Tromba de água lança caos em Freixo de Espada à Cinta

ABatalha

Cirrus
Registo
10 Jun 2006
Mensagens
37
Local
Madrid
Freixo de Espada à Cinta, em Bragança, viveu um momento desconcertante, ontem, quando a queda de um talude atingiu um autocarro com crianças. Os jovens, e também alguns idosos, foram assistidos no centro de saúde local, mas sem gravidade.

Um autocarro com crianças foi ontem atingido por uma derrocada em Freixo de Espada à Cinta, em Bragança. Em declarações à Lusa, o autarca transmontano, Pedro Mora disse não haver registo de vítimas, embora algumas pessoas, sobretudo idosos, tenham sido assistidas no centro de saúde, devido ao pânico.
Várias crianças, cujo número não soube especificar, tiveram também de ser assistidas por apresentarem sintomas de hipotermia, depois de o autocarro em que seguiam ter sido atingido pela queda de um talude.
Pedro Mora não conseguiu explicar à Lusa as circunstâncias concretas do acidente, devido à confusão em que disse encontrar-se, nos trabalhos de socorro, afirmando, apenas que o autocarro seguia da praia fluvial da Congida, um espaço de lazer do concelho, junto ao rio Douro, “cheio de crianças, que vinham para a vila (Freixo), depois do última dia nas piscinas abertas”. Segundo o autarca, na zona mais baixa da sede de concelho (Fonte Seca), as inundações provocadas pela enxurrada originaram a acumulação de água, que chega a atingir “três metros de altura, junto às varandas das casas”. “Há várias pessoas presas em casa, já pedimos ajuda à Protecção Civil para esta situação e para alojar temporariamente as pessoas que ficaram com as casas alagadas”, disse.
O número de habitações inundadas ainda não estava contabilizado até ao fecho desta edição, nem o dos automóveis arrastados e submersos pelas águas.
Pedro Mora informou ainda que “a agricultura ficou destruída”, nesta zona rural, onde se prepara a apanha da amêndoa e o início das vindimas.
Segundo informações do Centro Distrital de Operações de Socorro de Bragança à agência Lusa estiveram no concelho seis corporações de bombeiros, num total de 47 homens e 14 viaturas. No entanto, fonte daquele organismo admitiu que o número de bombeiros deveria ser “bastante superior, porque não estão contabilizados os que acorreram às operações de socorro, sem passarem pelo quartel”.

Fonte= Primeiro de Janeiro
 

Bruno Campos

Nimbostratus
Registo
7 Out 2005
Mensagens
646
Local
V. N. Famalicão
As principais causas deste episódiode inundações n foram as chuvas... mas sim as obras de engenharia:mad:
Um ribeiro que está totalmente canalizado, subterraneamente, n aguentou com tanta água...

que o ribeiro «está a ser seguro por manilhas porque está a passar por baixo de terra. Quando vem água a mais, como essas manilhas não a comportam, acontece o que aconteceu». Mas acrescentou que a situação será devidamente analisada.
enfim...:disgust:
 

Seringador

Cumulonimbus
Registo
29 Ago 2005
Mensagens
2,984
Local
Canelas - Vila Nova de Gaia
As principais causas deste episódiode inundações n foram as chuvas... mas sim as obras de engenharia:mad:
Um ribeiro que está totalmente canalizado, subterraneamente, n aguentou com tanta água...

que o ribeiro «está a ser seguro por manilhas porque está a passar por baixo de terra. Quando vem água a mais, como essas manilhas não a comportam, acontece o que aconteceu». Mas acrescentou que a situação será devidamente analisada.
enfim...:disgust:


Yup!

Tal como aconteceu em Sta. Marata de Penaguião em 2001;)
O efeito funil é muito utilizado em Portugal e pq rai não fazem ao contrário :angry:
 

dj_alex

Nimbostratus
Registo
14 Dez 2005
Mensagens
1,913
Local
Lisboa
Yup!

Tal como aconteceu em Sta. Marata de Penaguião em 2001;)
O efeito funil é muito utilizado em Portugal e pq rai não fazem ao contrário :angry:

Pois...Fazem as obras em anos de seca..quando a ribeira é um fiozinho...

E depois basta chuver mais um bocadinho ( neste caso, foi bem mais que o normal :D ) para haver desgraças...
 

Iceberg

Nimbostratus
Registo
5 Jun 2006
Mensagens
811
Local
Braga
Esperem por um próximo Inverno chuvoso, e quando ele ocorrer, vamos assistir novamente a um desfile de inundações, cheias, derrocadas, enfim, um país nada preparado para lidar com estas situações de desastres naturais ... e muito por culpa própria ... :disgust: