Saúde e Alterações Climáticas

Tópico em 'Biosfera e Atmosfera' iniciado por Zoelae 30 Jan 2008 às 23:24.

  1. Zoelae

    Zoelae
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2005
    Mensagens:
    702
    Local:
    Vinhais (775m),Bragança/Porto
    Climate change: what can doctors do? é a capa desta semana do British Medical Journal (um jornal de medicina britânico). Há quem diga que as alterações climáticas serão o maior desafio que a humanidade alguma vez teve. Tema este que alarma toda a sociedade, é um desafio para muitas áreas do saber que jamais pensavam que teriam de se deparar com este problema.

    Para que quiser ler, eis vários artigos publicados nesse jornal esta semana:
    Climate change: permission to act

    Global environmental change and health: impacts, inequalities, and the health sector


    The economics of tackling climate change (este nao é gratuito, só resumo)

    Olympic challenges (só resumo)


    [​IMG]
    By zoelae
     
    Collapse Signature Expand Signature
  2. rossby

    rossby
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    10 Mar 2007
    Mensagens:
    158
    Local:
    Ponta Delgada - São Miguel
    Fazendo fé nas projecções do IPCC, que mais não são do que soluções dos modelos climáticos baseados nos tais cenários SRES, não se prevê diminuição da população:p, a não ser por razões de aplicação de políticas de controlo da natalidade;) :

    http://www.ipcc.ch/ipccreports/sres/emission/099.htm

    Por tanto, aqui temos um das vários "paradoxos" das projecções climáticas do IPCC. Por um lado, prevê-se alterações profundas na biosfera incluíndo a saúde humana, mas aparentemente não têm reflexo na população humana :confused: que alegadamente será a responsável pela causa do problema:surprise:. Será que o IPCC assume que o humanidade será capaz de se adpatar facilmente as alterações climáticas ?

    Um abraço
     
  3. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Sobre este assunto, uma coisa que eu nunca vi estudada é sobre os benefícios do aquecimento global. Sim, porque seguramente há quem saia beneficiado.
     
  4. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,479
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Fácil tem os agricultores nos países do Norte quanto mais quente estiver o clima mais para norte de poderão expandir ;)

    Qualquer dia estão a plantar couves ao lado dos pinguins :lmao:
     
  5. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,252
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    Há pois.;)
    O ano passado houve um seminário na faculdade de ciências sobre alterações climáticas vs Turismo.
    Nesse seminário foram projectados os tais gráficos (que já toda a gente viu), onde os países mediterrâneos se tornam uns autênticos desertos do Saara, e quem fica verdinho e feliz são os países nórdicos! Para terem uma pequena noção, segundo aquelas tendências, o nosso algarve irá em 2100 ser na holanda, na Bélgica, Dinamarca e Reino Unido, países amenos com muito sol, grandes praias e calor. Dava-se também uma migração generalizada da população europeia para o norte da europa. :hehe:

    A meu ver, um verdadeiro exagero...:disgust:
    Mas entrando nessa onda de hiperboles, penso que era óptimo começarmos já a fazer criação de camelos em Portugal. Que tal: "Passeio sobre duas boças na dunas de Trás-os-Montes?:lmao:
     
    Collapse Signature Expand Signature
  6. Zoelae

    Zoelae
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2005
    Mensagens:
    702
    Local:
    Vinhais (775m),Bragança/Porto
    Não tenhas dúvidas que isso já esteve mais longe de acontecer...os desertos expandem-se muito rapidamente, o deserto do Sahara e de Gobi são dois exemplos bem conhecidos, outros casos é o deserto australiano e na América. Aqui mais do que as alterações climáticas ditas globais causadas principalmente pelo aumento do CO2, são as alterações climáticas causadas pela agricultura intensiva, desflorestação, que geram degradação da qualidade dos solos, maior evaporação de agua dos solos, com consequente exsicação, menos precipitação, diminuição da humidade relativa, aumento da intensidade do vento, aumento da erosão sobretudo eólica.
     
    Collapse Signature Expand Signature
  7. Zoelae

    Zoelae
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2005
    Mensagens:
    702
    Local:
    Vinhais (775m),Bragança/Porto
    Collapse Signature Expand Signature
  8. psm

    psm
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    25 Out 2007
    Mensagens:
    1,509
    Local:
    estoril ,assafora



    Eu queria também referir 2 casos a nivel mundial que não tem haver com alterações climaticas mas que afectam a saude das pessoas nos dois locais a que vou referir.Devido a um mau planeamento na agricultura
    1º MAr Aral: Doenças respiratórias,agua de má qualidade, aumento de casos de cancro.

    2º lago Chade: Aumento de casos de malária ,dengue .
     
    Collapse Signature Expand Signature
  9. Minho

    Minho
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    6 Set 2005
    Mensagens:
    4,091
    Local:
    Melgaço
    Bem dito psm...


    Pois, o caso do Mar Aral é muitas vezes aproveitado para mostrar como as consequências das alterações climáticas quando é sabido que o desaparecimento deste mar nada tem a ver com aquecimentos globais mas sim com planos megalómanos de irrigação e transvases de água para plantações de algodão e arroz...


    [​IMG]
     
    Collapse Signature Expand Signature
  10. psm

    psm
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    25 Out 2007
    Mensagens:
    1,509
    Local:
    estoril ,assafora
    Há um grande problema na area do ambiente no qual estou em parte incluido,mas não sou ovelha; muitas das organizações ligadas ao ambiente pouco combatem a falta de biodiversidade, pois não dá muitos frutos a nivel mediatico. Vou dar um exemplo concreto que está no topico aqui no forum,o famoso mosquito da madeira ,esse mosquito que teve proveniencia da venezuela que vinha das plantas incubados nos vasos e que os imigrantes trouxeram para a madeira,essas plantas eram muito bonitas e encontraram na madeira condições climaticas prefeitas, o problema é que não tinham predadores para os combater e as plantas de um modo geral tinham um prato por debaixo para ter sempre humidade e agua condiçoes prefeitas para o mosquito multiplicar-se,tal como existe na venuzuela, mas houve logo "alguém" a afirmar na rtp que este caso era cosequencia das alterações climaticas.

    A falta de biodiversidade onde está incluido a introdução de especies exoticas é dos problemas a nivel mais dificil de combater e que afecta mais a saude do ser humano do que a famigerada questão das alterações climaticas.


    Há tantos casos a nivel mundial e em portugal
     
    Collapse Signature Expand Signature
  11. Gerofil

    Gerofil
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mar 2007
    Mensagens:
    8,554
    Local:
    Estremoz (401 metros)
    LISBOA: Urgências enchem-se de crianças com picos de poluição

    Os picos de poluição em Lisboa fazem disparar o número de crianças com problemas respiratórios e também aumentar o risco de mortalidade, sobretudo na população idosa. É no eixo central da cidade, que corre do Lumiar para o castelo, que se incluem as zonas mais poluídas e o tráfego automóvel demonstrou ser o factor mais importante para a concentração excessiva de partículas no ar que os lisboetas respiram. Estas são as principais conclusões de vários estudos coordenados por Francisco Ferreira, professor e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa.
    Os dados mostram, pela primeira vez, que, na sequência de picos de poluição (três a cinco dias depois), a afluência às urgências pediátricas do Hospital D. Estefânia por infecções respiratórias tem um aumento significativo. Isto, apesar de, habitualmente, estas doenças já representarem um terço dos atendimentos na unidade, sobretudo por infecções agudas, asma e pneumonia.
    Na sequência deste primeiro estudo, que foi financiado pela Fundação Gulbenkian, a equipa tentou perceber, entre outras coisas, se o acréscimo de poluição também se reflectia na mortalidade na população. Uma questão analisada no projecto Riskar-Lx, também financiado pela Gulbenkian, e de novo coordenado por Francisco Ferreira.
    Uma parte do projecto já está terminada. E a conclusão é taxativa: há uma correlação entre a poluição e a mortalidade, explicou ao DN a especialista Rita Nicolau, do Departamento de Epidemiologia do Instituto Ricardo Jorge, que coordenou esta fase do projecto. A equipa avaliou todas as faixas etárias e concluiu que há uma subida do risco de morte em 0,66% com um ligeiro aumento da poluição, que se situa em dez microgramas por metro cúbico (um micrograma é a milésima parte do miligrama). Mas para a população idosa, com mais de 75 anos, "esse risco é aumentado, sobretudo para as pessoas que sofrem de doenças respiratórias e do aparelho circulatório", explica.
    Os estudos para medir a poluição estão a ser realizados por esta equipa desde 2000 e pela primeira vez caracterizaram as concentrações de partículas poluentes na capital e demonstraram directamente os efeitos negativos na saúde da sua população. Esta relação estava estabelecida em estudos internacionais, mas não se conhecia a dimensão do problema na capital portuguesa. "Lisboa tem em algumas zonas concentrações de partículas no ar muito acima dos valores-limite estabelecidos pela UE, com base nas recomendações da Organização Mundial de Saúde, e por isso decidimos fazer um estudo que caracterizasse essa poluição", conta Francisco Ferreira.
    Entre 2003 e 2006, a equipa recolheu dados da qualidade do ar em diversos pontos da cidade, tendo utilizado também os de três estações de monitorização instaladas em Entre-Campos, Av. da Liberdade e Olivais. Foram medidas as concentrações de partículas inaláveis designadas por PM10 (partículas em suspensão na atmosfera com dimensão inferior a dez mícrones, a unidade que corres- ponde à milésima parte do milímetro) e PM25. E, com base nesses dados, os investigadores traçaram um retrato da poluição na cidade, que mostra que as zonas mais afectadas se situam ao longo de um eixo entre o Lumiar e o castelo, num corredor central da cidade no sentido Norte-Sul.
    De acordo com a directiva europeia para a qualidade do ar, a concentração de partículas PM10, por exemplo, não pode ser superior a 50 microgramas por metro cúbico em mais de 35 dias ao longo do ano. Mas, à excepção de 2002, Lisboa tem excedido todos os anos esse limite. As conclusões destes estudos são mais do que suficientes para melhorar o ar da cidade, sublinha Francisco Ferreira. Já há planos que incluem a redução de tráfego dentro de Lisboa. Mas a sua execução depende da assinatura de um despacho conjunto dos ministérios do Ambiente, Obras Públicas e Economia, o que deverá acontecer "dentro do próximo mês", diz o Ministério do Ambiente.

    DN Portugal
     
  12. José M. Sousa

    José M. Sousa
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    16 Mai 2008
    Mensagens:
    258
    Local:
    Lisboa

Partilhar esta Página