Notícias Especial: Chuva e Trovoada 18 Fevereiro de 2008

Tópico em 'Media' iniciado por J.Crisóstomo 18 Fev 2008 às 08:40.

  1. vitamos

    vitamos
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    11 Dez 2007
    Mensagens:
    5,261
    Local:
    Estarreja; Costa da Caparica
    - Pavilhão multiusos do Sporting fechado



    Caramba... O meu Sporting este ano passa a vida a meter água! APRE ;)
     
  2. J.Crisóstomo

    J.Crisóstomo
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    18 Nov 2007
    Mensagens:
    179
    Local:
    Queluz (166m)
    Corpo desaparecido no acidente desta manhã

    [​IMG]

    Depois de uma primeira vítima mortal retirado do automóvel, está confirmado o desaparecimento de um segundo corpo, em consequência do acidente que ocorreu esta manhã na N117 entre Queluz e Belas. Os Bombeiros de Belas já percorreram parte da ribeira do Jamor até Queluz, mas o corpo ainda não apareceu. Este acidente poderá fazer subir para duas, o número de vítimas mortais em Sintra em resultado do mau tempo desta madrugada.

    Foto: LUSA
     
  3. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,673
    Local:
    Arroja, Odivelas (140m); Várzea da Serra (900m)
    Enquanto se continuarem a construir prédios e mais prédios a escassos metros de altura em relação ao nível médio do mar, enquanto se insistir em manter as hortas mesmo em cima dos leitos destes ribeiros em terreno praticamente plano, e neles se construírem barracas e armazéns de arrumo de material, as coisas não vão melhorar. Por mais obras que se façam, é impossível travar a corrente de um leito de cheia. É idêntico ao que se passa no Ribatejo, acostumados a viver de mãos dadas com o subir das águas do rio Tejo. O vale de Odivelas, Loures e Sacavém é igual. A altura é a mesma!
    Numa das reportagens da TVI a um habitante de Sacavém dizia: "Moro aqui há quase 20 anos e nunca vi nada assim". Claro, isto porque, se não estou em erro a ultima "grande cheia em Lisboa" ocorreu em 1983 (ou 1987? Ajudem-me a ser mais preciso!;)), já para não falar de 1967 ontem falado na RTP. Mas ainda assim esse habitante foi morar para aquele lugar. Será que não sabia o quão baixo está a baixa de Sacavém?

    E felizmente estávamos em maré baixa. A maré-alta seria uma verdadeira tampa aos afluentes do Tejo, e se já assim o Trancão transbordou, com a passagem impedida eu nem quero pensar.
    E se formos a ver bem, as quantidades de precipitação foram muito idênticas a 1967. As estações em redor de Lisboa voltaram a atingir valores de precipitação superiores a 100mm. E em poucas horas.

    Em Odivelas, e graças às obras que se fizeram em torno do alargamento e limpeza da ribeira, tudo correu parcialmente bem. A água saiu do seu leito em apenas algumas zonas específicas alagando as hortas e arrastando muitos dos materiais hortícolas que se encontravam nelas. As perdas são apenas ao nível da agricultura de pequena subsistência: são pequenos pedaços de terra que pertencem a pessoas que as usam mais ou menos como passatempo. Mas em Loures as perdas devem ter sido maiores. Para lá corre toda a nossa água, e também porque lá a agricultura já tem um elevado peso económico.

    Voltando a Odivelas, o principal problema aqui, foi que com a ribeira nos limites do transbordo de água, a rotunda do Senhor Roubado à saída de Odivelas (que liga Odivelas, Lisboa, Loures) estava impedida de escoar água, e ficou intransitável, tal era a altura da água. Daí o fecho da calçada de Carriche, que provocou um parcial isolamento da cidade, com filas e filas de transito que só começou a escoar depois das 11:30.
    Este é mais um problema que nunca terá solução, uma vez que a rotunda está a 300m do leito da ribeira. A não ser que se construam diques por tudo o que é lado!

    Sinto muito a morte de quem perdeu a vida neste temporal. Sinto muito pelas perdas da maioria. Mas quanto àquelas que vão à televisão dizer que a água lhes subiu 1, 2, 3 metros, que sempre que chove muito acontece algo assim, e que a junta/câmara não os ajuda em nada, eu só lhes tenho a dizer: “SORTE!” Tiveram muita sorte por tudo ter ocorrido na hora da maré baixa. E as pessoas de Sacavém, Loures e até mesmo em Odivelas, sabem bem o risco que correm, ou não se sentisse em Sacavém e em Loures o efeito das marés, quanto mais o efeito das cheias. Ousa-se perante a natureza, e a natureza acaba por brincar com essa ousadia.

    Peço desculpa o meu “tom de revolta”, mas há determinados comportamentos neste povo português que me ultrapassam. Sempre com a mania de acusar aquele e o outro pelas coisas menos boas, quando muitas vezes a culpa é de nós mesmos. Mas e admiti-lo?
    O PDM das câmaras municipais é péssimo, sabemos disso. Mas a consciência das pessoas que construíram nesses lugares (e sabe-se que a construção de grande parte desses edifícios ribeirinhos foram feitos de forma ilegal), não é melhor. Falha o governo/autarquias, mas a meu ver a maior falha é do inconsciente que testa, neste caso, a sua própria vida.
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  4. algarvio1980

    algarvio1980
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    21 Mai 2007
    Mensagens:
    9,543
    Local:
    Olhão (24 m)
    Grua de 20 metros tombou em Olhão devido ao mau tempo

    Uma grua de 20 metros de altura tombou no passado domingo, no Loteamento da Quinta João de Ourém, no concelho de Olhão, devido ao forte vento, mas não provocou vítimas nem estragos de monta.

    A queda deu-se cerca das 10h20 da manhã, quando o vento era forte e se ouviu um grande estrondo.

    Por sorte, como se pode ver nas fotografias enviadas por um leitor, a grua caiu no meio de uma rua, e não houve nem feridos, nem prejuízos materiais de monta

    Livraram-se de estragos as viaturas e edifícios próximos e só por sorte não havia peões ou automóveis a circular.

    Rapidamente a PSP compareceu no local, que foi depois vedado, e em 24 horas já não havia vestígios da grua acidentada.

    [​IMG]

    [​IMG]

    Fonte: Barlavento Online

    :eek::eek: Impressionante:shocking:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  5. rossby

    rossby
    Expand Collapse
    Cumulus

    Registo:
    10 Mar 2007
    Mensagens:
    158
    Local:
    Ponta Delgada - São Miguel
  6. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,673
    Local:
    Arroja, Odivelas (140m); Várzea da Serra (900m)
    Mau tempo: prédio em risco de ruir

    A Câmara Municipal de Odivelas alertou esta quarta-feira para a necessidade de retirar e realojar os moradores de um prédio do Bairro da Serra da Luz que se encontra em risco de ruir na sequência do temporal de segunda-feira.

    Mau tempo deverá regressar no fim-de-semana. Famílias passaram o final de tarde e noite a desocupar o edifífio, segundo avançou a SicNotícias.

    O alerta dado em comunicado pela Câmara de Odivelas surgiu depois de os Técnicos dos Serviços Camarários terem-se deslocado ao local e verificado a «instabilidade e o perigo» que a permanência no prédio constitui para os moradores.

    «Constatou-se que o imóvel, pelo exterior, tem visíveis linhas de rotura, bem como o deslocamento que se verifica entre as paredes e a estrutura de betão, podem significar o início da rotura dos solos de fundação do prédio urbano que levará inevitavelmente ao seu deslizamento encosta abaixo», diz o comunicado.

    Face à previsão de que as condições meteorológicas durante esta semana não iam melhorar, a Câmara decidiu que se devia «convocar com carácter de urgência a Comissão Municipal de Protecção Civil e realojar provisoriamente as famílias em risco, em articulação com a Segurança Social».
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura
  7. AnDré

    AnDré
    Expand Collapse
    Staff

    Registo:
    22 Nov 2007
    Mensagens:
    10,673
    Local:
    Arroja, Odivelas (140m); Várzea da Serra (900m)
    Mau Tempo: Cerca de 400 alunos sem aulas em Odivelas

    "Lisboa, 18 Fev (Lusa) - Cerca de 400 alunos da Escola Preparatória Isabel Portugal, em Odivelas, ficaram hoje sem aulas devido à inundação de toda a área envolvente, disse à agência Lusa, a presidente da Junta de Freguesia, Graça Peixoto.


    "A escola está numa situação desastrosa e perigosa", salientou a autarca que descreve a situação da escola como sendo "do quarto mundo".

    O mau tempo causou ainda na Freguesia "alguns problemas electricos e pequenas derrocadas de muros e terras", disse a autarca.

    A responsável pela Protecção Civil da Câmara de Odivelas, Cláudia Beiró, disse que os bombeiros voluntários registaram quase uma centena de pedidos de ajuda, só até à hora do almoço.

    «A situação que requer algum cuidado é na Serra da Luz onde existe o risco de uma casa ser afectada por uma derrocada devido às águas», acrescentou a responsável.

    Ao fundo da Calçada de Carriche, via que liga Odivelas a Lisboa, hoje ao fim da tarde ainda duas máquinas pesadas estavam a retirar lamas e resíduos arrastados pelas águas, junto às bombas de abastecimento de combustíveis da Galp, o que condicionava o normal tráfego rodoviário.

    MPC."




    Esta escola é a 600 metros de minha casa! E é provisória há pelo menos 20 anos...:unsure::unsure:
     
    Collapse Signature Expandir Assinatura

Partilhar esta Página