Novas descobertas em Geociências

Tópico em 'Sismologia e Vulcanismo' iniciado por luismeteo3 17 Fev 2017 às 19:20.

  1. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Há um novo continente mas ainda não se sabe como vai aparecer nos mapas
    17 fev 2017 · 18:50

    A Nova Zelândia localiza-se num continente preexistente desconhecido, na sua maior parte submerso, a sul do oceano Pacífico, e que passará a chamar-se Zelândia, anunciaram os cientistas responsáveis pela descoberta nesta sexta-feira.

    [​IMG]

    Zelândia é uma formação geológica diferenciada que cumpre todos os critérios para ser considerada um continente: possui elevação ao redor de uma área circundante, geologia distinta, área bem definida e com crosta muito mais espessa que a do fundo do oceano, destacaram os cientistas.

    Num artigo publicado no jornal científico Geological Society of America, o GSA Today, os autores explicam que a Zelândia tem uma extensão de cinco milhões de quilómetros quadrados, dos quais 94% se encontram submersos. De todo o território, apenas três partes se mantêm na superfície: a Nova Zelândia e a Nova Caledónia.

    Os investigadores, que pertencem em sua maioria ao centro nacional de investigação científica da Nova Zelândia (GNS), afirmam que a Zelândia fez parte do supercontinente Gondwana, que afundou há 100 milhões de anos. "O valor científico de classificar Zelândia como um continente ultrapassa o facto de acrescentar um nome a uma lista", escreveram.

    "Um continente conseguir estar tão submerso sem se fragmentar faz disso algo útil a ser explorado", sublinharam. O principal autor da investigação, Nick Mortimer, informou que os cientistas estavam há mais de 20 anos a pesquisar informações para provar a existência de Zelândia. Porém, os seus esforços saíram gorados porque a maior parte do território estava oculto pelo mar. "Se pudéssemos esvaziar os oceanos, veríamos claramente onde temos cadeias montanhosas e um grande continente", contou a um canal de TV neozelandês.

    Apesar de não existir nenhum órgão científico responsável pelo reconhecimento de continentes, Mortimer queria que a Zelândia se transforme em parte constituinte do planeta Terra."Esperamos que a Zelândia apareça nos mapas", disse.
    http://24.sapo.pt/atualidade/artigo...ainda-nao-se-sabe-como-vai-aparecer-nos-mapas
     
  2. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Descobertos fósseis dos mais antigos do mundo com 3,77 mil milhões de anos
    1 mar 2017 · 18:12
    SAPO 24 com Lusa

    Fósseis com 3,77 mil milhões de anos, dos mais antigos já descobertos, foram identificados por cientistas de vários países na província do Quebec, no leste do Canadá.

    [​IMG]

    Os fósseis de minúsculos filamentos e tubos formados por bactérias estão incrustados em camadas de quartzo, no que se supõe que fosse um sistema hidrotermal subaquático onde surgiram as primeiras formas de vida, entre há 3,7 e 4,4 mil milhões de anos.

    Em 2016, foram identificados na Gronelândia fósseis com 3,7 mil milhões de anos que apontam para uma origem semelhante.

    Para o estudo hoje publicado na revista Nature, os investigadores de instituições dos Estados Unidos, Canadá, Reino Unido, Noruega e Austrália, despistaram outro tipo de classificação para as suas descobertas, confirmando que se trata de fósseis de organismos.

    "As estruturas são compostas por minerais que se formam a partir da putrefação e estão bem documentados nos registos geológicos. O facto de as termos descoberto numa das mais velhas formações de rocha conhecidas sugere que encontrámos provas diretas de uma das formas de vida mais antigas da Terra", afirmou Dominic Papineau, da Universidade da Califórnia, principal autor.

    Estas descobertas coincidem no tempo com a altura em que "Marte e a Terra tinham água líquida à superfície, colocando questões emocionantes sobre a vida extraterrestre".

    "Portanto, é de esperar que encontremos em Marte provas de vida há 04 mil milhões de anos ou, se isso não acontecer, a Terra pode ter sido uma exceção", acrescentou.
    http://24.sapo.pt/vida/artigos/desc...-antigos-do-mundo-com-377-mil-milhoes-de-anos
     
    jorgeanimal gostou disto.
  3. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Os ovos de crocodilo mais antigos do mundo estão na Lourinhã
    8 mar 2017 · 19:33

    A Lourinhã, conhecida pelos achados de fósseis e pegadas de dinossauros, tem os ovos de crocodilo mais antigos do mundo, com 150 milhões de anos, confirmaram paleontólogos num artigo científico publicado hoje.

    [​IMG]

    "Temos cascas e ovos completos de crocodilos mais antigos do mundo", afirmou à agência Lusa João Russo, um dos quatro autores do estudo "o registo mais antigo de ovos de 'crocodilomorfo'", um grupo primitivo de répteis, do Jurássico Superior, de que são descendentes os atuais crocodilos.

    Os ovos descritos no estudo, que medem cerca de sete centímetros, foram encontrados em meados dos anos 90 do século passado na mesma jazida onde os investigadores do Museu da Lourinhã descobriram um ninho de ovos de dinossauro, na praia de Paimogo.

    Os ovos encontrados nos cinco locais descritos no artigo, publicado na revista Plos One, foram sendo descobertos em sucessivas campanhas ao longo dos anos, a última das quais em 2012.

    "Na investigação preliminar feita na ocasião, chegou-se à conclusão de que alguns dos ovos eram de facto diferentes dos de dinossauro encontrados e que muito provavelmente seriam de crocodilos", explicou o investigador.

    Contudo, só com a análise laboratorial microscópica efetuada a partir de 2013 é que João Russo, Octávio Mateus, investigadores do Museu da Lourinhã e da Universidade Nova de Lisboa, Marco Marzola, da Universidade de Copenhaga (Dinamarca) e Ausenda Balbino, da Universidade de Évora, puderam confirmar as hipóteses levantadas.

    "Confirmámos que a estrutura da casca do ovo era completamente diferente da dos ovos de dinossauro e muito semelhante a ovos de crocodilo tanto fósseis como atuais", concluiu o paleontólogo, para quem "a evolução em 150 milhões de anos [dos ovos de crocodilo] foi muito pouca e os ovos praticamente mantêm-se inalterados".

    Os fosseis de ovos de crocodilo conhecidos até agora como os mais antigos foram descobertos no Texas, Estados Unidos, e pertencem ao Cretácico Inferior, com 140 milhões de anos.

    O achado vem enriquecer o espólio do Museu da Lourinhã, conhecida como "Capital dos Dinossauros" e um dos locais paleontológicos mais ricos do mundo após o achado, em 1993, do ninho de dinossauros, o maior e com os mais antigos embriões até então encontrados.

    "Sabíamos da existência de fósseis de dinossauro e de crocodilo, assim como de ovos de dinossauro. Mas desconhecíamos a existência de ovos de crocodilo e agora sabemo-lo. É mais um testemunho de que a Lourinhã é extremamente rica em termos de fósseis do Jurássico Superior e é uma referência a nível mundial", afirmou o investigador.

    No estudo, os paleontólogos apontam também para semelhanças existentes entre fósseis de ovos de 'crocodilomorfo' com ovos de dinossauros terópodes (bípedes), e relações reprodutivas entre as duas espécies.

    O estudo resultou de uma investigação financiada pela Fundação para a Ciência e Tecnologia.
    http://24.sapo.pt/atualidade/artigos/os-ovos-de-crocodilo-mais-antigos-do-mundo-estao-na-lourinha
     
    Thomar e Prof BioGeo gostaram disto.
  4. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    [​IMG]
    O ‘Parque Jurássico’ da Austrália. Descobertas as maiores pegadas de dinossauro do mundo
    DR. Queensland University27/03/2017 15:30
    186 FACEBOOK TWITTER
    Cientistas dizem que esta é uma descoberta “sem precedentes”

    É uma das maiores descobertas da história da Paleontologia: foram encontradas na Austrália 150 pegadas de 21 espécies de dinossauro, alguns deles os maiores alguma vez registados, anunciou a Universidade de Queensland esta segunda-feira. Há pegadas que medem 1,7 metros de largura e, até hoje, nunca tinha sido encontrado um número tão variado de espécies num só local.

    As pegadas foram descobertas a noroeste da Austrália, numa faixa de cerca de 25 km da península de Dampier, na região de Walmadany, numa zona que já recebeu a alcunha de “Australia’s Jurassic Park”.

    A equipa de cientistas responsável pela descoberta, composta por paleontologistas da Universidade de Queensland e da Universidade James Cook, passou mais de 400 horas a estudar as descobertas e estima que as pegadas, ‘calcadas’ em rochas, têm entre 90 e 115 milhões de anos.

    Curiosamente, os cientistas foram avisados pelo povo aborígene Gollarabooloo, que habita o local, sobre o potencial desta zona rochosa após o governo australiano ter escolhido Walmadany para instalar um complexo de gás natural em 2008.

    "Entre as pegadas está a única prova confirmada de um estegossauro na Austrália. Além disso, há algumas que pertenciam aos maiores dinossauros já registados", disse o biólogo e geólogo Steve Salisbury.O biólogo diz que esta é uma “descoberta sem precedentes” e a equipa acredita que ainda há milhares de pegadas por estudar em Walmadany.

    Por agora, foram identificadas 21 espécies dos quatro principais grupos de dinossauros. "Há cinco tipos de pegadas de dinossauros predadores, pelo menos seis tipos de pegadas de saurópodes herbívoros de pescoço longo, quatro tipos de pegadas de ornitópodes herbívoros bípedes e seis tipos de pegadas de dinossauros com carapaça", explicou Salisbury.

    A descoberta é o “primeiro registo de dinossauros não aviários na parte ocidental do continente, que fornece um vislumbre único da fauna de dinossauros da Austrália durante a primeira metade do Período Cretáceo inferior”, disse o especialista. “É um lugar mágico. O Jurassic Park da Austrália”.
    https://ionline.sapo.pt/555427
     
  5. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Fósseis de dinossauros e tartarugas com 150 milhões de anos encontrados em Pombal
    11 abr, 2017 - 17:40

    Especialistas descobriram vértebras ainda por identificar que poderão pertencer a dinossáurios saurópodes.
    [​IMG]
    Foto: Muhnac

    Fósseis de dinossauros e de tartarugas que viveram há 150 milhões de anos foram descobertos em Pombal, anunciou esta terça-feira o Museu Nacional de História Natural e da Ciência (MUHNAC).

    A paleontóloga do MUHNAC, Elisabete Malafaia, disse que durante a escavação no Monte Agudo, em Pombal, foram "encontrados elementos fossilizados de tartarugas e diversas vértebras ainda por identificar mas que poderão pertencer a dinossáurios saurópodes".

    Os saurópodes eram dinossauros muito grandes e, apesar de serem conhecidos em vários locais da Bacia Lusitânica, bacia sedimentar que se localiza na margem ocidental da placa ibérica, ainda eram "relativamente escassos nos níveis do Jurássico Superior na região de Pombal", segundo a investigadora, citada num comunicado do MUHNAC.

    Elisabete Malafaia acrescenta que "esta descoberta vem confirmar o elevado potencial paleontológico e interesse científico da região de Pombal para o conhecimento dos ecossistemas com dinossáurios em Portugal do final do Jurássico", apesar de ainda existirem muitas coisas por desvendar.

    Este é um dos resultados da primeira parte de uma campanha de escavação feita por paleontólogos portugueses e espanhóis do MUHNAC e do Instituto Dom Luiz, da Universidade de Lisboa e do Grupo de Biologia Evolutiva, da Universidade Nacional de Educação à Distância de Madrid, com o apoio das autoridades locais.

    A escavação em Monte Agudo decorreu entre 21 e 25 de Março com o objectivo de avaliar o potencial paleontológico do local, depois de os cientistas terem sido alertados há alguns meses pelo dono de um terreno da existência de ossos fossilizados no local.

    De acordo com o comunicado, os fósseis vão "ser preparados e restaurados de forma a poderem integrar as colecções do MUHNAC".

    Os trabalhos ainda não estão finalizados, no entanto já está planeada uma nova campanha de escavação para os próximos meses, refere ainda o MUHNAC.
    http://rr.sapo.pt/noticia/80920/fos..._de_anos_encontrados_em_pombal?utm_source=rss
     
    rokleon gostou disto.
  6. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Descobertos fósseis de nova criatura marinha que pode estar na origem de lagostas e centopeias
    26 abr 2017 18:31
    MadreMedia com Lusa
    Vida
    Paleontólogos identificaram fósseis, com 507 milhões de anos, de uma nova criatura marinha que podem clarificar a origem dos mandibulados, o mais abundante e diverso subgrupo de seres vivos na Terra ao qual pertencem moscas, formigas, lagostas ou centopeias.

    [​IMG]


    Os fósseis foram identificados no Canadá por uma equipa da Universidade de Toronto e do Museu Real de Ontário, tendo as conclusões do trabalho sido publicadas hoje na revista científica Nature.

    A criatura, uma mistura de caranguejo, centopeia e raia na aparência e a que os paleontólogos deram o nome científico 'Tokummia katalepsis', é considerada "um novo e bem preservado" artrópode, grupo de animais invertebrados com membros segmentados e exosqueletos (que revestem a parte externa do corpo, como as escamas ou as carapaças) rígidos, assinala a universidade canadiana num comunicado.

    A nova espécie documenta, pela primeira vez, em detalhe a anatomia dos antigos mandibulados, subgrupo dos artrópodes que possuem mandíbulas, usadas para agarrar, esmagar e cortar alimentos.

    "Até agora, tínhamos apenas indicações dispersas de como os primeiros artrópodes com mandíbulas eram e nenhuma ideia de quais poderiam ter sido as outras características-chave que desencadearam a diversificação do grupo", assinalou o autor principal da investigação, Cédric Aria.



    [​IMG]


    O 'Tokummia katalepsis', um nadador ocasional com cerca de 10 centímetros de comprimento, viveu num mar tropical e estava entre os maiores predadores do período Cambriano.

    O seu corpo era constituído por mais de 50 pequenas patas, que terminavam em pinças como as dos caranguejos e estavam cobertas por uma estrutura semelhante a uma carapaça cuja forma faz lembrar uma raia. As duas pinças maiores, na parte dianteira do animal, serviam possivelmente para capturar presas na lama.

    Os fósseis provêm de rochas sedimentares perto de Marble Canyon, no Parque Nacional de Kootenay, na Colúmbia Britânica, no Canadá, e foram descobertos numa campanha conduzida pelo Museu Real de Ontário, em 2014.

    De acordo com o paleontólogo Cédric Aria, o estudo sugere que um número de outros fósseis do sítio Burgess Shale, como os das espécies 'Branchiocaris', 'Canadaspis' e 'Odaraia', formam com os de 'Tokummia katalepsis' um tipo de artrópodes parecidos com crustáceos (caranguejos, lagostas...) que pode agora ser "colocado na base de todos os mandibulados".

    O depósito de fósseis Marble Canyon foi descoberto numa prospeção realizada pelo Museu Real de Ontário, em 2012, e faz parte do sítio Burgess Shale, património mundial desde 1980 e localizado entre os parques nacionais de Yono e Kootenay, nas montanhas rochosas canadianas.
    http://24.sapo.pt/vida/artigos/desc...pode-estar-na-origem-de-lagostas-e-centopeias
     
  7. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Jurássico de Peniche revela extinção marinha de 1 milhão de anos
    Almerinda Romeira

    13:32
    Um estudo, no qual participa um investigador da Universidade de Coimbra, revela que um fenómeno ocorrido há cerca de 182 milhões de anos provocou uma extinção marinha à escala global, com a duração de um milhão de anos.

    O estudo, liderado pela Universidade inglesa de Exeter, no qual participou o docente e investigador da Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra, Luís Vítor Duarte, foi desenvolvido nas arribas calcárias da península de Peniche, referência internacional no que respeita ao estudo do Jurássico Inferior, e no furo de sondagem Mochras, País de Gales.

    Os investigadores concluem que o fenómeno de anoxia marinha e de perturbação do ciclo de dióxido de carbono ocorrido há cerca de 182 milhões de anos, no Toarciano (Jurássico Inferior) provocou uma importante extinção marinha à escala global, que terá durado cerca de um milhão de anos.


    Os resultados do estudo mostram que estamos perante um fenómeno de causa-efeito. O investigador Luís Vítor Duarte explica essa relação: “Devido ao aumento da concentração de CO2, cuja origem tem sido largamente debatida, os fundos dos oceanos terão ficado pobres em oxigénio e a atmosfera, pela amplificação do efeito de estufa, terá aquecido substancialmente, associando-se a toda esta conjugação de fatores, a extinção de alguns grupos de invertebrados. Com o aumento da concentração do chamado carvão vegetal (charcoal), em sedimentos cerca de um milhão de anos mais recentes do que o início do referido episódio de anoxia, demonstra-se o timing do restabelecimento das condições de oxigenação dos ambientes marinhos e continentais bem como a recuperação da biosfera.”

    O estudo foi agora publicado na revista científica Nature Communications.

    http://www.jornaleconomico.sapo.pt/...a-extincao-marinha-de-1-milhao-de-anos-184344
     
  8. luismeteo3

    luismeteo3
    Expand Collapse
    Super Célula

    Registo:
    14 Dez 2015
    Mensagens:
    5,774
    Local:
    Fatima
    Descobertos fósseis que revelam segredos da origem dos mamíferos modernos
    7/11/2017, 22:31
    Uma equipa de paleontologistas no sul de Inglaterra descobriu dentes fossilizados que podem pertencer a mamíferos que são antepassados da maioria dos mamíferos modernos.

    Partilhe
    [​IMG]
    Mark Witton


    Paleontologistas da Universidade de Porthsmouth, no sul de Inglaterra, descobriram um par de dentes fossilizados na região de Dorset que podem pertencer às mais antigas espécies de mamífero placental e que são antepassados da grande maioria dos mamíferos, incluindo os seres humanos.

    Os fósseis encontravam-se em rochas do período Cretáceo, da era Mesozoica. Isto significa que são rochas que têm entre 66 e 145 milhões de anos. Os dentes fossilizados pertencem a espécies denomidadas Durlstodon ensomi e Durlstotherium newmani. Estas espécies recém descobertas fazem parte do grupo dos Eutheria. Os mamíferos deste grupo são placentários, ou seja, as suas crias desenvolvem-se completamente no interior do organismo da mãe. É o grupo de mamíferos mais bem sucedido do planeta, incluindo uma diversidade de espécies que vai desde a baleia azul até ao ser humano.

    [​IMG]
    Dentes fossilizados das espécies Durlstotherium newmani (A1-4) e Dulstodon ensomi (B1-4), encontrados por paleontologistas da Universidade de Portsmouth em Dorset, no sul de Inglaterra. Crédito: SCS/Sweetman et al.

    A descoberta destes dentes aconteceu um pouco por acaso, contou Steven Sweetman, o investigador que liderou o estudo, ao The Guardian. Grant Smith, um aluno de licenciatura, estava a ver umas amostras de rochas do período Cretáceo “na esperança de encontrar alguns restos interessantes”, disse Sweetman. Quando descobriu os fósseis, Grant sabia que tinha mamíferos em mãos. Contudo, não sabia que os que tinha eram tão especiais.

    “O meu queixo caiu”, recordou Sweetman, que disse ter-se apercebido “de imediato que estava a olhar para restos de mamíferos do Cretáceo Inferior”. Os dentes dos mamíferos são complexos e têm especializações únicas, pelo que bastam apenas alguns dentes para os paleologistas perceberem a que grupo de mamíferos ou a que espécie pertencem, mesmo que seja uma nunca antes vista. Foi esse o caso. Segundo os investigadores, estes animais eram, muito provavelmente, notívagos. As suas estruturas eram semelhantes à de um rato.

    A descoberta foi publicada no “Acta Palaeontologica Polonica”, uma publicação de paleontologia e paleobiologia. Estes fósseis podem ou não ser os exemplares mais antigos de um mamífero eutheriano. Em 2011, um grupo de investigadores chineses descobriu um fóssil na formação de rochas jurássicas de Tiaojishan que dizem ser o exemplar de eutheriano mais antigo de que há conhecimento. O fóssil pertence a uma espécie denominaram juramaia, e, segundo os investigadores, tem 160 milhoes de anos. Contudo, esta afirmação é disputada. A descoberta de Sweetman e da restante equipa não é.

    Outro estudo lançado esta semana sugere que as primeiras espécies de mamíferos eram todas notívagas, tendo passado a viver de dia quando os dinossauros se extinguiram. Este estudo, publicado na Nature Ecology and Evolution, pode indicar o porquê de existirem poucos mamíferos modernos que sejam diurnos.
    http://observador.pt/2017/11/07/des...am-segredos-da-origem-dos-mamiferos-modernos/
     
    The Weatherman gostou disto.

Partilhar esta Página