Plantações de milho destruídas pela subida das águas da Ria de Ovar

Gerofil

Super Célula
Registo
21 Mar 2007
Mensagens
9,755
Local
Estremoz (401 metros)
Destruídos cerca de 200 hectares de milho em Ovar

Representantes dos agricultores com terrenos junto à Ria de Ovar reuniram esta segunda-feira com a autarquia para definir uma intervenção que evite o avanço das águas sobre as colheitas e os estragos nelas provocados pela salinidade da água.
A Associação da Lavoura do Distrito de Aveiro (ALDA) já alertara a semana passada para as dezenas de toneladas de milho destruído pelo avanço das marés durante o mês de Agosto e Albino Silva, presidente desse organismo, defende que "alguém tem que resolver o problema". "O avanço das marés afecta as áreas de cultivo e a segurança das pessoas", refere, "e as entidades responsáveis têm que encontrar uma solução".
Manuel Alves de Oliveira, presidente da Câmara Municipal de Ovar, declarou à Lusa que "já muito antes desta situação" a autarquia comunicara o problema ao Ministério da Agricultura e à Administração da Região Hidrográfica (ARH) do Centro. Para o autarca, "agora há necessidade de uma intervenção urgente" e essa deve verificar-se a dois níveis: "Por um lado, é preciso ressarcir os agricultores dos prejuízos que estão a ter e, por outro, são necessárias pequenas intervenções no imediato para ajudar a atenuar o avanço das águas e os estragos provocados pela salinidade".
Manuel Alves de Oliveira adianta que "o programa Polis para a Ria de Aveiro tem programado um conjunto de intervenções que, a curto e médio prazo, deverão atenuar o problema" - é o caso de dragagens, desassoreamentos e a requalificação de núcleos lagunares. Mas como "o que está previsto no Polis é que essas intervenções só se possam iniciar apenas dentro de um ano, ou ano e meio", o presidente da Câmara de Ovar afirma: "O que vamos pedir ao Ministério e à ARH é alguma urgência na recuperação de diques e motas, com vista à prevenção de riscos".
As plantações de milho que a semana passada foram destruídas pela subida das águas da Ria de Ovar situam-se no lugar da Marinha. As inundações das áreas de cultivo devem-se ao movimento das marés, cuja amplitude é maior desde que tiveram início as obras na barra de Aveiro.

Fonte: SIC