na Europa a Oriental como maior influencias de massas de ar continentais como aconteceu neste Inverno onde em Janeiro na Grécia, Chipre, etc., existiu uma vaga de calor onde se registaram valores de 26º,27º em pleno mes de Janeiro nesses países mas como disse é só uma convicção. Que o aquecimento global existe sim pois os valores assim o demonstram o que acho é que os seus efeitos não vão ser assim tão catastróficos como se diz por ai... Como demonstra esta notícia do JN pura notícia especulativa e catastrófica típica dos média.

Cumps
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Re: Há mesmo aquecimento Global?

Maio seco e com onda de calor - O mês de Maio, em Portugal Continental, foi caracterizado por valores baixos de precipitação e por um período quente entre 17 e 23 de Maio, durante o qual se registou, em muitos locais do litoral e parte do Alentejo, uma onda de calor. Assim, no final do mês, o número de dias com temperatura máxima superior ou igual a 25ºC e a 30ºC foi superior ao valor normal.
Desta forma, no continente, o valor médio da temperatura máxima do ar foi superior ao valor médio 1971-2000 (com anomalia de +0.6ºC), enquanto os valores médios da temperatura média e mínima do ar foram próximos da normal (com anomalia de +0.3ºC e -0.2ºC, respectivamente).
Relativamente ao valor de precipitação ocorrida em Maio (36.3mm), este foi inferior ao valor da normal 1971-2000 (anomalia de -34.9mm), classificando-se como um mês seco a normal no continente. Relatório Mensal do Clima aqui.

INSTITUTO DE METEOROLOGIA
 

Kispo

Cumulus
Registo
17 Ago 2008
Mensagens
189
Local
Monte Abraão, Queluz (195m)
A queda das temperaturas já deu início:

Passagem a La Niña, continuação de actividade solar baixa até ao momento e talvez alguma actividade vulcânica a surgir a médio prazo (estou-me a lembrar do katla tendo em conta registos do passado Eyjafjallajokull-Katla), podem vir a baixar significativamente as temperaturas a nível global. Mas isto sou apenas eu a falar :P

Junho (UAH)

UAH_LT_1979_thru_June_10.gif
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
La Niña conditions are likely to develop during July - August 2010.

During June 2010, sea surface temperature (SST) anomalies continued to decrease across the equatorial Pacific Ocean, with negative anomalies expanding across the central and eastern Pacific (Fig. 1). While the rate of decrease slowed during June, all of the Niño indices were cooler compared to the previous month (Fig. 2). The subsurface heat content (average temperatures in the upper 300m of the ocean, Fig. 3) also remained below-average during the month. Subsurface temperature anomalies became increasingly negative in the east-central equatorial Pacific and extended to the surface across the eastern half of the basin (Fig. 4). Also during June, enhanced convection persisted over Indonesia, while the area of suppressed convection strengthened and expanded westward over the western and central equatorial Pacific (Fig. 5). Enhanced low-level easterly trade winds and anomalous upper-level westerly winds prevailed over the western and central equatorial Pacific. Collectively, these oceanic and atmospheric anomalies reflect developing La Niña conditions. .

The majority of models now predict La Niña conditions (SST anomalies less than or equal to -0.5oC in the Niño-3.4 region) to develop during June-August and to continue through early 2011 (Fig. 6). Confidence in this outcome is reinforced by the recent performance of the NCEP Climate Forecast System (CFS) (Fig. 7), the large reservoir of colder-than-average subsurface water (Fig. 3), and signs of coupling with the atmospheric circulation. Therefore, La Niña conditions are likely to develop during July-August 2010.

http://www.cpc.ncep.noaa.gov/products/analysis_monitoring/enso_advisory/ensodisc.html
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Re: Há mesmo aquecimento Global?

Enquanto o verão no hemisfério norte se tem mostrado verdadeiramente quente em vastas regiões, o inverno austral deste ano tem marcado impiedosamente temperaturas frequentemente abaixo dos 80 ºC negativos … :cold:
 
Estado
Fechado para novas mensagens.