Formação em Climatologia

Tópico em 'Climatologia' iniciado por Iceberg 29 Nov 2006 às 12:10.

  1. Cumulonimbus

    Cumulonimbus
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    21 Nov 2006
    Mensagens:
    18
    Local:
    Lisboa
    Claro que a Geografia é una. Só que a climatologia é sobretudo G.Física e o Planeamento do Território apoia-se essencialmente na G. Humana.
    Agora, para saberes climatologia não serve ter especialização em Planeamento do Território.:D
     
  2. Cumulonimbus

    Cumulonimbus
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    21 Nov 2006
    Mensagens:
    18
    Local:
    Lisboa

    Podemos dizer que climatologia é Geografia e meteorologia é Física (pura).
    Aos físicos falta o Espaço aos geógrafos o Tempo (sinóptico).

    A Meteorologia é feita com a Física, a Observação faz parte da Meteorologia mas só serve para o Tempo Presente.

    Aos geógrafos para a climatologia, dá-lhes muito jeito terem conhecimentos de Termodinâmica. Não esquecer que a Terra com a sua atmosfera é uma "máquina de calor". Já agora junta-lhe conhecimentos do "Movimento de Fluidos.;)
     
  3. LUPER

    LUPER
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    20 Nov 2005
    Mensagens:
    1,945
    Local:
    Aveiro
    Vcs não acham que estão a complicar muito aquilo, que afinal se pode explicar de uma forma mais facil? Muitos dos problemas das nossas faculdades é esse mesmo, a diferença entre a teoria, os modelos e o ideal, e depois a realidade das coisas. Digo isto de uma forma genérica, como é obvio, falta muito aplicabilidade practica aos estudos que se ensina.


    PS: Aprendi eu em Analise III, integrais de linha para quê? Realmente é giro, mas isso faz produzir uma empresa de construção? Enfim é um problema da adaptabilidade do mundo academico ao mundo empresarial, onde felizmente impera a capacidade produtiva e imaginitiva de resolução dos problemas do dia-a-dia:thumbsup:
     
  4. kimcarvalho

    kimcarvalho
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Nov 2005
    Mensagens:
    1,775
    Local:
    Elvas
    Ora nem mais amigo LUPER, teorização em força! Somos um país de intelectuais :rolleyes: o problema é quando chegamos ao mercado de trabalho... :hehe:
     
  5. Zoelae

    Zoelae
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    11 Nov 2005
    Mensagens:
    723
    Local:
    Vinhais (775m),Bragança/Porto

    Lol isso não é nada, eu tive História da Medicina no 1º ano, e para quê? para nada, para enriquecer o meu intelecto; nunca pensei em vir a ter história na faculdade, mas lá tava ela:lol:
     
  6. LUPER

    LUPER
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    20 Nov 2005
    Mensagens:
    1,945
    Local:
    Aveiro

    Eu senti isso na pele, mas felizmente a capacidade de adaptação veio ao de cima ;) . Precisamos de produzir não de teorizar:D , temos de ser praticos e não uns teóricos que produzem lindas formulas, mas que no final, nada se aproveita para o enrequicimento do mercado de trabalho:rolleyes:
     
  7. dj_alex

    dj_alex
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    14 Dez 2005
    Mensagens:
    1,913
    Local:
    Lisboa
    Tentando responder ao Seringador, Kim e ao Luper...

    há muita coisa que se aprende na faculdade que realmente não serve para muito a não ser para se ter se calhar uma visao mais abrangente da ciencia, e nao focar só no que é importante...mas que as vezes se torna chato isso sim..

    Seringador, as formulas fazem tudo, mas o excel nao....Para time series tudo bem...imagina agora que queres correlacionar o campo da pressao no HN e o campo das SST no HS por exemplo...como o fazes??? por excel?? Imagina que queres calcular o fluxo de calor na corrente do golfo?? Como o fazes?? excel??
    E também sabes que a climatologia nao é apenas de time séries....Pegando num exemplo que conheco bem...como farias um algoritmo para seguires depressoes por exemplo??? Será que alguem que tivesse geografica fisica o conseguia fazer???

    Luper e Kim...as Analises dão jeito...pelo menos para mim deram jeito, mas com isto nao digo que tudo o que se dá nas analises da jeito..para ai 50% interessa:) Pelo menos para a meteorologia da mt jeito
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  8. LUPER

    LUPER
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    20 Nov 2005
    Mensagens:
    1,945
    Local:
    Aveiro
    Para mim a maior utilidade de todas aquelas cadeiras que a malta sabe quais são, tem na minha opnião, permitir fazer musculação intensiva ao espirito critico, capacidade de raciocinio e destreza mental. Resumindo a capacidade de auto-instruirnos muito facilmente, claro que falo pelo meu exemplo. É muito provavel que esse seja o objectivo principal, claro que a utilidade practica é para apenas 1% da malta que por lá passa, mas que nos deixa a cabeçita mais esperta isso deixa, pelo menos a mim deixou. Não tenho agora receio de aprender sozinho nada, sinto-me muito mais confiante (mas não uso daqueles pensinhos dos anuncios :lmao: :lmao: :lmao: :lmao: )
     
  9. Cumulonimbus

    Cumulonimbus
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    21 Nov 2006
    Mensagens:
    18
    Local:
    Lisboa
    Separar neste caso não significa limitar o saber, mas sim especializar. Sempre defendi que a Geografia é um todo, só que, sendo tão eclética, para se avançar são necessarias especializações.;)
     
  10. Seringador

    Seringador
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    29 Ago 2005
    Mensagens:
    2,984
    Local:
    Canelas - Vila Nova de Gaia
    Bem
    A meteorologia é feita de....;)
    Não me venham com retóricas, pq o que interessa é que em <Portugal não existem climatólogos de jeito, espero que venham a ter,:p nestes últimos 15 anos aprendi muito ás minhas custas e graças a colegas estrangeiros formados na área (devido ao gosto) e não me digas o que é a meteorologia....:p pq se não tiveres reunidos uma interdisciplinariedade de conhecimentos não vais a lado nenhum por isso é que temos o IM que temos e o circuito extremamente fechado ao nível universitário que até enjoa....seja em que área for...:disgust:

    se eu não me tivese virado para o estrangeiro duvido que adequirisse os conhecimentos que possuo, agora dizer " vamos esperar e depois falamos" é o discurso de sempre do porteguesinho e suas instituições, salvo algumas:sad:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  11. Seringador

    Seringador
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    29 Ago 2005
    Mensagens:
    2,984
    Local:
    Canelas - Vila Nova de Gaia
    E se tiveres várias especializações???? o que é que te torna....:rolleyes:
    e tirar um curso por gosto é muito diferente de tirar um curso por tirar, ou por influência ou estatuto, ou não é;)
    A geografia é uma reunião de váruias ciências, só que em Portugal é que se pensa que a geog. é só para saber onde fica isto ou aquilo, quando já na nossa vizinha espanha tem um papel fundamental para ene de vertentes, isto para não ir mais longe.
    Enfim não tenho que saber como se progaram o excel para poder utilizar como ferramente numa análise de estudo, a probabilidade é importante para a previsão, como a fisica e quimica elementar ea matemática nos seus conceitos uteis para multipla equações e cálculos...
    Tudo é apreendido desde que haja gosto e vontada para o conseguir...
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  12. kimcarvalho

    kimcarvalho
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    19 Nov 2005
    Mensagens:
    1,775
    Local:
    Elvas
    Eu compreendo o ponto de vista, mas tenho sempre muito medo quando se consegue reduzir tudo apenas aos números... Pois perde-se a noção da realidade, quantificar algo e reduzi-lo a algoritmos é sempre limitar lá está! E qual o problema? Quanto a mim é intelectualizar muito. Números fazem falta, claro que sim! Mas ver e analisar tudo apenas com esse prisma é reduzir e muito, o campo da real compreensão das coisas! Será que me faço entender? :confused:
    Olha por exemplo é como chegar aqui com as medições de um mês inteirinho, as variáveis todas lá, temperaturas, pluviosidade, HR, pressões, etc. Podemos construir gráficos, desde os mais simples aos mais complexos e com isso fazer uma análise a esse período de tempo, mas ainda assim sempre faltará algo, será sempre incompleta essa série de dados. Falta, por exemplo a observação, essencial para uma previsão do tempo, ela ajuda, mas não é tudo. Se é 50% necessário, como tu dizes Alex, não sei :unsure:, não consigo quantificar. Porque é que as previsões falham ainda tanto? Certamente porque não há um conhecimento completo das nuances do clima. Será que algum dia haverá? :unsure: E no fundo é essa imprevisibilidade que nos motiva e fascina a todos nós! :thumbsup:


    :lmao: :lol: :lmao:

    Ainda bem que defendes a geografia como um todo, já somos dois então! :D ;) O que seria da geografia física sem a humana e vice-versa! :hehe:
    Agora pensa bem, especializar no fundo é o quê? :rolleyes:
    Não estou com isto a dizer que esteja errado especializar-se, claro que é o seguimento natural do aprofundar de um determinado tema ou matéria, agora que hoje em dia significa saber muito de um ínfima parte e ignorar muito de um todo, isso é claro, é lógico, simples a equação não? ;)
     
  13. Seringador

    Seringador
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    29 Ago 2005
    Mensagens:
    2,984
    Local:
    Canelas - Vila Nova de Gaia
    Sim Alex tanto para correlacionar, extrapolar e associar, agora tu tb não sabes calcular o fluxo da corrente do golfo, mas não quer dizer que não possas tecer comentários e análises cientificas e se o quisesse fazer com os dados fazia-lo na máquina de calcular através do uso das fórmulas que existem?
    Não me digas que sabes programar satelíte para que as imagens de satélite enviem a informação incriptada para posterior descodificação e exibição da imagem ou sabes?

    Tu consegues fazer mapas à mão com cálculo de declives e interpolação de precipitação com os mesmos?

    mas se alguém conhecer uma ferramenta informática que efectue tudo isso automaticamente mas que não perceba muito de mapasa, consegueo ou não, isto desde que tenha os dados???
    Sabes fazer os cálculos manuais sem máquina para efectuar derivação e definição de probabilidades de ocorrência?
    Eu felizmente sei, mas com uma máquina poderá saber fazer qq um que tenha interesse e acesso à formula, desde que tenha dados, percebes agora o meu ponto de vista..;)
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  14. Cumulonimbus

    Cumulonimbus
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    21 Nov 2006
    Mensagens:
    18
    Local:
    Lisboa

    Cá temos a velha guerra entre geógrafos e meteorologistas em relação à climatologia!
    Mas já Koppen em 1927 ensinava que a climatologia assenta em duas vertentes: uma a geografia a outra a meteorologia sinóptica, e que nenhuma delas se sobrepunha à outra.
    O conjunto das duas é que cria a climatologia moderna.
    Quem estuda o fenómeno e o demonstra matemáticamente é o físico, o geógrafo quer saber as causas para determinar as consequências do fenómeno num espaço determinado, assim como a interacção de um com o outro.
    O meteorologista é de gabinete e na maioria nem sequer sabe ler uma carta, para por exemplo saber se o relevo é concordante ou discordante com o rumo de uma frente e as consequencias disso.
    Também o geógrafo se não estudar a termodinamica dos fluídos, terá sérias dificuldades em explicar o aparecimento de determinados fenómenos.
    A estatística é basica para os dois.;)
     
  15. Cumulonimbus

    Cumulonimbus
    Expand Collapse
    Cirrus

    Registo:
    21 Nov 2006
    Mensagens:
    18
    Local:
    Lisboa

    Cá temos a velha guerra entre geógrafos e meteorologistas em relação à climatologia!
    Mas já Koppen em 1927 ensinava que a climatologia assenta em duas vertentes: uma a geografia a outra a meteorologia sinóptica, e que nenhuma delas se sobrepunha à outra.
    O conjunto das duas é que cria a climatologia moderna.
    Quem estuda o fenómeno e o demonstra matemáticamente é o físico, o geógrafo quer saber as causas para determinar as consequências do fenómeno num espaço determinado, assim como a interacção de um com o outro.
    O meteorologista é de gabinete e na maioria nem sequer sabe ler uma carta, para por exemplo saber se o relevo é concordante ou discordante com o rumo de uma frente e as consequencias disso.
    Também o geógrafo se não estudar a termodinamica dos fluídos, terá sérias dificuldades em explicar o aparecimento de determinados fenómenos.
    A estatística é basica para os dois.;)
     

Partilhar esta Página