IM fundido no Instituto Português do Mar e da Atmosfera

rbsmr

Nimbostratus
Registo
6 Ago 2007
Mensagens
594
Local
Cabeça Gorda, Torres Vedras (140m)
Ao menos podiam ter mais imaginação e escusavam de copiar a designação norte-americana: NOAA - National Oceanic and Atmospheric Administration traduzindo: Administração Nacional do Oceano e da atmosfera!!!!
 

Geostrofico

Cirrus
Registo
8 Jan 2007
Mensagens
63
Local
Lisboa
havia várias boas ideias para uma fusão do IM, mas depois do anuncio de ontem do Ministério chegamos à conclusão que o senso comum não é comum a todos.
ou era com o INAG onde resultaria uma optimização da rede meteorologica e outros serviçoes relacionados ou com o hidrografico onde existe uma sobreposição dos serviços prestados ao nivel de previsão dos mares e agitação maritima etc.
Mas claro que as mentes inteligentes deste país acharam que misturar geofisicos e biologos na mesma instituição é que fazia sentido.

a partir de agora vamos ter a previsão do tempo acompanhada com os avisos do periodo de pesca da sardinha e do carapau!
 

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
No Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território, será ainda criado um Instituto Português do Mar e da Atmosfera, para onde serão transferidos os serviços do actual Instituto de Meteorologia, que nos anos recentes esteve sob a tutela do ministro responsável pela área da ciência.

PÚBLICO

A organização ministerial agora divulgada passa a ter um único instituto público: o Instituto Português do Mar e da Atmosfera.

DN
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
a apresentação da Ministra ontem pode ser encontrado no site do ministério do ambiente e agricultura.
está aqui o link:

http://portal.min-agricultura.pt/po...rensa/ficheiros/Restrut_MAMAOT_21-09-2011.pdf


Obrigado. Pelo que percebo o IM praticamente muda é de nome, pouco deve mudar por lá, em termos de hierarquia é que passa a ficar debaixo do "Mar" :rolleyes: e vão tirar o IPIMAR que ainda há pouco tinha ido para o novo INRB onde faz todo o sentido lá estar :rolleyes:
Uma amiga minha trabalhou uns anos lá, e eles dedicavam-se a investigação de pescas, coisas como produzir aquicultura, qualidade da ameijoas, etc, que raio tem isso a ver com o IM ?

Vá lá que não foi um dos Institutos do Vinho :lmao:
 

rossby

Cumulus
Registo
10 Mar 2007
Mensagens
158
Local
Ponta Delgada - São Miguel
Obrigado. Pelo que percebo o IM praticamente muda é de nome, pouco deve mudar por lá, em termos de hierarquia é que passa a ficar debaixo do "Mar" :rolleyes: e vão tirar o IPIMAR que ainda há pouco tinha ido para o novo INRB onde faz todo o sentido lá estar :rolleyes:
Uma amiga minha trabalhou uns anos lá, e eles dedicavam-se a investigação de pescas, coisas como produzir aquicultura, qualidade da ameijoas, etc, que raio tem isso a ver com o IM ?

Vá lá que não foi um dos Institutos do Vinho :lmao:

Se não fosse verdade, parecia anedota. O problema é que erros destes pagam-se caros.:disgust:

Como contribuinte minimamente esclarecido, não acho graça a experiências destas ...:angry:
 

filipe cunha

Nimbostratus
Registo
20 Dez 2009
Mensagens
1,422
Local
Viana do Castelo - interior (160m)
No fundo debate-se de quem vão estar subordinados na hierarquia, sós ou juntos com x ou y, pouco se vê a fazer algo de jeito, para o cidadão comum ficará tudo na mesma, o que não será de estranhar, o que poderá acontecer é nas previsões anunciarem uma tempestade para as proximas horas (que não se verificará:D) mas se for acompanhado com um caldo verde e um bom vinho alentejano a coisa passa sem se notar:lmao::lmao: depois ainda vem o anuncio da protecção civil e os engenheiros da camara no terreno.;)
No fundo tantos recursos para tão pouco:sad:,minha singela opinião para quem anda tambem nesta historia das hierarquias:D
 

rossby

Cumulus
Registo
10 Mar 2007
Mensagens
158
Local
Ponta Delgada - São Miguel
No fundo debate-se de quem vão estar subordinados na hierarquia, sós ou juntos com x ou y, pouco se vê a fazer algo de jeito, para o cidadão comum ficará tudo na mesma, o que não será de estranhar, o que poderá acontecer é nas previsões anunciarem uma tempestade para as proximas horas (que não se verificará:D) mas se for acompanhado com um caldo verde e um bom vinho alentejano a coisa passa sem se notar:lmao::lmao: depois ainda vem o anuncio da protecção civil e os engenheiros da camara no terreno.;)
No fundo tantos recursos para tão pouco:sad:,minha singela opinião para quem anda tambem nesta historia das hierarquias:D

Não creio que a hierarquia entre o MAR e a ATMOSFERA seja o problema, até pq o actual presidente do IM não é da carreira de meteorologia.

O problema é juntar coisas que não têm à partida nada em comum. Onde é que o estado vai poupar ? Creio que a ideia será partilhar recursos físicos (espaços, computadores, redes) e humanos (administrativos, informáticos). Também não vejo mal nenhum nisso. Mas seria mais eficiente se juntassem entidades que tivessem algum conteúdo funcional comum.

Mas o que me preocupa também é a destruição da imagem do IM como entidade individual responsável pela meteorologia nacional. A não ser que seja criado um Serviço Português de Meteorologia (METEOPT:1143:) dentro do IPMA (tal como o NWS dentro da NOAA) que dé continuidade a imagem do IM, vai levar muitos anos até que as pessoas identifiquem o IPMA ao antigo IM. O mesmo aconteceu ha uns anos com o INMG.
 

Chingula

Cumulus
Registo
16 Abr 2009
Mensagens
327
Local
Lisboa
Não são boas noticias para quem gostaria de ver a Meteorologia a desenvolver-se em Portugal, oxalá me engane...construir algo de geito demora anos mas para destruir basta um fósforo.
Claro que a "Arte" continuará por esse Mundo fora e felizmente progredindo, Portugal é que irá de recuo em recuo...para vergonha de quem percebe um pouco disto...
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
O problema é juntar coisas que não têm à partida nada em comum. Onde é que o estado vai poupar ? Creio que a ideia será partilhar recursos físicos (espaços, computadores, redes) e humanos (administrativos, informáticos). Também não vejo mal nenhum nisso.

Pois, seria a lógica de tudo isto. O Estado podia racionalizar recursos, poupar em instalações (rendas, vendas de imobiliário, etc), comunicações (telefones, telemóveis, internet, etc), logística, consumo de serviços externos (limpeza, manutenção, cantinas), etc,etc, quem conheça o Estado sabe que se podiam poupar fortunas desta forma mesmo sem despedir (quase) ninguém. Mas fundir coisas tão distintas acaba por na pratica por não gerar essas sinergias, seria como fundir um banco com um hipermercado, uma companhia de aviação com um fabricante de papel, não faz sentido.
 

Vince

Furacão
Registo
23 Jan 2007
Mensagens
10,624
Local
Braga
Organismo vai fundir-se com o Ipimar
Instituto de Meteorologia funciona "nos limites", na véspera da sua extinção
O Instituto de Meteorologia, que está prestes a ser integrado num novo organismo governamental, está operar nos “limites mínimos” de recursos, mas aumentar o seu quadro de pessoal está fora de questão neste momento.

Numa cerimónia, hoje, comemorativa dos 65 anos do instituto, o seu presidente, Adérito Serrão, mencionou que os colaboradores actuais do organismo estão já “situados nos seus limites mínimos para uma prestação de qualidade nas áreas de operações e da investigação”.

O número de funcionários foi reduzido de 498 no princípio de 2003 para 317 hoje. A folha de pagamentos é suportada em 60% pelo Orçamento de Estado. O resto vem de receitas próprias, sobretudo da venda de serviços meteorológicos para o sector da aviação.

O organismo vai ser brevemente integrado no futuro Instituto Português do Mar e da Atmosfera, que também absorverá o Instituto de Investigação das Pescas e do Mar (Ipimar) e algumas competências hoje dispersas por outros organismos estatais. O secretário de Estado do Mar, Manuel Pinto de Abreu, disse hoje que ideia centra é "valorizar o que existe e não replicar serviços". Ainda assim, estão a ser estudadas soluções alternativas para contornar a falta de recursos. “Não vai ser fácil estar agora a aumentar o quadro de pessoal”, disse Pinto de Abreu, à margem da cerimónia no Instituto de Meteorologia.

Uma das alternativas será a constituição de parcerias com universidades e centros de investigação, com objectivos concretos e sem custos monetários para o Estado. O acesso à utilização dos dados obtidos durante os trabalhos de investigação poderá ser uma forma de pagamento dos serviços prestados por aquelas instituições.

Neste momento, ainda estão a ser definidos os contornos finais do Instituto Português do Mar e da Atmosfera. A lei orgânica do Ministério da Agricultura, Mar, Ambiente e Ordenamento do Território - que agora é responsável pela meteorologia, depois de anos de tutela pela pasta da ciência - deverá ser aprovada em Conselho de Ministros dia 26 de Outubro, juntamente com as dos demais ministérios em que foi organizado o Governo de coligação do PSD e CDS-PP. No total, serão extintos ou fundidos 168 organismos, no âmbito do Plano de Redução e Melhoria da Administração Central (Premac).
http://publico.pt/Ciências/institut...s-limites-as-vesperas-da-sua-extincao-1515457