O Ozono e os Oceanos (descoberto fenómeno atmosférico)

Tópico em 'Media' iniciado por AnDré 27 Jun 2008 às 02:44.

  1. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,252
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    Ao inicio da noite o Gilmet, deixou-me um link de um artigo que só agora o li na integra, e que achei muito interessante.
    Por isso aqui vai ele;)

    Fonte

    A última frase dá que pensar!;)

    PS: Gil, está na altura de deixares um pouco o seguimento e de postares estas noticias:D
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. José M. Sousa

    José M. Sousa
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    16 Mai 2008
    Mensagens:
    258
    Local:
    Lisboa
  3. Thomar

    Thomar
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Dez 2007
    Mensagens:
    1,602
    Local:
    Ponte de Sôr (125m)
    Descobri esta notícia que me parece bastante interessante! :thumbsup:

    Fenómeno atmosférico descoberto ao largo de Cabo Verde vai ajudar previsões climáticas

    26.06.2008
    Ana Gerschenfeld


    Ao largo de Cabo Verde, no ar cálido que varre as águas tropicais do Atlântico e é salpicado pelas ondas, decorrem, todos os dias do ano, reacções químicas que destroem um gás que todos conhecemos: o ozono. O fenómeno foi agora descoberto por cientistas britânicos e cabo-verdianos e, a confirmar-se o seu carácter global (os oceanos cobrem 70 por cento da superfície do planeta), poderá obrigar os especialistas a reverem os modelos utilizados para prever a evolução do clima no nosso planeta.

    A equipa de Lucy Carpenter, da Universidade de York, Reino Unido, escreve hoje na revista Nature que, naquela região, nas camadas de ar mais baixas, é destruída uma quantidade de ozono perto de 50 por cento maior do que previsto pelos mais sofisticados modelos climáticos actuais. A partir de um observatório instalado na aldeia piscatória de Calhau, 15 quilómetros a leste do Mindelo, na ilha de São Vicente, e de observações feitas com uma avioneta, os cientistas conseguiram, pela primeira vez, medir o fenómeno, sem interrupção, ao longo de um ano, de Outubro de 2006 a Outubro de 2007.

    A química da atmosfera em geral, e a do ozono em especial, são pratos de digestão difícil para leigos. Mas num comentário na mesma edição da revista, Roland von Glasow, da Universidade de East Anglia, resume bem a importância do ozono: "O ozono", escreve, "é um gás atmosférico fascinante, com papéis diferentes conforme a sua localização. Na troposfera [a camada inferior] é um gás de estufa e pode ser nocivo para os animais e as plantas. Mas o ozono da estratosfera (...) absorve os raios nocivos do Sol." O ozono também é importante, salienta, porque a sua destruição dá origem aos chamados radicais hidroxilos, moléculas altamente reactivas que "limpam" o ar, removendo um outro potentíssimo gás de estufa: o metano.

    "Neste momento", diz Alastair Lewis, co-autor do estudo, em comunicado, "é uma boa notícia - há mais ozono e mais metano a serem destruídos do que se pensava -, mas o Atlântico tropical não pode ser considerado como um 'sorvedouro' permanente de ozono. (...) Bastaria um pequeno aumento dos óxidos de azoto vindos dos combustíveis fósseis e trazidos de Europa, África Ocidental ou América do Norte pelos ventos, para que o oceano passasse de sorvedouro a fonte de ozono".

    Mas o que é que leva a esta destruição - natural - do ozono no meio do Atlântico? Os cientistas encontraram, no ar em contacto com a água, altas concentrações de monóxido de iodo e de bromo e concluem que são esses compostos que promovem a destruição do ozono. O primeiro provém dos aerossóis de água salgada que se misturam com o ar e o segundo das algas marinhas - e nos dois casos, as reacções decorrem sob a acção do Sol.

    Contactado pelo PÚBLICO, John Plane, um outro co-autor, da Universidade de Leeds, disse-nos que o resultado é importante porque "os modelos da química do clima que tentam prever o futuro nunca serão fiáveis se não incluírem os processos naturais importantes". E também porque mostra que "as propostas para remover o CO2 da atmosfera alterando a produtividade do oceano, isto é, fertilizando-o com ferro, serão altamente perigosas enquanto não percebermos adequadamente o sistema natural".

    Esta noticia foi retirada do Jornal Público On-line e publicada no dia 26/06/2008, mais informação: http://ecosfera.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1333641
     
    Collapse Signature Expand Signature
  4. José M. Sousa

    José M. Sousa
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    16 Mai 2008
    Mensagens:
    258
    Local:
    Lisboa
    O André já tinha colocado está notícia no tópico Previsões Climáticas e eu coloquei o artigo do RealClimate a comentar a questão da revisão dos modelos climáticos

    in http://www.realclimate.org/index.php/archives/2008/06/more-pr-related-confusion/langswitch_lang/in
     
  5. Thomar

    Thomar
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Dez 2007
    Mensagens:
    1,602
    Local:
    Ponte de Sôr (125m)
    Obrigado pelo aviso! :thumbsup:
    Não tinha reparado (escapou-me) que já havia sido referência a esta notícia.
     
    Collapse Signature Expand Signature

Partilhar esta Página