Tempestade Tropical GRACE (Atlântico 2009 #7)

Tópico em 'Tempo Tropical' iniciado por Vince 5 Out 2009 às 03:22.

  1. nimboestrato

    nimboestrato
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    8 Jan 2008
    Mensagens:
    1,865
    Local:
    Pedras Rubras-Aeroporto
    E dura... dura... dura...

    [​IMG][/URL][/IMG]

    Quase a beijar a costa sul Irlandesa ,
    terá 7 vidas esta Grace de mil encantos...
     
  2. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Comecei a preparar há já vários dias este post um pouco como desabafo e para colmatar uma tremenda "injustiça" meteorológica. Formou-se nas aguas dos Açores uma invulgar Tempestade Tropical em condições pouco propícias de água pouco quente para a formação destes fenómenos e numa génese tropical bastante invulgar.

    Contudo o evento apesar de muito discutido por esse mundo fora não existiu em Portugal para além do fórum. Nem por parte do nosso IM, para grande frustração minha e de todos por aqui, nem por parte da comunicação social. Nada ! Não houve uma única notícia em Portugal sobre este evento, apesar de até em Media do Brasil ter visto referências. Mistérios de Portugal, que até fala regularmente nos media de todas as tempestades no Atlântico mesmo que nada nos digam directamente.

    Como tal resolvi escrever este post, que serve um pouco como resumo e história do que se passou. O texto foi inicialmente baseado na tradução de um artigo da wikipedia o qual adaptei e acrescentei muitas informações, imagens e opiniões pessoais.



    Tempestade Tropical «Grace»

    [​IMG]

    A Tempestade tropical «Grace» formou-se no centro de uma extensa área de baixas pressões extratropicais que surgiu a oeste dos Açores. Inicialmente anexada a uma frente oclusa a depressão separou-se da frente adquirindo gradualmente algumas características tropicais.


    30 de Setembro 2009
    12:00z e 18:00z


    [​IMG]


    30 de Setembro 2009

    [​IMG]



    1 de Outubro 2009

    A 1 de Outubro a convecção aprofundou-se próximo do centro do sistema criando mesmo um anel convectivo e uma espécie de olho, movendo-se junto em redor do grupo central dos Açores.


    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]


    A quando da passagem deste centro próximo da Horta é que se percebeu que algo de bastante anormal se passava como demos conta no fórum na altura. A queda de pressão foi significativa num curto espaço de tempo. A depressão foi colocada sob vigilância do NHC como Invest 90L. Soube-se depois que o Invest até já tinha sido activado no dia anterior mas não era público ao contrário do que é habitual.

    [​IMG]




    2 de Outubro 2009

    No dia seguinte, 2 de Outubro, aquele anel convectivo desfez-se e convecção diminui em torno do centro e o Centro Nacional de Furacões (NHC) cessou a monitorização como Invest 90L que foi portanto desactivado:



    [​IMG]



    3 de Outubro 2009

    A 3 de Outubro, apesar do 90L estar descontinuado, a perturbação vai criando mais convecção e até outflow nalguns quadrantes, apresenta uma estrutura que vemos muitas vezes em ciclones tropicais em dificuldade, que é de haver convecção um pouco removida do centro. A única diferença é que esta perturbação sempre foi bastante pequena em relação a muitos outros casos. Nestes dias o sistema executa uma volta completo em sentido anti-horário a nordeste do grupo central dos Açores subindo de latitude para água um pouco mais fria e regressando novamente para água um pouco mais quente e passando entretanto pelo grupo ocidental (Flores e Corvo).


    [​IMG]



    4 de Outubro 2009

    Durante o dia 4 de Outubro dá-se a grande surpresa, a convecção aprofundou-se novamente e envolve bem o centro tendo o sistema uma estrutura bastante perfeita, a única diferença em relação a outros ciclones tropicais é ser bastante pequeno. O 90L é reactivado por parte do NHC.



    [​IMG]

    Ao final da tarde de 4 de Outubro recriava novamente o olho junto a S.Miguel

    [​IMG]


    Nas horas seguintes tudo se precipita, já poucos tem dúvidas ou está céptico perante as circunstâncias, o NHC nos avisos passou em pouco tempo de amarelo para vermelho, são muito raras mudanças tão rápidas por parte deles. O NHC informa que espera mais uma ou duas horas, a incredulidade deve ter sido bastante, imagino que a discussão interna também deve ter sido intensa pois há sempre o receio de nomear um sistema e ele passado pouco tempo se desfazer.

    [​IMG]


    Pouco depois nas primeiras horas da madrugada aparece a primeira mensagem informática no servidor do NHC dando conta de que nasceu oficialmente a «Grace».


    5 de Outubro 2009

    E passado uma hora surge o primeiro aviso oficial do sistema ser nomeado como «Grace» pelo NHC, o sétimo ciclone tropical nomeado da temporada 2009 de furacões no Atlântico, o 9º sistema tropical (contando com as duas depressões tropicais não nomeadas).

    A primeira discussão oficial, traduzida por mim:


    A tempestade apresentava convecção relativamente profunda em torno de um olho. Apesar de Grace estar sobre as águas pouco quentes (21ºC) para o desenvolvimento de ciclones tropicais, o baixo windshear (cisalhamento do vento) permitiu que a convecção persistisse. A massa de ar tropical em que toda esta região incluindo o continente esteve envolvida também terá tido um papel relevante.


    [​IMG]

    [​IMG]


    Uma menção muito rara da localização de um sistema ainda tropical em relação a Lisboa no aviso oficial, a última vez foi em 2005 com o "Vince"



    A Tempestade Tropical tinha desde a tarde do dia anterior adquirido um movimento mais acentuado para nordeste seguindo o forte fluxo de sudoeste que esteve presente nestes dias ao largo de Portugal percorrendo inevitavelmente águas cada vez mais frias e aproximando-se de uma superfície frontal a norte.

    [​IMG]



    6 de Outubro 2009


    As cartas sinópticas de vários serviços de meteorologia europeus foram emendadas para acomodar a surpreendente Grace conforme vários utilizadores do fórum fizeram aqui notar.

    [​IMG]


    Lentamente a Tempestade Tropical foi se deteriorando estruturalmente ficando menos simétrica acabando por ficar embebida na própria superficie frontal no dia 6 de Outubro. O NHC emitia o 5º e último aviso embora a Grace ainda possuisse ventos de Tempestade Tropical e uns surpreendentes 986 mb de pressão estimada com a ajuda da observação de um barco próximo. Apesar das circunstâncias, superficie frontal e água fria, manteve mesmo assim uma estrutura notavel, passando a sul da Irlanda finalmente dissipando-se completamente sobre o Reino Unido.

    [​IMG]

    [​IMG]



    Na reanálise pós época o NHC admitiu numa das "discussions" que a formação da Grace vá ser antecipada. Arrisco dizer que será para 30 de Setembro, talvez considerada depressão tropical e no dia 1 de Outubro como tempestade Tropical quando gerou pela primeira vez o anel convectivo e olho que depois se desfez formando-se novamente no dia 5.

    Algumas pessoas por causa do olho defendem que a Grace chegou a ser Furacão (no limite) em dois momentos distintos. Logo no dia 1 a quando daquela espectacular queda de pressão para 984mb que nós pudemos testemunhar em directo no fórum pelos dados das estações oficiais no Faial.

    E num outro momento no dia 4 e 5 de Outubro quando o olho reapareceu. Pessoalmente duvido que na reanálise pós época a Grace seja considerada Furacão pois nunca houve observações de vento que suportassem essa categoria apesar de observações relativamente próximas.

    Foi sempre um sistema bastante estranho, invulgar e pequeno, mas espectacularmente interessante, meteorologicamente falando. Também não causou transtornos nem estragos como qualquer linda tempestade deve ser para ser perfeita. O cepticismo inicial (em que eu me incluo) acho que é normal, muitas vezes há estruturas com olho que nada tem de tropical e há muitos sistemas híbridos com convecção a rodear o centro que rapidamente morrem ao fim de umas horas sem terem oportunidade de finalizar a ciclogenese tropical. Afinal a temperatura da água era pouco propícia à formação de um ciclone tropical. E da parte do NHC penso que houve sempre um receio ao longo de muitos dias de nomearem o sistema e ele depois se dissipar rapidamente como seria o mais provável nesta zona do Atlântico com estas condições.

    Aguardemos pela análise pós época, será certamente um documento muito interessante de ler.
     
  3. Brunomc

    Brunomc
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    7 Abr 2008
    Mensagens:
    1,975
    Local:
    Vendas Novas - Alto Alentejo (132m)
    excelente post Vince :thumbsup: :palmas:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  4. Bastien

    Bastien
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    11 Jan 2008
    Mensagens:
    58
    Local:
    Povoa da Galega, Mafra
    Excelente documento descritivo deste evento, que como aqui foi dito, ( talvez por ser o dia a dia da nossa comunidade cientifica:eek:) foi completamente esquecido como se nunca tivesse existido.
    PARABÉNS
     
  5. Hazores

    Hazores
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Out 2008
    Mensagens:
    1,425
    Local:
    AGH,terceira,açores
    vou ser muito sincero, tomara que as instituições oficiais do nosso país fizessem uma terça parte da descrição que nos destes, não só deste caso (que por mim está excelente), mas também de outros comentários que tens feito por aqui.

    o que acho fascinante neste fórum é que cada vez mais pessoas o consultam, confiando nas previsões feitas pelos amadores, em vez de consultarem as fontes oficiais, isto dá que pensar e levaria a uma outra discussão.
     
  6. criz0r

    criz0r
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    11 Abr 2008
    Mensagens:
    4,290
    Local:
    C.Piedade/Belver/Porto
    Impecável este relatório da nossa Grace Vince li tudo de trás pa frente :thumbsup: , é compreensível que as Entidades Oficiais muitas vezes não discutam o tema " Tempestades Tropicais " ou " Furacões " quando se abrange o Território Nacional talvez devido a evitar preocupações por parte da população em geral, mas se este fenómeno não constituía de forma alguma perigo para o nosso País porque não dedicaram um espaço a falar deste acontecimento quanto mais não seja como mera curiosidade uma vez que é apesar de tudo algo raro nas nossas Latitudes.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  7. mr. phillip

    mr. phillip
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    26 Dez 2006
    Mensagens:
    3,860
    Local:
    Quinta do Conde, Sesimbra (20m)
    Excelente post Vince!
    É nestas coisas que se vê e se revela a verdadeira paixão pelo que se faz, e melhor ainda quando se alia a paixão ao conhecimento...
    Muito interessante também o comentário do Hazores!:thumbsup:
     
  8. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Obrigado, mas não se esqueçam que não é ao IM que cabe a monitorização de sistemas tropicais no Atlântico, é ao NHC, e mesmo este com toda a experiência e meios que tem (a melhor do mundo a par da marinha americana) também andou um bocado aos papeis como vimos. A responsabilidade do IM só se iniciaria após o NHC lançar um aviso de ventos de tempestade tropical que afectassem o território nacional, mas quando o NHC o fez já a «Grace» estava 615km afastada dos Açores.

    Com o IM fiquei foi desiludido pelo silêncio, nem sequer foi com aquele erro ou gaffe na manhã de 7 de Outubro, esse erro eu até compreendo, errar é humano, e era uma coisa dificil de acreditar que fosse um ciclone tropical, alguma coisa falhou e se calhar nem foi da parte do Costa Teso, que se ele estava a ver aquilo pela primeira vez pensou que era mais um dos muitos vórtices que já vimos muitas vezes e que não são nada de especial. O erro terá vindo de outros departamentos que talvez já devessem saber que algo de estranho andou uma série de dias pelos Açores, quanto mais não fosse pela baixa pressão que a certa altura se registou nas estações do próprio IM. Suponha eu que numa instituição destas até seguiriam com vivacidade e especial interesse o assunto dada a monotonia que a meteorologia tantas vezes é em Portugal.

    A desilusão foi pelo silêncio sobre o assunto, que se tornou ainda mais enervante quando poucos dias depois até fizeram uma nota sobre a Tempestade Tropical seguinte, o Henry. E como o IM nada disse, a comunicação social também parece ter ficado de fora. O resultado final é que a «Grace» não existiu em Portugal para a população em geral.
     
  9. psm

    psm
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    25 Out 2007
    Mensagens:
    1,509
    Local:
    estoril ,assafora
    Vince este é dos melhores posts escritos que existem neste forum, o detalhe do acontecimento e sua cronologia estão prefeitos:thumbsup:!
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  10. Vince

    Vince
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    23 Jan 2007
    Mensagens:
    10,624
    Local:
    Braga
    Já saiu um relatório do NHC sobre a Grace.


     
  11. stormy

    stormy
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    7 Ago 2008
    Mensagens:
    5,116
    Local:
    Lisboa
    na minha opiniao a fase da GRACE entre as 12h de dia 1/10 e as 12h de 2/12 devia ser ja registrada como TS ou TD pois ha registos de vento medio/10min e SLP na horta e pico-aerodromo consistentes com a classificaçao.
    depois, a fase entre as 12h do dia 2/10 e as 12h do dia 4/10 devia ser considerada STD ou pelo menos nao deveria ser classificada como extra-tropical pois a depressao apresenta caracteristicas hibridas mantem um bom outflow nos niveis altos associado a explosoes convectivas, circulaçao fechada e um bom LLC/MLC;).
    a GRACE foi um incrivel surpresa em termos cientificos e demonstra o quao dificil é prever ou defenir a separaçao entre sistemas tropicais e ET se forem a ver ha inumeros exemplos de sistemas com caracteristicas mistas desde as comuns DANA até aos "medicanes" passando pelas estranhissimas "polar lows"...estes sistemas teem em comum os nucleos quentes nos niveis baixos ou medios ( ainda que associados ou com genese em massas frias em altura), os ventos fortes, convecçao relativamente profunda ou mesmo muito profunda em alguns casos, maior intensidade em areas oceanicas com SST elevada pelo menos relativamente á atmosfera circundante, ausencia de frentes, fonte de energia ( calor latente e humidade oceanicos), circulaçao relativamente fechada, etc
    sao sistemas muito interessantes..:D
    apesar disto tudo...destas dificuldades de previsao.. sinto-me desiludido pelo facto de portugal ser dos unicos paises do mundo em que nem o IM nem os media falaram no assunto...ironias da vida:disgust:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura

Partilhar esta Página