Sismo de 1980 nos Açores

Minho

Cumulonimbus
Registo
6 Set 2005
Mensagens
4,091
Local
Melgaço
Re: Sismo 1980 -Terceira - Açores (YOUTUBE)

Impressionantes as imagens :shocking:
Destruição generalizada... nesse tempo os media tinham muito menos projecção e os meios eram outros daí essa desgraça praticamente não fazer eco nos dias de hoje... se fosse hoje tínhamos tema para telejornais para um mês...
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Re: Sismo 1980 -Terceira - Açores (YOUTUBE)

Foi mediatizado, para os tempos que eram... Lógico que não é como hoje, com directos, etc,etc. As comunicações não eram o que são hoje.
Mas lembro-me de em puto ver muitas imagens do sismo na minha TV a preto e branco, que na altura eu ainda não tinha a cores. Também me recordo da onda de solidaredade, de pedirem ajuda nas escolas, igrejas, etc.

Apesar das dezenas de mortes e milhares de feridos, não foi uma tragédia humana de proporções gigantescas porque ocorreu a meio da tarde, com muita população fora das suas casas ou que conseguiram fugir para o exterior a tempo.

Vou mudar o Titulo do tópico para Sismo dos Açores 1980, e aproveita-se para colocar mais coisas sobre este trágico sismo, que não afectou apenas a Terceira. Há muita coisa para contar sobre este sismo, desde a destruição generalizada de Angra do Heroismo, o pequeno Tsunami ou até a notável historia dum salvamento por helicóptero duma aldeia inteira na Ilha de S. Jorge, a Fajã da Caldeira de Santo Cristo, pela Força Aérea. A Fajã ficou completamente isolada, sem comunicações nem vias de acesso. Vou tentar encontrar mais informação para colocar aqui.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Re: Sismo nos Açores 1/Janeiro/1980

s1ro8.jpg


1 de Janeiro de 1980 (Domingo)

Pelas 15 h 42' 38", GMT, a cerca de 12 km de profundidade, algures no canal entre São Jorge e Terceira, ocorreu um sismo com a duração de 11" a 20", e a intensidade VIII da escala modificada de Mercalli.
Originando um pequeno Tsunamis observado em Cais do Pico, Calheta de São Jorge e Biscoitos (na Terceira) e registado nas Baías de Horta e Angra do Heroísmo, o sismo provocando cerca de 400 feridos atingiu duramente as Ilhas:

* Terceira - com a intensidade de 8,5 causou a morte de 50 pessoas e o desaparecimento de uma.
Provocou a destruição de 62 % do parque habitacional.
* São Jorge - com a intensidade de 8 no Topo e Santo Antão.
Morreram 11 pessoas e desapareceram 9.
Provocou a destruição de 41 % do parque habitacional.
* Graciosa - atingindo a intensidade de 7, provocou a destruição de 54 % do parque habitacional.
* Pico - atingindo a intensidade de 5,5 na Piedade, provocou a destruição de algumas adegas, palheiros e arrumações.

causando um prejuízo estimado de cerca de 25.000.000.000$00 de escudos (PTE).

Fonte: São Jorge Digital



(c) Livro "Terramoto 1.1.80 | novas imagens"


i4AAbDU.jpg
 
  • Gosto
Reactions: Wessel1985

Turlu

Cirrus
Registo
24 Nov 2011
Mensagens
48
Local
São Mateus da Calheta
Tinha 11 anos quando o sismo aconteceu. Estava um belo dia e havia muita gente na rua a desfrutar o bom tempo. Se tivesse sido durante a noite tinham morrido muitas mais pessoas.
No porto de pesca da minha freguesia (São Mateus da Calheta) houve quem tivesse visto a baia a ficar sem água devido ao mar ter recuado.
No dia seguinte desloquei-me com o meu pai a Angra do Heroísmo e só me fez lembrar as imagens das cidades bombardeadas dos documentários sobre a II Grande Guerra.
Na rua da rocha abriu uma fenda no caminho.
Se fosse hoje, provavelmente os estragos teriam sido menores uma vez que, na sequência desse sismo e da necessidade de reconstruir o parque habitacional, foi aprovada pelo Governo Regional legislação no sentido de obrigar a que as reconstruções e as novas construções obedecessem a regras de construção antissismica.
Houve uma onda de solidariedade para com os sinistrados (dentro e fora da região) e todos ajudavam toda a gente. Lembro-me de irmos aos fins de semana ajudar os amigos a reparar os estragos nas suas casas, até chegar à nossa vez de sermos ajudados.
O parque habitacional da Ilha Terceira melhorou bastante a partir dessa altura e desde então todas as casas possuem casa de banho, o que era muito raro antes do sismo (pelo menos nas zonas rurais), onde era habitual a existência de uma retrete no quintal (de inverno não era lá muito agradável).
 

Azor

Nimbostratus
Registo
8 Out 2011
Mensagens
1,477
Local
Ilha de São Miguel - Açores (Eiras Velhas)
Lembro muito bem desse dia!

Estava eu em casa para sair quando os lustres do salão começaram a dançar e a cintilar. Minutos depois ligámos o rádio e soubemos que tinha dado um abalo muito forte na Terceira.
Além da Terceira foi também sentido na Graciosa (onde houve também muita destruição de casas) em S. Jorge e em S. Miguel.
O que aconteceu na Terceira em 1980, vai-se repetir de novo. É só uma questão de tempo. A história dos Açores ensina-nos isso. Pode ser na Terceira, como pode ser agora em S. Miguel.
A Fossa da Hirondelle um dia mais cedo ou mais tarde vai acordar de novo, tanto poderá ser para o lado da Terceira, como poderá ser para o lado de S. Miguel.
Arrisco mesmo a dizer que num futuro podemos vir a falar de uma possível décima ilha nos Açores, uma vez que a problemática vulcânica e tectónica no arquipélago nem nos próximos milhares de anos será encerrada...é a nossa realidade.
 
  • Gosto
Reactions: Wessel1985

fablept

Nimbostratus
Registo
12 Nov 2008
Mensagens
1,291
Local
Ponta Delgada - Açores
É a nossa realidade @Azor, mas felizmente tanto a actividade sísmica (de grande magnitude) e vulcânica na nossa região é bastante ligeira a comparar com muitos outros sítios no mundo. Um dos grandes problemas que temos em termos de sismos é que ocorrem sempre a baixa profundidade <20km, e quando são localizados perto de uma ilha o seu impacto é sempre grande (exemplo Faial 1998), mas felizmente os maiores sismos na última década nos Açores tem sido sempre em zonas "distantes" das ilhas.
 
  • Gosto
Reactions: Wessel1985

fablept

Nimbostratus
Registo
12 Nov 2008
Mensagens
1,291
Local
Ponta Delgada - Açores
image010.jpg


Um sismo destruiu quase por completo a cidade de Angra do Heroísmo há 35 anos, mas a população arregaçou mangas e passados três anos o seu centro histórico integrava a lista de Património Mundial da Unesco.


No dia 01 de janeiro de 1980, às 15:42, um sismo com intensidade de 7,2 na escala de Richter e epicentro no mar, a 35 quilómetros a sudoeste da cidade de Angra do Heroísmo, abalou as ilhas Terceira, Graciosa e São Jorge, nos Açores. Morreram 73 pessoas e mais de 20 mil ficaram desalojadas.

Passados 35 anos, existem casos pontuais de edifícios por recuperar no centro histórico de Angra do Heroísmo, mas a maior parte foi reerguida rapidamente, sobretudo graças às linhas de crédito com baixos juros disponibilizadas na altura.

"Os particulares tiveram um papel, a meu ver, preponderante na reconstrução de Angra. Empenharam-se, esforçaram-se, endividaram-se, mas também houve muitas linhas de crédito favoráveis e as pessoas de facto entusiasmaram-se e reconstruiram Angra rapidamente", salientou, em declarações à Lusa, João Maria Mendes, presidente do Instituto Histórico da Ilha Terceira (IHIT).

Em 1983, a cidade ainda não estava totalmente reconstruída, mas as pessoas estavam sensibilizadas para a necessidade de respeitar a traça original das casas e a Unesco (o organismo das Nações Unidas para a educação e cultura) aceitou integrar o centro histórico de Angra do Heroísmo na sua lista de sítios classificados como Património Mundial da Humanidade.

O reconhecimento da Unesco contribuiu, segundo João Maria Mendes, para a sensibilização das pessoas, mas a mudança de postura perante o património não foi "espontânea".

Para o presidente do Instituto Histórico da Ilha Terceira, houve um conjunto de personalidades, ligadas ao Governo Regional e não só, que motivaram as pessoas e um programa de televisão que contribuiu para esse processo.

Na altura, a RTP/Açores era o único canal disponível na região e o programa de Jorge Forjaz, então diretor regional dos Assuntos Culturais, foi "uma das coisas que mais influenciaram esta mudança de mentalidades".

Com a classificação do centro histórico e a sua inclusão na lista da Unesco criou-se também legislação para salvaguardar o património, mas antes muito chegou a ser perdido e algum foi recuperado já prestes a ir para a lixeira.

Atualmente, ainda existem, pelo menos, três casas e duas igrejas no centro de Angra do Heroísmo em ruínas desde o sismo de 1980, mas apenas uma das propriedades pertence a privados.

"O Governo [Regional], por um lado, apoiou muito os privados e foi ótimo, por outro lado, naquilo que era seu, descurou", lamentou João Maria Mendes.

Em 1980, a autonomia tinha menos de uma década e a administração pública regional não tinha a dimensão que tem hoje, mas para o presidente do IHIT isso tornava-a "mais próxima dos acontecimentos".

"Os meios eram muito menores, mas se calhar havia uma vontade, um empenhamento, uma energia muito maiores", salientou.

A ideia de classificar o centro histórico de Angra do Heroísmo já vinha a ser pensada, antes mesmo do sismo, por Baptista de Lima, na altura presidente do Instituto Histórico da Ilha Terceira.

O terramoto acelerou o processo e João Maria Mendes admite que a planificação da reconstrução pós-sismo possa ter contribuído para a inclusão na lista da Unesco, embora o património de Angra do Heroísmo vá muito para além do edificado.

"Havia muito a ideia de que só se classificava património construído. A classificação de Angra implicou nitidamente também um conceito imaterial", frisou.

A planificação de uma cidade renascentista numa ilha no meio do atlântico pesou na classificação, mas também o facto de Angra ter sido a grande escala das rotas das Índias.

Para João Maria Mendes, a reconstrução da cidade, de acordo com regras rígidas, contribuiu não só para a valorização do património, como para a melhoria das habitações, que atualmente estão mais resistentes aos sismos.

"Esperemos que nunca aconteça, mas se porventura acontecesse o mesmo sismo que aconteceu no dia 01 de janeiro de 1980, as consequências seriam infimamente menores", frisou.

Fonte:AcorianoOriental
 

Wessel1985

Nimbostratus
Registo
21 Set 2013
Mensagens
1,054
Local
Angra do Heroismo, Ilha Terceira, Açores
Hoje faz precisamente 40 anos do mais trágico e intenso sismo no Arquipélago dos Açores no Séc. XX.

Sismo de 1 de janeiro de 1980 foi há 40 anos


Hoje, dia 1 de janeiro, faz 40 anos que ocorreu o sismo catastrófico de 1980. Atingindo magnitude de 7,2 na escala de Richter e com epicentro localizado a cerca de 50 km a WNW de Angra do Heroísmo, este sismo causou elevados danos materiais nas ilhas Terceira e de S. Jorge, e danos menores na ilha Graciosa. Mais de 15.000 edifícios ficaram total ou parcialmente destruídos.

As freguesias mais afetadas foram Doze Ribeiras, Santa Bárbara, Serreta e Cinco Ribeiras, situadas na metade ocidental da ilha Terceira, e a freguesia do Topo, localizada na ponta oriental da ilha de São Jorge, onde atingiu intensidade máxima de VIII na Escala Macrossísmica Europeia (EMS-1998).

O sismo de 1980 provocou um tsunami de fraca magnitude, somente detetado instrumentalmente pelos marégrafos de Angra do Heroísmo e da Horta, não provocando quaisquer danos