Seguimento Europa - 2007

algarvio1980

Furacão
Registo
21 Mai 2007
Mensagens
11,165
Local
Olhão (24 m)
Em termos térmicos, a semana que passou apresentou forte anomalia negativa na metade ocidental da Península Ibérica. Na Europa central e de leste a situação foi completamente inversa.



Ai era tão bom se essas anomalias se verificassem no mês de Janeiro e a neve a cair no país inteiro, até as praias algarvias e a cidade de Olhão que é famosa pelas suas casas brancas em forma de cubos cobertas de um manto branco era lindo nessa altura vendia cada foto 150 euros pela raridade desse fenómeno:lmao::w00t::D:D
 


Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
A situação já não é famosa em UK, mas depois duma madrugada e manhã mais calma, eles ainda vão apanhar com mais chuva durante muitas horas.

Anim

animqh2.gif

http://wind.met.fu-berlin.de/cgi-bin/meteosat.cgi


Radar França

frhn2.gif

http://www.meteofrance.com/FR/mameteo/sat.jsp


Radar UK


ukpo2.gif

http://www.metoffice.gov.uk/weather/uk/radar/


Flood crisis grows as rivers rise
laun.jpg

Up to 350,000 people are losing their water supply in Gloucestershire, and floods continue to swell the Thames.
http://news.bbc.co.uk/2/hi/uk_news/default.stm

London Under Threat As Floods Spread
1564260.jpg

West London and the Thames Valley could be the next parts of Britain to go underwater as the floods spread east.
http://news.sky.com/skynews/article/0,,30100-1276465,00.html

Gloucestershire Flooding Update
1563906.jpg

Emergency services in Gloucester have been giving an update on the latest situation following the severe floodin
http://news.sky.com/skynews/article/0,,30000-1276587,00.html


Já agora, esta manhã por volta das 7:00 da manhã fui ao site do Metoffice britânico e não tinha nenhum alerta... agora já tem um... ainda falamos mal do nosso IM por ser exagerado...
http://www.metoffice.gov.uk/weather/uk/uk_forecast_warnings.html
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,788
Local
Estremoz (401 metros)
Milhares de evacuados na Macedónia por causa de incêndios

Vários milhares de habitantes dos subúrbios periféricos de cidade de Bitola, no Sul do país, estão a ser evacuados devido aos incêndios causados pelas altas temperaturas que se fizeram sentir nos últimos dias no país. As autoridades locais apelaram aos cidadãos para ajudarem os bombeiros no combate ao incêndio que se propaga nos arredores de Bitola, a segunda cidade da Macedónia, 200 quilómetros a Sul de Skopje, com cerca de 130 mil habitantes, informou a agência de notícias MIA.
As temperaturas, que ultrapassaram os 40 graus centígrados nos últimos dez dias, originaram uma série de fogos que destruíram várias dezenas de hectares. Face ao agravar da situação, o primeiro-ministro macedónio, Nikola Gruevaki, abandonou hoje à noite uma sessão do Governo sobre as reformas necessárias para uma aproximação do país à União Europeia (UE) e à NATO, a fim de deslocar-se até Bitola.
Uma dezena de incêndios permanece activa há já uma semana noutras zonas da Macedónia, o que levou o governo macedónio a declarar quinta-feira a situação de emergência. Segundo as previsões meteorológicas, a temperatura poderá chegar terça-feira aos 45 graus centígrados.

© 2007 LUSA
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Alguem no forum me sabe dizer se estas mudanças e calamidades que estão a acontecer na gra-bretanha bem como noutros paises da europa, estão relacionadas com o "deslocamento" de um "centro de pressões" que há uns tempos estava localizado nos açores??:(
Se alguem souber diga-me!!!!

Olá Bportista, é mais ou menos isso, embora não só. De facto o anti-ciclone dos Açores é um centro de altas pressões que se chama dos Açores porque normalmente está nessa região, embora não de forma estática. É perfeitamente natural ele deslocar-se, expandir ou contrair-se um pouco ao longo do ano, embora nesta altura do Verão ele tipicamente esteja entre os Açores e o Continente, o que não acontece de momento como podes ver na imagem seguinte, onde ele está centrado bastante a Oeste dos Açores. De qualquer forma não é nada de excepcional ou terrivel, provavelmente daqui a uns alguns dias poderá estar perfeitamente no sitio certo para nos trazer umas semanas de Verão das habituais.

50877890xj2.gif


Para teres uma ideia do dinamismo está previsto ele daqui a 48 horas estar assim:

38964263qo2.gif


Sobre a situação específica actual, a depressão do Reino Unido e a vaga de calor na Europa, podes ler este post do Minho sobre o assunto:

http://www.meteopt.com/showpost.php?p=39265&postcount=126
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,788
Local
Estremoz (401 metros)
Mais de 500 mortos na Hungria e muitos incêndios florestais

A canícula que se abateu sobre o sudeste da Europa, com temperaturas superiores a 40 graus, foi responsável pela morte de 500 pessoas na Hungria, segundo cálculos do chefe dos serviços de Saúde nacionais. Na Roménia, esta nova vaga de calor já provocou 30 mortos, enquanto a Itália, Macedónia e Sérvia vivem o flagelo dos fogos florestais. Em contrapartida, no norte da Europa, o Reino Unido continua a ser assolado por inundações.
Na Cote d´Azur (França), um incêndio levou hoje a retirar durante algumas horas cerca de 300 pessoas de meia centena de vivendas em Ramatuelle (sul), enquanto um outro incêndio destruía 450 hectares de floresta um pouco mais longe, indicaram as autoridades.
A vaga de calor foi apontada como a causa da morte de cerca de 500 pessoas na última semana na Hungria, onde o recorde de calor foi pulverizado sexta-feira, com 41,9 graus Celsius medidos em Kiskunhalas, 130 quilómetros a sul de Budapeste. "De 15 a 22 de Julho, a temperatura média ultrapassou os 30 graus ma maior parte do país. Durante este período, a taxa de mortalidade aumentou 30 por cento no centro da Hungria em relação à média estival", anunciou o responsável pelos Serviços de Saúde, Ferenc Falus.
"Isso quer dizer que nesta região, a canícula causou a morte prematura de 230 pessoas, equivalente a cerca de 500 no plano nacional", afirmou em comunicado. Todavia, segundo Falus, este balanço é "inferior ao que se pode esperar estatisticamente" durante um período de altas temperaturas.
No país vizinho, Roménia, foram registadas 12 mortes devidas ao calor só na segunda-feira, o que eleva o balanço para 30 desde há uma semana, anunciou hoje o ministro da Saúde, no dia em que cinco departamentos do sul e Bucareste estão em alerta vermelho. É a segunda vaga de calor na Roménia depois da ocorrida em Junho, que causou mais de 30 mortos.
Em Itália, a metade sul conhece desde 13 de Julho uma das mais fortes vagas de calor dos últimos 30 anos - o termómetro subiu hoje aos 44 graus em Tarento e na Catânia (Sicília) e aos 42 graus em Reggio de Calabria (Calábria). O alerta vermelho foi decretado em Roma, Bari e Nápoles, onde as urgências dos hospitais estavam hoje sobrecarregadas de trabalho.
O calor favoreceu a propagação dos incêndios na península, onde os bombeiros continuavam a lutar contra os muitos fogos no centro e no sul que vitimaram quatro pessoas.
Na Macedónia, um gigantesco incêndio florestal devido à canícula declarou-se na madrugada de hoje nos arredores de Bitola (sul), ameaçando a segunda cidade do país. Uma pessoa morreu asfixiada e vários milhares de residentes foram deslocados dos subúrbios desta cidade de 130.000 habitantes a cerca de 200 quilómetros de Skpoje, a capital.
Ao fim do dia, mais de 20 incêndios estavam activos no país, assolado por uma intensa vaga de calor que já levou o governo a proclamar quinta-feira o estado de emergência.
Na Grécia, as autoridades anunciaram terça-feira a morte de um reformado ligada ao forte calor que se faz sentir desde há vários dias e que está na origem dos múltiplos incêndios florestais atiçados por ventos fortes. As autoridades pediram às pessoas para permanecerem em casa durante o dia, com a temperatura a atingir os 45 graus Celsius em Atica (região de Atenas), no Peloponeso (sul) e na Tessalia (centro).
Uma queda progressiva das temperaturas é esperada a partir de quinta-feira.
Na Croácia, com temperaturas superiores a 40 graus, foram registadas duas mortes devido ao calor e centenas de hectares de floresta sucumbiram ao fogo.
Cinquenta incêndios florestais devastaram 2.500 hectares na Sérvia, sem causar vítimas.
A Turquia regista também temperaturas oito a dez graus mais elevadas do que a média para o mês de Julho no ocidente e centro do país (entre 42 e 44 graus). No extremo oposto, o Reino Unido enfrenta as piores inundações em 60 anos, que deixaram centenas de milhares de lares sem água potável nem electricidade e ameaçavam hoje a cidade de Oxford, em plena época turística.

© 2007 LUSA
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,788
Local
Estremoz (401 metros)
Incêndios no Centro e Sul de Itália alimentados por altas temperaturas e ventos fortes

O centro e sul de Itália continuam hoje a ser devastados por numerosos incêndios de grandes proporções, alimentados por temperaturas elevadas e fortes ventos, que já causaram quatro mortos e 100 mil euros de prejuízos à agricultura. Quase todas as regioes italianas, especialmente o Lacio, a Campania, a Apulia, a Calabria e a Sicilia, mantêm-se em estado de alerta.
Os focos de incêndio mais preocupantes concentram-se agora na Calabria, que registava, na noite passada, 170 incêndios, e na Sicilia, onde oito incêndios estão a ameaçar importantes cidades como Ragusa, Messina e Catania, junto às encostas do vulcão Etna. Também a Sardenha, ilha muito frequentada por turistas estrangeiros, está a ser muito afectada pela vaga de incêndios desta semana, sendo já cerca de 15 mil os hectares de floresta ardidos este ano.
Os pequenos arquipelágos da Itália meridional também não escaparam às chamas, registando-se graves incêndios na ilha de Vulcano (arquipélago das Eolias), nas ilhas Lipares e em Ischia, no golfo de Nápoles. A região do Parque Nacional do Gargano, na Apulia, continua também em chamas, tendo sido retirados milhares de turistas que se encontravam de férias em hoteis e parques de campismo da região.
As suspeitas de mão criminosa na origem da maioria dos incêndios foram hoje confirmadas por uma investigação realizada na Calabria, onde foram encontrados vários engenhos portadores de combustível. As infra-estruturas mais afectadas têm sido os caminhos-de-ferro e as grandes estradas que atravessam o país de norte a sul.
Os prejuízos para o sector agrícola e vinícola, predominantes nas regiões afectadas, atingiram já os 100 mil euros, segundo dados hoje divulgados pela Confederação Italiana da Agricultura. De acordo com ordens do ministro da Defesa, Arturo Parisi, o exército italiano foi mobilizado para combater as situações mais graves, fazendo uso de seis helicópteros.
As altas temperaturas registadas desde há uma semana deram origem só na regiao do Lacio, onde se situa a capital italiana, a 135 fogos. Roma registou entre segunda e quinta-feira temperaturas mínimas de 34 graus e máximas de 39, que deverão manter-se pelo menos durante os próximos três dias, segundo o Instituto de Meteorologia italiano.

© 2007 LUSA
 

mocha

Nimbostratus
Registo
5 Dez 2006
Mensagens
1,596
Local
Barreiro
Sul da Europa sufoca

Incêndios na Grécia já fizeram três mortos. Croácia e Bulgária também ardem.

Os incêndios que assolam há vários dias o Sul da Europa castigado pela canícula fizeram três mortos na Grécia desde quarta-feira e afectavam também hoje a Croácia e a Bulgária, enquanto em Itália arderam milhares de hectares de zonas protegidas, noticia a Lusa.

Duas mulheres morreram hoje na aldeia grega de Diakofto, no Peloponeso (Sudoeste) onde um incêndio lavra há três dias. Na véspera, morrera uma septuagenária na aldeia vizinha de Mamoussia também pasto das chamas.

O incêndio nesta região distante 200 quilómetros de Atenas estendia-se hoje numa frente de mais de 30 quilómetros e ameaçava várias habitações. Mais de uma dezena de incêndios, favorecidos por temperaturas superiores a 45 graus, continuaram a progredir hoje por toda a Grécia, o que levou o primeiro-ministro grego, Costas Karamanlis, a telefonar ao presidente russo para pedir a Moscovo meios aéreos que a Rússia deverá disponibilizar sexta-feira.

Em Itália, onde em toda a metade Sul havia notícia de 550 fogos, os bombeiros e a protecção civil conseguiram dá-los por controlados. Segundo a Protecção Civil, o número de incêndios estava hoje «em nítido recuo» em relação aos três últimos dias, mas a situação continuava crítica no Abbruzzes (centro-leste) e na Calábria (extremo sudoeste).

Nesta região, o parque nacional de Pollino viu mais de 2.000 hectares reduzidos a cinzas, contribuindo para tornar mais pesado o balanço feito pela secção italiana da organização internacional de defesa do ambiente WWF: 4.500 hectares de parques protegidos destruídos, um «ano negro» para o património natural da Península.

«A maior parte dos incêndios deste últimos dias é de natureza criminosa», acusa o WWF, fazendo eco do sentimento de muitos italianos que põem em causa especuladores, agricultores sem escrúpulos e máfias.

O Conselho de ministros italiano vai proclamar durante a sua reunião de sexta-feira o estado de catástrofe natural nas regiões mais atingidas estes últimos dias pelos incêndios.

in Portugal Diário
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Um artigo na comunicação bastante bem escrito, a provar que é possivel fugir aos lugares comuns e ao sensacionalismo:

Una corriente polar deja a España al margen del caos meteorológico en Europa
ARACELI ACOSTA. MADRID.

El mismo fenómeno climático que ha dejado intensas lluvias y frío en Gran Bretaña ha sido el vector para el calor que han sufrido en Europa oriental y el Mediterráneo, y del que buena parte de España, por su situación, se ha librado. Lo que llevamos del mes de julio en nuestro país, a excepción de los últimos días, ha estado marcado por unas temperaturas bastante suaves, algo menos en el arco mediterráneo y el sureste peninsular. La razón para estas diferencias de un lugar a otro de nuestro país y de una región europea a otra es sólo una: un fenómeno conocido como la corriente en chorro del hemisferio norte.
El portavoz del Instituto Nacional de Meteorología (INM), Ángel Rivera, explicó a ABC que esta corriente de vientos fuertes en altura tiene gran influencia en el clima de nuestras latitudes. Durante el verano, esta corriente sube y se sitúa normalmente al norte de Gran Bretaña. Sin embargo, este año no ha sido así y «la corriente en chorro no ha subido tanto, se ha quedado rozando Gran Bretaña o incluso más al sur», dice Rivera. La circulación de esta corriente, por un lado, se caracteriza por entradas frías de aire de norte a sur, en las vaguadas de las ondas que va formando, pero, por otra parte, en las zonas de cresta dorsal y por debajo de la corriente hay una masa de aire cálido. La corriente se desplaza de oeste a este, y estas ondas son extensas, entre 3.000 y 4.000 kilómetros, de tal forma que a una latitud parecida los efectos pueden ser diferentes.
Y eso es lo que ha ocurrido. Mientras Gran Bretaña ha tenido lluvias que han superado en algunos puntos un 300% los valores medios entre 1971 y 2000, según datos del MetOffice, en Europa oriental y el Mediterráneo la canícula se ha cebado dejando temperaturas extremas y provocando incendios forestales. España, sin embargo, se ha visto favorecida por este fenómeno, puesto que hasta aquí ha llegado el aire fresco más meridional de esa masa fría sobre el Reino Unido.
Además, explica Rivera, ha soplado el viento, de tal forma que la sensación de fresco ha sido mayor. No tanto en el arco mediterráneo y en el sureste peninsular, puesto que esta zona se ha visto más expuesta a la masa cálida de Europa central y oriental.

Un julio de los de antes

Todo ello ha propiciado en España un julio atípico si lo comparamos con los últimos años, pero en cambio típico si lo comparamos con los veranos de hace doce o quince años, y con los valores medios entre 1961 y 1990 o incluso entre 1971 y 2000. Climatológicamente se trata de un mes normal, «como los de antes» -dice Rivera-, cuando «el cogollo de calor comenzaba el día de Santiago». Y eso también se ha cumplido este año y lo estamos viendo estos últimos días. La explicación, de nuevo, la corriente en chorro, que ahora subirá hacia el Norte dejando a nuestro país en la influencia de una zona anticiclónica. En principio, dice Rivera, durará hasta el próximo martes, siendo el lunes el día más caluroso en el Mediterráneo y el sureste. No tanto en el noroeste porque se acerca una perturbación por el Atlántico. Este repunte en las temperaturas, que se vivirá hasta el martes, dejará unos valores máximos en torno a los 40 grados, aunque podrían superarse y llegar a los 42 en los valles medios y bajos del Guadiana, Tajo y Guadalquivir, esto es, por ejemplo, Talavera, Mérida, Navalmoral, Córdoba y Sevilla.
Será «un periodo de temperaturas elevadas pero en el que no parece que se vayan a batir marcas de temperaturas ni máximas ni mínimas», matiza Rivera. Pasadas estas jornadas más calurosas la predicción a diez días indica que seguiría un verano normal, con temperaturas máximas en torno a los 35 y 36 grados. El informe de tendencia para el verano que Rivera explicó a ABC en mayo está en la línea de lo que está ocurriendo. La anomalía térmica prevista para el verano era de 0,5 y 1 grados sobre las temperaturas medias, correspondiendo ese valor más alto al noreste peninsular, por cuanto podía verse afectado por las temperaturas anormalmente altas de la zona central y oriental de Europa. «Por ahora está siendo acertado», dice Ángel Rivera.

Anomalía térmica

El portavoz del INM recuerda que en el verano de 2003, cuando toda Europa vivió días con temperaturas máximas al menos un 10 por ciento superiores a la media de su clima local, la anomalía de la temperatura media para toda España fue del orden de 3 grados, y se caracterizó por unas mínimas nocturnas muy altas, con un elevado número de noches tropicales, algo que este año sólo ha ocurrido en días muy concretos.
Aunque aún quedan agosto y septiembre, parece que podría haber «más descuelgues fríos en la vertiente atlántica» que frenarían un ascenso prolongado de las temperaturas, en menor medida en el Mediterráneo. Lo mismo que ya ocurrió en el mes de junio, que tuvo un comportamiento térmico variado, con una importante variación de oeste a este.

Un verano diferente al de 2006

Por ahora el verano se está comportando de manera diferente al del año pasado. Los tres meses veraniegos de 2006 tuvieron un comportamiento térmico un tanto peculiar, según Meteorología. El más caluroso fue julio, con amplias zonas con carácter extremadamente cálido; seguido de septiembre, que fue en general cálido o muy cálido, mientras que en agosto hubo una gran heterogeneidad. Ello dio lugar a que la temperatura media, en conjunto, tuviera un carácter predominantemente muy cálido o extremadamente cálido, es decir, valores medios de la temperatura por encima de la media más alta del periodo 1971-2000.

Este año, la corriente en chorro ha moldeado con temperaturas más suaves el tiempo en la Península Ibérica. Pero no es algo excepcional, asegura Rivera. Aunque lo normal es que esa corriente en chorro se quede en latitudes más altas y no alcance por debajo de Gran Bretaña, lo cierto es que ocurre aproximadamente cada siete u ocho años, explica Rivera, como resultado de la oscilación natural de la atmósfera. O sea, queda descartado el cambio climático.

Fonte: ABC
 

algarvio1980

Furacão
Registo
21 Mai 2007
Mensagens
11,165
Local
Olhão (24 m)
Incêndios invadem Península Ibérica
A sofrer temperaturas altíssimas, Portugal e Espanha estão de novo a braços com vários incêndios de grandes proporções. Nas ilhas espanholas de Gran Canaria e Tenerife, dois fogos que lavram desde sexta-feira obrigaram à evacuação de quatro mil habitantes.

Na Gran Canaria a destruição de habitações deixa a população em desespero: "Um carro da polícia avisou, com altifalantes, para sairem todos de casa e dirigirem-se para as praias. Lá em cima já arderam algumas casas, incluindo a do presidente da câmara", explica uma residente.

"Primeiro fechámos as portas porque não podiamos respirar. Havia fumo por todo o lado, na varanda e tivémos mesmo que fugir de casa", conta um outro habitante da Gran Canária.

Também em Portugal, três grandes incêndios activos no centro e sul do País já consumiram centenas de hectares de floresta. Em quase todos, as causas têm mão humana. Na Gran Canária um guarda florestal já foi preso acusado de fogo posto. O incendiário confessou ter ateado o incêndio para manter o contrato de trabalho que terminava em Setembro.

Fonte: Euronews
 
Registo
25 Jun 2007
Mensagens
143
Local
Benfica - Lisboa
Bem aqui fica o panorama de hoje....parece que amanha o Ex-Chantal vai deixar algumas marcas na Irlanda e Noroeste/Norte de Inglaterra

situacaovm8.jpg


Fiz um esquema da "coisa" lool...espero que entendam o quero dizer....ah outro destaque vai para as trovoadas que se formam na França,Suíça,Holanda, Dinamarca e provavelmente tambem na Austria..penso que nao me esqueci de nenhuma país que venha a ser afectado por este fenomeno:D
Hasta
 

jPdF

Nimbostratus
Registo
16 Jan 2007
Mensagens
529
Local
3560- 129 @ 500 msnm
Boa noite,
Em craco'via estavam a pouco 18 graus...e com uma trovoada a aproximar-se...
Durante a semana tem estado assim nada de especial, ja apanhei uma chuvada...ando por ai feito turista!!!:lol::lol:
 
Registo
25 Jun 2007
Mensagens
143
Local
Benfica - Lisboa
Parece que la para as Baleares bem podem se esconder...Segundo os modelos esta prevista trovoadas severes ou ate mesmo a possibilidade d ocorrerem tornados:eek:...Cuidadinho....

Ini: Sat 11 August 07 06Z Valid: Sunday, 12 August 07 18Z

alertaib7.jpg
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,788
Local
Estremoz (401 metros)
Predicción General para España, mañana
DIA 11 DE AGOSTO DE 2007 A LAS 09:45 HORA OFICIAL.

PREDICCION VALIDA DESDE LAS 00 HASTA LAS 24 H.0. DEL DOMINGO 12.
(ESTA PREDICCION SE ACTUALIZARA A LAS 19 H.O. DEL SABADO 11).

A.- FENOMENOS SIGNIFICATIVOS:

CHUBASCOS Y TORMENTAS LOCALMENTE FUERTES O MUY FUERTES EN EL
NORDESTE PENINSULAR, COMUNIDAD VALENCIANA, MURCIA Y BALEARES.

B:- PREDICCION:

EN LA MITAD NORTE PENINSULAR, TERCIO ORIENTAL Y ZONA CENTRO SE
ESPERAN CHUBASCOS Y TORMENTAS DISPERSAS DEBILES O MODERADAS, QUE
SERAN LOCALMENTE FUERTES O MUY FUERTES Y ACOMPANADAS DE GRANIZO
EN PUNTOS DEL NORDESTE, MURCIA Y COMUNIDAD VALENCIANA. SERAN MAS
DISPERSOS Y DEBILES EN GALICIA Y CANTABRICO. LAS CHUBASCOS TENDE-
RAN A DISMINUIR POR EL OESTE A PARTIR DE LA TARDE.
EN EL RESTO DE LA PENINSULA, PREDOMINIO DE POCO NUBOSO. EN BALEARES, AUMENTO DE LA NUBOSIDAD A PARTIR DE LA TARDE CON CHUBASCOS Y TORMENTAS QUE PUEDEN SER LOCALMENTE FUERTES AL FINAL DEL DIA. EN CANARIAS, NUBOSO EN EL NORTE Y PREDOMINIO DE POCO NUBOSO EN EL SUR.

EN CASTILLA Y LEON Y ALTO EBRO, TEMPERATURAS MINIMAS EN LIGERO A
MODERADO ASCENSO Y CON POCOS CAMBIOS EN EL RESTO. MAXIMAS EN LIGERO A MODERADO DESCENSO EN LA MITAD OCCIDENTAL PENINSULAR, Y SIN CAMBIOS O CON LIGEROS CAMBIOS EN EL RESTO DEL PAIS.

EN EL LITORAL GALLEGO VIENTO DE COMPONENTE N MODERADO. EN EL LI-
TORAL MEDITERRANEO ANDALUZ Y ESTRECHO, DEL W MODERADO, CON INTERVALOS DE FUERTES. EN CANARIAS, DEL NE MODERADO.

Instituto Nacional de Meteorologia (ESPANHA)
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,788
Local
Estremoz (401 metros)
A partir de Terça-feira haverá ventos e precipitações abundantes ao longo da faixa litoral atlântica da Europa Ocidental, República da Irlanda e Reino Unido, pelo efeito da passagem de um sistema frontal associado a núcleos de baixas pressões que se vão centrar sobre as Ilhas Britânicas.

LINK: Carta Sinótica