Large Hadron Collider (LHC) do CERN

Tópico em 'Ciência Geral, Tecnologia e Energia' iniciado por Luis França 23 Abr 2008 às 14:04.

  1. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    5,420
    Local:
    Estarreja; Costa da Caparica
    Correcto Paulo! Já vieram fazer reparos nos comentários. Acho que o objectivo é tentar simular os 0K! Ora precisamente esse valor -271,3ºC é o valor mais baixo possível de atingir (LEmbro-me dessa temática das aulas de termodinâmica), que são esses 1,85K. As razões porque se atinge esse valor exacto e nunca os -273,15 marcados como 0 absoluto permanecem para mim uma incógnita, mas isso são outras histórias :D
     
  2. Paulo H

    Paulo H
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    2 Jan 2008
    Mensagens:
    3,137
    Local:
    Castelo Branco 386m(489/366m)
    E já é bastante difícil atingir essa temperatura próxima do "zero absoluto", digo "zero absoluto = -273.15ºC" porque na realidade é difícil ou impossível de se conseguir. É fácil compreender que apesar das partículas se imobilizarem (sem energia cinética), continuam contudo a ter Energia Interna nomeadamente a nível electrónico (vibrações, translação, spin) e do núcleo, por isso o zero absoluto é um pouco subjectivo.

    Já atingir-se os 1.85k (-271.3ºC), consegue-se com um excelente e perfeito isolamento, mas essencialmente devido às propriedades dos gases, que sendo compressíveis permite-se nesse processo de compressão trocar calor, arrefecendo-se ciclicamente até os gases passarem ao estado líquido, à custa de muita energia e trabalho contínuo de compressores bem potentes.

    Observando o diagrama de fases do hidrogénio e do hélio, pode-se ainda ajustar a temperatura fazendo variar a pressão para um valor que corresponda a uma temperatura mais baixa, mas isto já é um preciosismo dadas as temperaturas conseguidas próximas do zero absoluto. O Hidrogénio ainda é o gás com temperatura mais baixa no estado líquido, preferindo-se contudo usar o Hélio dado que não é combustível. Se usassem outros gases não conseguiriam obter aquelas temperaturas (ex: N2 é líquido a -120ºC e o O2 a -160ºC aproximadamente), como já os observei, sei que são transparentes e caem como se fosse água evaporando de seguida.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  3. Brunomc

    Brunomc
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    7 Abr 2008
    Mensagens:
    1,975
    Local:
    Vendas Novas - Alto Alentejo (132m)
    afinal chegou a aparecer algum buraco ?? :lmao:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  4. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,501
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Avaria obriga a parar acelerador de partículas da Cern

    O maior acelerador de partículas do planeta, o LHC (Large Hadron Collider) que começou a funcionar a 10 de Setembro e considerada a maior experiência científica do século, ficará fora de serviço por pelo menos dois meses devido a um derrame de hélio, informou hoje a Organização Europeia para a Pesquisa Nuclear (Cern).
    Numa nota, a entidade explicou que na sexta-feira houve um derrame de hélio num sector do túnel do LHC, aparentemente por causa de uma ligação eléctrica defeituosa entre dois ímãs, o que causou uma falha mecânica.

    No LHC, um túnel circular de 27 km entre França e Suíça, os cientistas da Cern pretendem recriar as condições do «Big Bang» mediante a colisão frontal de partículas à velocidade da luz.

    In: Diário Digital
     
  5. *Dave*

    *Dave*
    Expand Collapse
    Nimbostratus

    Registo:
    29 Jun 2008
    Mensagens:
    1,912
    Local:
    ASM (Idanha-a-Nova) - Covilhã
    Fonte: http://ultimahora.publico.clix.pt/noticia.aspx?id=1343440&idCanal=13
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  6. abrantes

    abrantes
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    4 Jan 2008
    Mensagens:
    237
    Local:
    Rio de Janeiro
    Acelerador de partículas voltará a funcionar em setembro
    09 de fevereiro de 2009 • 18h55 • atualizado às 20h44




    O acelerador de partículas LHC, em pane alguns dias depois do lançamento, voltará a funcionar no final de setembro deste ano, informou nesta segunda-feira o Centro Europeu de Pesquisa Nuclear (Cern).

    O Grande Acelerador de Partículas (sigla LHC, de Large Hadron Collider (Grande Colisor de Hádrons), construído pelo Cern, representa uma avalanche de cifras impensáveis.

    O Grande Acelerador de Partículas (sigla LHC, de Large Hadron Collider (Grande Colisor de Hádrons), construído pelo Cern, representa uma avalanche de cifras impensáveis. Por exemplo: o acelerador propulsionará prótons de hidrogênio a 99,9999% da velocidade da luz em um túnel de 27 km de diâmetro oculto sob a fronteira franco-suíça; À toda velocidade, gerará quase um bilhão de colisões de prótons por segundo. Na superfície, 3 mil computadores analisarão umas 100 colisões por segundo. Os dados serão comunicados instantaneamente aos centros de pesquisa associados ao projeto no mundo inteiro graças a uma rede de informações informatizadas.

    O Cern havia anunciado num primeiro momento que o LHC retomaria sua atividade na próxima primavera (boreal) e, posteriormente, a adiou para o verão.

    O novo adiamento aprovado hoje, deve-se a medidas aplicadas para "reforçar o sistema de proteção" do acelerador, precisou o centro.

    "A agenda atual representa, sem nenhuma dúvida, o melhor para o LHC e para os físicos que esperam informações", comentou o novo diretor-geral do Cern, Rolf-Dieter Heuer, citado em comunicado.

    A nova data foi considerada "prudente" por Heuer, porque permitirá garantir que "todos os trabalhos necessários para o bom funcionamento do sistema sejam realizados".

    A construção do LHC foi fruto de 12 anos de trabalho de 7 mil físicos e representou investimento de 3,76 bilhões de euros (quase US$ 4,9 bilhões).

    O custo dos reparos ascenderá a entre US$ 26 milhões e US$ 35 milhões.

    O LHC está localizado na fronteira entre Suíça e França.

    É composto de um anel com 27Km de extensão (8,6 km de diâmetro) e está enterrado no solo a profundidade média de 100 m. Vai acelerar prótons a velocidades próximas à da luz até colidirem e destas colisões espera-se chegar a respostas sobre a origem do universo.

    Sua principal busca é pelo Bóson de Higgs, uma partícula que, pelo modelo padrão da física, deve ser a responsável pela massa de toda a matéria que existe no universo e, por conseguinte, a gravidade.

    http://noticias.terra.com.br/ciencia/interna/0,,OI3504257-EI8147,00.html
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  7. Mário Barros

    Mário Barros
    Expand Collapse
    Furacão

    Registo:
    18 Nov 2006
    Mensagens:
    12,501
    Local:
    Cavaleira (Sintra)
    Acelerador de partículas conseguiu recriar primeiros momentos após o Big Bang

    Espectacular, e o mais impressionante nisto tudo, é que ainda cá estamos :eek: :lmao:
     
  8. belem

    belem
    Expand Collapse
    Cumulonimbus

    Registo:
    10 Out 2007
    Mensagens:
    4,165
    Local:
    Sintra
    Pelo que dizem é bastante seguro.
    Já conseguiram uma pequena colisão, mas ainda não chegaram ao previsto ( embora já seja bom).
    No início deu imensas avarias, inerentes a projectos desta dimensão, complexidade e inovação, pois é MUITA informação, MUITOS cabos, MUITA coisa completamente nova...
    Mas agora vai dando alguns passos.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura

Partilhar esta Página