Morre-se de frio em Portugal por falta de isolamento das casas

Mário Barros

Furacão
Registo
18 Nov 2006
Mensagens
12,501
Local
Cavaleira (Sintra)
Morre-se de frio em Portugal por falta de isolamento das casas

Portugal é um dos países da União Europeia onde mais se morre por falta de condições de isolamento e aquecimento nas casas, segundo um estudo de especialistas da Universidade de Dublin que comparou 14 países europeus.

A falta de condições de isolamento das habitações poderá ter estado na origem da morte de quatro idosos em Lisboa, no domingo, uma situação que a PSP já admitiu poder dever-se às baixas temperaturas que se fazem sentir.
De acordo com a investigação, que analisou as potenciais causas da mortalidade no Inverno em 14 países europeus, "Portugal tem a maior taxa (28%) de excesso de mortalidade no Inverno", seguido de Espanha e Irlanda, ambos com 21%.

O trabalho sublinha um dos paradoxos da mortalidade no Inverno: "As maiores taxas de mortalidade ocorrem geralmente em países onde o Inverno é menos severo e onde deveria haver menos potencial/tendência para casos de gripe e para a mortalidade relacionada com a gripe".

"Os países com climas mais temperados tendem a ter baixa eficiência térmica nas habitações e por isso é mais difícil manter estas casas quentes quando chega o Inverno", refere a investigação.

"Este é em particular o caso de Portugal, Espanha e Irlanda, onde as temperaturas no Inverno são comparativamente mais temperadas e as taxas de excesso de mortalidade nesta estação muito elevadas", conclui.

A investigação da Universidade de Dublin, publicada em 2003, analisou durante 10 anos os índices de mortalidade de 14 países, cruzando os dados com informação sobre os factores ambientais, estilo de vida, prestação de cuidados de saúde e gastos nesta área, desigualdades sociais e eficiência energética/isolamento das habitações.

O estudo conclui que a alta taxa de mortalidade nos países do sudoeste da Europa "poderia ser reduzida melhorando a protecção/isolamento das casas ao frio, aumentando o investimento público em cuidados de saúde e melhorando as condições socioeconómicas da população para conseguir uma melhor distribuição da riqueza".

A investigação aponta ainda "níveis exemplares" de eficiência térmica no interior das casas em países com Invernos rigorosos como a Finlândia e a Suécia, onde a totalidade das habitações têm vidros duplos e isolamento térmico nas coberturas, paredes e pisos.
Projecto "Habitação e Saúde" da OMS

Portugal participa no projecto 'Habitação e Saúde', promovido pela Organização Mundial de Saúde e que pretende estabelecer as relações existentes entre a habitação e a saúde das populações.

Através deste estudo, os municípios podem diagnosticar os principais problemas locais e elaborar plano de acção para reduzir os problemas detectados e melhorar a saúde e a qualidade de vida das populações.

De acordo com os compromissos assumidos pelos 83 ministros das Saúde que participaram em 2004 na conferência em Budapeste sobre a matéria, ficou definida a elaboração de um estudo alargado em Portugal para apontar os problemas específicos das habitações portuguesas e as consequências na saúde.

De acordo com informação da Direcção-Geral de Saúde, os resultados deste estudo deverão ser apresentados este ano na 5ª Conferência Ministerial de Ambiente e Saúde, que decorrerá em Parma (Itália).

98397fb3a0e6422da09ee29.jpg

Lusa

Uau, isto já toda a gente sabia ou não ? é preciso fazer estudos ? enfim.
 

Dan

Staff
Registo
26 Ago 2005
Mensagens
9,745
Local
Bragança (675m)
Temos, provavelmente, as habitações mais desconfortáveis da Europa. Até é costume ver visitantes do norte da Europa queixarem-se das condições da maior parte das nossas casas nesta altura do ano.
 

Lousano

Cumulonimbus
Registo
12 Out 2008
Mensagens
3,635
Local
Lousã/Casais do Baleal
Penso que o problema fulcral será no valor monetário dispendido com aquecimento de uma casa.

O valor não pode ser comparável com os paises nórdicos, visto que o rendimento monetário disponível de um nórdico é muito superior.
 

Mário Barros

Furacão
Registo
18 Nov 2006
Mensagens
12,501
Local
Cavaleira (Sintra)
Penso que o problema fulcral será no valor monetário dispendido com aquecimento de uma casa.

O valor não pode ser comparável com os paises nórdicos, visto que o rendimento monetário disponível de um nórdico é muito superior.

O problema prende-se mais é com a grossura das paredes, o material utilizado durante a construção de uma casa/prédio. Basicamente apenas se utiliza cimento ferro e tijolo, pouco mais, certamente haverá materiais que permitem que o calor não escape, e que deviam ser colocados durante a construção, para que de futuro o calor não escapasse com tanta facilidade, pois quanto mais fina for uma parede, mais calor escapa e mais frio entra visto as paredes ficarem geladas e terem um contacto directo pra rua.

Nos quando aquecemos a casa, mal desligamos a fonte de calor, o calor começa logo a escapar e ao fim de umas horas o calor já escapou todo e voltamos à temperatura inicial. Enquanto que as casas por essa Europa fora são o contrário, quando aquecidas, demoram a perder o calor.

O problema está nas técnicas de construção, nunca na falta de aquecimento, é mais fácil solucionar a falta de calor, que isolar a casa, teria que se mexer em muita coisa.
 

actioman

Cumulonimbus
Registo
15 Fev 2008
Mensagens
2,052
Local
Elvas (~300m)
Perante isto só tenho a dizer VERGONHA!!!!!! É o que sinto, vergonha por ser-mos sempre os típicos ciganos da Europa, sempre a fugir com tudo e a nunca cumprir nada. Mas também ninguém fiscaliza, como tal vai-se morrendo por frio e vamos ver se algum dia a terra treme a sério e morrer-se-á igualmente por nenhum prédio ter construção preparada para tal! No papel sim, mas na realidade... :rolleyes: :disgust:
Mas aposto que na Assembleia da Republica se está bem confortável... :angry: :buh:
 

Lousano

Cumulonimbus
Registo
12 Out 2008
Mensagens
3,635
Local
Lousã/Casais do Baleal
O problema prende-se mais é com a grossura das paredes, o material utilizado durante a construção de uma casa/prédio. Basicamente apenas se utiliza cimento ferro e tijolo, pouco mais, certamente haverá materiais que permitem que o calor não escape, e que deviam ser colocados durante a construção, para que de futuro o calor não escapasse com tanta facilidade, pois quanto mais fina for uma parede, mais calor escapa e mais frio entra visto as paredes ficarem geladas e terem um contacto directo pra rua.

Nos quando aquecemos a casa, mal desligamos a fonte de calor, o calor começa logo a escapar e ao fim de umas horas o calor já escapou todo e voltamos à temperatura inicial. Enquanto que as casas por essa Europa fora são o contrário, quando aquecidas, demoram a perder o calor.

O problema está nas técnicas de construção, nunca na falta de aquecimento, é mais fácil solucionar a falta de calor, que isolar a casa, teria que se mexer em muita coisa.

A falta de eficiência energética na construção de nos edifícios em Portugal não está em causa e tudo o que referiste está correcto.

Eu referi-me ao caso das mortes por frio, visto que com um pouco de aquecimento na residência, por mais mal construída que seja, evitaria esse acontecimento.

Mas sem dinheiro para dispender em aquecimento, um facto que afecta sobretudo os idosos com parcos rendimentos e que são mais sensíveis às baixas temperaturas, o resultado é evidente.

Por exemplo, a morte por frio nas zonas rurais é muito menos usual que nas zonas urbanas, apesar de existerem tão ou piores construções, mas utilizam a tradicional lenha para se aquecerem e que é disponível nessas zonas, algo que não existe nas zonas urbanas. Por outro lado, nas zonas rurais surgem as mortes por incêndio ou asfixia devido ao descuido com as lareiras.
 

algarvio1980

Furacão
Registo
21 Mai 2007
Mensagens
10,642
Local
Olhão (24 m)
As casas em Portugal nem estão preparadas para o frio e nem para o calor. Senão vejamos uma casa no Algarve nesta altura do ano tem 12ºC , o ideal todos sabemos é cerca de 18ºC-20ºC, então no Verão qual é a casa que tem essa temperatura no interior, as casas no Algarve têm 30ºC no seu interior. Em Portugal tanto se morre do frio, como do calor, as casas são feitas mal de nascença, ninguém faz vistorias, os certificados de eficiência energética não vem alterar em nada isso, porque simplesmente são alterados, quem anda no meio disto sabe muito bem como tudo funciona. Tal como o Actionman disse as coisas não saem do papel simplesmente, e concordo plenamente com o que disse o Mário, o que o Mário disse aplica-se também ao Verão, em vez de o calor sair entra, e no Inverno é ao contrário.:D:) Para não falar das casas novas quando chega o 1º inverno chove dentro, têm humidades.:unsure:
 

Mário Barros

Furacão
Registo
18 Nov 2006
Mensagens
12,501
Local
Cavaleira (Sintra)
Ninguém conta mortes por frio

Em Portugal não existem estudos ou planos de contingência sobre a mortalidade durante as baixas temperaturas.

Em Portugal há mais pessoas a morrer durante o Inverno do que nos meses de calor, mas não se sabe quantas pessoas morrem em consequência directa do frio, devido à falta de estudos sobre este tema, ao contrário do que acontece com as ondas de calor. No entanto, está a ser equacionada a adopção de um plano de contingência para o frio, idêntico ao existente desde 2004 para o calor. Que, contudo, só deve produzir resultados mais exactos daqui a uns anos.

A justificação para a carência de estudos é a de que no País há mais tempo quente, sendo o fenómeno de vagas de frio raro e de pouca duração. Paulo Diegues, chefe da Divisão de Saúde Ambiental da Direcção-Geral da Saúde (DGS), alertou para o facto de se verificarem mais mortes em época de frio, mas salientou que "há muitos factores que confundem as razões da mortalidade, como a gripe ou doenças crónicas".

Por exemplo, as recentes mortes de idosos verificadas em Lisboa não podem ser directamente relacionadas com o frio, como explicou ao DN José Pedro Pinto, da Santa Casa da Misericórdia: "Ninguém pode afirmar peremptoriamente que foi o frio que matou os idosos. Em Portugal não há mortes documentadas tendo como causa o frio."

Porém, Paulo Diegues confirmou que já foi encomendado o primeiro estudo sobre o impacte das vagas de frio e que poderá ser implementado um plano de contingência. "Actualmente, só existe para o tempo quente e que demorou uns sete anos até estar afinado. É um plano que engloba entidades como a Protecção Civil e, a nível local, as câmaras municipais."

Para Paulo Diegues faltam estruturas para que o controlo da mortalidade possa começar a ser feito em Portugal, sendo que a DGS acaba por limitar-se a difundir as habituais recomendações de cautela quando o frio se faz sentir com intensidade.

Nem nos hospitais são adoptadas medidas especiais. "Os hospitais geram as suas capacidades. Não há nenhum plano específico. Os profissionais de saúde estão preparados para as situações clínicas que possam surgir relacionadas com o frio", referiu Paulo Diegues. O mesmo acontece na Santa Casa da Misericórdia. "Nós temos uma relação diária com as pessoas, portanto não accionamos mecanismos especiais por causa do frio. Continuamos a realizar o nosso trabalho e claro que damos as recomendações necessárias", salientou José Pedro Pinto.

Com as baixas temperaturas a manterem-se, continua também a preocupação com os idosos e as crianças, mas igualmente com os sem-abrigo. Em Lisboa, a Câmara ainda não tinha equacionado abrir algumas estações de metro para receber quem necessita de um tecto, ao contrário do que sucede no Porto. Mas os sem-abrigo podem contar com a ajuda das organizações de solidariedade.

As casas em Portugal não estão preparadas para o frio. Um problema que tanto Paulo Diegues como José Pedro Pinto alertam, pois no País pensa-se mais no calor. E a verdade é que um estudo realizado por especialistas da Universidade de Dublin (Irlanda) conclui que Portugal é o país da União Europeia onde mais se morre por falta de isolamento das casas. Segundo a investigação, que analisou potenciais causas de morte no Inverno de 14 países, Portugal tem uma taxa de 28%, seguido por Espanha e Irlanda com 21%. O estudo refere que o facto destes países terem climas mais tem- perados faz com que a eficiência térmica nas habitações seja mais baixa.

DN

Mas com o calor já é o contrário, porque será ?? :intrigante: :angry:
 

Earthling

Cirrus
Registo
22 Set 2008
Mensagens
42
Local
Vila Franca de Xira
O problema prende-se mais é com a grossura das paredes, o material utilizado durante a construção de uma casa/prédio. Basicamente apenas se utiliza cimento ferro e tijolo, pouco mais, certamente haverá materiais que permitem que o calor não escape, e que deviam ser colocados durante a construção, para que de futuro o calor não escapasse com tanta facilidade, pois quanto mais fina for uma parede, mais calor escapa e mais frio entra visto as paredes ficarem geladas e terem um contacto directo pra rua.

Nos quando aquecemos a casa, mal desligamos a fonte de calor, o calor começa logo a escapar e ao fim de umas horas o calor já escapou todo e voltamos à temperatura inicial. Enquanto que as casas por essa Europa fora são o contrário, quando aquecidas, demoram a perder o calor.

O problema está nas técnicas de construção, nunca na falta de aquecimento, é mais fácil solucionar a falta de calor, que isolar a casa, teria que se mexer em muita coisa.

Epa voces percebem muito de meteorologia mas de engenharia civil ----> 0:lol:

Para quem não sabe, existem regulamentos OBRIGATORIOS que são OBRIGATORIAMENTE cumpridos em relação à térmica dos edifícios... Tem frio num predio novo? I DONT THINK SO!!!!



Para quem não sabe, consoante a zona do país existem constantes que são aplicadas para o cálculo térmico de qq edificio... Uma parede bem feita tem:
camadas de fora para dentro:
Tinta, reboco, tijolo, espaço de ar, isolante, tijolo, reboco, estuque, tinta

Se os cálculos forem bem feitos, não há frio no inverno nem calor no verao.

Já agora, so para se perceber o quanto evolui este assunto em portugal, enquanto acabei o meu curso de Engenharia Civil no IST, usei 2 RCCTE! (versao quando entrei e upgrade durante) RCCTE é qq coisa como regulamento construçao comportamento termico edificios.


Agora, se existem casas com frio?!?!? Claro que existem, casas antigas como a minha que parece que moro na rua, sem projectos de térmica.

E atenção, vou mandar um palpite, mais de 70% das casas em Portugal nao tem projecto termico!

Podem pensar que nao, mas o mundo da construçao nao é a bandalheira que pensam, fossem todos os sectores tao controlados como a construçao e o pais era muito melhor.

AH, e depois ainda existem umas coisas inventadas ah pouco tempo como certificados das casas relativamente as suas condiçoes... enfim, nao gosto nada qd a malta fala do que nao sabe. :p
 

Z13

Cumulonimbus
Registo
20 Set 2006
Mensagens
3,027
Local
Bragança - 690m
Epa voces percebem muito de meteorologia mas de engenharia civil ----> 0:lol:

Para quem não sabe, existem regulamentos OBRIGATORIOS que são OBRIGATORIAMENTE cumpridos em relação à térmica dos edifícios... Tem frio num predio novo? I DONT THINK SO!!!!



Para quem não sabe, consoante a zona do país existem constantes que são aplicadas para o cálculo térmico de qq edificio... Uma parede bem feita tem:
camadas de fora para dentro:
Tinta, reboco, tijolo, espaço de ar, isolante, tijolo, reboco, estuque, tinta

Se os cálculos forem bem feitos, não há frio no inverno nem calor no verao.

Já agora, so para se perceber o quanto evolui este assunto em portugal, enquanto acabei o meu curso de Engenharia Civil no IST, usei 2 RCCTE! (versao quando entrei e upgrade durante) RCCTE é qq coisa como regulamento construçao comportamento termico edificios.


Agora, se existem casas com frio?!?!? Claro que existem, casas antigas como a minha que parece que moro na rua, sem projectos de térmica.

E atenção, vou mandar um palpite, mais de 70% das casas em Portugal nao tem projecto termico!

Podem pensar que nao, mas o mundo da construçao nao é a bandalheira que pensam, fossem todos os sectores tao controlados como a construçao e o pais era muito melhor.

AH, e depois ainda existem umas coisas inventadas ah pouco tempo como certificados das casas relativamente as suas condiçoes... enfim, nao gosto nada qd a malta fala do que nao sabe. :p


De facto tens razão naquilo que afirmas. Eu que tenho familiares muito próximos formados em arquitectura e também em engenharia, estou habituado a olhar para as casas da maneira que eles, pelo seu convívio, me habituaram a olhar! E compreendo tudo o que referiste, mas falta uma coisa essencial, pelo menos em Trás-os-Montes, que é o poder de compra...

É que eu moro numa vivenda que no mês passado me "queimou" 400€ de gasóleo, e os meus pais num apartamento, 200€ de gás canalizado...

Bragança é a cidade do país que paga o gás mais caro, o que é vergonhoso... basta pensar na média de temperaturas de Bragança em Janeiro e compara-las com outra zona qualquer do país.

E eu sei, pelos próprios, que há muita gente que vive agasalhada dentro de casa porque o orçamento familiar não dá para mais do que uma braseira eléctrica ligada... como é que essa gente vai trocar as suas velhas janelas de calhas em alumínio por umas com ruptura térmica??

Enfim... há apoios para tudo... menos para o que interessa! :rolleyes:

Desculpa o desabafo...
 

MSantos

Staff
Registo
3 Out 2007
Mensagens
9,636
Local
Azambuja / Mte. Barca (Coruche)
De facto tens razão naquilo que afirmas. Eu que tenho familiares muito próximos formados em arquitectura e também em engenharia, estou habituado a olhar para as casas da maneira que eles, pelo seu convívio, me habituaram a olhar! E compreendo tudo o que referiste, mas falta uma coisa essencial, pelo menos em Trás-os-Montes, que é o poder de compra...

É que eu moro numa vivenda que no mês passado me "queimou" 400€ de gasóleo, e os meus pais num apartamento, 200€ de gás canalizado...

Bragança é a cidade do país que paga o gás mais caro, o que é vergonhoso... basta pensar na média de temperaturas de Bragança em Janeiro e compara-las com outra zona qualquer do país.

E eu sei, pelos próprios, que há muita gente que vive agasalhada dentro de casa porque o orçamento familiar não dá para mais do que uma braseira eléctrica ligada... como é que essa gente vai trocar as suas velhas janelas de calhas em alumínio por umas com ruptura térmica??

Enfim... há apoios para tudo... menos para o que interessa! :rolleyes:

Desculpa o desabafo...

Defacto muito frio se passa em Bragança dentro de casa, eu vivo num aparatamento alugado que tem um péssimo isolamento e durante o Inverno mesmo com aquecedores ligados a temperatura dificilmente passa dos 16ºC, se não ligar o aquecedor fico com 9ºC dentro de casa:cold::cold:

Para poupar energia e €€€ vou mantendo o aquecedor ligado apenas no quarto, ficando o resto da casa com temperatura de 9ºC/10ºC e o quarto com 14ºC/15ºC nunca acima de 16ºC
 

joseoliveira

Cumulonimbus
Registo
18 Abr 2009
Mensagens
2,889
Local
Loures (Moninhos) 128m
Para quem não sabe, existem regulamentos OBRIGATÓRIOS que são OBRIGATORIAMENTE cumpridos em relação à térmica dos edifícios... Tem frio num prédio novo? I DONT THINK SO!!!!

Uma parede bem feita tem:
camadas de fora para dentro:
Tinta, reboco, tijolo, espaço de ar, isolante, tijolo, reboco, estuque, tinta.

Se os cálculos forem bem feitos, não há frio no inverno nem calor no verão.

Agora, se existem casas com frio?!?!? Claro que existem, casas antigas como a minha que parece que moro na rua, sem projectos de térmica.

E atenção, vou mandar um palpite, mais de 70% das casas em Portugal não tem projecto térmico!

Podem pensar que não, mas o mundo da construção não é a bandalheira que pensam, ...

Tudo muito certo, Portugal bem como qualquer país não vive apenas do presente como base para o futuro, tem um passado, sobretudo recente que em termos de parque urbano edificado sofreu muitas influências, algumas positivas, diga-se, mas quanto a outras o resultado foi do tipo bola de neve!

“..., por dever do ofício, confrontados pela estreiteza censória do portuguesismo estadonovista e ao mesmo tempo pelo radicalismo sem fronteiras do “International Style”, sob pressão Estatal, confinados a uma única forma de construírem as suas casas, durante algum tempo sentiram a necessidade de procurar raízes na arquitectura mais vernácula,” (Associação de Arquitectos Portugueses, Inquérito realizado em 1988)

Deduz-se então que a arquitectura tradicional ou nativa, era imposta como única solução do ponto de vista legal.
Era uma época em que partiam “a salto” as primeiras levas de emigrantes para França, numa vaga de exportação baseada numa mão de obra barata, dando a esta a possibilidade (ou a ilusão) de sacudir o peso de uma miséria de longa data. Desde então:

“..., ventos eufóricos de mudança e de progresso dominados por uma lógica individualista e desordenada, varreram a terra portuguesa com vista a apagar as marcas de um passado que era preciso sepultar para sempre.” (Associação de Arquitectos Portugueses, Inquérito realizado em 1988).

Entende-se que a origem do que muitas vezes se observa em várias zonas do país, sobretudo a norte do rio Tejo, é o resultado de um desenrolar de acontecimentos político/sociais. Por um lado, a exagerada inflexibilidade do regime do Estado-Novo, por outro, em resultado dessa inflexibilidade, dá-se uma rotura no sistema em que logo após o seu tão desejado fim, a liberdade em parceria com a ignorância que permite fazer quase tudo, se solta de uma forma descontrolada:

“A ignorância e a noção deturpada dos valores patrimoniais, vigentes na época, deram livre curso à descaracterização e à destruição de um espaço edificado num anterior ambiente de sociedades estáticas e fechadas.” (Associação de Arquitectos Portugueses, Inquérito realizado em 1988).

Apesar do que está implícito nestes parágrafos se aplicar de uma forma directa à história recente da arquitectura em Portugal e os seus efeitos, que até recentemente se pensou como precursora de uma crise de valores nesta matéria, admite-se que essa crise de valores tenha trazido por arrasto falhas gravíssimas no campo da construção em que se deu primazia ao aspecto em detrimento da qualidade, muita dela que hoje se considera básica e obrigatória.