O Estado do País 2017

Tópico em 'Off-Topic' iniciado por Orion 1 Jan 2017 às 19:57.

  1. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    10,447
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Complementando...

    Taxa de desemprego cai para 8,8%. É o mínimo desde 2009

    Verdade. Contudo, há ainda menos 150 mil empregos quando comparando com o 2ºT de 2009. Ainda está-se uns 350/400 mil empregos abaixo de 2008. O momento presente pode ser bom mas em termos históricos continua a ser muito mau.

    [​IMG]

    Claro que a reação mais óbvia será algo como isto -> "O Orion está a ser um ressabiado. Está frustrado já que o partido dele, o tal dos neoliberais assassinos, está a levar uma abada".

    Como resposta, escrevo que é indiferente o partido que esteja no poder. As tendências de longo termo são muito difíceis de serem invertidas.

    [​IMG]

    Como se vê pelo aumento da dívida pública e consequentes cativações, a diminuição dos contribuintes acaba sempre na redução da despesa e/ou no aumento de impostos. Pessoalmente acho piada à métrica do INE intitulada "inativos disponíveis mas que não procuram emprego". De facto o dinheiro jorra do chão para não precisarem de emprego. Curioso que a dita métrica 'engordou' e continuou 'gorda' desde 2012 não é? Porque será?

    [​IMG]

    Pessoalmente, e estão no direito de não concordar comigo, vejo o desastre pendente num país em que o desemprego jovem ronda os 25% ao mesmo tempo que 1 em cada 5 pessoas tem 65 ou mais anos.

    [​IMG]

    É indiferente se demora 15, 20 ou 25 anos. A malta nova não está a contribuir para a sua reforma, irá sofrer com o adiantamento da idade da reforma com menos retorno financeiro e é mais que certo que pagará mais impostos para pagar os custos das gerações que lhes antecederam. Alguém está a prever um boom de criançada? E faz alguma diferença que haja? Não há empregos para os que vivem agora quanto mais para os que acabaram de nascer/que estão para nascer.

    Como é habitual, este tipo de coisas não acontece só em PT. Parece mas não é positivo:

    After Draghi, Demography: Aging Society Will Keep Euro Rates Low

    A economia espanhola tem problemas estruturais críticos. A Itália também terá uma vaga de pensionistas a curto/médio prazo (p. 3) para os quais dificilmente terá dinheiro.
     
    #721 Orion, 11 Ago 2017 às 22:34
    Última edição: 11 Ago 2017 às 22:45
  2. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    7,503
    Local:
    Olhão (24 m)
    Collapse Signature Expand Signature
  3. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    10,447
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Grande fail do Marques Mendes e o seu 'crescimento ligeiramente acima dos 3%'. Mas, para ser justo, ainda faltam os dados mais completos do INE no final do mês e uma possível revisão lá mais para a frente.

    Enquanto isso faço mais um pouco de matemática básica. Como sou mau a matemática as contas decerto vão sair um bocado furadas. Mas cá vai (tabela do GEE)...

    [​IMG]

    Fim do 1º semestre de 2016:

    - O PIB estava nos 91.741 MM; Dívida nos 240 MM.

    Fim do 1º semestre de 2017:

    - PIB nos 94.310 MM usando o crescimento homólogo de 2.8% ou 94.801 MM usando o crescimento em cadeia de 0.2% (o valor do PIB estará algures esse intervalo já que depende dos arredondamentos feitos pelo INE); Dívida nos 249.1 MM.

    Por outras palavras, e em termos homólogos, a economia aumentou algo como 3 MM e a dívida aumentou 9 MM. É isto sustentável? Há quem diga que sim. Gastar 3 euros do contribuinte para cada 1 euro de crescimento efetivo é, de facto, uma receita fantástica.

    ---

    Os crescimentos em cadeia registados em 2017 de 1% e de 0.2% acrescentaram 507 milhões ao PIB no 1ºT e algo como 95 milhões (estimativa minha) ao PIB do 2ºT.

    Isto dá o quê? Um PIB no final do 1º semestre de 2017 a rondar os 185.5 MM. Com uma dívida de 249.1 MM a dívida pública relativa explodiria para os 134%.

    Novamente, como sou mau a matemática e os dados finais ainda não estão disponíveis é bem possível que o cenário não seja tão medonho. Ainda assim, não me parece que os objetivos do governo estejam mais pertos de serem alcançados. O Ronaldo das Finanças Centeno quer reduzir a dívida pública em 3% por ano e no final deste ano a mesma deve - ou devia - situar-se nos 127%.

    Parafraseando o Ulrich... O país aguenta mais austeridade cativações? Ai, aguenta aguenta.
     
    #723 Orion, 14 Ago 2017 às 15:06
    Última edição: 14 Ago 2017 às 16:35
    4ESTAÇÕES, algarvio1980 e FSantos gostaram disto.

Partilhar esta Página