Carros a GPL, alguém tem um ?

Pedro

Super Célula
Registo
15 Abr 2009
Mensagens
6,105
Local
.
Cá em casa mora um GPL alterado em 2002, no problems. Não sei quantos quilómetros já fez, nem a capacidade do depósito (mais tarde posto).;)
 

Daniel Vilão

Super Célula
Registo
22 Mar 2007
Mensagens
6,977
Local
Ribafria-Alenquer / Moscavide / Degracia
Fala-se muito em consumos, mas algumas pessoas ignoram um factor preponderante: a pressão utilizada nos pneus.

Outro truque e hábito que tenho, uma vez que tenho pneus ZR no carro, de elevada aderência, embora com as medidas exactamente de origem, é utilizar pressões um pouco elevadas nos pneus.

Para uma lotação de 5 pessoas, o livro sugere que se use 2.3 bar à frente e 2.8 bar atrás. Pessoalmente não me agrada usar uma diferença de pressão tão grande entre os eixos, uma vez que o carro pesa o mesmo à frente e atrás.
Utilizo, por isso, a pressão máxima para o eixo traseiro sugerida pelo livro de recomendações, mas atrás e também à frente, ficando assim 2.8 bar à frente e 2.8 bar atrás. E não é muita pressão, a direcção continua óptima e este é um hábito pessoal.

Senão vejamos:

As pressões recomendadas pelo fabricante originalmente parecem-me muito baixas, os pneus curvam muito junto à base e, principalmente em curvas, torcem demasiado. Gosto de sentir o carro mais sólido, mais firme a reagir à direcção e à tracção, por isso a pressão igual nos dois eixos torna-se óptima, ficando todos os pneus com a mesma aderência, com pressões um pouco mais altas impede-se que aqueçam em demasia e gerem porosidades, duram mais e gastam-se todos por igual, culminando tudo isto num consumo mais baixo sem afectar visivelmente a estabilidade do carro no que diz respeito à aderência. Uma forma de verificar que o pneu está suficientemente cheio mas não em demasia é colocar ar suficiente até que todo o piso do pneu toque no solo por igual e sem que as bordas laterais comecem a levantar em relação ao centro do pneu. Quando se atingir este ponto, atingiu-se a pressão ideal. Normalmente é o método que utilizo. A pressão a utilizar não depende apenas do recomendado pelo fabricante do carro, mas também, e bastante, dos pneus que se utilizam.

As viaturas que vemos hoje em dia nos stands já vêm com pressões de pneus muito mais elevadas do que as de carros do mesmo segmento há 10 anos atrás, usando os mesmos pneus. Porque será ?

Muitas pessoas desperdiçam combustível e desgastam travões por usarem pressões demasiado baixas e, para além disso, as distâncias de travagem também se tornam menos eficientes. Pneus insuficientemente cheios dificultam a aceleração do carro, a eficiência das travagens, desgastam muito as bandas laterais dos pneus e impedem as suspensões de reagir correctamente às irregularidades do piso, acabando por as prejudicar precocemente e empenando as jantes ao mínimo descuido. Em suma, anulam parcialmente a manobrabilidade que se pretende do carro.


Uma fotografia dele, recentemente, com os pneus em questão. Apesar de a foto não ser direccionada aos pneus, verifique-se que os pneus, apesar da pressão colocada, não estão com as respectivas paredes completamente rectilíneas ao solo e que todo o piso do pneu assenta correctamente nele:


cpiade22022011798.jpg



E venham muitos mais km. :lol:
 

Z13

Cumulonimbus
Registo
20 Set 2006
Mensagens
3,027
Local
Bragança - 690m
Para uma lotação de 5 pessoas, o livro sugere que se use 2.3 bar à frente e 2.8 bar atrás. Pessoalmente não me agrada usar uma diferença de pressão tão grande entre os eixos, uma vez que o carro pesa o mesmo à frente e atrás.
Utilizo, por isso, a pressão máxima para o eixo traseiro sugerida pelo livro de recomendações, mas atrás e também à frente, ficando assim 2.8 bar à frente e 2.8 bar atrás.

Concordo com o que escreves Daniel, mas o teu carro tem um peso de aproximadamente 50% em cada eixo, vazio. Quando o carregas com 5 adultos e enches a bagageira, todo esse peso se vai repercutir principalmente no eixo traseiro, por isso deves aumentar mais a pressão nesse eixo.

Uma boa forma de analisar o "toque" dos pneus com o solo é molhando o piso do pneu com uma esponja e avançar com o carro 5/6 metros e observar a zona que secou (em contacto com o solo).

De resto, obedeço sempre ás pressões sugeridas pelos fabricantes. Antes de um carro ser colocado à venda fazem milhares de km em testes, e se os pilotos profissionais que os testam, em conjunto com os engenheiros, concluem que aquelas pressões são as indicadas... não sou eu que vou andar a inventar!

Quanto muito adequa-las ao tipo de trajecto que faço, (mais cidade, mais auto-estrada)...:thumbsup:

um abraço
 

Daniel Vilão

Super Célula
Registo
22 Mar 2007
Mensagens
6,977
Local
Ribafria-Alenquer / Moscavide / Degracia
Concordo com o que escreves Daniel, mas o teu carro tem um peso de aproximadamente 50% em cada eixo, vazio. Quando o carregas com 5 adultos e enches a bagageira, todo esse peso se vai repercutir principalmente no eixo traseiro, por isso deves aumentar mais a pressão nesse eixo.

(...)

Quanto muito adequa-las ao tipo de trajecto que faço, (mais cidade, mais auto-estrada)...:thumbsup:

Claro que sim, perfeitamente de acordo. Claro que só uso a pressão igual nos dois eixos quando faço mais cidade, para diminuir o atrito no trânsito, usar menos o acelerador e diminuir um pouco os consumos.

Em situações em que seja necessário usufruir de toda a aderência e conforto dos pneus, utilizo o que é recomendado pelo fabricante da viatura, os 2.3 bar à frente e 2.8 bar atrás, até porque quando se faz estrada/auto-estrada, é necessário que a dianteira não esteja tão rígida para utilizar velocidades maiores, senão tornava-se menos confortável e seguro, pois as curvas também não seriam descritas na perfeição, principalmente em situações de piso molhado.

Por isso, sempre que haja muito percurso de alta velocidade, longo curso ou estradas mais escorregadias, utilizo sempre a pressão recomendada pelo fabricante, superior no eixo de trás relativamente ao da frente.
 

Mário Barros

Furacão
Registo
18 Nov 2006
Mensagens
12,501
Local
Cavaleira (Sintra)
Conheça os mitos sobre os carros a GPL e fuja deles como o Diabo da cruz.
1. Reservatórios de GPL explodem

Há muitos condutores que excluem a ideia de comprar um carro a GPL, porque pensam que, em caso de embate, pode explodir. Hoje, essa é uma questão que não se coloca. Os sistemas de GPL são instalados por entidades credenciadas e depois são validados numa Inspecção extraordinária em centros de inspecção automóvel de categoria B. Desde que sejam cumpridas as boas práticas de instalação, não vai acontecer nada de errado com o carro.

2. Estraga o motor

O importante é que motor a gasolina esteja em perfeito estado. A partir daí não são expectáveis problemas após a instalação de um "kit" GPL. Podem, sim, existir casos de motores mais exigentes com a necessidade de um substituto dos aditivos utilizados na gasolina, já que há um aumento da temperatura dos gases de escape. Nestes casos específicos, o instalador do sistema GPL está tecnicamente documentado para identificar as soluções mais adequadas.

3. Tiram potência

O mito da perda de potência é uma consequência histórica. Os sistemas de GPL mais antigos instalados em motores de carburador eram ineficientes, havendo uma perda de potência nos veículos que poderia chegar a 10%. Contudo, hoje, com os sistemas de gestão electrónica isso já não acontece. Inclusive, existem casos de motores turbo em que a afinação adequada permite um aumento de potência, aproveitando a maior octanagem do GPL.

4. Consumos aumentam

Isso não é verdade. De facto, um carro a GPL gasta mais, mas não muito mais. O aumento registado resulta das características do próprio combustível. Há um aumento no consumo na ordem dos 20% em número de litros, mas como é muito mais barato, compensa. Com este sistema consegue poupar cerca de 40% (em dinheiro), comparando com os outras formas de abastecimento.

5. Carros ficam sem bagageira

Há quem diga que os reservatórios GPL tiram espaço à bagageira. Antigamente, os reservatórios cilíndricos, retiravam, de facto, mas os novos "kits" já acabaram com esse problema. Os reservatórios em forma de "donut" são montados no local onde está o pneu suplente, pelo que a bagageira não sofre qualquer perda. Para solucionar o facto de ficar sem suplente, o condutor deve adoptar um "kit" de reparação de furos.

Vantagens:

1- Poupa nos gastos de combustível

Alterar o combustível do seu carro para gás é dispendioso, mas compensa. Sabia que o preço por litro do gás é cerca de 50% da gasolina? Vá buscar uma calculadora e faça as contas. Está convencido?

2- Pode ter dois tipos de combustível

Mesmo que opte pelo sistema a GPL, pode continuar com a gasolina ou gasóleo/diesel. Assim sendo, o seu veículo pode fazer mais de 1000 km sem abastecer. A grande vantagem é que quando falha o gás, não corre o risco de ficar apeado. A comutação ente os dois é feita automaticamente ou com um simples botão, sem ter a necessidade de para e desligar o motor.

3- Protege o ambiente

Uma vez que não emitem partículas nocivas e enviam menos gases poluentes, como o dióxido de carbono, os carros a GPL não prejudicam tanto o meio ambiente, como os outros.

4- Reduz o desgaste do motor

Por ser um combustível e uma tecnologia segura, o GPL reduz o desgaste do motor, assegurando maior durabilidade.

5- É fácil de usar

O depósito do GPL está montado no lugar do pneu suplente, por isso não ocupa o espaço da bagageira.

6- Pode abastecer em qualquer bomba

Pode abastecer em qualquer posto, desde que exista abastecimento GPL. Já existem mais de 300 postos de abastecimento por todo o país.

i