Massas de ar e sistemas frontais

G.Ivo

Cirrus
Registo
24 Mar 2010
Mensagens
9
Local
Brasil
Caros colegas,
Sou brasileiro e novo aqui no forum.
Aqui em meus estudos de meteorologia, estou com uma dúvida que não encontro resposta completa. Quando falamos de sistemas frontais, um sistema frontal frio por exemplo antes da sua chegada causa uma queda na pressão, porque isso ocorre?
Gostaria de saber se alguem podia me dar explicações a respeito desse assunto.
Desde já muito grato e parabens pelo forum.
Abraço!

G. Ivo
 

AndréFrade

Cumulonimbus
Registo
6 Jun 2009
Mensagens
4,618
Local
Lisboa (70m) / Montijo (10m)
Olá G.Ivo.
Na minha opinião, os deslocamentos dessas massas acontecem de uma zona de alta pressão, para uma zona de baixa pressão, por causa da diferença de temperatura atmosférica, que produz uma diferença de densidade resultando em uma diferença de pressão.

Corrijam-me se tiver errado.
 

rozzo

Staff
Registo
11 Dez 2006
Mensagens
2,466
Local
Montijo/Lisboa
Podemos ver isto por dois pontos:
- É natural a queda das pressões na aproximação dum sistema frontal, se está a passar uma baixa pressão claro que a pressão vai cair durante esse período, isso é óbvio.
- Portanto suponho que a pergunta inicial fosse relativamente à ligeira queda da pressão mesmo nos instantes antes de uma frente, e não à óbvia queda geral da pressão nos dias em que está uma depressão nas imediações. Se for realmente essa a pergunta, então penso que a explicação será essencialmente a seguinte:

A zona mesmo da frente fria está associada a precipitação, convecção, uma zona onde há convergência do ar, sendo o ar quente pré-frontal obrigado a subir sobre o ar frio pós-frontal ao longo da superfície frontal. Isto resulta numa queda da pressão, que depois volta a subir já no ar frio.



Olhando para uma carta da pressão ao nível do mar, p.ex numa depressão "perfeita" circular, as isóbaras estão em círculos à volta do centro, mas na região das frentes existe sempre uma deformação dessas isóbaras para mais longe do centro da depressão.



;)
 

G.Ivo

Cirrus
Registo
24 Mar 2010
Mensagens
9
Local
Brasil
Obrigado pela informações.
Eu entendi o que o rozzo descreveu, no entanto o que me deixa confuso é o seguinte também: sabemos que uma área com altas temperaturas vai gerar consequentemente pressões mais baixas e densidade mais baixa também, certo?
Etnão como e porque caracterizamos uma frente quente com altas pressões e nuvens estratificadas e as frentes firas com baixas pressões e nuvens cumuliformes?
Espero ter sido claro...
Abraços!
 

rozzo

Staff
Registo
11 Dez 2006
Mensagens
2,466
Local
Montijo/Lisboa
Obrigado pela informações.
Eu entendi o que o rozzo descreveu, no entanto o que me deixa confuso é o seguinte também: sabemos que uma área com altas temperaturas vai gerar consequentemente pressões mais baixas e densidade mais baixa também, certo?
Etnão como e porque caracterizamos uma frente quente com altas pressões e nuvens estratificadas e as frentes firas com baixas pressões e nuvens cumuliformes?
Espero ter sido claro...
Abraços!

Não é necessariamente assim..
Há calor em altas pressões como bem sabemos.
O que queres dizer é que se uma região estiver a uma determinada pressão, e depois parte dessa região aquecer, nessa parte mais pequena a pressão baixa sim, aliás é por isso que há brisas..

Agora em relação às frentes quentes não é isso.
Elas têm nuvens estratificadas não por ter alta pressão, mas sim porque a inclinação da superfície de separação entre as massas de ar é menor, e assim as nuvens desenvolvem-se menos verticalmente. Não tem nada a ver com alta ou baixa pressão.
Aliás, numa frente quente também a pressão baixa à sua passagem (como na primeira figura da frente fria), e está associada também a um sistema frontal de baixas pressões (como no esquema da segunda figura que coloquei).

Ok? ;)
 

G.Ivo

Cirrus
Registo
24 Mar 2010
Mensagens
9
Local
Brasil
Não é necessariamente assim..
Há calor em altas pressões como bem sabemos.
O que queres dizer é que se uma região estiver a uma determinada pressão, e depois parte dessa região aquecer, nessa parte mais pequena a pressão baixa sim, aliás é por isso que há brisas..

Agora em relação às frentes quentes não é isso.
Elas têm nuvens estratificadas não por ter alta pressão, mas sim porque a inclinação da superfície de separação entre as massas de ar é menor, e assim as nuvens desenvolvem-se menos verticalmente. Não tem nada a ver com alta ou baixa pressão.
Aliás, numa frente quente também a pressão baixa à sua passagem (como na primeira figura da frente fria), e está associada também a um sistema frontal de baixas pressões (como no esquema da segunda figura que coloquei).

Ok? ;)

Maravilha Razzo, agora ficou mais claro, que: o que traz esse tipo de nuvem (estratificada) nas frentes quentes (FQ) é mais pelo fato da inclinação da FQ ser diferente da FF. E o que entendi também é que ambas as frentes, tanto quente quanto fria, estão ligadas a um centro de baixa pressão, no entanto a frente quente tem pressões mais altas do que na frente fira... Certo?
 

rozzo

Staff
Registo
11 Dez 2006
Mensagens
2,466
Local
Montijo/Lisboa
Maravilha Razzo, agora ficou mais claro, que: o que traz esse tipo de nuvem (estratificada) nas frentes quentes (FQ) é mais pelo fato da inclinação da FQ ser diferente da FF. E o que entendi também é que ambas as frentes, tanto quente quanto fria, estão ligadas a um centro de baixa pressão, no entanto a frente quente tem pressões mais altas do que na frente fira... Certo?

Não necessariamente, volto a dizer-te para olhares para a segunda figura! :)

Naquela figura, tens as frentes, e cada uma das linhas pretas, é uma isóbara, uma linha de igual pressão..
Acho que dá para entender o esquema!

Como podes ver há linhas com o mesmo valor de pressão a cruzar ambas as frentes!

O que pode acontecer num determinado local, olhando para essa figura exemplo (e sim se calhar até é o mais habitual), é num deslocamento da depressão aproximadamente de Oeste para Este, a pressão mínima na estação ser atingida à passagem da frente fria, se o centro da depressão passar a Norte (Sul no Hemisfério Sul claro).
Mas isto é um caso idealizado, na realidade cada depressão tem a sua forma, e cada depressão tem uma certa direcção de movimento, portanto 1001 combinações de evolução da pressão podem ocorrer!
 

G.Ivo

Cirrus
Registo
24 Mar 2010
Mensagens
9
Local
Brasil
Não necessariamente, volto a dizer-te para olhares para a segunda figura! :)

Naquela figura, tens as frentes, e cada uma das linhas pretas, é uma isóbara, uma linha de igual pressão..
Acho que dá para entender o esquema!

Como podes ver há linhas com o mesmo valor de pressão a cruzar ambas as frentes!

O que pode acontecer num determinado local, olhando para essa figura exemplo (e sim se calhar até é o mais habitual), é num deslocamento da depressão aproximadamente de Oeste para Este, a pressão mínima na estação ser atingida à passagem da frente fria, se o centro da depressão passar a Norte (Sul no Hemisfério Sul claro).
Mas isto é um caso idealizado, na realidade cada depressão tem a sua forma, e cada depressão tem uma certa direcção de movimento, portanto 1001 combinações de evolução da pressão podem ocorrer!

Beleza! Ta claro agora Razzo! Obrigado pelas explicações e pelas figuras explicativas do assunto!
Abraço!!
 

stormy

Super Célula
Registo
7 Ago 2008
Mensagens
5,117
Local
Lisboa
só um aparte.
a ocorrencia de sistemas frontais associados a baixas extratropicais, no brasil, é relativamente comum, essencialmente no sul, mas, muitas vezes, se fala em frentes frias vindas de leste que afectam areas tão a norte como pernambuco...serão estes sistemas verdadeiros sistemas frontais ou apenas perturbações de leste que podem trazer algum ar mais fresco de SE?
eu não duvido acerca das frentes frias, no inverno, na região sul, nem das "friagens" ( penetração de ar frio continental nos niveis baixos, vindo de sul, por vezes até a amazonia), mas custa-me a acreditar em frentes polares nas areas costeiras tão a norte:huh:
 

G.Ivo

Cirrus
Registo
24 Mar 2010
Mensagens
9
Local
Brasil
Pessoal,
Voltando um pouco em questões relacionadas a sistemas frontais e massas de ar, esses dias vi uma questão assim:

Os sistemas frontais ocorrem normalmente entre:
a) um cavado e uma alta.

b) um cavado e uma baixa.

c) dois sistemas de alta.

d) dois sistemas de baixa.

Qual sería a resposta mais correta para essa questão? E porque?
Obrigado desde já pela atenção!:thumbsup:
Abraço!
 

Chingula

Cumulus
Registo
16 Abr 2009
Mensagens
326
Local
Lisboa
Pessoal,
Voltando um pouco em questões relacionadas a sistemas frontais e massas de ar, esses dias vi uma questão assim:

Os sistemas frontais ocorrem normalmente entre:
a) um cavado e uma alta.

b) um cavado e uma baixa.

c) dois sistemas de alta.

d) dois sistemas de baixa.

Qual sería a resposta mais correta para essa questão? E porque?
Obrigado desde já pela atenção!:thumbsup:
Abraço!

A resposta correcta é a c)
Pois é entre dois anticiclones, com massas de ar com características termohidrodinâmicas diferentes, que se dá a frontogénese.
 

G.Ivo

Cirrus
Registo
24 Mar 2010
Mensagens
9
Local
Brasil
A resposta correcta é a c)
Pois é entre dois anticiclones, com massas de ar com características termohidrodinâmicas diferentes, que se dá a frontogénese.

tudo bem mas porque não poderia ser entre dois ciclones onde também vamos ter características diferentes... Isso que me deixa na dúvida!
 
Última edição:

Chingula

Cumulus
Registo
16 Abr 2009
Mensagens
326
Local
Lisboa
tudo bem mas porque não poderia ser entre dois ciclones que também onde também vamos ter características diferentes... Isso que me deixa na dúvida!

Porque a região da frontogénese (área de convergência à superfície) é a do mínimo da pressão entre os dois anticiclones...o que não acontece no caso de duas depressões vizinhas...