Tributo às Árvores do Monte da Lua

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,196
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
Àquelas que são segredos, longe da maior parte dos olhares, escondidas dos caminhos ou ali mesmo à beira mas para as quais não se levantam os olhos ou se não sente as raízes. E às que que morrem na paz rodeadas das que fizeram nascer e a quem oferecem a matéria do seu corpo, na terna decomposição micro-orgânica. Às derrubadas pelas intempéries e que esventram o solo, ao qual vão retornar; e às que são trazidas e levadas pelas mãos humanas. São poucas as anciãs filhas das verdadeiras ancestrais, quem as reconhece? Que as estrangeiras desde há séculos plantadas foram tão profundamente enraizadas e acolhidas pelo Monte que não mais as distinguimos.
Vou aos poucos descobrindo, lugares ocultos, frágeis e que devem ser mantidos fora dos caminhos trilhados. Toda a visita pode ser uma inocente agressão e no pensamento devemos levar sempre esta ideia, os nossos pés se não forem colocados nos locais certos, esmagam, comprimem, asfixiam o solo e toda a vida construída em sistemas de uma complexidade inacreditavelmente maior que a das nossas cidades. É isso que temos debaixo dos nossos pés, um mundo imenso de organismos e conexões que depende das formidáveis fábricas de vida que são as árvores e os fungos, líquenes e musgos que com elas trabalham numa simbiose e parceria com a vida animal muito para além da nossa compreensão completa.

Não vou dar localizações exactas, basta saber que todas as imagens foram recolhidas na Serra de Sintra, o Monte da Lua.

Mas não serão todos os montes e serras e montanhas do mundo, também Montes da Lua?


Nos domínios do Vento, à beira de um conhecido trilho:





























































continua
 
Última edição:

Vitor TT

Nimbostratus
Registo
21 Jan 2014
Mensagens
610
Local
Odivelas ( 160 mts )
Toda a visita pode ser uma inocente agressão e no pensamento devemos levar sempre esta ideia, os nossos pés se não forem colocados nos locais certos, esmagam, comprimem, asfixiam o solo e toda a vida construída em sistemas de uma complexidade inacreditavelmente maior que a das nossas cidades

Não vou dar localizações exactas, basta saber que todas as imagens foram recolhidas na Serra de Sintra, o Monte da Lua.

Mais um "monte" :) de fotos deslumbrantes :thumbsup:,

por acaso tenho o cuidado de evitar ao máximo o pisoteio da vegetação, dado que ando muito nos sistemas dunares e estes são também muito sensíveis, o que até dificulta muito a minha progressão ( areia mole e grandes declives ), mas grandemente compensada para obter, ou tentar obter "aquela" fotografia.
 
  • Gosto
Reactions: StormRic

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,196
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
As imagens da mensagem anterior foram obtidas no dia 4 de Agosto de 2011. Mesmo com a passagem do ciclone Gong em 19 de Janeiro de 2013 aquela zona não sofreu alteração notável o que mostra como a floresta estava adaptada aos ventos. A destruição começa com a proximidade das estradas e da intervenção feita com a intenção de eliminar e substituir as espécies invasoras.
Zonas que também praticamente nada sofreram são sempre aquelas constituídas por árvores de baixo porte e que crescem nas encostas do Castelo, o Monte das Penhas. Os penedos servem-lhes de protecção e adaptaram-se através das suas formas retorcidas e limitadas em altura; Sintra na origem não era um lugar de árvores de grande porte pelos cimos e encostas desprotegidas.

Mata do Castelo

25 de Outubro de 2009









18 de Setembro de 2010







13 de Novembro de 2010


















Penedo da Amizade

7 de Janeiro de 2011









20 de Fevereiro de 2011












Cruz Alta

25 de Fevereiro de 2011



















continua
 

StormRic

Furacão
Registo
23 Jun 2014
Mensagens
14,196
Local
Póvoa de S.Iria (alt. 140m)
(continuação de 4 de Agosto de 2011)

Completo aqui a primeira descoberta da floresta como ela é, embora plantada, entregue a si própria.











RS_20110804_9054c-X3.jpg




















Nas imagens seguintes deste dia, esta mesma floresta agora perto dos trilhos e dos caminhos, onde se sente o espírito humano a modelar segundo a lógica da homogeneidade.

RS_20110804_0334c-X3.jpg
















Aqui já na floresta das Pedras Irmãs, como ela era, pois agora está a desaparecer, a periferia foi fragilizada pelo desbaste das espécies invasoras, depois veio a tempestade Gong e desde então as árvores continuam a cair uma a uma ou arrastando-se umas às outras. E como é uma área de lazer frequentada, os desbastes por questões de segurança continuam a tornar a densidade arbórea cada vez menor, permitindo ao vento infiltrar-se, num processo imparável de destruição.



Já voltarei aqui, ainda durante o antes, inevitavelmente aparecerão algumas imagens do depois.
 
Última edição: