Futuro Museu dos Coches em zona de risco

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Futuro Museu dos Coches está em zona de risco sísmico e inundações

O departamento de Protecção Civil da autarquia de Lisboa concluiu que o futuro Museu dos Coches está a ser construído numa zona vulnerável a sismos e inundações, de acordo com um parecer a que a Lusa teve acesso.
A Câmara de Lisboa discute terça-feira uma proposta do vereador do Urbanismo, Manuel Salgado (PS), para que a autarquia dê "parecer favorável condicionado" ao projecto do novo Museu dos Coches. "Geologicamente, a área de implantação do Novo Museu dos Coches localiza-se sobre terrenos pertencentes ao Complexo Vulcânico de Lisboa. Parte desta unidade encontra-se no entanto recoberta por uma sequência de aluviões e aterros, que são especialmente favoráveis a fenómenos de amplificação de efeitos sísmicos", lê-se no parecer.
A zona é descrita como apresentando "vulnerabilidade sísmica dos solos baixa na parte Norte da área de intervenção, e muito alta, na parte Sul, coincidente com as zonas de aterro e aluviões do Tejo". A área não integra, contudo, as "áreas críticas de risco sísmico".
O Museu dos Coches ficará também instalado numa área considerada "vulnerável a situações de inundação por temporal", sendo "provável ocorrerem inundações" em caso de intensa precipitação e horas de "preia-mar". Esta vulnerabilidade resulta da conjugação de diversos factores, nomeadamente a localização sobre um "sistema húmido", o facto de ser uma "área sujeita ao efeito de maré directo", de "percurso de antigas linhas de água e locais de foz", entre outros factores.
O parecer realça também que a área do novo Museu dos Coches está integrada na bacia de Alcântara, que possui uma rede de saneamento servida por "um sistema de colectores unitários que drenam simultaneamente águas domésticas e pluviais, de acordo com o princípio do escoamento com superfície livre".
O departamento de Protecção Civil refere ainda que a área "constitui um ponto de passagem de inúmeros transportes rodoviários de mercadorias perigosas, difíceis de contabilizar, mas com percursos preferenciais a atravessarem as principais vias presentes na área".
O novo Museu Nacional dos Coches, uma obra da Sociedade Frente Tejo concebida pelo arquitecto brasileiro Paulo Mendes da Rocha, ocupará 15.117 metros quadrados e custará 31,5 milhões de euros, um investimento pago com contrapartidas do Casino de Lisboa. A proposta do vereador do Urbanismo é a de emissão de parecer favorável condicionado.
Segundo Manuel Salgado, "a obra a executar e a intervenção nos espaços exteriores devem reflectir as preocupações decorrentes das conclusões do parecer do Departamento de Protecção Civil". A Sociedade Frente Tejo deve também "submeter à apreciação dos serviços municipais um projecto de obra de urbanização da rede viária, para análise das alterações a efectuar no sistema viário local".
Entre essas alterações, Salgado destaca "a necessidade de se proceder ao reperfilamento da Avenida de Brasília", cuja responsabilidade de execução e custos devem ser assumidos pela Sociedade Frente Tejo. "Os acertos aos pavimentos da praça do Museu devem ser efectuados no âmbito do projecto de especialidade de arranjos exteriores", acrescenta a proposta que determina ainda que os trabalhos arqueológicos, a realizar em obra, devem ser acompanhados pela Direcção Regional de Cultura de Lisboa e Vale do Tejo (DRCLVT).
Manuel Salgado faz igualmente depender a emissão de parecer favorável à entidade responsável pelo equipamento cultural assegurar a "manutenção e a gestão do espaço público da praça do Museu, bem como de todas as instalações pertencentes ao seu programa". A Sociedade Frente Tejo deve ainda "promover o cumprimento das normas técnicas de acessibilidade", estabelece a proposta.

Fonte: Expresso