Breve tornado em Montemor-o Novo - 27-09-2013

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,015
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
Reclassificação - Tornado T0/T1 em Montemor-o Novo - 27-09-2013

Colecção de fotos sobre um breve tornado que parece ter ocorrido em Montemor-o-Novo no dia 27 de setembro de 2013 (Av. Gago Coutinho). Fotos Diário do Sul:

Tópico aberto para irem carregando melhores descrições do sucedido.

Na 3ª foto um dos candeeiros da calçada está torto.

izln.jpg


xqtn.jpg


4o3h.jpg


7ku8.jpg


w4rc.jpg


jt24.jpg


hrph.jpg


k193.jpg


gjnf.jpg


lnb5.jpg


n999.jpg


d1eb.jpg


zowq.jpg


bms5.jpg


g1hj.jpg


Esclarecimento do IPMA sobre o sucedido...

VENTO FORTE EM MONTEMOR-O-NOVO (27/09/2013)
IPMA
2013-10-03 (IPMA)

No dia 27 de setembro de 2013, o estado do tempo em Portugal Continental foi condicionado por uma depressão centrada a oeste da Galiza e pela passagem de uma frente oclusa. Na sua circulação era transportada uma massa de ar equatorial modificada e o perfil vertical do vento sugeria wind shear pouco acentuado. Estas condições são consistentes com a ocorrência de convecção organizada.

No próprio dia, alguns relatos sugeriram a passagem de um tornado pela cidade de Montemor-o-Novo (distrito de Évora), mais concretamente na av. Gago Coutinho. Os estragos relatados nesse local, traduziram-se na queda de cerca de duas dezenas de árvores com danos diretos em automóveis ligeiros e no destelhamento de algumas habitações, obrigando ao corte daquela avenida para desobstrução.

Pelas 12h36 UTC, as observações com radar Doppler mostram a presença de uma supercélula (SC) nas imediações daquela cidade. Contudo, atendendo a: i) reduzido tempo durante o qual o fenómeno terá afetado a área segundo relatos; ii) natureza dos danos documentados; iii) aparente inexistência de um rasto de destruição; e iv) inexistência de relatos inequívocos mencionando a visualização da tromba de tornado, não existem elementos para afirmar ter-se tratado de um tornado. Atendendo aos mesmos elementos, poder-se-á ter tratado da descida, até junto da superfície, de uma circulação intensa associada ao mesociclone da referida SC, ou de um fenómeno de tipo microburst.
 
Última edição:

criz0r

Cumulonimbus
Registo
11 Abr 2008
Mensagens
4,446
Local
Cova da Piedade (28m) / Belver (140m)
Resta saber se realmente foi um Tornado (aparentemente) e se foi qual a sua escala.
São estragos notáveis, os ramos grossos de algumas árvores foram literalmente cortados a meio..
 

trepkos

Nimbostratus
Registo
10 Out 2008
Mensagens
1,564
Local
Eborae
Não me parece que seja um tornado pela brevidade do evento pode ter sido um rajada forte ou um microburst. Vem uma rajada mais forte e é logo um tornado sem imagens de um funil não acredito

O IM disse o mesmo, estava esta manhã nos jornais.

Contudo há testemunhas do funil e um rasto muito localizado de danos numa faixa em linha recta.
 

GabKoost

Nimbostratus
Registo
19 Jan 2009
Mensagens
856
Local
Longos, Caldas das Taipas (Entre Brg e Gmr) Altit
Pois!

Plátanos como estes tem de ser podados com muita frequência e de forma radical.

Frequentemente cortam-se os troncos a meio. Literalmente. Deixando nenhum cano pois esta árvore rebentará de novo na primavera.

Como é uma árvore de madeira mole e de muita folhagem, uma boa tempestade e irá quebrar ramos com extrema facilidade causando danos em carros e edifícios.

Ao mesmo tempo dá um ar de severidade que talvez não se verificasse se as mesmas estivessem cuidadas ou se fosse outra espécie mais resistente.
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,251
Local
Castelo Branco
O IM disse o mesmo, estava esta manhã nos jornais.

O IM tem uma tendência excessiva em serem zelosos nos resultados, não fora este vídeo https://www.youtube.com/watch?v=ze6iMUmgNRg , e o tornado aqui em CB no ano passado ainda estaria classificado como um downburst.

Pessoalmente penso que existem evidências para sustentar a passagem de um tornado por esta zona.
 
  • Gosto
Reactions: c.bernardino

c.bernardino

Nimbostratus
Registo
31 Dez 2010
Mensagens
654
Local
Loures
O IM tem uma tendência excessiva em serem zelosos nos resultados, não fora este vídeo https://www.youtube.com/watch?v=ze6iMUmgNRg , e o tornado aqui em CB no ano passado ainda estaria classificado como um downburst.

Pessoalmente penso que existem evidências para sustentar a passagem de um tornado por esta zona.

Por acaso concordo.
Mas até o IM ou IPMA terem provas factuais eles não podem/devem confirmar nada.
As minhas opiniões são pessoais, mas a palavra deles vai ter um peso brutal pois mexe com seguradoras e coisas afins.
só com provas sólidas.
 

Albifriorento

Nimbostratus
Registo
4 Dez 2010
Mensagens
1,251
Local
Castelo Branco
Por acaso concordo.
Mas até o IM ou IPMA terem provas factuais eles não podem/devem confirmar nada.
Verdade

As minhas opiniões são pessoais, mas a palavra deles vai ter um peso brutal pois mexe com seguradoras e coisas afins.
só com provas sólidas.

As avaliações das seguradoras baseam-se em danos causados, neste caso não há dúvida que foi um evento meteorológico, todos aqueles que tiverem o seus imóveis ou automóveis com cobertura de danos Naturais estão cobertos... Os restantes :(, bom é o costume.
 
  • Gosto
Reactions: c.bernardino

SpiderVV

Staff
Registo
26 Ago 2010
Mensagens
8,302
Local
Portalegre (400m)
IPMA - Vento Forte em Montemor-o-Novo

O IPMA pronunciou-se da seguinte forma, sobre este evento:

No dia 27 de setembro de 2013, o estado do tempo em Portugal Continental foi condicionado por uma depressão centrada a oeste da Galiza e pela passagem de uma frente oclusa. Na sua circulação era transportada uma massa de ar equatorial modificada e o perfil vertical do vento sugeria wind shear pouco acentuado. Estas condições são consistentes com a ocorrência de convecção organizada.

No próprio dia, alguns relatos sugeriram a passagem de um tornado pela cidade de Montemor-o-Novo (distrito de Évora), mais concretamente na av. Gago Coutinho. Os estragos relatados nesse local, traduziram-se na queda de cerca de duas dezenas de árvores com danos diretos em automóveis ligeiros e no destelhamento de algumas habitações, obrigando ao corte daquela avenida para desobstrução.

Pelas 12h36 UTC, as observações com radar Doppler mostram a presença de uma supercélula (SC) nas imediações daquela cidade. Contudo, atendendo a: i) reduzido tempo durante o qual o fenómeno terá afetado a área segundo relatos; ii) natureza dos danos documentados; iii) aparente inexistência de um rasto de destruição; e iv) inexistência de relatos inequívocos mencionando a visualização da tromba de tornado, não existem elementos para afirmar ter-se tratado de um tornado. Atendendo aos mesmos elementos, poder-se-á ter tratado da descida, até junto da superfície, de uma circulação intensa associada ao mesociclone da referida SC, ou de um fenómeno de tipo microburst.

Mais em: Vento forte em Montemor-o-Novo (27/09/2013)
 

Agreste

Furacão
Registo
29 Out 2007
Mensagens
10,015
Local
Aljezur (48m) - Faro (11m)
Reclassificação do Tornado de Montemor...

«No dia 03/10/13, o IPMA publicou uma notícia intitulada “VENTO FORTE EM MONTEMOR-O-NOVO (27/09/2013)”, em referência a um episódio de vento forte que envolveu alguma destruição na cidade de Montemor-o-Novo e arredores.

Novos elementos apurados, designadamente pela realização de entrevistas a testemunhas e consulta de outras fontes entretanto disponibilizadas, permitiram efetuar um diagnóstico mais rigoroso.

De acordo com estes elementos: (i) foi comprovada a existência de um funil, que aspirava detritos e se encontrava em contacto com uma nuvem-mãe, consistente com a presença da tromba de um tornado; (ii) foi comprovada a existência de alguma destruição na escola do local de São Mateus, a sudoeste de Montemor; mais a nordeste, a cerca de 3 km e já na parte Este da própria cidade de Montemor-o-Novo, foram comprovados danos no Bairro da Courela da Pedreira e na urbanização da Quinta da Nora, entre outros locais. Por outro lado, uma análise mais detalhada das observações efetuadas com radar Doppler, permitiu concluir que uma única Supercélula identificada sobre a região seguiu um trajeto concordante com o da destruição ocorrida nos diversos locais apontados. O alinhamento da destruição verificada é, portanto, consistente com a passagem de um tornado.

A natureza dos danos que foi possível apurar por via documental (fotos, relatos) e testemunhal, sugere ter-se tratado de um tornado de reduzida intensidade, provavelmente um F0/T1 (rajada 3s, na gama 90-119 km/h) ou, quando muito, um F1/T2 (rajada 3s, na gama 119-151 km/h). Recorda-se que F designa a escala de Fujita clássica e T a escala de TORRO (TORnado and storm Research Organisation).»

http://www.ipma.pt/pt/media/noticia...ml&utm_source=twitterfeed&utm_medium=facebook
 
  • Gosto
Reactions: CptRena e Thomar