Areia do Sara chega ao Mar do Caribe

Tópico em 'Internacional' iniciado por Minho 30 Jun 2007 às 13:15.

  1. Minho

    Minho
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2005
    Mensagens:
    4,091
    Local:
    Melgaço
    Esta imagem é a imagem do dia do Modis.
    Corresponde a uma massa de areia proveniente do Sara. A ilha maior que vêm na parte superior corresponde à República Dominicana e Haiti.
    A nuvem de pó e areia partiu do Sara no dia 22...
    Este é um dos melhores destruidores de Furacões. No ano passado foi um dos principais responsáveis pela calma da Época de Furacões...

    [​IMG]

    [​IMG]

    FONTE
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. Rog

    Rog
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2006
    Mensagens:
    4,515
    Local:
    Norte Madeira (500m)
     
    Collapse Signature Expand Signature
  3. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Não há certezas, mas são evidências que levam muitos investigadores a pensar dessa forma. As condições (a temperatura da água, windshear, etc) em 2006 eram tão ou mais favoráveis que em 2005, no entanto 2006 foi uma época muito abaixo das previsões.
    A influência do SAL (Saharan Air Layer)/Areia/Pó nos furacões é assunto estudado há pouco tempo, mas a influência do pó e da areia nas nuvens e na formação das gotas de chuva já é mais antiga e está comprovada (pesquisa por exemplo por "dust effect on clouds").

    No caso dos ciclones tropicais, o efeito do SAL é variado. Por um lado, a areia/pó é apenas um sinal de algo mais importante, ou seja, se a areia vai até às Caraíbas quer dizer que há uma massa de ar seco africana sobre o Oceano, e ar seco impede obviamente desenvolvimentos. Por outro lado, há um efeito directo, a areia/pó actua como um filtro na atmosfera, diminuindo a radiação solar. E este último factor é que está ainda pouco estudado e não está previsto nos modelos.


    Foi para estudar as ondas africanas e o SAL que no ano passado uma equipa de investigadores americanos estiveram várias semanas em Cabo Verde, em que voavam com um Hurricane Hunter para fazer medições e recolher dados. Mas ainda não foram divulgados quaisquer conclusões, e não sei se a época atípica não terá prejudicado a expedição.

     

Partilhar esta Página