Marte terraformado

Tópico em 'Astronomia' iniciado por Albifriorento 14 Abr 2011 às 12:11.

  1. Albifriorento

    Albifriorento
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    4 Dez 2010
    Mensagens:
    425
    Local:
    Castelo Branco
    Boas, aqui à uns tempos atrás expus a minha opinião acerca do assunto num site de língua inglesa....

    http://www.rationalskepticism.org/astronomy/terra-forming-mars-snag-magnetic-field-t18405-80.html

    O que gostaria de saber era quais os efeitos de uma atmosfera similar á terrestre em Marte.

    Actualmente Marte consegue suster temperaturas extremas -150ºC no Inverno até +30ºC no Verão na zona equatorial. Penso que estas amplitudes térmicas são essencialmente devido á pouca capacidade convectiva da atmosfera devido a Marte ter uma atmosfera bastante rarefeita.

    Pelas minhas contas, com uma atmosfera na ordem 1020 Hpa penso que seria possível reduzir bastante os extremos e obter temperaturas que poderiam variar entre os -100ºC durante o Inverno nos pólos (o máximo na Terra foi de -80ºC) e quiçá uns agradáveis +6ºC na zona do equador no Verão.

    Para aqueles que penssam que ando com a cabeça na Lua, têm permissão para rir :).
     
  2. Aristocrata

    Aristocrata
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    28 Dez 2008
    Mensagens:
    4,547
    Local:
    Paços de Ferreira, 292 mts
    Não acredito numa resposta fácil às questões sobre o tema da "terraformação" em Marte.

    Marte está bastante afastado do Sol para que tenha condições parecidas com a Terra, mesmo na eventualidade de se conseguir replicar uma atmosfera.
    Por outro lado, Marte não tem um satélite natural com as dimensões da Lua, necessário para muitas das condições similares à dinâmica da atmosfera terrestre.

    É um tema muito interessante, eventualmente polémico, com muitos "ses", mas muito interessante.

    Já temos visto filmes sobre este tema, com situações inverosímeis, mas mesmo assim que nos "apaixonam" pela área: será que alguma vez poderemos colonizar Marte?

    Eu penso que sim, a humanidade tem provado conseguir grandes feitos, mas será algo atingível dentro de vários séculos e não dentro de um espaço temporal curto, digamos de 1 ou 2 séculos. A evolução necessária para atingir um patamar evolutivo nesse sentido vai exigir muito mais do que se pensa. Mas será certamente um passo firme na saída para o cosmos - esse o grande e último objectivo da humanidade.
     
    Collapse Signature Expand Signature
  3. adiabático

    adiabático
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    19 Nov 2007
    Mensagens:
    304
    Local:
    Lumiar
    Não consigo imaginar o que poderá ser possível dentro de três séculos ou mais... Provavelmente algo muito mais cirúrgico do que o "tosco" arremesso de um objecto enorme contra um planeta... Não sabemos se mesmo o actual paradigma tecnológico, ainda muito dependente da mecânica clássica, não será completamente alterado. Parece já estar a mudar qualquer coisa. O Japão e os EUA já testaram aparelhos espaciais capazes de navegar "à vela"... Há projectos para, nas próximas décadas, tornar operacionais sistemas de lançamento espacial a partir da Terra que reduzirão os custos a uma fracção do que são actualmente. O famoso elevador espacial com que sonhou konstantin tsiolkovsky há mais de 100 anos já seria possível, com a tecnologia actual, para ligações entre órbita e a superfície de alguns planetas mais pequenos (ainda não para a Terra, mas para lá caminhamos). Acredito que ainda veremos uma colónia permanente na Lua e outra em Marte, pelo menos dentro de um horizonte de 50 anos. Quando estas colónias se estabelecerem, já as características da sua transformação industrial serão completamente diferentes das actuais. Provavelmente, as fábricas serão mais parecidas com laboratórios e as construções serão à base de tubos, fibras, cabos, telas, produzidos por reacções químicas nas próprias colómias, com um consumo de energia mínimo. Já se espera que a próxima estação orbital seja "insuflável", mais leve, menos onerosa. Imagino que em breve seja possível produzir em órbita os próprios materiais para expandir a futura estação, apenas sendo necessário lançar os módulos iniciais. Acho que estamos a fechar a era dos primeiros passos no espaço, da força bruta dos foguetões, dos combustíveis, num contexto em que a própria economia está a mudar. Estamos a chegar a um tempo de muito maior racionalidade e eficiência.
     

Partilhar esta Página