Apresentação: Cozinhas solares e Antártica

Tópico em 'Ciência Geral, Tecnologia e Energia' iniciado por vitamos 17 Jun 2008 às 14:23.

  1. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,557
    Local:
    Lisboa; Costa da Caparica
    PARTE 1/2:


    Realizou-se esta manhã no Dep. Engenharia Mecânica da FCTUC (Universidade de Coimbra), uma apresentação dividida em duas partes, com o título referido no tópico. Não tive opurtunidade de comunicar este evento a eventuais interessados uma vez que tomei conhecimento do mesmo em cima da hora.

    Não resisti a partilha-lo convosco devido à temática, que acho que será do vosso interesse :)

    A primeira parte (descrita neste post) foi apresentada pelos professores Pedro Rodriguez (Chile) e Celestino Ruivo (Universidade do Algarve). Nesta primeira parte procurou-se mostrar os diferentes tipos de fornos solares existentes e as suas utilidades.

    Certamente que saberão que o Sol é uma fonte de energia imensa. A energia solar consegue ultrapassar facilmente valores de 1000W/m2. Este valor é mais compreensível se imaginarmos 10 lâmpadas de 100 W sobre uma superfície de 1m2! O aproveitamento desta energia é do conhecimento geral. Mas o facto de se poder cozinhar alimentos por acção do sol é ainda do desconhecimento de uma larga fatia da população.

    A contrução de fornos solares começou a desenvolver-se a partir de 1976. De lá para cá 3 tipos principais de fornos têm sido desenvolvidos: Fornos em caixa (caixa em material resistente com abertura inclinada e revestido internamente com material reflector), fornos "parabólicos" (cuja estrutura em forma de parábola revestida de material reflector permite a focagem da radiação num ponto onde é colocado o recipiente com a comida) e fornos em painel (folha de cartão revestida com material reflector ou placas de aluminio especial reflector).

    As aplicações destes fornos são diversas: Por exemplo na Índia um sistema solar de fornos parabólicos permite efectuar refeições para mais de 30000 pessoas num edifício! Os fornos solares estão também a ser utilizados nos países pobres com grandes vantagens: Não só os baixos custos inerentes e as condições por vezes óptimas para o aproveitamento energético, mas também porque este sistema permite uma eficaz Pasteurização da água, evitando-se assim as por vezes mortais epidemias.

    A divulgação desta "cozinha solar" tem avançado a nível mundial e são já vários os utilizadores de fornos solares em suas casas. O professor Celestino Ruivo demonstrou como se podem construir fornos solares com um gasto que ascenderá a pouco mais de 5 euros! Pensem nas potencialidades destes fornos amigos do ambiente, totalmente portáteis e que ainda por cima têm uma vantagem que, infelizmente, tornam dificil a sua expansão no mercado global: é que podem durar uma vida inteira.

    Durante o intervalo da apresentação os participantes tiveram direito a comer uma fatia de bolo feito em forno solar durante esta manhã e observar como se fazem belas maçãs assadas e se prepara um óptimo café por acção do sol! Falou-se também de todos os pratos que se podem fazer em fornos solares e simplesmente pasmem-se:

    Feijoadas, cozidos, pão, bacalhau com batatas a murro, sardinhas na telha, caldeiradas, frango, chanfana, etc, etc... num mar infinito de probabilidades gastronómicas! ;)

    (em breve colocarei fotos desta manhã)

    Mais informação sobre este tema em: www.solarcooking.org

    De seguida a apresentação do segundo tema que colocarei noutro post... (CONTINUA)
     
  2. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,557
    Local:
    Lisboa; Costa da Caparica
    PARTE 2/2:

    A segunda parte da apresentação teve como tema "Antártica" e foi proferida desta vez exclusivamente pelo professor Pedro Rodriguez, referindo um estudo feito por Investigadores Chilenos (Nomeadamente o próprio) sobre sobrevivência em condições extremas num abrigo "solar". Uma primeira referência ao título "Antartica" e não "Antártida". Segundo o autor da palestra a origem do nome leva a que a forma correcta do mesmo seja escrita com C ( ANTÁRTICA - ANTI (o oposto de...) ÁRTICO).

    A Antártica é um continente de grandes dimensões mas apenas uma parte muitissimo pequena do mesmo regista a presença de seres vivos. O restante é um ambiente tão inóspito que as hipóteses de sobrevivência são nulas. Foi na zona do latitude 80 junto aos Montes Elsworth que esta equipa de cientistas resolveu levar a cabo seu estudo. A zona específica foi a escolhida por ser a única que permite, numa vasta área, a aterragem de aviões (uma vez que após essa área, os fortes ventos arrastam o gelo fazendo com que haja largas áres de "gelo picado" que impossibilita as aterragens)
    Uma pequena curiosidade em relação aos montes Elsworth, é que apesar da sua altitude rondar os 900m, apenas são vísiveis 100 o que faz como que o vale onde o abrigo foi instalado tenha 800 metros de profundidade em gelo sólido!! Isto não é de estranhar se tivermos em conta que a capa de gelo desta continente pode chegar até 4Km de altura :surprise:

    Esta estação foi ocupada várias vezes pelo grupo de investigação sempre nos periodos de Setembro a Março onde a exposição solar é mais elevada (o famoso sol com duração de 24 horas!). O abrigo foi construído essencialmente em PVC e é constituído por 3 áreas: Uma área de circulação normal (zona de trânsito), a zona de conexão, e a câmara de repouso. O abrigo é ventilado através de enrgia eólica, aquecido por paineis fotovoltaicos (energia solar), pela energia da biomassa - ou seja - energia humana!! :D (o corpo humano pode produzir 140W de energia em contínuo :eek: ) e em casos extremos de mau tempo e ausência de sol um gerador a petróleo (única fonte não renovável).

    Em termos de temperaturas e perante uma temperatura exterior de -30ºC, a zona de repouso apresenta valores entre os -5 e 1ºC (área juntamente com a exterior, aquelas em que os ivestigadores passaram maior parte do tempo, sendo que na última devidamente equipados) e na área de repouso 15ºC (6h diárias de ocupação média).

    Curiosidades do abrigo: Consumo diario de energia de 99,4 kw.

    Possui um mecanismo de geração de água através de um forno solar!

    WC com separação de necessidades líquidas e sólidas! Porque? Uma explicação simples! O polo sul é branco devido ao gelo. Por exemplo a urina é AMARELA. Já imaginaram manchas amarelas numa zona totalmente branca, sólida e sem água no estado líquido? :D Assim as necessidades são guardadas sólidas em sacos de plástico resistentes feitos propositadamente!

    Este estudo veio trazer conclusões muito interessantes! Permite a SOBREVIVÊNCIA de seres vivos (humanos) num ambiente totalmente hostil, através do aproveitamento de energias totalmente renováveis, sendo que o aproveitamente ronda os 100% entre Outubro e Janeiro, sendo que apenas em Fevereiro - Março existe mais necessidade de recorrer ao gerador. Este local específico é da tal importância para estudos, não só de sobrevivência, mas também para resistência dos materiais/tecnologias, que tem sido utilizado pela NASA nos seus testes, nomeadamente na preparação da última expedição a Marte!

    Foi um público por demais satisfeito com tão produtiva manhã, aquele que apladiu no final das apresentações :):thumbsup:
     
  3. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,244
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    :surprise::surprise:

    Qual camping gaz, qual quê?

    Mas tenho uma duvida, o tempo de cozedura é maior, não é?
    Sabes mais ou menos dizer quanto tempo demoraria por exemplo, a cozer batatas? É muito mais do que se fosse "ao lume"?
     
    Collapse Signature Expand Signature
  4. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,557
    Local:
    Lisboa; Costa da Caparica
    A resposta é só uma: DEPENDE! ;)

    Vou dar um exemplo que o professor Celestino Ruivo contou. Uma vez um amigo da força aérea trouxe-lhe uma parabólica (radar) de consideráveis dimensões. Ele resolveu aproveitar e colocou-lhe uma superfície reflectora. Viu onde ficava o foco e vai de tentar assar um chouriço. Acontece que era fim de tarde e o sol já se estava a pôr pelo que tiveram receio de não conseguirem.

    O que é certo é que em menos de 5minutos tiveram direito a um chouriço... CARBONIZADO!

    Ou seja depende da focagem e depende da energia libertada pelo sol. Estes factores são mais importantes que a temperatura (podes fazer uma bela feijoada na Serra da Estrela com temperaturas de 5ºC à vontade!)!

    Geralmente num rudimentar forno de placa, num normal dia de sol, é provável que demore um pouquinho mais de tempo, mas isso não é certo. Por exemplo num dia com algumas nuvens um bolo demorou duas horas. Geralmente um cozido pode demorar duas a três horas. Se calhar as tuas batatas bem cozidas podiam demorar perto de 1 hora, mas tal como te digo depende muito...

    Mas existe uma vantagem grande... é que podes deixar um prato a fazer às 6 da manhã e ele ás 14 horas além de pronto a comer não estar queimado! Algo que num forno a gás implicaria se calhar chamar os bombeiros :D
     
  5. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,244
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    Afinal ainda é melhor do que eu julgava.
    Obrigado vitamos pela explicação!;)

    Tens de me explicar como fazer um colector solar e onde posso adequirir os materiais necessários, para começar a fazer experiências na varanda!:)


    Em relação à segunda palestra sobre a Antártica, além de toda a eficiência energética, fiquei surpreendido com a dedicação ambiental recionada com o WC. Nunca tinha pensado nisso, mas de facto, manchas amarelas no meio do branco..:confused:
    Um expedição a pensar em tudo!;)

    Grandes relatos vizinho;)
     
    Collapse Signature Expand Signature
  6. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,557
    Local:
    Lisboa; Costa da Caparica
    Tal como prometido apresento neste tópico imagens de fornos solares. Não consegui as fotos da exposição desta conferência realizada na UC mas consegui imagens de uma mostra realizada na Escola de Hotelaria de Coimbra em Março de 2007 e que me foram gentilmente cedidas pelo Professor José Costa da FCTUC ao qual agradeço!

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]

    [​IMG]


    E nada como provar o resultado final :D :

    [​IMG]
     
  7. Gilmet

    Gilmet
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    12 Dez 2007
    Mensagens:
    8,738
    Local:
    Mira-Sintra (188 m)
    Excelente reportagem!
    E Belas fotos!! Mham mhamm:D

    Estou espantado com a funcionalidade e capacidade destes fornos...:thumbsup: (Adoro aquele "Ecoforno Ta Sol"...:p)




    EDIT: 13:39

    Acabou de dar uma reportagem na sic sobre esses fornos!!
     
    Collapse Signature Expand Signature
  8. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,244
    Local:
    Arroja, Odivelas (142m)
    Comé vitamos, mestre dos cozinhados solares,
    Para quando uma refeição uma refeição assim para o pessoal?:D

    Já estou com água na boca!:p
     
    Collapse Signature Expand Signature
  9. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    4,557
    Local:
    Lisboa; Costa da Caparica
    Eh lah... mestre não :D

    Só agora comecei a tomar contacto com estes fornos solares, mas isto é mesmo daquelas coisas capazes de despertar o bichinho... eu gostava de contruir um (ou mais) fornos para mim assim que tiver tempo :D
     

Partilhar esta Página