Oportunidades de trabalho nas áreas da Climatologia e Meteorologia

Brigantia

Cumulonimbus
Registo
20 Jan 2007
Mensagens
2,204
Local
Norte de Portugal
Instituto de Meteorologia, I. P.
Aviso n.º 6785/2009
Procedimento concursal comum de recrutamento
para o preenchimento de um posto de trabalho da carreira
técnica superior, conforme caracterização no mapa de pessoal
1 — Para efeitos do disposto no artigo 50.º, bem como no n.º 2 do
artigo 6.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de Fevereiro, torna -se público que,
por Deliberação do Conselho Directivo do Instituto de Meteorologia,
I.P., de 06 de Março do ano em curso, se encontra aberto procedimento
concursal para o preenchimento de um posto de trabalho na carreira de
Técnico Superior (da área de Geografia Humana)
, do Mapa de Pessoal do
Instituto de Meteorologia, I.P. (IM, I.P.), aprovado por Despacho de SS.
Ex.ª o Ministro de Estado e das Finanças, em 11 de Fevereiro de 2009,
para o exercício de funções em regime de contrato de trabalho em funções
públicas por tempo indeterminado, nos termos da Lei n.º 59/2008, de 11
de Setembro, e da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de Fevereiro, regulamentada
pela Portaria n.º 83 -A/2009, de 22 de Janeiro;
Foi efectuada consulta prévia à DGAEP tendo o IM, I. P. sido informado
através do ofício n.º 87/DRSP/2.0/2009, de 3 de Fevereiro, que
esta consulta se encontra temporariamente dispensada.
Por despacho do Senhor Ministro de Estado e das Finanças, de
23/12/2008, foi autorizado o descongelamento excepcional de admissões.
2 — Descrição sumária das funções: Os trabalhos a desenvolver
enquadram -se nas tarefas inerentes de assessoria à participação de representantes
do IM, I. P. nas organizações nacionais e internacionais,
designadamente nas áreas das alterações climáticas e dos desastres naturais
de origem meteorológica, climatológica e geofísica (Organização
Meteorológica Mundial e Estratégia Internacional para a Redução dos
Desastres, etc.) e divulgação de informação.
3 — Local de trabalho: Sede do IM, I.P. sita na Rua C ao Aeroporto
de Lisboa, 1749 -077 Lisboa.
4 — Requisitos de admissão previstos no artigo 8.º da Lei
n.º 12 -A/2008:
a) Nacionalidade Portuguesa, quando não dispensada pela Constituição,
convenção internacional ou lei especial;
b) 18 anos de idade completos;
c) Não inibição do exercício de funções públicas ou não interdição
para o exercício daquelas que se propõe desempenhar;
d) Robustez física e perfil psíquico indispensáveis ao exercício das
funções;
e) Cumprimento das leis de vacinação obrigatória.
5 — No presente procedimento concursal, não é obrigatória a existência
de uma relação jurídica de emprego público, sendo o respectivo
recrutamento efectuado nos termos do disposto no n.º 5 do artigo 6.
º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de Fevereiro, e da alínea f) do n.º 3 do
artigo 19.º da Portaria n.º 83 -A/2009, de 22 de Janeiro.
6 — O nível habilitacional exigido é a licenciatura, a que corresponde
o grau de complexidade funcional 3.
7 — No presente procedimento não existe possibilidade de substituição
do nível habilitacional por formação ou experiência profissional.
8 — De acordo com as funções a desempenhar e a necessidade de
garantir competências adequadas, será necessária licenciatura na área
de Geografia Humana, Planeamento e Gestão do Território.
9 — Formação complementar adequada: frequência de formação em
meteorologia e climatologia.
10 — Outros elementos curriculares relevantes: experiência profissional
na assessoria técnica, nos domínios do clima, alterações climáticas e
desastres naturais, a representantes nacionais em organizações internacionais,
bem como na divulgação de informação técnica -científica.
11 — Posicionamento remuneratório: Tendo em conta o preceituado
no artigo 55.º da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de Fevereiro, o posicionamento
dos trabalhadores recrutados numa das posições remuneratórias
da carreira é objecto de negociação com a entidade empregadora pública
(IM, I.P.) e terá lugar imediatamente após o termo do procedimento
concursal.
12 — Não poderão ser admitidos ao presente concurso os candidatos
que, cumulativamente, se encontrem integrados em carreira, sejam titulares
da categoria e, não se encontrando em mobilidade, ocupem postos
de trabalho previstos no Mapa de Pessoal do IM, I.P., idênticos aos postos
de trabalho para cuja ocupação se publicita o procedimento.
13 — Forma: As candidaturas deverão ser entregues pessoalmente, ou
remetidas por correio registado, com aviso de recepção, para a morada
da sede do IM, I.P. sita na Rua C ao Aeroporto de Lisboa, 1749 -077
Lisboa. Do requerimento deverão constar, obrigatoriamente, os seguintes
elementos:
a) Identificação do requerente (nome, filiação, naturalidade, data de
nascimento, n.º e data de emissão do Bilhete de Identidade ou Cartão
de Cidadão, Serviço de Identificação que o emitiu, estado civil, identificação
fiscal, residência, código postal, telefone e endereço electrónico,
caso exista);
b) Habilitações literárias e profissionais;
c) Carreira e natureza da relação jurídica de emprego;
d) Identificação do procedimento concursal objecto da candidatura;
e) Quaisquer outros elementos que o candidato entenda apresentar e
que sejam relevantes para apreciação do seu mérito;
f) Declaração, sob compromisso de honra, e em alíneas separadas
da situação precisa em que se encontram, relativamente, a cada um
dos requisitos, bem como aos demais factos constantes na candidatura,
bem como relativamente à identificação da relação jurídica de emprego
público previamente estabelecida, bem como da carreira e categoria de
que seja titular, da actividade que executa e do órgão ou serviço onde
exerce funções.
14 — Prazo: 10 dias úteis a contar da data da publicação do presente
aviso no Diário da República, nos termos do artigo 26.º da Portaria
n.º 83 -A/2009.
15 — Os requerimentos devem ser acompanhados da seguinte documentação:
a) Curriculum vitae detalhado e devidamente assinado;
b) Documentos comprovativos das habilitações literárias e profissionais;
c) Documentos comprovativos da formação profissional;
d) Declaração emitida pelo organismo de origem na qual conste a
identificação da carreira, natureza da relação jurídica de emprego e
respectiva antiguidade.
16 — Prazo de validade: O procedimento concursal é válido para o
recrutamento do preenchimento do posto de trabalho a ocupar e para
os efeitos do previsto no n.º 2 do artigo 40.º da Portaria n.º 83 -A/2009,
de 22 de Janeiro.
17 — As falsas declarações prestadas pelos candidatos serão punidas
nos termos da Lei.
18 — A relação jurídica de trabalho a constituir reveste a forma de
contrato de trabalho em funções públicas por tempo indeterminado,
aprovado pela Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro.
19 — Legislação aplicável: Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de Fevereiro,
Lei n.º 59/2008, de 11 de Setembro, e Portaria n.º 83 -A/2009, de 22
de Janeiro.
20 — Os métodos de selecção obrigatórios são os definidos nos
n.º s 1 e 2 do artigo 53.º da LVCR, podendo vir a utilizar -se apenas
os métodos previstos nas alínea a) dos n.º 1 e 2 do supracitado artigo,
se o número de candidaturas for superior a cinquenta, tendo em conta
a urgência do procedimento por razões de absoluta necessidade operacional,
que são incompatíveis com eventuais atrasos por razões de
ordem processual.
21 — No presente procedimento é aceite a possibilidade de opção
por métodos de selecção previstos nas alíneas a) e b), do n.º 2, do artigo
53.º da LVCR para os candidatos que preencham aqueles requisitos
e façam essa opção.
22 — Os Métodos de selecção adoptados para constituição de relações
jurídicas de emprego por tempo indeterminado, são os seguintes,
conforme disposto nos artigos 6.º e seguintes da Portaria n.º 83 -A/2009,
de 22 de Janeiro:
- Métodos Obrigatórios
a)Prova de Conhecimentos:
Visa avaliar os conhecimentos profissionais e as competências técnicas
dos candidatos necessárias ao exercício da função.
b) Avaliação Psicológica
Visa avaliar aptidões, características de personalidade e competências
comportamentais dos candidatos e estabelecer um prognóstico de
adaptação às exigências do posto de trabalho a ocupar.
Métodos Complementares:
c)Entrevista Profissional de Selecção
Visa avaliar a experiência profissional e aspectos comportamentais,
nomeadamente os relacionados com a capacidade de comunicação e de
relacionamento interpessoal.
d) Avaliação de Competências por Portfólio
Visa confirmar a experiência e, ou, os conhecimentos do candidato
nas áreas técnicas através da análise de uma colecção organizada de
trabalhos que demonstrem as suas competências técnicas directamente
relacionadas com as funções
A valoração final para todos os candidatos será obtida da seguinte
forma, com excepção dos candidatos previstos no número seguinte:
VF = 0,30 x PC + 0,25 x AP + 0,25 x ACP + 0,20 x EPS
Sendo:
VF — Valoração final
PC — Valoração da Prova de Conhecimentos
AP — Valoração da Avaliação Psicológica
ACP — Valoração da Avaliação de Competências por Portfólio
EPS — Valoração da Entrevista Profissional de Selecção
23 — Os candidatos que reúnam cumulativamente os requisitos previstos
no n.º 2 do artigo 53, da Lei n.º 12 -A/2008, de 27 de Fevereiro,
serão avaliados com os seguintes métodos:
Métodos obrigatórios:
a) Avaliação curricular (AC), visa analisar a qualificação dos candidatos,
designadamente a habilitação académica ou profissional,
percurso profissional, relevância da experiência adquirida e da forma
realizada, tipo de funções exercidas e avaliação de desempenho obtida.
b) Entrevista de avaliação de competências (EAC), visa avaliar numa
relação interpessoal, informações sobre comportamentos profissionais
directamente relacionados com as competências requeridas para o exercício
da função. Será elaborado um guião de entrevista constituído por
um conjunto de questões directamente relacionadas com o perfil de
competências previamente definido.
Métodos complementares:
a) Entrevista profissional de selecção (EPS), visa avaliar, de forma
objectiva e sistemática, a experiência profissional e aspectos comportamentais
evidenciados durante a entrevista, bem como capacidade de
comunicação, o relacionamento interpessoal, assim como conhecimentos
de inglês.
A valoração final será obtida, no caso dos candidatos referenciados
no n.º 2, ao artigo 53.º da LVCR, quando não afastados por escrito, do
seguinte modo:
VF = 0,50 x AC + 0,25 x EAC + 0,25 EPS
Onde:
VF — Valoração final
AC — Valoração da Avaliação Currricular
EAC — Valoração da Entrevista da Avaliação de Competências
EPS — Valoração da Entrevista Profissional de Selecção
24 — Considerando a premente urgência para o preenchimento do
posto de trabalho a prover, o que não permite atrasos na respectiva
selecção, haverá lugar à utilização dos métodos de selecção de forma
faseada, nos termos do artigo 8.º da Portaria n.º 83 -A/2009, de 22 de
Janeiro.
25 — Cada um dos métodos de selecção, bem como cada uma
das fases que comportem, é eliminatório pela ordem enunciada na
lei, quanto aos obrigatórios, e pela ordem constante na publicação,
quanto aos facultativos. É excluído do procedimento o candidato que
tenha obtido uma valoração inferior a 9,5 valores num dos métodos
ou fases, não lhe sendo aplicado o método ou fases seguintes, nos
termos dos n.º s. 12 e 13 do artigo 18.º da Portaria n.º 83 -A/2009, de
22 de Janeiro.
26 — A prova de conhecimentos será constituída por duas partes,
uma teórica e outra prática. A primeira, com a duração de 45 minutos,
pretende avaliar se o candidato tem os conhecimentos técnico -científicos
necessários ao exercício da função. A segunda, com duração de 1 hora
e trinta minutos, tem como objectivo avaliar a capacidade do candidato
para aplicar esses conhecimentos a situações concretas.
27 — Bibliografia:
Miranda, Pedro M. A.
2001: “Meteorologia e Ambiente, Fundamentos de Meteorologia,
Clima e Ambiente Atmosférico”
Universidade Aberta, 321 pp.
Documentação sobre Clima, Alterações Climáticas e Desastres Naturais
nos seguintes sites:
www.meteo.pt
www.wmo.int
www.unisdr.org
28 — O júri é constituído pelos seguintes elementos:
Presidente: Carlos José Direitinho Tavares
1.º Vogal Efectivo: Ana Maria Branco da Silva Marques, que substituirá
o Presidente nas suas faltas e impedimentos
2.º Vogal Efectivo: Paula Isabel Ramos Viseu Silva Ferreira Sottomayor
Cardia
1.º Vogal Suplente: Maria de Fátima Espírito Santo Coelho
2.º Vogal Suplente: Luís Eduardo Vasconcelos Pessanha
29 — Nos termos da alínea t) do n.º 3 do artigo 19.º da Portaria
n.º 83 -A/2009, de 22 de Janeiro, os candidatos têm acesso às actas
do júri, onde constam os parâmetros de avaliação e respectiva
ponderação de cada um dos métodos de selecção a utilizar, a grelha
classificativa e o sistema de valoração final do método, desde que
as solicitem.
30 — Os candidatos admitidos serão convocados, através de notificação
do dia, hora e local para realização dos métodos de selecção,
nos termos previstos no artigo 32.º e por uma das formas previstas nas
alíneas a), b), c) ou d) do n.º 3 da Portaria n.º 83 -A/2009. A publicitação
dos resultados obtidos em cada método de selecção intercalar é efectuada
através de lista unitária, ordenada alfabeticamente, afixada em local
visível e público das instalações da sede do IM e disponibilizada na
sua página electrónica. Os candidatos aprovados em cada método são
convocados para a realização do método seguinte através de notificação,
por uma das formas previstas nas alíneas a), b), c) ou d) do n.º 3 do
artigo 30.º da Portaria.
31 — A exclusão e notificação dos candidatos: de acordo com o
preceituado no n.º 1 do artigo 30.º da referida Portaria, os candidatos
excluídos serão notificados por uma das formas previstas nas
alíneas a), b), c) ou d) do n.º 3 do artigo 30.º para a realização da
audiência dos interessados nos termos do Código do Procedimento
Administrativo.
32 — Em cumprimento da alínea h) do artigo 9.º da Constituição
da República Portuguesa,” a Administração Pública, enquanto entidade
empregadora, promove activamente uma política de igualdade
de oportunidades entre homens e mulheres no acesso ao emprego e na
progressão profissional, providenciando escrupulosamente no sentido
de evitar toda e qualquer forma de discriminação”.
33 — Nos termos do disposto no n.º 1 do artigo 19.º da Portaria
n.º 83 -A/2009, de 22 de Janeiro o presente aviso será publicitado na Bolsa
de Emprego Público (www. bep.gov.pt), no primeiro dia útil seguinte à
presente publicação no Diário da República, na página electrónica do
IM e por extracto, no prazo de três dias úteis contados da mesma data,
num jornal de expansão nacional.
23 de Março de 2009. — O Presidente do Conselho Directivo, Adérito
Vicente Serrão.
© Diário da República
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Hoje é dia de uma importante prova no concurso do IM.

O MeteoPT.com deseja boa sorte a todos os membros do fórum que concorreram. Estamos a torcer por vós !
O MeteoPT.com deseja também boa sorte ao IM na escolha dos mais competentes, os que partilhem muito talento com o amor pela Meteorologia.
 

Chingula

Cumulus
Registo
16 Abr 2009
Mensagens
326
Local
Lisboa
Hoje é dia de uma importante prova no concurso do IM.

O MeteoPT.com deseja boa sorte a todos os membros do fórum que concorreram. Estamos a torcer por vós !
O MeteoPT.com deseja também boa sorte ao IM na escolha dos mais competentes, os que partilhem muito talento com o amor pela Meteorologia.

Embora partilhando os votos aqui manifestados, tenho uma visão um pouco pessimista quanto ao futuro da Instituição criada em 1946...
As políticas adoptadas, desde há muitos anos, para com Instituições Científicas estão erradas, os Governantes desconhecem as realidades destas Instituições, introduzindo factores perniciosos que levam à funcionalização da Ciência....
O que tem salvo (?) a "arte" é o grande desenvolvimento que a Meteorologia tem tido a nível Mundial, a tecnologia entretanto disponibilizada e cada vez mais utilizada...por força de uma maior consciência das Populações dos Países mais desenvolvidos e que mais sofrem os efeitos de fenómenos meteorológicos adversos.
A existência deste Forum (como outros da mesma natureza) pode contribuir significativamente para que em Portugal as coisas se alterem...
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Embora partilhando os votos aqui manifestados, tenho uma visão um pouco pessimista quanto ao futuro da Instituição criada em 1946...
As políticas adoptadas, desde há muitos anos, para com Instituições Científicas estão erradas, os Governantes desconhecem as realidades destas Instituições, introduzindo factores perniciosos que levam à funcionalização da Ciência....
O que tem salvo (?) a "arte" é o grande desenvolvimento que a Meteorologia tem tido a nível Mundial, a tecnologia entretanto disponibilizada e cada vez mais utilizada...por força de uma maior consciência das Populações dos Países mais desenvolvidos e que mais sofrem os efeitos de fenómenos meteorológicos adversos.
A existência deste Forum (como outros da mesma natureza) pode contribuir significativamente para que em Portugal as coisas se alterem...

Sim Chingula, obviamente muita coisa estará mal, sobretudo a nível político, e não é do partido A ou B, mas do poder em geral das últimas décadas, em tudo o que tem a ver com a ciência em geral. Tem havido muito ruído desde há muito, mas a maioria não passa de propaganda com realidades virtuais que só existem em powerpoints. Se em Portugal só no próximo ano teremos por exemplo um radar no norte do país, muita coisa estará mal por cá a nível de meteorologia e da prevenção. Se uma instituição como o IM tem que depender da venda de dados e serviços (que muitos deveriam ser públicos) para cobrir metade do orçamento, muito mal estão as coisas. Todos compreendemos as limitações que temos como país, mas caramba, há certas coisas onde não parece haver dificuldades, onde tudo se torna tão fácil e instantâneo, como por exemplo entre muitos outros, estádios de futebol pagos com o erário público (Braga, Faro/Loulé, Leiria, etc), o BPN ou mesmo o TGV, pelo que ficamos bastante espantados com as prioridades que se tomam face aos escassos recursos que existem.

Mas há que ser positivo e ter esperança, e é esta a filosofia do fórum, que as coisas melhorem aos poucos, e que todos empurrem nesse sentido de forma construtiva. E nesse caminho parece-me importante que na instituição vá entrando gradualmente uma nova geração que traga sangue novo, dinamismo e paixão pelo que se faz, paixão e dinamismo que provavelmente se tem perdido ao longo dos últimos anos, muito necessário para contornar o marasmo em que infelizmente afundam muitas instituições públicas em Portugal. E o IM até está bastante longe de ser das piores que conheço.
 

psm

Nimbostratus
Registo
25 Out 2007
Mensagens
1,509
Local
estoril ,assafora
Sim Chingula, obviamente muita coisa estará mal, sobretudo a nível político, e não é do partido A ou B, mas do poder em geral das últimas décadas, em tudo o que tem a ver com a ciência em geral. Tem havido muito ruído desde há muito, mas a maioria não passa de propaganda com realidades virtuais que só existem em powerpoints. Se em Portugal só no próximo ano teremos por exemplo um radar no norte do país, muita coisa estará mal por cá a nível de meteorologia e da prevenção. Se uma instituição como o IM tem que depender da venda de dados e serviços (que muitos deveriam ser públicos) para cobrir metade do orçamento, muito mal estão as coisas. Todos compreendemos as limitações que temos como país, mas caramba, há certas coisas onde não parece haver dificuldades, onde tudo se torna tão fácil e instantâneo, como por exemplo entre muitos outros, estádios de futebol pagos com o erário público (Braga, Faro/Loulé, Leiria, etc), o BPN ou mesmo o TGV, pelo que ficamos bastante espantados com as prioridades que se tomam face aos escassos recursos que existem.

Mas há que ser positivo e ter esperança, e é esta a filosofia do fórum, que as coisas melhorem aos poucos, e que todos empurrem nesse sentido de forma construtiva. E nesse caminho parece-me importante que na instituição vá entrando gradualmente uma nova geração que traga sangue novo, dinamismo e paixão pelo que se faz, paixão e dinamismo que provavelmente se tem perdido ao longo dos últimos anos, muito necessário para contornar o marasmo em que infelizmente afundam muitas instituições públicas em Portugal. E o IM até está bastante longe de ser das piores que conheço.




Tens razão há muito piores:thumbsup:, e tinha 2 casos, mas que logicamente aqui publicamente não os poderei contar, de como se derrete dinheiro do erário publico estupidamente.

Em relação ao investimento na meteorologia em Portugal, vai ter que morrer bastantes pessoas para que haja fundos para haver modelagem(previsão), tal como aconteceu em Espanha, onde o governo diponibilizou fundos para modelagem depois da morte de muitas pessoas no sul dos Pirinéos há alguns anos atrás.
 

Geostrofico

Cirrus
Registo
8 Jan 2007
Mensagens
63
Local
Lisboa
ECEARTH
Âmbito: Concurso para atribuição de 1 Bolsa de Investigação no âmbito do projecto europeu ECEARTH, para trabalhar com modelos climáticos globais e regionais e produzir cenários globais e consequentes cenários regionais.
Entidade Contratante: Instituto de Meteorologia, I.P.
Descrição: Duração e Regime de Actividade:

Bolsas anual, renovável até 3 anos, com início previsto a 1 Janeiro 2010, em regime de exclusividade, conforme regulamento de bolsas do Instituto de Meteorologia (IM), I.P., para trabalhar na sede do IM.
Objecto de Actividade:

(i) Instalação e optimização/configuração no IM das versões do modelo ECEARTH (http://ecearth.knmi.nl/) e dum modelo regional do clima;
(ii) Produção de cenários globais e regionais a preparar para o Intergovernmental Panel for Climate Change 5th Assessment Report e informação relevante para a Estratégia Nacional para as Alterações Climáticas;
(iii) Interpretação dos resultados obtidos e suas aplicações, incluindo participação na elaboração de relatórios e artigos em revistas científicas.
Habilitações Académicas (mínimas):

Licenciatura (5 anos), Mestrado ou Doutoramento em Ciências Geofísicas, Meteorologia, ou em áreas afins.
Remuneração anual:

10.430€ ou até 28.840€, de acordo com as habilitações e curriculum do candidato.
Orientação Científica:

Doutor Pedro Viterbo
Data de início e de conclusão do prazo do Concurso:

de 2 Novembro a 4 de Dezembro 2009.

Entrega de candidaturas :

As candidaturas, que devem necessariamente incluir todos os
documentos referidos, devem ser remetidas por email para: pedro.viterbo@meteo.pt

Data de Publicação : 2009-11-02
Data de Limite Recepção Candidaturas: 2009-12-04
Contacto: Doutor Pedro Viterbo
Email: pedro.viterbo@meteo.pt
 

LAMP

Cirrus
Registo
31 Ago 2010
Mensagens
53
Local
Lisboa / Maceda
Têm também a Força Aérea a admitir pessoal, todos os anos, na área de Meteorologia, tanto para pessoal licenciado, como para pessoal com o 11º ano apenas... Para mais informações mantenham-se a par, no site da F.A.P., acerca dos concursos e admissões na especialidade de OPMET e TOMET.
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Concurso para atribuição de 1 Bolsa de Investigação, Pós-Doc, no âmbito do projecto europeu TRIDEC , para trabalhar no desenvolvimento de arquitecturas inteligentes adequadas ao processamento de grandes volumes de dados associados a situações de crise, em particular aplicadas à detecção de tsunamis e à estimativa dos danos estruturais causados pelo tsunami.

DESTINATÁRIOS

Habilitações Académicas (mínimas): Doutoramento em Ciências Geofísicas, Meteorologia, ou em áreas afins.

Remuneração anual: 20.930€ a 28.840€, de acordo com as habilitações e curriculum do candidato.

Link: http://www.meteo.pt/pt/quemsomos/concursos_contratos/bolsas/bolsadetail.html?f=/pt/quemsomos/concursos_contratos/bolsas/textos/bo_bi_tridec_10.html