Rebentamento de Barragem em Odemira

ecobcg

Cumulonimbus
Registo
10 Abr 2008
Mensagens
4,862
Local
Sitio das Fontes e Carvoeiro (Lagoa - Algarve)
Aproveitando a deixa, deixo aqui um outro artigo de opinião, para reflectirmos, do mesmo jornal online:

Tudo o vento levou

Quando Clark Gable diz a Vivien Leigh, no imortal clássico “E Tudo o Vento Levou”: “Frankly, my dear, I don’t give a damn” – basicamente, “Minha querida, estou-me nas tintas” – resume, inopinadamente, a nossa postura, enquanto colectivo, em relação ao fenómeno das Alterações Climáticas.

Mas na realidade, como na ficção, por vezes o vento leva tudo à sua frente….

Os concelhos de Lagoa e Silves, atravessados por uma calamidade que deixou um rasto de destruição e horror, foram sujeitos a uma prova de fogo relativamente a esta lição. No entanto, importa que todos nós retiremos dela uma aprendizagem e alerta.

Fenómenos climatéricos extremos sempre ocorreram. Fazem parte da dinâmica ambiental do Planeta, desde a sua origem. Até aí, nada de estranho. No entanto, algo está efectivamente a mudar. Quer na intensidade, crescente e de efeitos cada vez mais catastróficos, quer na periodicidade, cada vez mais curta. E, mesmo assim, até aqui nada de muito estranho. “El Niño” e “La Niña” também fazem parte do esquema geral.

O problema é que, na linha de fogo destes fenómenos climatéricos, existem uns seres altamente vulneráveis, que, embora convencidos de serem dotados de poderes sobre-humanos, graças à omnipotente tecnologia, são na verdade frágeis, quando confrontados com a força dos elementos naturais, nas suas manifestações mais extremas.

E não é uma questão de preparação. Nem mesmo se “eles” (aquela entidade obscura que, entre outras múltiplas coisas, nos dá as previsões meteorológicas) tivessem previsto esta ocorrência, as coisas teriam corrido muito melhor – basta ver os estragos que a super-tempestade Sandy fez nos Estados Unidos da América.

E era difícil que “eles” o tivessem feito. Tudo bem, pressão atmosférica a cair a pique, precipitação intensa e ventos fortes são uma combinação de factores que faz adivinhar que algo danoso pode estar a caminho. Mas daí a conseguir saber exactamente onde iria surgir uma ocorrência tão localizada como um tornado, e com uma antecedência tal que desse para evacuar as áreas previsivelmente afectadas…

E depois, quem é que evacuava? E quem é que aceitava evacuar? Caramba, há uns anos, quando se falou de uma onda gigante a caminho da costa, com um potencial destrutivo que ia criar praias em Estoi, o povo foi para as esplanadas das praias, para ver a rebentação!

Isto leva-nos ao problema que é a necessidade de nos adaptarmos a uma realidade climatérica em mutação, por vezes acelerada, que implica com diversos aspectos da nossa organização e vida quotidiana.

Portugal, e o Algarve em particular, embalado por um clima geralmente generoso, espera sempre o melhor, preparando-se para o óptimo, quando outros, mais batidos nestas coisas, esperam o pior, e preparam-se para o péssimo. Esta postura de cigarra traduz-se em tudo, desde a falta de limpeza das matas no período que antecede a época de fogos, à falta de limpeza de sarjetas e sumidouros no período anterior às chuvas, passando pela péssima construção, em que pinga e chove copiosamente no interior de edifícios novos, termicamente permeáveis.

Mas não só nas “pequenas coisas”, como também nas grandes, somos desleixados. Vai daí, massificamos a ocupação litoral, não nos preocupamos com as construções em zonas sensíveis, como sejam leitos de cheias de cursos de água ou encostas instáveis. Ora a sensibilidade de determinada área ou sistema biofísico traduz-se em algo muito simples para nós, os tais seres frágeis: perigo iminente.

Isto porque é nas áreas sensíveis que mais fácil e rapidamente se manifestarão fenómenos extremos, ou não fossem essas áreas parte integrante de sistemas ambientais fundamentais ao equilíbrio das nossas paisagens, ao nível dos nossos sistemas vasculares ou renais.

Tempos houve em que Portugal tinha aspirações a País civilizado, e concebeu uma figura de ordenamento territorial pioneira, denominada Reserva Ecológica Nacional, que salvaguardava essas mesmas áreas e sistemas, prevenindo ocupações potencialmente perigosas para as populações. Mas isso era coisa que dificultava o progresso a la betoneira, e como é nele que continuamos a ver a salvação, estamos em pleno processo de desmantelamento da REN, com o alto patrocínio governamental, que a considera uma “redundância” e “burocracia” excessivas.

Mas, novamente o digo, quando há trovões, bem que choramos por Santa Bárbara!

Por tudo isto, parece-me importante que ajudemos os nossos concidadãos a recomporem-se dos estragos, que os apoiemos para ultrapassarem o horror que viveram, mas, acima de tudo, juntemos as nossas cabeças às deles, para retirar daqui lições para o futuro.

A primeira bem que pode ser o valor de uma correcta gestão e ordenamento territorial, para a qual a Reserva Ecológica Nacional é uma figura fundamental. Importa agora contrariar os interesses que, voluntariamente cegos, o querem ignorar, para que o betão e o asfalto continuem a proliferar, doa a quem doer.

Tal como estamos, assemelhamo-nos ao primeiro dos três porquinhos, cuja casa, construída em palha, não resiste ao demolidor sopro do Lobo Mau…
Artigo de Gonçalo Gomes
http://www.sulinformacao.pt/2012/11/tudo-o-vento-levou/#
 

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,004
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
E será que o olival podia ficar perto do açude? E será que a empresa participava nos custos de manutenção do açude? Não estamos a ver a fotografia completa.
 

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,066
Local
Odivelas (140m) / Várzea da Serra (900m)
Rebentamento ou descarga?

Tentei ver se houve alguma descarga da barragem de Santa Clara, mas tal como o boletim de precipitação, também o boletim de escoamento não está a ser realizado.
E tal como o boletim de precipitação, também tem lá o seguinte aviso:

A manutenção das estações de monitorização automáticas está suspensa desde meados de Março de 2010, pelo que poderão ocorrer falhas na disponibilização de dados ao público. Face a este condicionalismo, os dados não são totalmente fiáveis.
snirh.pt


Na bacia do Mira, a 30 de Novembro, a barragem de Santa Clara estava a 77,8% e a de Corte Brique a 81,1%.
 

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,004
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
O Jack Soifer escreve num outro blogue e o artigo publicado não saiu completo.

Diz-se que a proprietária escreveu para jornais alemães (Frankfurter Allgemeine, Zürcher Zeitung, Der Spiegel) e Expressen (Sueco) mas não consigo encontrar nada.

http://oourico.blogs.sapo.pt/405729.html

Pesquisando mais chego a isto também do Jack Soifer... Não sei se é a mesma empresa...

http://www.oje.pt/gente-e-negocios/casos-de-sucesso/azeite-joia-do-sul-brilha-no-mundo

Esta empresa familiar de Pereiras-Gare, concelho de Odemira, soma já dois prémios internacionais de melhor azeite extra-virgem.
O apeadeiro de Pereiras, na divisão entre o Algarve e o Alentejo, outrora usado para escoar a produção rural, já não tem serventia. Mantém-se, no entanto, como um ponto de referência importante na região. Partindo do apeadeiro por uma estreita estrada, chega-se aos olivais da Herdade Jóia do Sul. São nove hectares plantados entre 2005 e 2006, com as variedades Galega, Cobrançosa e Maçanilha.
O azeite extra-virgem é muito apreciado nos melhores restaurantes do Algarve, Alentejo e Lisboa. Em 2011, esta quinta vendeu apenas 4 mil e duzentas garrafas. Há seis anos, a jornalista Alexandra Monteiro e o marido Francisco Barra fartaram-se das burocracias e do bulício da cidade e lançaram um projeto empresarial, que a empreendedora dá a conhecer ao OJE.
 

frederico

Super Célula
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
9,987
Local
Porto
«A oliveira chegou à PI durante a ocupação árabe, pelas mãos dos gregos e fenícios».

Que comédia.

Sem comentários.
 

GabKoost

Nimbostratus
Registo
19 Jan 2009
Mensagens
856
Local
Longos, Caldas das Taipas (Entre Brg e Gmr) Altit
«A oliveira chegou à PI durante a ocupação árabe, pelas mãos dos gregos e fenícios».

Que comédia.

Sem comentários.

Quanto a Península Ibérica não acredito pois a origem da Oliveira está na bacia do Mediterrânico desde tempos pré-históricos...

Agora a Portugal, território que NÃO É MEDITERRÂNICO (apesar de certas regiões terem influencia climática), acredito que possa ter chegado mais tarde.

No entanto, o que a proprietária deve ter querido dizer é que o CULTIVO do olival em Portugal foi organizado e intensificado pela ocupação Árabe.. Isso sim já faz mais sentido.

E atenção que a Oliveira é uma árvore "recente" em muitas zonas do país.

O Noroeste apenas começa o (pouco) cultivo da Oliveira quando o Milho chega a esta região e vai ocupar os terrenos húmidos que, anteriormente, eram usados para pastagens.

Com a substituição da pastorícia pelo cultivo de cereais, a Oliveira surge como a forma de complementar a dieta local em gorduras que, até então, eram retiradas da criação de carne.

Digamos então que esta árvore apenas conquista todo o país na parte final da idade média.

FONTE: http://www.uminho.pt/uploads/eventos/EV_2131/20090327429152283779.pdf
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,314
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Como dizia e bem, Orlando Ribeiro, Portugal é Mediterrânico por Natureza e Atlântico por posição. Claro que o nosso país é variado climaticamente, mas a influência mediterrânica, em uma boa parte de Portugal continental, tem bastante expressão.
Certas pessoas, aqui, deviam ver qual era o aspeto da Europa no auge da última grande Idade do Gelo.
Pois é, enquanto isso ocorria em quase toda a Europa, ainda existiam zambujeiros (a forma selvagem e primitiva da oliveira) em algumas zonas de Portugal. Inclusive, mesmo alguns resquícios de laurissilva (sobretudo em vales sombrios e abrigados, mais junto ao litoral). Os humanos, depois, é que se encarregaram de destruir tudo, com algumas raríssimas exceções.

Quanto ao cultivo da oliveira, isso já é mais recente e pode realmente ter vindo com a informação transmitida por outros povos do Mediterrâneo aos nossos antepassados.