Falta de chuva nos últimos meses é a maior em 91 anos

Thomar

Cumulonimbus
Registo
19 Dez 2007
Mensagens
2,455
Local
Cabanas - Palmela (75m)
Notícia de hoje (13.02.2008) no jornal público http://www.publico.clix.pt/

Barragens ainda têm reservas suficientes
Falta de chuva nos últimos meses é a maior em 91 anos e já preocupa agricultores


13.02.2008 - 08h34 Ricardo Garcia

Portugal está a atravessar um período seco como não se via há 91 anos. Desde Setembro passado, choveu em todo o país menos de metade (48 por cento) da média entre 1941 e 1998, segundo dados do Instituto da Água (Inag). E embora as barragens ainda tenham reservas suficientes, os agricultores começam a ficar preocupados.

Já em Dezembro, praticamente o país todo estava em situação de seca, de acordo com o último relatório mensal do Instituto de Meteorologia. Em 37 por cento do Continente, a seca era fraca, em 52 por cento moderada e em dez por cento severa. Neste último caso estavam o litoral Norte e o Baixo Alentejo.

Em Janeiro choveu mais do que nos meses anteriores, mas ainda assim abaixo da média. E Fevereiro, que já vai a meio, não tem trazido boas notícias, apesar do extemporâneo tempo primaveril: até anteontem, a precipitação em todo o país era de apenas 17,8 milímetros, quando a média para o mês todo é de 112,2 milímetros.

"Neste século, só em 1917 choveu tão pouco entre Setembro e Janeiro", afirma Rui Rodrigues, director do Departamento de Monitorização e Sistemas de Informação do Domínio Hídrico do Inag.

Na última grande seca, em 2005, a situação foi mascarada por ter chovido muito em Outubro. Depois é que São Pedro fechou as torneiras.

Agora, não. A situação arrasta-se já desde o fim do Verão. E se a precipitação falha no Outono e princípio de Inverno, que é quando mais chove em Portugal, torna-se difícil recuperar o atraso nos meses seguintes.

Barragens ainda aguentam

O país está em seca meteorológica, mas ainda não chegou à situação de seca hídrica. As principais barragens têm, neste momento, alguma folga para assegurar os principais usos ao longo deste ano, sobretudo a rega. "Estamos perfeitamente garantidos", afirma Rui Rodrigues.

No final de Janeiro, das 56 albufeiras monitorizadas pelo Inag, 14 estavam cheias em mais de 80 por cento, 34 tinham entre 40 e 80 por cento de água e oito situavam-se abaixo dos 40 por cento.

Os agricultores começam, no entanto, a ficar preocupados. Apesar de escassa, a chuva que tem caído garantiu algum pasto e o início da campanha de culturas de sequeiro, como o trigo e a cevada. "As culturas arvenses ainda se apresentam em bom estado vegetativo, mas é uma questão de dias", diz Manuel Castro e Brito, presidente da Federação das Associações de Agricultores do Baixo Alentejo.

Se não chover em quantidade até ao fim do mês, o cenário vai piorar substancialmente, diz Castro e Brito. "A situação não é famosa. Estamos em estado de SOS", afirma.

O que mais preocupa os agricultores do Alentejo, neste momento, é a questão das pastagens. Se forem prejudicadas pela seca, o efeito será multiplicado pela alta no preço das rações e palhas. "Vai haver falências nas explorações pecuárias", antecipa Castro e Brito.



Pois é a situação não é famosa :sad:, mas a partir do fim-de-semana :rain: vai pelo menos minorar a situação de seca.