Golfe camufla grande construção : água não está a ser protegida

frederico

Super Célula
Registo
9 Jan 2009
Mensagens
9,988
Local
Porto
O mesmo problema no Algarve. Os campos de golfe precisam do componente imobiliário para conseguirem suportar as despesas de construção do golfe. Aqui no Algarve os investidores podem ter de dispender mais de 3 milhões de euros só para comprar os terrenos para o empreendimente. Tendo em conta que um campo muito frequentado pode ter cerca de 200 000 euros de lucro/ano, é fácil antever que são necessários muitos anos e muita clientela para recuperar o investimento.

Assim, os campos de golfe tornaram-se os cavalos de Tróia para construir grandes empreendimentos, processo facilitado pela lei dos PIN. Espero que a Manuela Ferreira Leite quando vencer em Setembro cumpra aquilo que defende e acabe com a lei dos PIN.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Na fronteira do concelho de Oeiras e Sintra, ali próximo do Tagus Park e junto a S.Marcos criaram um campo de golfe enorme, presumo que para ajudar a vender projectos imobiliários. Bonitas e (muito) caras casas com vista para o verde. Não me importava nada de viver por ali, mas são mesmo caras. Mas das muitas vezes que passei por lá, nunca vi ninguém a jogar golfe, o que no mínimo é bastante estranho, ou talvez não. Alguém já viu ?

De qualquer forma, se calhar um campo de golfe até nem é muito mau, sempre são uns pequenos hectares verdes. Com a velocidade com que a terra desaparece e dá lugar a prédios na nossa região, qualquer dia só nos resta estes "campos de golf" para ver um pouco de verde.
Mas estou convencido que após vendidos os empreendimentos e moradias com vista para o verde, o Golfe por falta de viabilidade dará mais tarde origem a mais uns empreendimentos. O ciclo normal do chico espertismo imobiliário.
 

AnDré

Staff
Registo
22 Nov 2007
Mensagens
11,095
Local
Caneças (300m) / Várzea da Serra (900m)
Recordo-me de ver na Serra da Carregueira (imagens satélite) o desenvolvimento de nuvens, mas posso estar enganado.

Isto são tudo dúvidas que espero ver esclarecidas.

serradacarregueira.png

os 3 pulmões da área metropolitana de lisboa​

O que assusta nessa imagem de satélite é o urbanismo que cresce de forma desmedida.
Há 15 anos, o verde da Serra da Carregueira tinha o dobro da área.
Provavelmente daqui a 15 anos, não se conseguirá distinguir esse verde no meio do urbanismo. Tal é a velocidade com que este cresce.
E entretanto perde-se esse "pulmão".

Quanto à precipitação nessa Serra, estima-se que nessa zona, caíam +200mm anuais do que no Geofísico de Lisboa. Não sei até que ponto o forte crescimento urbanístico poderá/estará a mudar isso.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,323
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Agora o mesmo não se passa com os dois campos de golfe no concelho de Sintra que se localizam precisamente nos dois aquíferos do concelho de Sintra.

Parece-me que estes dois aquíferos são a base de todo o ecossistema de Cascais, Oeiras e Sintra e vários furos de água já secaram em Cascais (como se pode ver no programa biosfera). As ribeiras e rio Jamor nascem dos aquíferos e desaguam no rio Tejo.

A água utilizada nestes campos de golfe não é a água potável que todos nós pagamos e por isso racionamos. A água utilizada é a dos aquíferos através de furos.


PS: Já agora, estes aquíferos não têm influência no microclima? O facto de centenas de árvores/arbustros serem destruídos não implica uma perda de evapotranspiração, o que poderá a nível micro climático diminuir a formação de nuvens?

Recordo-me de ver na Serra da Carregueira (imagens satélite) o desenvolvimento de nuvens, mas posso estar enganado.

Isto são tudo dúvidas que espero ver esclarecidas.

Antes de mais, parabéns pelas tuas preocupações e trabalho!
Vai ser construído um campo de golfe mesmo junto ao Jamor numa área contígua ao Estádio Nacional.
Antes de a terra ser aplanada, a zona era um descampado de herbáceas.
Não sei que impactos terá nem que água irá ser utilizada, mas na zona os moradores têm feito queixas em relação ao corte indiscriminado de árvores, algumas saudáveis e a crescer em locais correctos, curiosamente um pouco como tem acontecido em várias manchas florestais junto a Lisboa e arredores ( Monsanto, Sintra,etc...).
A tua questão relacionada com a influência das bacias e sua vegetação nos microclimas locais, é muito pertinente e a resposta é SIM, as florestas influenciam bastante os climas locais, nomeadamente os valores de precipitação. As árvores libertam quantidades significativas de água e mantêm mais água nos solos onde se desenvolvem.
De salientar também o facto de as florestas ripícolas que crescem nas margens das ribeiras e dos rios, darem abrigo a uma vasta fauna e flora, mesmo quando penetram em domínios urbanos, pois em muitos casos, alguns metros de margem são poupados à desenfreada urbanização.
Assim desempenham igualmente um papel termorregulador e de sumidouro de poluição atmosférica.
No Jamor, observo águias de asa redonda, garças-brancas, galinhas de água, rouxinois de várias espécies, patos-reais, 4 espécies de pirilampo, rãs-verdes, relas, várias libélulas, coelhos-bravos e outros tantos e isto já a entrar em zonas cada vez mais humanizadas.
De salientar que este rio mantem as suas margens «selvagens» até mais ou menos Queluz ( tirando a parte da foz claro), onde as suas margens agora são utilizadas como zonas de recreio e lazer e estão em algumas partes ajardinadas.
Pelo caminho passa só a uns metros da importante Matinha de Queluz, uma floresta com exemplares notáveis de árvores nativas, que tal como um mosaico verde encastoado numa paisagem austera e desordenada, surge «tapada» e entre muros protegida das mudanças dos tempos e das maldades do Homem.
Acho que se tem que começar a encarar as bacias hidrográficas, como locais de importância ambiental prioritária.
Não hesitem em fotografar os vossos rios locais, em conhecê-los melhor e em expôr as vossas preocupações.
 

belem

Cumulonimbus
Registo
10 Out 2007
Mensagens
4,323
Local
Sintra/Carcavelos/Óbidos
Parte da margem do rio Jamor continua inerdita ao público mas o que é facto é que ainda não se vê avanços na construção do campo de golfe...
Espero que este projecto seja muito bem pensado e ponderado.