Portugal, passo a passo

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Olá
Estou a criar este novo tópico para valorizar também o património natural e histórico que existe dentro do nosso país. Como os próximos dias prometem bom tempo, ficam aqui algumas sugestões retiradas da obra PORTUGAL, PASSO A PASSO, de Abel Melo e Sousa e Rui Cardoso; são alguns passeios fora de casa (cá dentro).
Convido cada um a dar o contributo para a caracterização dos seguintes lugares, bem como de outros lugares de interesse natural e histórico que conheça:

1.-Ponte da Misarela (entre águas e mitos);
2.-Pitões das Júnias (no reino encantado);
3.-Montesinho (no coração da montanha);
4.-Calçada de Alpajares (fragas poderosas);
5.-Lamas d`Olo (entre Marão e Alvão);
6.-Almeida (terras de Riba-Côa);
7.-Folgosinho ((mais perto do céu);
8.-Buçaco (um banho de mata);
9.-Monsanto (pela campina Beirã);
10.-Serra dos Candeeiros (no mundo do calcário);
11.-Lagoa de Óbidos (mares desaparecidos);
12.-Linhas de Torres (Napoleão não passou por aqui);
13.-Sintra - Penedo (Viagem ao Monte da Lua);
14.-Cabo da Roca (onde a terra acaba e o mar começa);
15.-São Mamede (Um Alentejo diferente);
16.-Ponte da Ajuda (Fronteira secular);
17.-Almograve (entre arribas e mar);
18.-Fóia - Marmelete (um enclave atlântico);
19.-Vila do Bispo (falésias mágicas);
20.-Boca do Rio (longe da multidão).
 

Fil

Cumulonimbus
Registo
26 Ago 2005
Mensagens
3,926
Local
Bragança (740 m)
Boa iniciativa :thumbsup:

1.-Ponte da Misarela

A Ponte da Misarela é um monumento, a vários títulos, notável: é uma obra de arrojada arquitectura romana, de grande beleza; está bem enquadrada
na paisagem; tem um só arco, mas de extraordinária elegância; ocupa um lugar, com alguma importância, na história de Portugal, pois foi lá que o exército francês da segunda invasão, comandado por Soult, numa hábil manobra reveladora do génio militar do Duque da Dalmácia, conseguiu escapar à perseguição que lhe moviam os exércitos português e inglês. A maior parte das baixas sofridas pelos franceses na sua retirada foram provocadas pela resistência do povo de Barroso; e, por fim, pela lenda que lhe está associada. A lenda da Ponte da Mizarela conta que ao Diabo se deve a sua origem.
Então é assim:
Um criminoso, acossado pelas autoridades, ao chegar à margem do Rio Rebagão (ou Rabagão como se diz) apercebeu-se que tinha pela frente uma barreira intransponível. Em desespero de causa invocou o Diabo, que de pronto apareceu. O fugitivo pediu-lhe para o passar para a outra margem em troca da sua alma. Então ouviu-se o ribombar dum trovão e uma voz que lhe dizia para passar sem olhar para trás. De súbito, o Diabo levantou a ponte para lhe dar passagem. O criminoso, mal terminou a travessia, ouviu a ponte desmoronar-se. Tudo se manteve em segredo até que o criminoso, sentindo a morte chegar, se quis confessar para revelar este facto ao padre.
O padre pôs-se a cogitar para encontrar a maneira de proceder para enganar o Diabo. Disfarçou-se, foi para o local chamado Penedo do Púlpito e fez a invocação do Diabo, a quem pediu para o passar para a outra margem em troca da alma. A cena repetiu-se. Lá se ouviu a voz a dizer para passar sem olhar para trás e, simultaneamente, dá-se o aparecimento da ponte. O padre inicia a travessia, mas a meio lança para a ponte a água benta que trazia escondida, faz o sinal da cruz e pronuncia a oração do exorcismo. Do Diabo só ficou o cheiro a pez e a enxofre. A ponte lá ficou até aos dias de hoje.

A par desta lenda há outra que diz que as mulheres que não conseguem levar a gravidez a bom termo, dirigem-se para a ponte e esperam que passe o primeiro homem e pedem-lhe para batizar o feto que trazem no ventre. Havendo sucesso na gravidez, se nascer rapaz chamar-se-á Gervázio, se for rapariga terá o nome de Senhorinha.

Sobre o nome Mizarela, transcreve-se a seguinte justificação das “Memórias Paroquiais”, de 1758:
“O Rio Mizarela ¹ que eu saiba tem duas pontes, uma a mesma de que toma o nome Mizarela, “corrupto vocábulo” que o seu próprio nome é a ponte MISERERE, cujo alcançou por meter terror aos que a passam saltam a primeira vez, assim por ser muito alta e de um só e bem antigo arco, como por ser estreita, e estar edificada em sítio medonho, onde as águas caindo do alto em penedos côncavos levantam fumaceiros no ar, a qual se acha no distrito do lugar de Cidroz…”.

200224554353b96cbdcopgd3.jpg


76362587369fd9dee37opgm3.jpg
 

psm

Nimbostratus
Registo
25 Out 2007
Mensagens
1,509
Local
estoril ,assafora
Exelente iniciativa Gerofil.
Vou dar a conhecer um lugar bastante famoso em Portugal pela praia, e no mundo pelo desporto o GUINCHO.
Vou transcrever do livro "CASCAIS E OS SEUS CANTINHOS" do DRº José da Encarnação.



"GUINCHO

Entre a serra,as dunas e o pinhal.

Instalou-se o verão e a obrigatoridade de se bronzear.Claro que status singular mostra quem brozeadamente se pavoneia em pleno inverno,porque tal significou uma semana ou duas no hemisfério sul, praias exóticas,aguas límpidas e sol acondizer.
Pelo guincho nos ficamos nós,os que -apesar do vento- apreciamos aonda batida,a vastidão de horizontes sob o olhar sereno e maternal da serra...
Dantes,ali se passava o dia inteiro,que as rochas eram fartas de mexilhão,lapas e percebes, os golfinhos brincavam mais além e até os vapores pareciam ter rumo bem mais perto.Dava para sonhar com viagens e a camada do ozono eficazmente protegia de inoportunos escaldões.
Para além das barracas de lona e dos toldos(amiude tombados para melhor proteção do fustigar das areias), havia casinhas de madeira, em fila, implatadas sobre estacas, que o velho Muchacho alugava à época afamilias de Lisboa. Ainda subsistiram duas ou três até ao pouco tempo. Depois, veio o parque de campismo e para lá se esgueirou quem sonhava andar embarcado, que doutra sorte se não poderia sonhar com o fragor das ondas por perto.
E Guincho porquê? Decerto porque, nas mornas solidões do fim da tarde, só guichos de gaivotas se ouviriam por ali, na algazarra da despedida daquele sol bem vermelho , perguiçoso a resistir deitar-se, engalanado. Que é lindo o pôr-do-sol no Guincho. Dolente. E um barquinho, no fio do horizonte, transporta... o que será?
Não vamos passear pela orla, hoje não. Quedamo-nos apenas na f´mbria da praia grande, olhando aserra que no mar se escora. Atrás de nós, as dunas a custo vestidas de estorno, os pinheirinhos agachados a fugir da maresia.
E não resistiremos a acreditar em Julio Verne.
Num dos seus livros conta ele que, em determinado ponto da costa europeia, o Sol ao pôr-se, deitava um raio verde, como que a expressar particular contentamento. ALguns de nós já viram esse raio verde(importa garantir). Outros, noutras eras, jovens azougados, convidavam as moças cascalenses a irem até ao Gincho em passeio, porque não? «hoje, amiga, é mesmo daqueles dias em que o sol dará raio verde pela certa»...
A origem do nome, dizem os entendidos, não pode ser outra, porém, que não a do dominante grito das aves. OU se calhar, de uma delas em especial, que «guincho» exactamente se chama ou águi-pesqueira. De resto, como assinalou Diogo Correia, há topónimos semelhantes ao longo da costa portuguesa e , inclusive, noutras paragens aonde os Portugueses aportaram. E cita, entre outros, uma «baia do guincho» em Cabo Verde e um ilhéu na Madeira com esse nome.
Houve, no entanto, quem se não contentasse com etimologias prosaicas, por mais encantador que seja o voo das aves em cenário prenhe de sensções. Foi o que fez Bertha Leite.
Em 1921, deu à estampa um livrinho que intitulou "A Lenda da Praia do Guincho". Verdade ou ficção, o certo é que o areal se presta a que por ali passeie, macambúzia, de coração apertado, a donzela cujo noivo partiu com el-rei´`a conquista de Alcacer do Sal. É uma tarde quente. O sol já então dardejava a pino, neste longínquo século 13. Com D.Afonso 2 partira nobre cavaleiro, D.Pedro, que de amores se prendera por uma serva, Dulce de nome e de aspecto, filha de humilde pescador. Dulce passeava-se pela praia. E eis senão quando, inopinadamente, solta um brado enorme, de uma alegria imensa, um GINCHO que ecoou pelas dobras da serra e pelas falésias frias:


- Vitória! Vitória em Alcacer!
Nesse instante, de facto, as hostes infiéis sucumbiam no estuário do rio Sado.
Lenda é, decerto. Mas quem haverá aí que - em todas as estações do ano, em todos os momentos do dia, demoradamente, sem telemóveis nem relógios - resista ao envolvente deste rincão? E não pense também em romances de moiras encantadas, hoje em voga?"




9-6-1999



O famoso raio verde é um local(pesqueiro) que se encontra na estrada de Cascais para o Guincho.
 

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,098
Local
Caneças (300m) / Várzea da Serra (900m)
Passo a passo...
É assim mesmo que vou conhecendo o nosso Portugal:)

- Ponte D. Luís I

A ponte D. Luís I liga as cidades do Porto e Vila Nova de Gaia, atravessando o rio Douro. Por proposta de lei de 11 de Fevereiro de 1879, o governo determina a abertura de concurso para a «construção de uma ponte metálica sobre o rio Douro, no local que se julgar conveniente em frente da cidade do porto, para a substituição da actual ponte pensil».
Foi vencedora a proposta da empresa belga Societé de Willebroeck, com projecto do eng. Teófilo Seyrig que já fora autor da concepção e chefe da equipa de projecto da ponte Maria Pia, enquanto sócio de Eiffel, assina como único responsável a nova e grandiosa ponte D. Luís I. A construção iniciou-se em 1881 e foi inaugurada em 31 de Outubro de 1886.
Características:
-Comprimento total - 385,25m
-Peso - 3054 toneladas
-Arco mede 172m de corda e tem 44,6 de flecha.



A ponte D. Luís I está incluída no centro histórico do Porto, Património Mundial da Unesco.
 

Gilmet

Staff
Registo
12 Dez 2007
Mensagens
9,107
Local
Cacém (180 m) / Mira-Sintra (188 m)
Agora é a Minha Vez...:D

Palácio Da Pena

Constitui o mais completo e notável exemplar de arquitectura portuguesa do Romantismo. Edificado a cerca de 500 metros de altitude, remonta a 1839, quando o rei consorte D. Fernando II de Saxe Coburgo-Gotha (1816-1885), adquiriu as ruínas do Mosteiro Jerónimo de Nossa Senhora da Pena e iniciou a sua adaptação a palacete. Para dirigir as obras, chamou o Barão de Eschwege, que se inspirou nos palácios da Baviera para construir este notável edifício. Extremamente fantasiosa, a arquitectura da Pena utiliza os "motivos" mouriscos, góticos e manuelinos, mas também o espírito Wagneriano dos castelos Schinkel do centro da Europa.

Fonte


Algumas fotos:)

1262cs1.jpg


11937dn9.jpg


11939ca4.jpg


11941mc9.jpg


11944gz7.jpg


11946nl1.jpg
 

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,098
Local
Caneças (300m) / Várzea da Serra (900m)
Num Portugal passo a passo.
Num Portugal de descobertas.

Vídeo apresentado no pavilhão de Portugal na Expo de Xangai.
O que os esperados 3 milhões de visitantes verão sobre o nosso país.

[ame="http://vimeo.com/11651143"]PORTUGAL, UMA PRAÇA PARA O MUNDO on Vimeo[/ame]
 

duero

Nimbostratus
Registo
23 Dez 2009
Mensagens
1,038
Local
valladolid
Gusté del video de Aldea de cuada.

También gusté mucho de la foto de la estación de madera, la de MOSTEIRO, y por supuesto el conocido palacio de Belen.

Gosto de la historia, asi tengo una pregunta.

VILA FRANCA DO CAMPO, É UNA CIDADE DE JUDEUS?

FORA FUNDADA POR JUDEUS O FORAN EXPULSOS A LÁ, OU FORAN CONVERSOS?