O Estado do País 2017

Tópico em 'Off-Topic' iniciado por Orion 1 Jan 2017 às 19:57.

  1. ClaudiaRM

    ClaudiaRM
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Dez 2009
    Mensagens:
    2,375
    Local:
    Viseu
    Vi só um bocadito. Não tenho simpatia por Rui Rio mas quanto à competência, ainda que não tenha opinião formada (nunca vivi no Porto) acho quase impossível ser menos competente do que PSL.
     
    Collapse Signature Expand Signature
    luismeteo3 gostou disto.
  2. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Charges of backroom deal wreak havoc in Eurogroup race
     
    Collapse Signature Expand Signature
  3. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    6,258
    Local:
    Fatima
    O momento certo para Centeno


    Se há uma altura em que é realmente possível acertar o passo na zona euro, talvez este seja esse momento.

    1 de Dezembro de 2017, 7:56

    Parecia uma repetição de uma velha história: quando apareceram as primeiras notícias sobre uma candidatura de Mário Centeno ao Eurogrupo, muitos desvalorizaram, outros tantos desprezaram. Até o Presidente Marcelo afastou a ideia, convencido de que o cargo exigia exclusividade e pedindo-lhe que ficasse para resolver os nossos problemas. Já tinha sido assim com Barroso e com António Guterres. E mesmo aí não falta quem se mostre céptico. É como no velho ditado: quando a esmola é muita, o pobre desconfia.

    Só na segunda-feira teremos a certeza sobre se Mário Centeno consegue chegar ao lugar de topo da zona euro. Mas o que já sabemos é suficiente para se valorizar. Um país do Sul da Europa, um Estado que só há três anos saiu de um resgate, um ministro que está num Governo com bloquistas e comunistas ter a perspectiva de liderar o Eurogrupo é um sinal de confiança que Portugal não deve desaproveitar. E esta candidatura revela uma ousadia que merece apoio, dos cépticos mais à esquerda aos resistentes à direita.

    Ousadia porque tem muitos riscos, mas desses já aqui falámos (do equilíbrio da geringonça, à probabilidade de sair de lá em contradição com o que aqui se aplica). Mas os riscos não são maiores do que a oportunidade. Porque o interesse português é o de termos uma Europa melhor. Porque não é indiferente ter um português em boa posição, quando se começa essa conversa.

    Ainda céptico? Deixo-lhe três argumentos simples. A Comissão e o Conselho já traçaram um roteiro para lançar a discussão, que será feita nos próximos meses; dos países que estiveram sob resgate, só a Grécia continua na mão dos credores; e a economia do euro cresce como há uma década não acontecia. Se há uma altura em que é realmente possível acertar o passo na zona euro, talvez este seja esse momento. E não faltam acertos para fazer: da união bancária à coordenação de políticas económicas, até à criação de uma rede para a próxima crise.

    Ontem, na apresentação da sua candidatura, Centeno usou a palavra-chave de qualquer bom europeu: consensos. Não será fácil consegui-los para ser eleito, será ainda mais difícil obtê-los para chegar a um novo equilíbrio.

    Mas a oportunidade vale o risco. E devemos valorizar a coragem. Para que as circunstâncias todas ajudem, só falta vir uma boa notícia de Berlim: o apoio do SDP a um novo Governo da chanceler Merkel, abrindo portas a um diálogo com o Presidente Macron. Há quanto tempo não tínhamos tantos astros alinhados?
    https://www.publico.pt/2017/12/01/e...-para-centeno-1794564?page=/&pos=12&b=opiniao
     
  4. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    E... voltando à realidade -> https://www.reuters.com/article/us-...for-eu-budget-unrealistic-focus-idUSKBN1DV5YJ

    Portugueses na Europa não faltam. Ainda estou para ver que diferença fará o Centeno mas, enfim, sou 'negativo'. Bom é ter esperanças irrealistas que inevitavelmente degeneram em indignação frívola. Haja paciência :rolleyes:

    Os inúmeros estudos a criticar a austeridade são valem um chavo. Quando houver uma nova crise vai-se fazer tudo se forma semelhante.
     
    Collapse Signature Expand Signature
    Paelagius gostou disto.
  5. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    7,809
    Local:
    Olhão (24 m)
    Chocante ligar 60 vezes para o INEM e não terem socorro. Por isto, não querem publicar o capítulo 6.

    O mais chocante foi dizerem que estavam os meios parados na adega.

    https://www.rtp.pt/noticias/pais/fa...gao-querem-divulgacao-do-capitulo-vi_v1043939


    Os comboios no Algarve são da última geração dos anos 60.

    http://www.cmjornal.pt/portugal/cidades/detalhe/comboios-avariados-no-algarve-revoltam-passageiros

    Os transportes públicos no Algarve são uma verdadeira palhaçada e não servem para nada. :buh:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  6. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    6,258
    Local:
    Fatima
    Pois, de facto coisas más existem e vão sempre existir... com este ou outro governo qualquer.
     
  7. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    6,258
    Local:
    Fatima
    Há 1m15:54Nuno André Martins[​IMG]
    Mário Centeno ganhou a eleição para a presidência do Eurogrupo.
    Mário Centeno ganhou a eleição para a presidência do Eurogrupo.
     
  8. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    6,258
    Local:
    Fatima
  9. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
     
    Collapse Signature Expand Signature
  10. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Politico

    Ali o Rutte vai mudar de ideias rapidamente depois de conversar com o Centeno :rolleyes:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  11. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    O deslize de Dijsselbloem sobre a vitória de Centeno para liderar Eurogrupo

    Em Holandês. Sem piada (>1.57)

     
    Collapse Signature Expand Signature
  12. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Collapse Signature Expand Signature
  13. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    6,258
    Local:
    Fatima
    O sucesso de Centeno no Eurogrupo será o nosso. Acreditem
    04 dez, 2017


    Para Portugal é bom que ele tenha sido eleito para presidente do Eurogrupo? Sim, é. É mesmo muito bom.

    Mário Centeno. Um português num órgão "poderosíssimo"
    Não interessa se internamente nos identificamos ou não com a governação de Centeno. Para Portugal é bom que ele tenha sido eleito para presidente do Eurogrupo? Sim, é. É mesmo muito bom. Não interessa o que cada um pense melhor ou pior do feitio ou até do carácter do nosso actual ministro das Finanças ou do seu sorriso inesgotável e vagamente irritante. Foi ele e não Portugal que conseguiu ser eleito. Mérito seu. Ficamos pelo menos a dever-lhe isso. Muito mais do que na dívida ou no défice. Naquele grupo informal onde sempre mandaram, mesmo por interposta pessoa, os alemães, poderá um português fazer a diferença? Pode. Assim lhe corra bem. Rezemos para que corra. A partir daqui o seu sucesso será o nosso. Acreditem.

    Primeiro o mérito. O seu a seu dono. Porque ganhou Centeno aos seus colegas? Antes do mais porque melhor do que nenhum dos outros partilhava o economês do clube restrito dos “harvardianos”. Vir de Harvard é ainda hoje sinónimo de uma competência técnica acima de qualquer suspeita. Ser académico, com trabalho de investigação publicado e ideias próprias, mesmo mais ou menos liberais, mostra que não se ficou pela escola e pôs na prática o capital de ciência e influência característico da escola. Ter passado por um banco central dá-lhe a aura de independência necessária e a fluência no inglês (que o seu concorrente eslovaco não exibia com o mesmo à vontade) é só a cereja em cima do bolo. Tudo isto é Centeno antes de ser ministro das Finanças.

    Depois sim, também há pequenas características que jogaram a favor: o homem certo à hora certa pode inesperadamente ganhar o lugar certo. Foi o que aconteceu com Barroso, embora ele tenha desiludido. Vamos então às circunstâncias favoráveis:

    1 – Desta vez, convinha que fosse socialista porque o PPE (ou seja, a direita civilizada europeia) domina praticamente todos os lugares de destaque na liderança europeia (Comissão, Parlamento e Conselho Europeu). Centeno era um ministro socialista e garantiu ser mesmo o candidato Socialista da Europa (ultrapassando o seu colega eslovaco). Aqui talvez possa ter beneficiado de um empurrãozinho de Costa (o negociador) e isso ajudou.

    2 – Vir de um país pequeno convinha, porque alemães, franceses, e espanhóis não são dados a consensos nem facilmente surgem como neutrais face aos restantes, além de terem muitos interesses divergentes. Nos grandes só o italiano poderia ser uma hipótese, mas o senhor Padoan fala a mesma língua que o presidente do BCE (Draghi) e de Tajani (novo presidente do Parlamento Europeu) e, embora tenha partido em primeiro lugar, ficariam italianos a mais. Nem se candidatou.

    Presidente Centeno em inglês: "Estou com grandes expectativas em relação a Janeiro de 2018"
    3 – Restavam a senhora letã (com a fama de ser campeã xadrezista e beneficiar do sistema de “quotas informais” para a juventude, nos seus 35 anos, e para as mulheres). Não chegou. Saiu da corrida logo à primeira volta de votações, talvez por ser demasiado “Verde” e ter pouco em comum com as grandes famílias europeias; por outro lado, o seu país é demasiado “recente”. O Luxemburgo é um país pequeno e central, mas também aí já havia Juncker e há demasiado tempo. Mais: ser liberal também não dava grande cartão de visita ao luxemburguês Pierre Gramegna. O grupo liberal está em ascensão na Europa e muito sub-representado em sede de poder e talvez por isso Gramegna ficou e lutou bem até ao fim, mas acabou vencido.

    4 – Por último, Centeno vinha de um país com passado de bom aluno, insiste-se. Mas a Itália alguma vez cumpriu alguma coisa? E Padoan não era de início o grande candidato e não fora estar num país com as eleições à porta e o risco de ser demitido a curto prazo? Pelo menos foi essa a verdade assumida para a precoce desistência. Pois é.

    5 – Depois, de tudo o mais, facilitou também que, embora vindo de um país “geringoncista”, Centeno pudesse dizer aos seus pares, tratando-os como tal e não olhando debaixo para cima que sim. Conseguia cumprir a palavra dada de forma até muito mais clara, discreta e eficaz do que o seu chefe de Governo. Fez aprovar dois orçamentos, não fazer rectificativos, descer brutalmente o défice e substituir a dívida, ainda que sem a conseguir descer senão minimalmente neste ano. Além disso, conseguiu sair do procedimento de défices excessivos e fazer subir o “rating” de uma das grandes empresas de avaliação, retirando-nos do lixo. Tudo isto com criação de emprego e ligeira retoma.

    Não o fez seguindo a receita do seu antipático antecessor, também socialista, mas holandês obcecado com a “culpa” típica da herança da cultura protestante que identifica os países do Sul como preguiçosos esbanjadores. Esse presidente de má memória para Portugal tinha o “poder” de fazer o agendamento dos temas a tratar e é esse poder que passa agora para as mãos de Centeno.

    O que poderemos ganhar? Isso mesmo. O poder de ser um português (desses que sabe que a região demarcada do Douro não fica em Espanha e o queijo da Serra também não…) a priorizar agora a agenda dos 19 e os temas que estes debaterão reunião a reunião. Imaginam a diferença que isso pode fazer por exemplo na questão da sempre minimizada questão da reestruturação da divida europeia. Reparem que não se trata da nossa. A de todos. Igualmente impagável, igualmente insustentável, igualmente perigosa.

    Saiba e possa Centeno colocá-la sobre a mesa (com ou sem mutualização da dívida, alterando ou não alguns indicadores cujo cálculo não significa quase nada e criando outros que possam refletir melhor o impacto social da consolidação orçamental) e já Portugal teria uma margem incrivelmente maior para cumprir tudo. Para ser ainda melhor aluno. Para nos poupar a uma austeridade dispensável e que todos gostaríamos de poder virar a página.

    Mas internamente conseguirá ele dar conta do recado? Marcelo Rebelo de Sousa não acha e chegou a dizer mesmo que esperava que tal hipótese não se viesse a colocar, mas porque não? Mourinho Félix que tantos já viram como ministro “informal”, porque não conseguirá? Se for preciso nomeie-se novo secretário de estado.

    E a geringonça como irá reagir agora? Mal, mas fingindo não ver o que virá aí. Engolindo não um pequeno sapo, mas um gigantesco elefante, embora como sempre, sem o ver ao centro da sala. Passos ainda anda por aí e, portanto, o fantasma do regresso da direita ao poder continuará o cimento que prende os três partidos da “coligação informal” ao poder.

    E no meio de tudo isto algo pode correr mal? Pode. Mas não esqueçamos que, ao mesmo tempo que se anunciada a vitória de Centeno, se lembrava que Portugal continua entre os muitos países com elevado grau de “incumprimento orçamental”. Pois, as coisas estão conjunturalmente melhores, mas não estão bem. Já. Agora, mesmo antes da presidência do Eurogrupo.
    http://rr.sapo.pt/artigo/99972/o-sucesso-de-centeno-no-eurogrupo-sera-o-nosso-acreditem
     
  14. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    6,258
    Local:
    Fatima
    Juros da dívida de Portugal a descer para mínimos de sempre a 2 e 5 anos
    Jornal Económico com Lusa
    09:24
    Cerca das 08:50 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a descer para 1,873%, contra 1,885% na segunda-feira e 1,861% em 30 de novembro, um mínimo desde maio de 2015.


    Os juros da dívida portuguesa estavam hoje de manhã a descer em todos os prazos em relação a segunda-feira e a dois e cinco anos para mínimos de sempre.

    Cerca das 08:50 em Lisboa, os juros a dez anos estavam a descer para 1,873%, contra 1,885% na segunda-feira e 1,861% em 30 de novembro, um mínimo desde maio de 2015.

    No prazo de cinco anos, os juros também estavam a recuar, para 0,449%, um mínimo de sempre, contra 0,460% na segunda-feira.

    No mesmo sentido, os juros a dois anos estavam a descer para -0,298%, um mínimo de sempre, contra -0,278% na segunda-feira.

    Os juros de Itália, Irlanda, Espanha e Grécia estavam a descer em todos os prazos.

    http://www.jornaleconomico.sapo.pt/...er-para-minimos-de-sempre-a-2-e-5-anos-240813
     
    ClaudiaRM gostou disto.
  15. Orion

    Orion
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    5 Jul 2011
    Mensagens:
    12,111
    Local:
    Ponta Delgada, Açores
    Eurogroup won't change policy under Portugal's Centeno: Dijsselbloem
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página