Atlas de Portugal - Risco de Geada.

Tópico em 'Climatologia' iniciado por AnDré 15 Jun 2008 às 00:17.

  1. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,251
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    Andava eu por aqui literalmente a "navegar na net", durante a minha pausa no estudo, e eis que encontrei algo que penso ainda não ter sido abordado aqui no fórum:

    Risco de geada, com um mapa ilustrativo das regiões com maior e menor risco;)

    [​IMG]

    Descobri isto neste site:
    http://www.igeo.pt/atlas/Cap1/Cap1.html

    É uma boa página a explorar!;)
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. Fil

    Fil
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    26 Ago 2005
    Mensagens:
    3,830
    Local:
    Bragança
    Interessante o mapa André, mas não coincide muito bem com um mapa que eu tenho aqui com o número médio de geadas anual. Há zonas do Alentejo que têm mais geadas que algumas zonas da Beira Interior. Alguns dados são difíceis de engolir, mas por exemplo, tem Évora/Currais com 48 geadas anuais e duração da época de geada de 163 dias, e a Guarda com 33 dias de geada e duração da época de geada de 138 dias. Existe outros ainda mais estranhos.

    O livro é do IM e chama-se "Contribuição para o estudo das geadas em Portugal Continental" por Manuel L. Bettencourt.
     
  3. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,251
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    Realmente são dados estranhos.
    Ontem, e após ter postado este mapa, fui tentar descobrir o significado de risco de geada, uma vez que aqui a norte de Lisboa também gea em algumas noites de céu limpo durante o inverno. Acabei por ler algures que o risco de geada não quantifica o número de dias em que a geada ocorre, uma vez que com 3 ou 4ºC muitas vezes gea, mas a "serevidade" com que a geada acontece.
    Lembrei-me então dos dias frios de nevoeiro ou céu encoberto, em que a geada chega a durar 3 e 4 dias sempre a acumular. E essas ocorrências dão-se essencialmente nas zonas do mapa demarcadas com elevado/muito elevado risco de geada.
    O mesmo já não acontece no Alentejo, onde gea sim, mas uma geada que o sol da manhã acaba sempre por derreter.
    :unsure::unsure:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  4. Paulo H

    Paulo H
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Jan 2008
    Mensagens:
    2,844
    Local:
    Castelo Branco 386m(489/366m)
    Olá!

    Eu acho o mapa bem melhor que aqueles muito genéricos, em que agrupam a variável a medir em 2 ou 3 intervalos apenas e com pouco detalhe (definição em km2/pixel), mas está muito longe de ser um bom mapa representativo de Portugal, é claro que estou sendo exigente, sabendo que a informação de que se dispõe para fazer estes mapas é limitada e pouco representativa.

    Um bom mapa devia ter um detalhe inferior a 1km2 (zona representativa) colorida com uns 5 ou 6 níveis de intervalo.

    O mapa ideal das geadas deveria reflectir inequivocamente o efeito estufa urbano bem como o efeito de proximidade das zonas ribeirinhas ou de zonas muito ventosas mais secas.

    De qualquer forma a maior incidência de geada, nem sempre coincide com zonas de maior altitude o mais afastadas possível do litoral. Na verdade, para aumentarmos a probabilidade de ocorrência de geada, deve haver alguma humidade, temperatura inferior a 5ºC (depende da humidade e das características dos solos e vegetação), ausência de vento (pois seca as superfícies, transporta e quebra os cristais formados). Por isso se diz que é mais favorável ocorrer geada em locais mais abrigados, isto para temperaturas positivas, porque para negativas qualquer sítio serve!

    Por exemplo em Castelo Branco, o efeito de estufa urbano em dias anticiclónicos, estáveis e sem vento é da ordem dos +3 a +5ºC! Basta sair 1km fora da cidade e lá está aquele frio, aquela geada acumulada. Enquanto que no interior da cidade, o ar é mais quente e seco. Imaginem que na cidade estão 2ºC, fora da cidade estão -2ºC e se pararmos o carro a temperatura desce para uns -5ºC em 15 min apenas (refletindo, claro está, neste último caso a temperatura de orvalho).
    Quando ocorre inversão térmica, pior ainda! A apenas 8km da cidade (400m alt) a este ou a oeste (junto aos rios) com uma descida de 300m (alt), a temperatura pode chegar a ser 5ºC inferior a Castelo Branco. São mesmo camadas extratificadas de ar, que variam cerca de 1ºC numa questão de 200m de estrada.

    Daí que não me choca nada que a cidade da Guarda (1056m alt) possa ter menos dias de geada que muitas zonas do país mais baixas, mais abrigadas, com menos vento, mais vegetação e que não sejam urbanas.

    Ou seja, o mapa é melhor que muitos que deve haver por aí, mas não é lá muito representativo, pois não me parecer refletir algumas características essenciais que não apenas a interioridade e altitude, como sejam:
    - Exposição aos ventos;
    - Tipo de vegetação (cor e estado seco ou em crescimento), influencia na humidade junto ao solo e na taxa de reflexão do calor;
    - Encostas mais soalheiras ou mais sombrias (as mais sombrias favorecem acumulações de geada);
    - Efeito de estufa urbano;
    - Zonas ribeirinhas;
    - Zonas baixas sujeitas a inversão térmica;
    - Etc..
     
    Collapse Signature Expand Signature
  5. Paulo H

    Paulo H
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Jan 2008
    Mensagens:
    2,844
    Local:
    Castelo Branco 386m(489/366m)
    Parece-me também que o mapa indica mais a probabilidade de ocorrer geada do que propriamente o nº de dias de geada. Uma forma de verificar isso é lembrarmo-nos das zonas onde chove mais, isto é, nas zonas onde ocorre mais dias de chuva e com menos insolação (céu encoberto influencia na taxa de reflexão das nuvens pelo calor reflectido à superfície), ocorrerá obviamente menos geada.

    Verifico que na zona do Gerês muito chuvosa, parece haver menos probabilidade de geada no mapa. Mas já a Serra da Estrela parece contradizer um pouco, mas pronto, uma coisa é chover muito quando chove e outra é ter muitos dias encobertos sempre com alguma chuva, isto é, num caso restam dias de céu limpo propícios à formação de geada e no outro caso não (Gerês).
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página