Cheias a 30 de Novembro de 1949 em Albufeira

algarvio1980

Furacão
Registo
21 Mai 2007
Mensagens
10,709
Local
Olhão (24 m)
Recordar as cheias fluviais em Albufeira de há 60 anos: 30 de Novembro 1949

Hoje praticamente esquecidas e ignoradas pela maioria dos albufeirenses, as cheias de há precisamente 60 anos foram uma triste realidade de má memória do tempo dos nossos avós, que ocuparam as primeiras páginas dos jornais locais e nacionais de então.

As décadas de 40 e 50 do século XX foram pródigas em inundações no Algarve, que adquiriram contornos violentos na então vila de Albufeira.

Cheias causadas por intensa pluviosidade, que engrossaram a ribeira de Albufeira e semearam o pânico, o luto e a destruição, provocando ainda elevados prejuízos económicos.

Nos últimos dias de Novembro de 1949, um temporal de grande violência assolou o Algarve e Albufeira não foi excepção. Preparada para receber a feira franca, a vila foi duramente atingida, conforme relatou o jornal «O Século» de 01/12/1949: «Em Albufeira, na noite passada (29/11) e todo o dia de hoje, também choveu torrencialmente. As águas da ribeira sobrepuseram-se aos dois diques e fizeram levantar alguns cascões da canalização das águas para o mar. A parte baixa da vila voltou a ser inundada pela cheia da ribeira, registando-se prejuízos materiais em diversas casas».

O Diário de Notícias (DN), da mesma data, acrescenta ainda: «Duramente experimentada pelas inundações de 25 de Outubro e 23 de Dezembro de 1948 esta vila está de novo inundada (…). A feira franca, marcada para os dias 29 e 30 do corrente, não chegou a realizar-se, pois a água destruiu algumas barracas e ameaça arrastar para o mar as pistas de automóveis eléctricos e as barracas de cavalinhos. Os feirantes que foram atingidos por elevados prejuízos encontram-se albergados em várias casas, postas à sua disposição. Continua a chover e a população está sobressaltada».

Na sua edição de 03/12/1949 informa ainda o DN que «em Albufeira apareceu abandonada uma embarcação e avistou-se no mar o cadáver dum homem que se supõe ser um dos tripulantes. Durante todo o dia de ontem [1/12], por quatro vezes toda a parte baixa da vila ficou coberta de água. Todos os pavimentos das ruas estão revoltos e estragados».

A cheia de 30 de Novembro de 1949 teve a particularidade de ser amplamente fotografada em diferentes locais da vila, por Fausto Napier, e talvez por isso, seja hoje facilmente evocada, em detrimento das inundações de 25 de Outubro e 22 de Dezembro de 1948 e de 15 de Janeiro de 1956, de efeitos e consequências mais nefastas, que aproveitaremos também para recordar.

«As águas das chuvas transbordaram um dique alagando ruas, largos e quintais, desmoronando prédios e enchendo de pânico a população de Albufeira», foi o título da notícia que o jornal «O Século» de 26/10/1948 dedicou às cheias de 25 de Outubro de 1948.

O mesmo jornal acrescentava: «Difícil é descrever os momentos aflitivos que se viveram aqui, quando a chuva, como se fora um verdadeiro dilúvio, fez com que as águas inundassem a parte baixa da vila, tudo ameaçando assustadoramente. Transbordou o dique e alagaram-se ruas, largos, quintas, e casas de comércio e de habitação. Alguns edifícios que ameaçavam ruína desmoronaram-se, outros ficaram com as paredes fendidas. Tudo se registou inesperadamente, apesar das chuvas torrenciais que caíram durante a noite fazerem prever inundações. O pânico foi terrível, pois a cheia atingiu dois metros, e como, muita gente corresse perigo, logo se solicitaram os serviços dos bombeiros de Faro, Loulé e Portimão. Igualmente se utilizaram barcos para socorrer pessoas em perigo e haveres de muita gente».

O semanário algarvio «Correio do Sul», sobre estas inundações, estimava os prejuízos em 2000 contos, sendo de 500 contos só no Grémio da Lavoura na perda de sementes, alfaias, trigo, cimento e adubos. O restante era repartido pelos comerciantes, Central Eléctrica (actual Galeria Samora Barros), e por proprietários dos edifícios que ruíram.

Não eram decorridos dois meses, a 23/12/1948 o DN faz notícia de primeira página: «Temporal no Algarve – Na Vila de Albufeira a água das chuvas atingiu cerca de 7 metros de altura».

«A parte baixa daquela vila ficou completamente bloqueada pelas águas. É tal a violência do temporal na costa que muitas embarcações têm sido arrastadas para o mar, e estão-se a partir na ressaca contra as rochas da praia. Estabelecimentos comerciais onde a água não tinha entrado em inundações anteriores tiveram agora prejuízos quase totais. Em muitos sítios a água atingiu os primeiros andares, cobrindo completamente as árvores. Da frota pesqueira há mais de 40 barcos destruídos».

A inundação principiou cerca das 8 horas da manhã do dia 22 e prolongou-se por cerca de 20 horas: «A pressão da torrente a certa altura rebentou o dique e destruiu em enorme extensão, a rampa que serve de varadouro aos barcos de pesca. Nalguns locais, como por exemplo no largo Duarte Pacheco, as águas atingiram o nível de sete metros! Na avenida da Ribeira a água escavou o solo numa profundidade de 4 a 5 metros, pondo a descoberto o antigo leito da ribeira, que àquela artéria deu o nome. E com a destruição da rampa do varadouro, as águas do mar invadiram a vila e juntaram a sua fúria às devastações da inundação. Paredes e alicerces de vários edifícios de construção mais ligeira, minados pelo ímpeto das águas, estão agora a desmoronar-se, ficando assim dezenas de famílias sem-abrigo. (…) Em suma Albufeira viveu horas de indescritível horror, de uma angústia de que é impossível dar, sequer uma pálida ideia» (DN de 24/12/1948).

Sete anos depois, e após uns dias mais chuvosos, as cheias em Albufeira foram de novo notícia nos jornais: «Temporal no país – Em Albufeira a água da cheia atingiu três metros de altura! Os prejuízos são grandes e uma mulher desaparece na enxurrada» (DN de 16/01/1956).

Ou seja, tudo se repetiu! «No largo Eng. Duarte Pacheco, transformado num pequeno lago, e onde a água subiu a três metros de altura (…). Alfarrobeiras centenárias foram arrancadas cerce e vieram ribeira abaixo em direcção ao enorme esgoto ali recentemente mandado construir para evitar a repetição das inundações de 1948, o qual apesar dos cálculos acabou por não ser suficientemente grande para comportar o volume das águas. (…) Os prejuízos sofridos pelas dezenas de estabelecimentos inundados e os verificados em inúmeras residências são de alguns milhares de contos, pois houve vários comerciantes com danos de centenas de contos só à sua parte».

Em termos de vidas humanas, morreu, arrastada pelas águas, uma senhora de 48 anos de idade. Outros habitantes foram salvos pelos bombeiros de todo o Algarve que ali acorreram após fortes apelos lançados pela Emissora Nacional, e por populares, pois houve pessoas que «tiveram de agarrar-se às árvores como aconteceu no jardim público e ali se conservaram, lutando para não serem arrastadas pela água e por ela submersas, despendendo toda a sua energia e esforço até que foram em seu auxílio». (DN 16/01/1956)

É verdade que ainda recentemente (2008) foram noticiadas inundações em Albufeira. Contudo, as últimas cheias de grande amplitude terão sido as de 1956.

Na realidade, a ribeira foi sendo canalizada em conduta ao longo dos últimos 100 anos, e simultaneamente, foram sendo construídas habitações e prédios nas suas “margens”.

Aliás, nos nossos dias mais um troço está a ser artificializado, desta feita junto ao actual Centro de Saúde.

Nas inundações aqui recordadas de há 60 anos, todos os troços então artificializados foram destruídos, dado o diâmetro insuficiente do canal construído, face ao enorme caudal de cheia da Ribeira de Albufeira.

Sendo as cheias um fenómeno cíclico e normal no nosso clima mediterrânico, e a função dos cursos de água tão-somente transportá-la, seja ela muita ou pouca, a ocorrência de novas cheias fluviais em Albufeira, como as que ocorreram há 60 anos constituem hoje uma verdadeira “bomba relógio”, iminente e de consequências imprevisíveis, seja de prejuízos materiais ou de perda de vidas humanas.

Quanto a responsáveis, somente o Homem o é: afinal ocupou uma área que não era sua, mas da Ribeira de Albufeira.




Aurélio Nuno Cabrita
Investigador de História local e regional, engenheiro de Ambiente

Fonte: Barlavento Online (com imagens)
http://www.barlavento.online.pt/index.php/noticia?id=37917

Constrói-se em todo o lado depois as tragédias acontecem, existem perdas humanas e a culpa é toda nossa, quem semeia ventos colhe tempestades, depois quando elas acontecem choramos e nada fazemos para mudar os acontecimentos, o que é lamentavelmente, seja em Albufeira, em Lisboa, em Olhão em qualquer lado acontece isso, porque os homens destroem o que a natureza faz e depois tem as consequências.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Artigo interessante

Foram dias agitados, primeiro uma potente entrada de noroeste que passou a nordeste, para finalmente a circulação se estrangular a sudoeste isolando uma depressão convectiva que provocou as cheias.

carta.gif